Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
Mais Recentes
>>> Cristãos Hoje de N. Maccari pela Paulinas (1976)
>>> Salmos de Edgard Armond pela Aliança (1979)
>>> Lobas, Lobos e Afins - a Eterna Busca da Liberdade... de Solange Torino pela Virgo (2001)
>>> Vida, Morte e Destino de Maria Fernanda S. e Edson Olivari de Castro pela Cia Ilimitada (1992)
>>> Rezas, Orações e Preces de Varios Autores pela Rita Carneti (1992)
>>> Como Falar em Publico e Influenciar Pessoas no Munndo dos Negócios de Dale Carnegie pela Record (1962)
>>> Uma Jornada Interior de Sara Mariott pela Pensamento (1993)
>>> Jovens e Adultos Dominical Fidelidade de Varios Autores pela Betel
>>> O Manual da Felicidade de Pe. Alberto Luiz Gambarini pela Ágape (2008)
>>> Como Enfrentar o Stress de Marilda Novaes Lipp e Colaboradores pela Ícone (1990)
>>> Auxiliares Invisíveis de C. W. Leadbeater pela Pensamento (1997)
>>> Oito Passos para Você ter Saúde de Ana Maria Freitas pela N/a
>>> O Livro do Destino de Herman Kirchenhoffer pela Círculo do Livro (1978)
>>> Eles Voltaram de Francisco Cândido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (1982)
>>> Os Remédios Florais do Dr. Bach de Dr. Edward Bach pela Pensamento (2006)
>>> Encontros, Desencontros e Reencontros de Florangela M. Desidério pela Paulinas (1982)
>>> Cavaleiro da Concórdia de Manoel Jacintho Coelho pela Racional (1988)
>>> Fátima, Aurora do Terceiro Milênio de João S. Clá Diaz pela Associação Cultural Nossa Senhora de Fátima (2000)
>>> I Ching, O Livro das Mutações de Juan Echenique Pérsico pela Melhoramento (2012)
>>> O Encontro, os mais Belos Encontros de Cristo de João Mohana pela Agir (1979)
>>> Boca de Forno de Olga Diniz de Castro pela Santo Alberto Artes Graficas
>>> Ginástica Cerebral de Paul E. Dennison pela Século xxi (2000)
>>> Brasil Coração do Mundo Pátria do Evangelho de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1999)
>>> Evangelho no Lar de Maria T. Compri pela Feesp (1991)
>>> Guia do Outro Mundo de Ornella Volta pela Hemus (1973)
COLUNAS

Terça-feira, 18/5/2021
Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1300 Acessos

Hoc visibile imaginatum figurat illud invisibile verum cujus splendor penetrat mundum ("Esta imagem visível representa a verdade invisível cujo esplendor penetra o mundo", Codex Hitda, ano 1000)



"Devemos reconhecer o indefinido como fenômeno positivo", conclama, Merleau-Ponty. O que se segue é um comentário sobre a obra Sem título, do artista Claudio Garcia:

Reunidas dentro de uma moldura azul, que é parte importante na obra, apresentam-se ao centro do quadro três camadas concentradas de cores palpáveis em sua individualidade, mas não menos ricas em texturas sobrepostas e/ou acasaladas. Uma espécie de pulmão pictórico respirando numa expansão e retração, onde podemos adivinhar como esta formação se coloca para a captura do observador: a camada mais clara cria a imagem semioval ao centro, sustentada por outra camada mais escura que a emoldura num fundo virtual.

O azul (cósmico?) é que mantém essa “porta para a eternidade” em suspensão. Atravessá-la, como se abríssemos uma janela imaginária, é o que propõe o artista para, como resultado, termos a possibilidade do mergulho no azul infinito e total que se advinha como chamamento da obra. Como se, no final, saíssemos do âmago da noite ao transpor o portal da arte e fôssemos conduzidos ao encontro da inextinguível vida do infinito.

A obra produz um estado de flutuação no espectador, como fruto de uma correspondência entre forças visíveis e invisíveis. Isso se dá, inicialmente, através da sutileza da fusão quase imperceptível de tom dentro de tom, de plano dentro de plano.

A superfície tem a delicadeza das cortinas de seda, sendo a sobreposição de texturas um caminhar da luz para a sombra e seu inverso, da sombra para a luz. Há miragens nessa bruma de cores sobrepostas e que se fundem numa complexa vida interior projetada dentro de uma moldura azul – um enquadramento cósmico - que a sustenta. Colocamo-nos, na verdade, diante de uma paisagem misteriosa, onde a superfície tem a delicadeza de um universo em nascimento.

Ao se misturar, as cores produzem matizes que infundem uma calma e serenidade por todo o quadro. O véu fino que daí resulta anula qualquer tensão ou apelo para pensamentos tortuosos, desvencilhando-nos, na qualidade de espectadores, progressivamente, da busca por uma definição do que se vê. Na medida em que nossa introvisão aumenta, nossa percepção muda e aquilo que é indefinido torna-se também nossa forma de “compreensão” ou experiência perceptual.

A relação entre transparência e opacidade captura nosso olhar, nos fazendo afundar numa atemporalidade que apaga toda a possibilidade de pensamento. As camadas sobrepostas pressupõem um caminho. Uma espécie de entrada no útero do universo. Como se ali estivesse colocado um vasto problema, de natureza metafísica, que se agita no íntimo da pintura. Uma experiência inelutável se impõe: quanto mais entramos pelas camadas vibratórias do quadro e seus matizes de cor, mais o pensamento morre de inanição. O quadro parece sussurrar: “Com paciência você sairá do seu Eu”. O que antes sentíamos na zona do pensamento, agora o sentimos no coração e no espírito.

Embora a pintura pareça bastar-se a si própria, sentimos sua necessidade de comunicar e exprimir-se em direção ao observador. Acaba-se lançado para dentro do seu universo que nos rodeia, envolve e controla nossas reações. Não há a possibilidade de indiferença após atravessarmos suas cortinas. Somos endereçados ao seu centro vívido, com a unidade de nossos sentidos abalada, apreendidos por uma realidade estranha, no entanto, insuperável, que é o fato de estarmos sendo esmagados por esse “outro” que é a arte.

Os contrastes de cores sendo evitados, a unidade da imagem é produzida por matizes delicados e tonalidades em degradé. Nesse resultado formal se instala o silêncio. O silêncio com que atravessamos a cortina de cores – já que entre elas não há ruído, pois o ar é de tranquilidade - nos faz voltar para dentro de nós como se tivéssemos, enfim, depois de capturados, compreendido com imperturbável clareza o significo do êxtase da união do Ser com o objeto – que é, afinal, o que a arte deve produzir.

Um sentimento de leve melancolia nos captura, como se a obra de Dürer tivesse tomado a forma abstrata. Aquilo que perdemos ao adentrar esses tecidos de cores talismânicas é que produz a melancolia. Já não somos homens de pensamento, pois os choques sensoriais conduzem-nos e dominam-nos em sua veemência silenciosa. É seu contraveneno ao discurso e o fermento necessário para a captura da consciência que, por isso, se põe em meditação.

Mas a melancolia não dura, pois a sensualidade da matéria pictórica em sua cálida existência corporifica uma sensação de que o espírito – abandonado do pensamento - é pura matéria em estado animado... que o espírito é uma parte do universo vibrante.

Adentrar o quadro é avançar numa caminhada na qual a consciência será lançada em um espaço onde se perderá. Nesse perder-se encontra os subterrâneos que escapam à luz da inteligência, mas que são depositários de uma experiência que, na falta de outro nome, chamaremos de transcendente. Aqui o sono da razão não produz monstros, ao contrário, abre a fenda para o sublime.

Há um comentário de René Huyge, no seu livro O poder da imagem, que sintetiza bem nossa abordagem da obra de Claudio Garcia:

"Mas, no extremo do visível, não haveria ainda um além, outra coisa que já não pertence ao seu domínio e onde o espírito pode encontrar novos campos abertos aos seus pensamentos, aos seus sonhos, às suas aspirações obscuras que nunca serão capazes de os esgotar? Há o infinito do espaço, do mundo físico, e esta noção já é esmagadora, mas há o infinito do que é outra coisa, do que não pertence nem ao espaço, nem à medida dos nossos sentidos. Nessa altura, não correrão o homem e os seus meios de apreensão o risco de se abolir?

Para ir além
Sem título. 80 x 71 cm; têmpera à base d’água. 2019. Claudio Garcia é gravurista, pintor, doutor em artes pela Unicamp e professor de gravura na Universidade Estadual de Londrina.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 18/5/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura infanto-juvenil que vem de longe de Marcelo Spalding
02. Privacidade de Daniel Bushatsky
03. O caminho rumo ao som e a fúria de Luiz Rebinski Junior
04. Deus: uma invenção?, de René Girard de Ricardo de Mattos
05. Xamãs & Concurseiros de Guilherme Pontes Coelho


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Terra dos Peixes - Memórias de Rio das Ostras
Selma Rocha (2ª Ed.)
Prefeitura de Rio das Ostras
(1997)



Desejo Cigano: Sob o Fascínio da Linguagem Muda
Betânia Ferreira
Comunicarte (recife)
(1995)



Entre os Reinos de Gog e Magog
Sílvio Fiorani
Siciliano
(1994)



Meu Pai, Seu Porco e Eu
Jna Scheerer
Rocco
(2006)



Malditos Frutos do Nosso Ventre
Carlos Alberto Luppi
Ícone
(1987)



Direito Tributário e Finanças Públicas
Arché Interdisciplinar Nº 27 Vol. 9 de 2000
Univ Cândido Mendes
(2000)



Véu do Passado
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho/antônio Carlos
Lúmen
(1997)



Alô Você! Conquiste Seu Lugar
Evandro Guedes
AlfaCon
(2016)



Longitudes and Attitudes: Exploring the World After September 11
Thomas L. Friedman
Farrar Straus and Giroux
(2002)



Santa Cruz del Vale de los Caidos - Tourist Guide Book
Editorial Patrimonio Nacional (tenth Edition)
Patrimonio Nacional (madri)
(1974)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês