Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição A Tragédia do Holocausto
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 18/5/2021
Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 5400 Acessos

Hoc visibile imaginatum figurat illud invisibile verum cujus splendor penetrat mundum ("Esta imagem visível representa a verdade invisível cujo esplendor penetra o mundo", Codex Hitda, ano 1000)



"Devemos reconhecer o indefinido como fenômeno positivo", conclama, Merleau-Ponty. O que se segue é um comentário sobre a obra Sem título, do artista Claudio Garcia:

Reunidas dentro de uma moldura azul, que é parte importante na obra, apresentam-se ao centro do quadro três camadas concentradas de cores palpáveis em sua individualidade, mas não menos ricas em texturas sobrepostas e/ou acasaladas. Uma espécie de pulmão pictórico respirando numa expansão e retração, onde podemos adivinhar como esta formação se coloca para a captura do observador: a camada mais clara cria a imagem semioval ao centro, sustentada por outra camada mais escura que a emoldura num fundo virtual.

O azul (cósmico?) é que mantém essa porta para a eternidade em suspensão. Atravessá-la, como se abríssemos uma janela imaginária, é o que propõe o artista para, como resultado, termos a possibilidade do mergulho no azul infinito e total que se advinha como chamamento da obra. Como se, no final, saíssemos do âmago da noite ao transpor o portal da arte e fôssemos conduzidos ao encontro da inextinguível vida do infinito.

A obra produz um estado de flutuação no espectador, como fruto de uma correspondência entre forças visíveis e invisíveis. Isso se dá, inicialmente, através da sutileza da fusão quase imperceptível de tom dentro de tom, de plano dentro de plano.

A superfície tem a delicadeza das cortinas de seda, sendo a sobreposição de texturas um caminhar da luz para a sombra e seu inverso, da sombra para a luz. Há miragens nessa bruma de cores sobrepostas e que se fundem numa complexa vida interior projetada dentro de uma moldura azul um enquadramento cósmico - que a sustenta. Colocamo-nos, na verdade, diante de uma paisagem misteriosa, onde a superfície tem a delicadeza de um universo em nascimento.

Ao se misturar, as cores produzem matizes que infundem uma calma e serenidade por todo o quadro. O véu fino que daí resulta anula qualquer tensão ou apelo para pensamentos tortuosos, desvencilhando-nos, na qualidade de espectadores, progressivamente, da busca por uma definição do que se vê. Na medida em que nossa introvisão aumenta, nossa percepção muda e aquilo que é indefinido torna-se também nossa forma de compreensão ou experiência perceptual.

A relação entre transparência e opacidade captura nosso olhar, nos fazendo afundar numa atemporalidade que apaga toda a possibilidade de pensamento. As camadas sobrepostas pressupõem um caminho. Uma espécie de entrada no útero do universo. Como se ali estivesse colocado um vasto problema, de natureza metafísica, que se agita no íntimo da pintura. Uma experiência inelutável se impõe: quanto mais entramos pelas camadas vibratórias do quadro e seus matizes de cor, mais o pensamento morre de inanição. O quadro parece sussurrar: Com paciência você sairá do seu Eu. O que antes sentíamos na zona do pensamento, agora o sentimos no coração e no espírito.

Embora a pintura pareça bastar-se a si própria, sentimos sua necessidade de comunicar e exprimir-se em direção ao observador. Acaba-se lançado para dentro do seu universo que nos rodeia, envolve e controla nossas reações. Não há a possibilidade de indiferença após atravessarmos suas cortinas. Somos endereçados ao seu centro vívido, com a unidade de nossos sentidos abalada, apreendidos por uma realidade estranha, no entanto, insuperável, que é o fato de estarmos sendo esmagados por esse outro que é a arte.

Os contrastes de cores sendo evitados, a unidade da imagem é produzida por matizes delicados e tonalidades em degradé. Nesse resultado formal se instala o silêncio. O silêncio com que atravessamos a cortina de cores já que entre elas não há ruído, pois o ar é de tranquilidade - nos faz voltar para dentro de nós como se tivéssemos, enfim, depois de capturados, compreendido com imperturbável clareza o significo do êxtase da união do Ser com o objeto que é, afinal, o que a arte deve produzir.

Um sentimento de leve melancolia nos captura, como se a obra de Dürer tivesse tomado a forma abstrata. Aquilo que perdemos ao adentrar esses tecidos de cores talismânicas é que produz a melancolia. Já não somos homens de pensamento, pois os choques sensoriais conduzem-nos e dominam-nos em sua veemência silenciosa. É seu contraveneno ao discurso e o fermento necessário para a captura da consciência que, por isso, se põe em meditação.

Mas a melancolia não dura, pois a sensualidade da matéria pictórica em sua cálida existência corporifica uma sensação de que o espírito abandonado do pensamento - é pura matéria em estado animado... que o espírito é uma parte do universo vibrante.

Adentrar o quadro é avançar numa caminhada na qual a consciência será lançada em um espaço onde se perderá. Nesse perder-se encontra os subterrâneos que escapam à luz da inteligência, mas que são depositários de uma experiência que, na falta de outro nome, chamaremos de transcendente. Aqui o sono da razão não produz monstros, ao contrário, abre a fenda para o sublime.

Há um comentário de René Huyge, no seu livro O poder da imagem, que sintetiza bem nossa abordagem da obra de Claudio Garcia:

"Mas, no extremo do visível, não haveria ainda um além, outra coisa que já não pertence ao seu domínio e onde o espírito pode encontrar novos campos abertos aos seus pensamentos, aos seus sonhos, às suas aspirações obscuras que nunca serão capazes de os esgotar? Há o infinito do espaço, do mundo físico, e esta noção já é esmagadora, mas há o infinito do que é outra coisa, do que não pertence nem ao espaço, nem à medida dos nossos sentidos. Nessa altura, não correrão o homem e os seus meios de apreensão o risco de se abolir?

Para ir além
Sem título. 80 x 71 cm; têmpera à base dágua. 2019. Claudio Garcia é gravurista, pintor, doutor em artes pela Unicamp e professor de gravura na Universidade Estadual de Londrina.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 18/5/2021

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
02. O humor no divã de Freud de Carina Destempero
03. Conceição: onde passar, não perca de Marcelo Miranda


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2021
01. A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques - 31/8/2021
02. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis - 17/8/2021
03. Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia - 18/5/2021
04. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff - 23/3/2021
05. Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick - 20/4/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês