Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> Dicionário Jurídico Tributário de Eduardo Marcial Ferreira Jardim pela Dialética (2005)
>>> Pão Nosso de Chico Xavier pela Feb (2019)
>>> O caso do hotel Bertram / o misterioso caso de styles de Agatha Christie pela Best Bolso (2010)
>>> Teoria da personalidade na sociedade de massa - A contribuição de Gramsci de Dario Ragazzini pela Autores Associados (2005)
>>> Ética de Spinoza pela Autêntica (2009)
>>> A origem da desigualdade entre os homens de Jean-Jacques Rousseau pela Penguin e Companhia das Letras (2017)
>>> A dominação masculina - a condição feminina e a violência simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> História da Sexualidade - 1. A vontade de saber de Michel Foucault pela Editora Paz e Terra (2020)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-chul Han pela Editora Vozes (2015)
>>> O mito de Sísifo de Albert Camus pela Edições Bestbolso (2022)
>>> Os sete pilares da sabedoria de T E Lawrence pela Circulo do livro
>>> P.S.: Ainda Amo Você de Jenny Han pela Intrínseca (2016)
>>> Escandalo na sociedade de Harold Robbins pela Circulo do livro
>>> O vale do medo de Arthur Conan Doyle pela Ediouro (2006)
>>> O veu pintado de Somerset Maugham pela Circulo do livro
>>> Se houver amanhã / Nada dura para sempre vira-vira de Sidney Sheldon pela Best Bolso (2010)
>>> Doze anos de escravidão de Solomon Northup pela Penguin Books (2014)
>>> Livro dos sonhos de Jorge Luis Borges pela Circulo do livro
>>> Enterrem meu coração na curva do rio de DeeBrown pela Circulo do livro
>>> Confie em mim de Harlan Coben pela Sextante (2009)
>>> Assassins creed renegado de Oliver Bowden pela Record (2012)
>>> Assassins creed unity de Oliver Bowden pela Record (2015)
>>> Confesso Que Vivi - memórias de Pablo Neruda pela Difel (1974)
>>> A rosa da meia-noite de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2014)
>>> O Poder da Visualização Criativa: Conheça a técnica que mudou a vida de milhares de pessoas em todo o mundo de Elizabeth Mednicoff pela Universo dos Livros (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 18/5/2021
Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4600 Acessos

Hoc visibile imaginatum figurat illud invisibile verum cujus splendor penetrat mundum ("Esta imagem visível representa a verdade invisível cujo esplendor penetra o mundo", Codex Hitda, ano 1000)



"Devemos reconhecer o indefinido como fenômeno positivo", conclama, Merleau-Ponty. O que se segue é um comentário sobre a obra Sem título, do artista Claudio Garcia:

Reunidas dentro de uma moldura azul, que é parte importante na obra, apresentam-se ao centro do quadro três camadas concentradas de cores palpáveis em sua individualidade, mas não menos ricas em texturas sobrepostas e/ou acasaladas. Uma espécie de pulmão pictórico respirando numa expansão e retração, onde podemos adivinhar como esta formação se coloca para a captura do observador: a camada mais clara cria a imagem semioval ao centro, sustentada por outra camada mais escura que a emoldura num fundo virtual.

O azul (cósmico?) é que mantém essa “porta para a eternidade” em suspensão. Atravessá-la, como se abríssemos uma janela imaginária, é o que propõe o artista para, como resultado, termos a possibilidade do mergulho no azul infinito e total que se advinha como chamamento da obra. Como se, no final, saíssemos do âmago da noite ao transpor o portal da arte e fôssemos conduzidos ao encontro da inextinguível vida do infinito.

A obra produz um estado de flutuação no espectador, como fruto de uma correspondência entre forças visíveis e invisíveis. Isso se dá, inicialmente, através da sutileza da fusão quase imperceptível de tom dentro de tom, de plano dentro de plano.

A superfície tem a delicadeza das cortinas de seda, sendo a sobreposição de texturas um caminhar da luz para a sombra e seu inverso, da sombra para a luz. Há miragens nessa bruma de cores sobrepostas e que se fundem numa complexa vida interior projetada dentro de uma moldura azul – um enquadramento cósmico - que a sustenta. Colocamo-nos, na verdade, diante de uma paisagem misteriosa, onde a superfície tem a delicadeza de um universo em nascimento.

Ao se misturar, as cores produzem matizes que infundem uma calma e serenidade por todo o quadro. O véu fino que daí resulta anula qualquer tensão ou apelo para pensamentos tortuosos, desvencilhando-nos, na qualidade de espectadores, progressivamente, da busca por uma definição do que se vê. Na medida em que nossa introvisão aumenta, nossa percepção muda e aquilo que é indefinido torna-se também nossa forma de “compreensão” ou experiência perceptual.

A relação entre transparência e opacidade captura nosso olhar, nos fazendo afundar numa atemporalidade que apaga toda a possibilidade de pensamento. As camadas sobrepostas pressupõem um caminho. Uma espécie de entrada no útero do universo. Como se ali estivesse colocado um vasto problema, de natureza metafísica, que se agita no íntimo da pintura. Uma experiência inelutável se impõe: quanto mais entramos pelas camadas vibratórias do quadro e seus matizes de cor, mais o pensamento morre de inanição. O quadro parece sussurrar: “Com paciência você sairá do seu Eu”. O que antes sentíamos na zona do pensamento, agora o sentimos no coração e no espírito.

Embora a pintura pareça bastar-se a si própria, sentimos sua necessidade de comunicar e exprimir-se em direção ao observador. Acaba-se lançado para dentro do seu universo que nos rodeia, envolve e controla nossas reações. Não há a possibilidade de indiferença após atravessarmos suas cortinas. Somos endereçados ao seu centro vívido, com a unidade de nossos sentidos abalada, apreendidos por uma realidade estranha, no entanto, insuperável, que é o fato de estarmos sendo esmagados por esse “outro” que é a arte.

Os contrastes de cores sendo evitados, a unidade da imagem é produzida por matizes delicados e tonalidades em degradé. Nesse resultado formal se instala o silêncio. O silêncio com que atravessamos a cortina de cores – já que entre elas não há ruído, pois o ar é de tranquilidade - nos faz voltar para dentro de nós como se tivéssemos, enfim, depois de capturados, compreendido com imperturbável clareza o significo do êxtase da união do Ser com o objeto – que é, afinal, o que a arte deve produzir.

Um sentimento de leve melancolia nos captura, como se a obra de Dürer tivesse tomado a forma abstrata. Aquilo que perdemos ao adentrar esses tecidos de cores talismânicas é que produz a melancolia. Já não somos homens de pensamento, pois os choques sensoriais conduzem-nos e dominam-nos em sua veemência silenciosa. É seu contraveneno ao discurso e o fermento necessário para a captura da consciência que, por isso, se põe em meditação.

Mas a melancolia não dura, pois a sensualidade da matéria pictórica em sua cálida existência corporifica uma sensação de que o espírito – abandonado do pensamento - é pura matéria em estado animado... que o espírito é uma parte do universo vibrante.

Adentrar o quadro é avançar numa caminhada na qual a consciência será lançada em um espaço onde se perderá. Nesse perder-se encontra os subterrâneos que escapam à luz da inteligência, mas que são depositários de uma experiência que, na falta de outro nome, chamaremos de transcendente. Aqui o sono da razão não produz monstros, ao contrário, abre a fenda para o sublime.

Há um comentário de René Huyge, no seu livro O poder da imagem, que sintetiza bem nossa abordagem da obra de Claudio Garcia:

"Mas, no extremo do visível, não haveria ainda um além, outra coisa que já não pertence ao seu domínio e onde o espírito pode encontrar novos campos abertos aos seus pensamentos, aos seus sonhos, às suas aspirações obscuras que nunca serão capazes de os esgotar? Há o infinito do espaço, do mundo físico, e esta noção já é esmagadora, mas há o infinito do que é outra coisa, do que não pertence nem ao espaço, nem à medida dos nossos sentidos. Nessa altura, não correrão o homem e os seus meios de apreensão o risco de se abolir?

Para ir além
Sem título. 80 x 71 cm; têmpera à base d’água. 2019. Claudio Garcia é gravurista, pintor, doutor em artes pela Unicamp e professor de gravura na Universidade Estadual de Londrina.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 18/5/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia de Carol Sanches de Jardel Dias Cavalcanti
02. Doutor Eugênio (1949-2020) de Julio Daio Borges
03. Um Oscar para Stallone de Luís Fernando Amâncio
04. O primeiro assédio, na literatura de Marta Barcellos
05. Sobre o caso Idelber Avelar de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2021
01. A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques - 31/8/2021
02. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis - 17/8/2021
03. Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia - 18/5/2021
04. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff - 23/3/2021
05. Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick - 20/4/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Cama na Varanda
Regina Navarro Lins
best seller
(2013)



Dupla Exposição: Stanislaw Sérgio Ponte Porto Preta
Renato Sérgio
ediouro
(1998)



Lost on Earth
Steve Crombie
Macmillan
(2010)



Mantenha O Seu Cérebro Vivo
Lawrence C. Katz e Manning Rubin
Sextante
(2000)



Meaux et Ses Quartiers 1600-1950
Rotari Club de Meaux
Rotary Club de Meaux
(1998)



Conviver e Melhorar - Como Relacionar-se Harmonicamente...
Francisco do Espirito Santo Neto
Boa Nova
(1999)



Exercícios de Bioenergética
Alexander Lowen, Leslie Lowen
ágora
(1985)



Fazer o bem Faz Bem
Maria Helena Gouveia
gente
(2001)



O povo do lago 2 edição
Richard E. Lealkey, Roger Lewin
Unb
(1996)



Em Busca da Fé
Isadino José dos Santos
Mundo Maior
(2010)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês