Mãe, lê pra mim? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
>>> 12 de Agosto #digestivo10anos
>>> 11 de Fevereiro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/9/2010
Mãe, lê pra mim?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Toda vez que entro em um livro, cumpro um certo ritual, como se entrasse no mar, em um rio caudaloso ou em qualquer coisa que mereça cuidado e vênia. Não é de qualquer jeito que se entra num livro. Não é assim, sem prestar atenção a nada, como se se atravessasse uma rua erma. Para entrar em um livro é preciso medir a profundidade das palavras, olhar bem adiante e dimensionar, só com os primeiros passos, até onde se pode ir. Um livro pode afogar uma pessoa. E o afogamento em um livro não tem salvação, não tem resgate, não tem respiração boca a boca.

Quando me refiro a entrar em um livro, não penso apenas no dispositivo físico, aquele tijolinho de capa e miolo que lançam por aí, ultimamente, a torto e a direito. Não me refiro também a estes novos dispositivos sem páginas de folhear (no máximo, emulações malfeitas delas). Quando falo em livro penso, de fato, em um texto. É esse texto que tira o ar do leitor.

Ficar sem ar pode ser muito ruim. Pode ser a morte. Mas ficar sem ar pode ser emoção, pode ser um ataque de ansiedade. É desta última que estou falando, quando penso nos livros que li e que me lavaram a alma. E os fios da minha lembrança foram todos fisgados pelo livro de Lígia Cademartori, O professor e a literatura (Autêntica, 2009, 128 págs.), não por acaso vencedor do prêmio da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) de 2010.

Lá vai a autora pescando umas piabas da minha memória de leitora. Infância, adolescência e vida adulta. Aí já não tinha volta. Lá vem a autora me relembrar os livros que me fizeram subir os degraus da leitura. Naquela época (que nem está tão longe), as coleções eram outras e bem mais fininhas. O título O escaravelho do diabo causa sensação em muita gente da minha idade. Quem se esqueceu? E se eu disser que, quando conheci o escritor Marçal Aquino, meu frisson foi por causa do livro dele na coleção Vaga-Lume, e não por conta de livros mais recentes ou filmes do cinemão policial nacional?

Lígia Cademartori consegue uma façanha: falar ao professor (de literatura? Ou outro) sobre literatura e leitura, mas com uma linguagem simples, mas tão simples, que a gente começa a conversar com ela, a fazer anotações nas beiradas da página e, de repente, é como se tomássemos café na cozinha de casa. E a ideia é mesmo essa, já que o livro é parte de uma coleção (que deve crescer) chamada "Conversas com o professor". Lá vai Ligia Cademartori contando uns pedaços de uns livros clássicos, só pra a gente ficar com água na boca.

Além de ser uma obra que se lê "de uma sentada", como se diz aqui em Minas, a autora puxa mil fios da lembrança. E isso é um exercício gostoso. Quais são nossos livros infantis? O que é literatura infantil? Aqueles versos bobões de certos escritores subestimam a inteligência de nossas crianças, não é não? Lá vai a autora mostrar que grandes obras lidas por crianças não são escritas "para crianças". Os textos são tão bons que as crianças curtem, os adultos, os idosos e quem mais quiser. De outro lado estão aqueles livros feitos sob encomenda, como se criança fosse tapada.

Vivo esse conflito em casa todos os dias. Uma criança de 6 anos, aprendendo a ler descaradamente, habita a mesma casa que eu. Não lhe faltam livros e estantes cheias deles onde se pode fuçar, pescar volumes e os levar para a cama (o banheiro, a sala, a varanda). Aqui se lê onde se desejar. Há pilhas seletas de livros nos banheiros, na sala, na cozinha. São como cestas de frutas na casa de avó, entendem? É servir-se, pegar a maçã e dar nela uma dentada.

O conflito é que a oferta de livros de casa é muito superior (em quantidade e em qualidade) à da escola. Sabemos que nem sempre é assim, mas este caso particular é. Moram em nossas estantes muitos livros bacanas, não apenas bem-escritos e bem-ilustrados, mas bem-feitos mesmo, em sua totalidade. Bem-editados, pensados, gostosamente projetados. Alguns são traduções, muito bem-escolhidas, outros são de autores brasileiros.

A sessão de leitura da hora de dormir é a hora da mordida na maçã (maçã deliciosa, frise-se, e não aquelas das bruxas maldosas dos contos de fadas). Escolhe-se um livro (inclusive pode ser repetido, não tem problema), deita-se na cama, bem junto e abraçado, lê-se, comenta-se e, quando o sono chega, fecha-se o livro, que fica na cabeceira, pra entrar no sonho da gente.

Os livros que temos aqui foram escolhidos, colhidos no pé, às vezes com autógrafo e tudo, e colocados à diposição do leitor. Não foram comprados porque estavam baratinhos, só pra fazer número. Literatura para criança ler é coisa séria. Pode até não vingar no coração delas, mas vai que vinga? É preciso plantar boas sementes, de qualquer forma.

E vamos nesse ritmo, construindo os caminhos da literatura com bastante cuidado, misturando ler com prazer, dormindo abraçadinhos, quando, de repente, vem a ventaria dos "projetos" da escola. Mãos ao alto, todo mundo tem de ler um livro no final de semana, menino, volte aqui, pegue este livro e peça à sua mãe para ler com você, fazer a ficha, responder a estas questões e colorir no final da página. Lá se vai minha plantação de maçãzinhas frescas.

Mas sim, claro, ter obrigação de ler não é ruim. Todo mundo tem de lidar com obrigações na vida. Não se pode privar alguém disso para sempre. Nem tudo é lúdico, prazeroso, leve e fácil. Mas precisa vir um livro tão ruim? Que penoso é para o pequeno leitor e que penoso para os pais, que precisam fingir que aquele livro... não é maçã podre. Livros feitos com papel ruim, ilustração ruim e texto péssimo. Rimas infames, lições de vida, didatismo exagerado.

Cadê a literatura? A experiência literária é uma outra. Nela não cabe, empurrada, de qualquer jeito, uma lição sobre meio ambiente que mais se parece uma campanha. Nela não cabe aula de boas maneiras. Cabe lá é aquela surpresa que o texto literário faz a gente sentir. Os marcianos que roubam cuecas na Terra; o menino que queria porque queria um sapo; o garoto que enfrentou a bruxa montada num bode; a menina que recebeu a visita de um super-herói; a versão de atirei o pau no gato contada pelo gato. Essas surpresinhas vão deixando a gente animado para ler. Meu piá de 6 anos sabe disso. E depois que o livro acaba, sempre tem uma ilustraçãozinha sobrando, e lá vai ele contar o resto da história, inventando umas evoluções. Não é como esses livros que os pais compram no início do ano só para atender a lista de materiais da escola. Tenho certeza de que foi isso mesmo. Passa no supermercado, vê lá o que está mais barato e tasca na lista do guri. Depois a meninada fica o ano inteiro levando maçã podre para comer em casa. Até as maçãs das bruxas têm um veneno mais sincero.

Ligia Cademartori me deixou cheia de surpresinhas. Fiquei até com vontade de ler o que os meninos de hoje gostam de ler. Quem sabe eu sigo essa trilha duas vezes, pelas mãos de outros encantadores de leitores?

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 24/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I de Cassionei Niches Petry
02. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
05. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/9/2010
07h54min
Ana, querida, sorte do Dudu por ter você! Sorte de todos nós que tivemos quem nos ajudou, ou por nós mesmos termos nos tornado viciados em maçãs suculentas e enormes, nacionais e importadas. Viva os livro-maçã que tiram o fôlego e a gente fica querendo devorar de uma vez e ao mesmo tempo querendo comer devagarinho!
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arqueologia no Pelourinho
Rosana Najjar (organizadora)
Iphan
(2010)



Cidade de Exilio - 1ªedição
Lidia Besouchet (dedicatória)
José Olympio
(1961)



Mais de 1700 Exercícios e Remis Constituição e Direito Constitucional
Gabriel Dezen Junior
Vestcon
(2000)



O Ensino Régio na Capitania de Minas Gerais (1772-1814)
Thais Nivia de Lima e Fonseca
Autêntica
(2010)



What is Not in My World - Stubbornness
Fabio Gonçalves Ferreira
New Horizons
(2013)



Faça no Sítio (artesanato, Construções e Guloseimas)
Anamaria Junqueira do Val
Três
(1987)



A Brief History of Western Man
Thomas H. Greer
Harcourt Brace & World
(1968)



Histórias para Acordar
Diléia Frate
Companhia das Letras
(1996)



A Sala Vip
Irving Wallace
Record
(1989)



Al Tarik a Certeza de Não Estar Só
Roberto Ganem
Ibla
(1990)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês