Superficiais | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #06 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/1/2013
Superficiais
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3200 Acessos

Uma das assinaturas que sempre visito no meu Google Reader é o sublime English Russia. O site é alimentado pelos leitores, que enviam fotos e vídeos do maravilhoso mundo russo: usinas nucleares abandonadas, cidades fantasmas, raposas siberianas em caça, imensas fábricas de sal, festas de mergulho em lagos congelados; o cotidiano de usinas nucleares, a catástrofe de Chernobyl; extração de caviar, casas de madeira, ferros velhos de helicópteros; hospitais abandonados, instalações das forças armadas russas, radares abandonados, o cotidiano dos soviéticos em 1960; a construção do teatro de Novosibirsk, abrigos nucleares, a primavera no Kazaquistão, o museu de cera em São Petersburgo; áreas de testes nucleares, a ciência médica soviética da década de 1970, uma colina que pega fogo sozinha, enfim, muitas estranhices e muitas coisas envolvendo outras coisas "abandonadas", "nucleares" e "militares".

Sempre que visito o site, não importa em que link eu clique, acho que é de uma terra que não existe, de um universo paralelo, do futuro de um passado sonhado por um adolescente hormonal e entorpecido, uma realidade mais hipotética que as do blog Paleofuture (um acervo de paleologia futurista, coleções do futuro como imaginado antigamente), numa geografia tão inédita quanto qualquer uma documentada pelo Atlas Obscura (outro acervo, mas de localidades peculiares e reais de todo o planeta). No English Russia, tudo é mais, todo traço de aceitabilidade e adequação, social ou individual, é ignorado e quase todas as leis da física são desafiadas. É maravilhoso. É como se uma nação houvesse sido criada do dia para noite por alienígenas desmemoriados e indiferentes à maneira como os demais humanos têm vivido nos últimos milênios, e esta nação criada não quer nada senão viver numa boa, na tranquilidade do seu cotidiano. Claro, os tais alienígenas estavam sob o efeito de alguma droga emancipadora da consciência quando de sua brincadeira demiúrgica.

Esta é a Rússia que aparece no site. Ela é um recorte feito pelos leitores, um recorte coletivo. Como o site é atualizado constantemente, às vezes com mais de um link por dia, é de se imaginar que esta Rússia caricatural seja um sonho lúcido (e apaixonante) de milhares de insanos conectados à Internet, um sonho habitado por gente incrível, feliz e idiota. Eu adoro esta Rússia.

O Google Reader é minha fonte de leituras virtuais. Minha conta tem apenas 64 inscrições, um número que considero baixo; mas, de acordo com meu temperamento ruminante, poucas assinaturas me garantem um passeio virtual tranquilo. É bem diferente do que experimento quando acesso Facebook ou Twitter, tanto um quanto outro um grande aperreio, onde coluna social e noticiário se misturam inextrincavelmente.

Este número reduzido de assinaturas também é uma maneira de me proteger da superficialidade, como mais ou menos a definiu Nicholas Carr, no soberbo A Geração Superficial (Agir, 2011, 311 págs., tradução de Mônica Gagliotti Fortunato Friaça).

O livro de Carr nasceu de um artigo que ele escreveu, em 2008, para a revista The Atlantic. Lembro de ter lido o artigo naquele mesmo ano, pelo site da revista. Gostei tanto que procurei por ela em todas as bancas aqui do interior (Brasília), e a achei, milagrosamente. Ainda hoje eu a tenho, mesmo que perdida em algum lugar, em alguma caixa (por conta de uma recente mudança de residência). O famoso artigo se chama "Is Google Making Us Stupid?". Talvez, sim, o Google esteja nos emburrecendo. Não só o Google, mas o próprio o uso da Internet, só que aí não seria exatamente culpa do Google. A questão é que a cultura de hoje não demanda a concentração contínua, mas a fragmentada, se é que é possível isso de concentração fragmentada. Há quem chame isso de multitasking. Enfim, o livro do Carr afirma que esta atenção polivalente é prejudicial (estou resumindo drasticamente todo o livro). É claro que o livro pode ser facilmente classificado como "ludista", de que este é um argumento contra o uso da Internet, isso e aquilo, mas "ludista" é um argumento igualmente fácil de ignorar.

Há algo mais em jogo neste problema da concentração versus Internet, algo físico, intrínseco e fundamental: o cérebro do ser humano. Nós já sabemos que matéria (cérebro) e pensamento estão ligados um ao outro de maneira tão, digamos, figadal, que é possível dizer que são a mesma coisa. Há muitas leituras cerebrais em voga atualmente, que nos têm familiarizado com neurologia e psicologia cognitiva. Steven Pinker, o grande cientista popular, cujos livros O Instinto da Linguagem e Tabula Rasa são ideais para compreender o cérebro como órgão de brilho inato, além de belamente escritos. Malcolm Gladwell, o contador de histórias (de quem Pinker não gosta) que conta, sim, coisas interessantes - seu Outliers - Foras de série, embora use todas as formulinhas manjadas que fizeram de Gladwell um best-seller, é um argumento poderoso em favor do lema aristotélico "hábito é excelência", e popularizou a hoje famosa teoria das dez mil horas. Joshua Foer, o jornalista científico que escreveu o rico e divertido Moonwalking with Einstein (me nego a usar o título do livro traduzido por aqui), sobre os poderes, usos e mecanismos da memória. Andrew Solomon, autor do magnífico e transformador O Demônio do Meio-Dia, um dos livros mais poderosos que já li, um relato pessoal, erudito e abrangente sobre a depressão. Há mais leituras que tratam do cérebro, sob outros aspectos, gente que eu não li ainda, como o nosso Miguel Nicolelis e o anjo caído Jonah Lehrer. O que toda essa gente diz igual, inclusive Carr, é que o que você pensa e como você pensa define a maneira como seu cérebro se constitui neuroquimicamente (a neurociência de hoje resumida numa sentença com menos de 140 caracteres). O uso constante da Internet está alterando a própria estrutura do nosso cérebro e nossa maneira de pensar, nos tornando mais imediatistas, mais rasos, mais superficiais, incapazes de nos dedicar à leitura contínua de um livro, ou qualquer esforço mental contínuo e isolado. Este é um dos argumentos mais simpáticos do livro: o uso da Internet nos tem tirado a capacidade da leitura, uma perda que poderá ser irreversível. Não só da leitura, mas toda capacidade de atenção contínua.

Claro, há um tom apocalíptico nesta afirmação, algo exagerado, mas provido de fundamento, que é a neuroplasticidade (que também foi tratada pelos autores, os que li, citados acima, mas nem sempre pelo nome). Ela é como o cérebro se reestrutura de acordo com a maneira como o usamos, e por estrutura cerebral entenda redes neurais, com todos aqueles nomes que estudamos e esquecemos no ensino médio. O cérebro não é um órgão estático, ele se altera com o tempo, de acordo com os hábitos - e ele gosta de se habituar.

A tal neuroplasticidade, embora forneça "a todos nós uma flexibilidade mental, uma elasticidade intelectual que nos permite adaptarmo-nos a novas situações, aprender novas habilidades e expandir nossos horizontes de modo geral", "ela também impõe a sua própria forma de determinismo ao nosso comportamento. Quando circuitos particulares do nosso cérebro se fortalecem através da repetição de uma atividade física ou mental, eles começam a transformar essa atividade em um hábito". Ou seja, se você passa muito tempo sentado em frente às redes sociais, ligado nas SMS's que chegam no celular e na novela que passa na tevê, mais você vai gostar desse sedentarismo hiperdispersivo. Um caminho sem volta, porque "plástico não significa elástico, em outras palavras. Nossos enlaces neurais não retornam repentinamente ao seu estado anterior do mesmo modo que um elástico de borracha; eles se fixam no seu estado alterado. E nada garante que o novo estado seja desejável."

Eu ainda não sei o impacto que A Geração Superficial causará no mainstream, se é que causará algum impacto. É um livro que tem coisas a dizer, que sintetiza com competência assuntos como neuroplasticidade, história do livro e da leitura, choques intelectuais entre novas e velhas tecnologias e Internet e inteligência artificial. Todos assuntos "quentes" neste momento histórico. Da lista dos assuntos hoje indispensáveis, Carr só não mencionou células-tronco, casamento gay, energia limpa e pandas estéreis. Sei que não é um livro como Inteligência Emocional, um best-seller noventista de cunho "científico" que, no fundo, não tinha nada a dizer, e que, espantosamente, continua a vender. O livro do Carr é significativo e me deixou inquieto por tocar numa questão que eu já remoía há algum tempo, que foi o que me fez, entre outras medidas, dar uso ao Reader: filtrar conteúdo, eleger o interessante, priorizar o importante. Se a gente se deixar levar por todos os links que aparecem, por todos os memes do último minuto e virais de grande circulação, nossa alfabetização será inteiramente dizimada por gatinhos fofinhos e buldogues trapalhões, e passaremos a grunhir para o monitor e babar sobre o teclado.

Depois de ler as 311 páginas de A Geração Superficial, é de se temer mesmo que qualquer visita ao Fuck Yeah Dementia!!1 me incapacite para sempre de ler Os Sertões. O problema é que, por mais que a Internet drene as energias atentivas de uma pessoa, por mais que Google e demais Leviatãs incentivem a dispersão e os cliques intermináveis (este incentivo é uma das afirmações do livro), qualquer coisa que valha minimamente a pena dependerá de concentração contínua. No meio de todo o Apocalipse previsto por Carr, vejo que há uma prosaica questão de escolha aí. Ou se deixar levar, em qualquer direção, ou se educar, em sentido amplo. A uma ou a outra escolha, seu cérebro se adaptará numa boa, já a sua consciência...

Enquanto isso, visite o English Russia. É hilário.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 30/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
04. Livrarias de Ricardo de Mattos
05. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Dreadlocks - 2/1/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
03. Superficiais - 30/1/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
05. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS PLANTAS MEDICINAIS
ALBANO FERREIRA MARTINS
CABRAL
(1998)
R$ 4,24



A ARTE DA MEDITAÇÃO
DANIEL GOLEMAN
SEXTANTE
(1999)
R$ 10,00



TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO
ELIZABETH M. CHRISTPHER
CLIO
(1996)
R$ 29,90
+ frete grátis



ESQUETES DE NOVA ORLEANS
WILLIAM FAULKNER
JOSÉ OLYMPIO
(2002)
R$ 20,00



ESPERANDO O AMOR CHEGAR
IYANLA VANZANT
SEXTANTE
(2002)
R$ 4,00



O REVÓLVER QUE SEMPRE DISPARA
EMANUEL FERRAZ VESPUCCI E RICARDO VESPUCCI
CASA AMARELA
(2001)
R$ 6,50



GESTÃO DA AÇÃO
STEPHEN REDWOOD/CHARLES GOLDWASSER/SIMON STREET
MAKRON BOOKS
(2000)
R$ 15,00



GUIA PARA O ESTUDANTE E SUA FAMÍLIA - ESPANHA
EMPRESA DAS ARTES / FÁBIO ÁVILA (ED.)
EMPRESA DAS ARTES
(2008)
R$ 22,00



CONVERSA DE AMIGOS CORRESPONDÊNCIA ENTRE OS DOIS
OSCAR NIEMEYER E JOSÉ CARLOS SUSSEKIND
REVAN RIO
(2002)
R$ 50,00



A MÁGICA DA VIDA
THEREZINHA M. L. DA CRUZ
FDT
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês