Superficiais | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/1/2013
Superficiais
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3200 Acessos

Uma das assinaturas que sempre visito no meu Google Reader é o sublime English Russia. O site é alimentado pelos leitores, que enviam fotos e vídeos do maravilhoso mundo russo: usinas nucleares abandonadas, cidades fantasmas, raposas siberianas em caça, imensas fábricas de sal, festas de mergulho em lagos congelados; o cotidiano de usinas nucleares, a catástrofe de Chernobyl; extração de caviar, casas de madeira, ferros velhos de helicópteros; hospitais abandonados, instalações das forças armadas russas, radares abandonados, o cotidiano dos soviéticos em 1960; a construção do teatro de Novosibirsk, abrigos nucleares, a primavera no Kazaquistão, o museu de cera em São Petersburgo; áreas de testes nucleares, a ciência médica soviética da década de 1970, uma colina que pega fogo sozinha, enfim, muitas estranhices e muitas coisas envolvendo outras coisas "abandonadas", "nucleares" e "militares".

Sempre que visito o site, não importa em que link eu clique, acho que é de uma terra que não existe, de um universo paralelo, do futuro de um passado sonhado por um adolescente hormonal e entorpecido, uma realidade mais hipotética que as do blog Paleofuture (um acervo de paleologia futurista, coleções do futuro como imaginado antigamente), numa geografia tão inédita quanto qualquer uma documentada pelo Atlas Obscura (outro acervo, mas de localidades peculiares e reais de todo o planeta). No English Russia, tudo é mais, todo traço de aceitabilidade e adequação, social ou individual, é ignorado e quase todas as leis da física são desafiadas. É maravilhoso. É como se uma nação houvesse sido criada do dia para noite por alienígenas desmemoriados e indiferentes à maneira como os demais humanos têm vivido nos últimos milênios, e esta nação criada não quer nada senão viver numa boa, na tranquilidade do seu cotidiano. Claro, os tais alienígenas estavam sob o efeito de alguma droga emancipadora da consciência quando de sua brincadeira demiúrgica.

Esta é a Rússia que aparece no site. Ela é um recorte feito pelos leitores, um recorte coletivo. Como o site é atualizado constantemente, às vezes com mais de um link por dia, é de se imaginar que esta Rússia caricatural seja um sonho lúcido (e apaixonante) de milhares de insanos conectados à Internet, um sonho habitado por gente incrível, feliz e idiota. Eu adoro esta Rússia.

O Google Reader é minha fonte de leituras virtuais. Minha conta tem apenas 64 inscrições, um número que considero baixo; mas, de acordo com meu temperamento ruminante, poucas assinaturas me garantem um passeio virtual tranquilo. É bem diferente do que experimento quando acesso Facebook ou Twitter, tanto um quanto outro um grande aperreio, onde coluna social e noticiário se misturam inextrincavelmente.

Este número reduzido de assinaturas também é uma maneira de me proteger da superficialidade, como mais ou menos a definiu Nicholas Carr, no soberbo A Geração Superficial (Agir, 2011, 311 págs., tradução de Mônica Gagliotti Fortunato Friaça).

O livro de Carr nasceu de um artigo que ele escreveu, em 2008, para a revista The Atlantic. Lembro de ter lido o artigo naquele mesmo ano, pelo site da revista. Gostei tanto que procurei por ela em todas as bancas aqui do interior (Brasília), e a achei, milagrosamente. Ainda hoje eu a tenho, mesmo que perdida em algum lugar, em alguma caixa (por conta de uma recente mudança de residência). O famoso artigo se chama "Is Google Making Us Stupid?". Talvez, sim, o Google esteja nos emburrecendo. Não só o Google, mas o próprio o uso da Internet, só que aí não seria exatamente culpa do Google. A questão é que a cultura de hoje não demanda a concentração contínua, mas a fragmentada, se é que é possível isso de concentração fragmentada. Há quem chame isso de multitasking. Enfim, o livro do Carr afirma que esta atenção polivalente é prejudicial (estou resumindo drasticamente todo o livro). É claro que o livro pode ser facilmente classificado como "ludista", de que este é um argumento contra o uso da Internet, isso e aquilo, mas "ludista" é um argumento igualmente fácil de ignorar.

Há algo mais em jogo neste problema da concentração versus Internet, algo físico, intrínseco e fundamental: o cérebro do ser humano. Nós já sabemos que matéria (cérebro) e pensamento estão ligados um ao outro de maneira tão, digamos, figadal, que é possível dizer que são a mesma coisa. Há muitas leituras cerebrais em voga atualmente, que nos têm familiarizado com neurologia e psicologia cognitiva. Steven Pinker, o grande cientista popular, cujos livros O Instinto da Linguagem e Tabula Rasa são ideais para compreender o cérebro como órgão de brilho inato, além de belamente escritos. Malcolm Gladwell, o contador de histórias (de quem Pinker não gosta) que conta, sim, coisas interessantes - seu Outliers - Foras de série, embora use todas as formulinhas manjadas que fizeram de Gladwell um best-seller, é um argumento poderoso em favor do lema aristotélico "hábito é excelência", e popularizou a hoje famosa teoria das dez mil horas. Joshua Foer, o jornalista científico que escreveu o rico e divertido Moonwalking with Einstein (me nego a usar o título do livro traduzido por aqui), sobre os poderes, usos e mecanismos da memória. Andrew Solomon, autor do magnífico e transformador O Demônio do Meio-Dia, um dos livros mais poderosos que já li, um relato pessoal, erudito e abrangente sobre a depressão. Há mais leituras que tratam do cérebro, sob outros aspectos, gente que eu não li ainda, como o nosso Miguel Nicolelis e o anjo caído Jonah Lehrer. O que toda essa gente diz igual, inclusive Carr, é que o que você pensa e como você pensa define a maneira como seu cérebro se constitui neuroquimicamente (a neurociência de hoje resumida numa sentença com menos de 140 caracteres). O uso constante da Internet está alterando a própria estrutura do nosso cérebro e nossa maneira de pensar, nos tornando mais imediatistas, mais rasos, mais superficiais, incapazes de nos dedicar à leitura contínua de um livro, ou qualquer esforço mental contínuo e isolado. Este é um dos argumentos mais simpáticos do livro: o uso da Internet nos tem tirado a capacidade da leitura, uma perda que poderá ser irreversível. Não só da leitura, mas toda capacidade de atenção contínua.

Claro, há um tom apocalíptico nesta afirmação, algo exagerado, mas provido de fundamento, que é a neuroplasticidade (que também foi tratada pelos autores, os que li, citados acima, mas nem sempre pelo nome). Ela é como o cérebro se reestrutura de acordo com a maneira como o usamos, e por estrutura cerebral entenda redes neurais, com todos aqueles nomes que estudamos e esquecemos no ensino médio. O cérebro não é um órgão estático, ele se altera com o tempo, de acordo com os hábitos - e ele gosta de se habituar.

A tal neuroplasticidade, embora forneça "a todos nós uma flexibilidade mental, uma elasticidade intelectual que nos permite adaptarmo-nos a novas situações, aprender novas habilidades e expandir nossos horizontes de modo geral", "ela também impõe a sua própria forma de determinismo ao nosso comportamento. Quando circuitos particulares do nosso cérebro se fortalecem através da repetição de uma atividade física ou mental, eles começam a transformar essa atividade em um hábito". Ou seja, se você passa muito tempo sentado em frente às redes sociais, ligado nas SMS's que chegam no celular e na novela que passa na tevê, mais você vai gostar desse sedentarismo hiperdispersivo. Um caminho sem volta, porque "plástico não significa elástico, em outras palavras. Nossos enlaces neurais não retornam repentinamente ao seu estado anterior do mesmo modo que um elástico de borracha; eles se fixam no seu estado alterado. E nada garante que o novo estado seja desejável."

Eu ainda não sei o impacto que A Geração Superficial causará no mainstream, se é que causará algum impacto. É um livro que tem coisas a dizer, que sintetiza com competência assuntos como neuroplasticidade, história do livro e da leitura, choques intelectuais entre novas e velhas tecnologias e Internet e inteligência artificial. Todos assuntos "quentes" neste momento histórico. Da lista dos assuntos hoje indispensáveis, Carr só não mencionou células-tronco, casamento gay, energia limpa e pandas estéreis. Sei que não é um livro como Inteligência Emocional, um best-seller noventista de cunho "científico" que, no fundo, não tinha nada a dizer, e que, espantosamente, continua a vender. O livro do Carr é significativo e me deixou inquieto por tocar numa questão que eu já remoía há algum tempo, que foi o que me fez, entre outras medidas, dar uso ao Reader: filtrar conteúdo, eleger o interessante, priorizar o importante. Se a gente se deixar levar por todos os links que aparecem, por todos os memes do último minuto e virais de grande circulação, nossa alfabetização será inteiramente dizimada por gatinhos fofinhos e buldogues trapalhões, e passaremos a grunhir para o monitor e babar sobre o teclado.

Depois de ler as 311 páginas de A Geração Superficial, é de se temer mesmo que qualquer visita ao Fuck Yeah Dementia!!1 me incapacite para sempre de ler Os Sertões. O problema é que, por mais que a Internet drene as energias atentivas de uma pessoa, por mais que Google e demais Leviatãs incentivem a dispersão e os cliques intermináveis (este incentivo é uma das afirmações do livro), qualquer coisa que valha minimamente a pena dependerá de concentração contínua. No meio de todo o Apocalipse previsto por Carr, vejo que há uma prosaica questão de escolha aí. Ou se deixar levar, em qualquer direção, ou se educar, em sentido amplo. A uma ou a outra escolha, seu cérebro se adaptará numa boa, já a sua consciência...

Enquanto isso, visite o English Russia. É hilário.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 30/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
02. A metade da vida de Guilherme Pontes Coelho
03. A Poética do Chá de Felipe Leal
04. Autoajuda e Poesia de Mariana Portela
05. A casa da Poesia de Mariana Portela


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Dreadlocks - 2/1/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
03. Superficiais - 30/1/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
05. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês