Invasão literária nos cinemas | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/9/2002
Invasão literária nos cinemas
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O cinema brasileiro da retomada é, fundamentalmente, baseado em literatura. Pode parecer exagero afirmar isso, mas a maioria dos filmes brasileiros que chegaram e chegam aos cinemas são adaptações de alguma forma de manifestação literária – e aqui incluo a dramaturgia nacional. Claro que há uma tradição de bons livros serem transpostos às telas, mas nunca se viu tanta “parceria” entre as duas artes como se encontra na atual fase do cinema nacional.

Uma das características da produção dos anos 90 é sua diversidade. Têm-se realizado filmes que tramitam nos mais diversos gêneros cinematográficos: comédias, comédias românticas, filmes históricos e biográficos, thrillers de perseguição, outros que abordam as mazelas da realidade brasileira e mesmo obras que resgatam o sertão e o cangaço nordestinos. Grande parte deles bebem em outras fontes artísticas, cuja força maior está na palavra – casos da literatura e do teatro. Clássicos consagrados da literatura, como Machado de Assis (Memórias Póstumas), Lima Barreto (Triste Fim de Policarpo Quaresma) e Eça de Queirós (Amor & Cia.), e novos clássicos – Rubem Fonseca (Bufo & Spallanzani) e Raduan Nassar (Um Copo de Cólera e Lavoura Arcaica), por exemplo – receberam adaptações cinematográficas. O Xangô de Baker Street, dirigido por Miguel Faria Jr., foi adaptado da história de Jô Soares, livro que vendeu mais de 500 mil exemplares desde seu lançamento; Jorge Amado pôde ver Sônia Braga interpretar o papel-título em Tieta do Agreste no filme dirigido por Cacá Diegues. Até Chico Buarque, cuja obra literária se mostrou de difícil adaptação cinematográfica, recebeu uma versão digna dos cinemas – Estorvo, pelas mãos de Ruy Guerra, e Benjamin está em fase de finalização em projeto de Monique Gardemberg.

Os exemplos surgem aos montes quando buscamos no acervo de filmes dos últimos anos. Para ficar somente de 2001 a hoje, temos oito adaptações no ano passado e, até início de agosto, foram sete com outras cinco programadas para estrear. O interessante nisso é que essas adaptações atraem público mais significativo. A Partilha (baseado em peça de Miguel Falabella), Bicho de Sete Cabeças (sobre livro de Austregélido Carrano), Lavoura Arcaica (de Raduan Nassar, dirigido por Luiz Fernando Carvalho), Domésticas, O Filme (peça de Renata Mello), Abril Despedaçado (de Walter Salles, adaptado de Ismail Kadaré) e O Invasor (em conto de Marçal Aquino) foram os principais. Cidade de Deus estreou sexta-feira passada com pompa de campeão de bilheteria...

A que se deve essa invasão literária nos cinemas? Por que cada vez mais livros são adaptados para as telas?

1. Uma das respostas poderia ser a carência de instrução/educação entre a população, reflexo imediato do desleixo da sociedade frente ao cinema e a tudo que se ligue à cultura brasileira, o que estaria minando o setor anteriormente voltado à criação no cinema e gerando uma migração desses homens de cinema para outros ramos, como o jornalismo, mais atrativos financeiramente e como maior reconhecimento de classe.

2. Outra possibilidade estaria na propensão a maior sucesso daquilo que já existe e já possui “eco” com o público. Nessa categoria poderíamos incluir a maioria de filmes adaptados de texto teatral que nascem após o sucesso deste nos palcos. Com o respaldo do público, o caminho para se captar recursos e fechar com uma distribuidora grande se torna menos pedregoso. Isso não significa que haverá o mesmo sucesso nos cinemas, mas a fórmula se repete e pode garantir menor risco que um investimento em algo considerado ainda “em aberto”. Ainda aqui poderíamos inserir o fato de haver medo e insegurança quanto a mudanças. Poucos diretores e produtores investiriam em algo que fosse contra a corrente atual – e esta está voltada principalmente a produtos (sim, hoje o cinema é um produto como outro qualquer) com atores globais e textos cômicos e vazios ideológica e politicamente. Mesmo um cara como Luiz Fernando Carvalho, considerado um oásis em meio ao lixo da televisão brasileira, teve que se render aos atores de nome para criar Lavoura Arcaica. Como na política, o pensamento de que há como piorar ou não se dar bem com uma mudança nos faz refém de uma situação propícia ao atrofiamento econômico, cultural e intelectual.

3. Outra posição seria a mais simples: adaptar textos já prontos é mais fácil que criar. Além disso, o diretor não teria a função de criar, mas sim de transformar o universo das palavras em imagens. Com esse argumento estaríamos excluindo o papel do diretor-autor, e definindo as funções de cada um sem interferências de um no “trabalho” do outro.

Podemos conjecturar várias razões para haver muitas adaptações nos cinema brasileiro atual, mas nenhuma as esgota por inteiro, menos ainda suas conseqüências. Mas, com a qualidade de certos textos, o nosso cinema ganha força nesse quesito que falta aos filmes comerciais americanos – que dominam o mercado exibidor nacional. Frente às produções superficiais de Hollywood, que aterrissam por aqui e conquistam milhões de espectadores, certa parcela do cinema brasileiro busca copiar essa fórmula – para alguns, vencedora, dependendo do ponto de vista – e outra procura no universo da ficção literária criar mecanismos de se fazer arte e mostrar um caminho alternativo. Nem todo livro/peça de teatro nacional adaptado aos cinemas rende bons frutos, mas a porcentagem de acertos está acima da média, e só isso já é louvável para que aplaudamos seus realizadores.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 5/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
03. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
04. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
05. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2002
01. Santa Xuxa contra a hipocrisia atual - 12/12/2002
02. O limite de um artista - 4/6/2002
03. O melhor nacional do ano - 17/10/2002
04. Cidade de Deus, um fenômeno comercial - 7/11/2002
05. O que eles têm que nós não temos? - 5/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/9/2002
21h01min
As adaptações são interessante para a divulgação da literatura nacional, principalmente a mais marginal. Apenas lamento o fato de os roteiristas não estarem criando o seu próprio enredo. Não me agrada adaptações parciais, prefiro, de longe, as mais fiéis ao texto literário. Já que o roteirista, para contar uma história, se baseia em um livro e não cria a sua própria trama, que seja fiel à história alheia.
[Leia outros Comentários de jamilla]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês