Divagações | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
>>> Aulas on-line percorrem os caminhos da produção editorial
>>> Rapsódia capital de Mário de Andrade resgata a grandeza do modernismo nacional
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sexo, drogas e rock’n’roll
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Nélson e Otto #Clássico
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Escritor: uma ambição
>>> O Rei Roberto Carlos e a Ditadura
>>> Uma leitura jornalística
>>> A idéia que governa o mundo
>>> Discutir, debater, dialogar
Mais Recentes
>>> Páscoa A Vitória de Cristo Contada para Crianças de Pe. Hamilton José Naville pela Nossa Senhora das Graças
>>> História da Formação do Capitalismo Curso Formação Política Módulo II de Escola de Formação Política Miguel Arraes pela Fundação João Mangabeira (2007)
>>> Alderígi Gigante com Olhos de Criança de Felipe G. Alves pela Vozes (2001)
>>> O Escolhido de Hannah Howell pela Lua de Papel
>>> Cidadania Em Preto e Branco de Maria Aparecida Silva Bento pela Ática (2000)
>>> Wadubari de Marcos Pellegrini pela Marco Zero (1993)
>>> Cálculos Trabalhistas de Valter R Augusto e Wagner Veneziani pela Angelotti (1995)
>>> Pedagogia Adventista de Confederação pela Casa Publicadora Brasileira (2004)
>>> Um Gosto de Quero Mais de Sonia Salerno Forjaz pela Ftd (1998)
>>> O Clube das Chocólatras de Carole Matthews pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Direitos Reais de Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald pela Lumen Juris (2006)
>>> Direito Processual Brasileiro de Vicente Filho pela Saraiva (2008)
>>> Uma Luz no Fim do Túnel de Ganymédes José pela Moderna Paradidático (2005)
>>> Como Desenvolver o Temperamento de Seus Filhos de Beverly Lahaye pela Mundo Cristão
>>> Playbook: o Manual da Conquista de Barney Stinson; Matt Kuhn; Edmundo Barreiros pela Intrinseca (2015)
>>> Viagem à Itália 1786-1788 de Johann Wolfgang Von pela Companhia das Letras (1999)
>>> Ação Rescisória no Processo do trabalho de Manoel Antonio Teixeira Filho pela Ltr (1992)
>>> Nada de Novo no Front de Erich M. Remarque pela Abril Cultural
>>> Os Fatos e o Direito de Corsíndio Monteiro da Silva pela Senado Federal (1981)
>>> O Fascínio dos Milagres de Marcos de Benedicto pela Unaspress (2005)
>>> Força para Recomeçar: Consequências do Passado de Eliana Machado Coelho pela Lúmen
>>> Negras Raizes de Alex Haley pela Circulo do Livro
>>> Na Hora do Testemunho de Francisco Cândido Xavier pela Paidéia
>>> A Leitura Orante da Bíblia de Giorgio Zevini pela Salesiana (2006)
>>> Manifestações do Espírito Santo de Paulo Freitas pela União Central (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 24/6/2003
Divagações
Maurício Dias

+ de 5200 Acessos

Neste mês de junho fui testemunha de uma confusão de identidades na internet. Alguém que escreve num site de jornalismo não era quem eu achava que era.

Ocorreu-me que também eu estou passível de ser confundido com homônimos. Mauricio Dias é um nome comum, há um artista plástico e "videomaker" com este nome, e um ex-editor do Jornal do Brasil, que se não me engano hoje faz documentários.

Como em geral escrevo sobre cinema e pintura, é bem possível ser confundido com estes dois. O MD artista trabalha em parceria com Walter Riedweg. O jornalista era colega de Fritz Utzeri. Riedweg e Utzeri sim, são nomes inconfundíveis por estas bandas. Mauricio Dias é um nome muito vira-lata.

Talvez eu devesse adotar um dos meus outros sobrenomes. Um deles é Souza. Desde pequeno ouço que sou o criador da Mônica e do Cebolinha. O Souza do original é Sousa, com "s". Mas ia ser confuso do mesmo jeito.

Talvez um pseudônimo? Gosto daqueles dos reis de antigamente. Pedro, o Grande; Ivan, o Terrível; Dom Manuel, o Venturoso (embora este possa sugerir problemas de gases). Dona Maria, a Louca, é bem pouco lisonjeiro. De todos o meu preferido é Pedro, o Gotoso - sim, por que ele sofria de gota.

Em Ipanema, sempre que admirava as meninas de biquíni, acabava emitindo o gracejo "Gotosa" - e este é o tipo de coisa que só se faz em companhia de amigos, que graça tem fazer um comentário cafajeste se ninguém vai ouvir?

Mas isso é uma digressão, o assunto era a busca de uma alcunha inconfundível. Mauricio, o Gênio? Talvez soe um pouco arrogante.

Imagino como seria se ainda se mantivesse esta tradição de apelidos entre os mandatários do séc. XX e contemporâneos: Jânio, o Bêbado; Marco Maciel, o Magro. Ia ter muito político com apelidos impublicáveis. Fulano, o Filho da P...

E os internacionais? Princípe Charles, o Feio; Menem, o Milongueiro; Fidel, o Barba; Clinton, o do Charuto.

Lula, de certa forma recuperou este tipo de apelido. No início era Luis Inácio da Silva, o Lula. Mas virou Luis Inácio "Lula" da Silva, e perdeu o impacto.

Quanta bobagem... Já decidi, não vou usar apelido: a partir de agora assino Mauricio O. Dias. Mais ou menos como Samuel L. Jackson.

Olympia, de Otto Friedrich
Encontrei num sebo e devorei rapidamente o ótimo Olympia de Otto Friedrich. Fundamental para quem se interessa pelos pintores impressionistas, o livro está esgotado nas livrarias. Bem que a editora, a Companhia das Letras, poderia relançá-lo.

Este é um problema com os livros aqui: depois de uns anos não são relançados e torna-se dificílimo achá-los. Nos Estados Unidos encontra-se quase tudo - inclusive o Olympia - na amazon.com, a preços acessíveis.

O legal no livro é que ele contextualiza bem a época, fala do governo de Napoleão III, da reestruturação de Paris - através da destruição dos cortiços e a criação de alguns parques hoje célebres - e da Guerra Franco-Prussiana. E é claro, fala muito de Manet, suas obras-primas e sua recusa em se unir totalmente aos impressionistas.

O autor, Otto Friedrich, é um historiador americano, que trabalhou durante anos como correspondente estrangeiro para a Star and Stripes, revista oficial do Exército dos EUA. Este currículo garante ao mesmo tempo uma pesquisa acurada e uma agilidade de texto saborosa. Otto é também o autor de "A Cidade Das Redes - Hollywood nos anos 40" (também da Companhia das Letras).

É o melhor livro que já li sobre a indústria de cinema - não é um livro de críticas. Para escrevê-lo, Otto leu cerca de quinhentos livros sobre Hollywood. Valeu a pena, porque ele criou um painel grandioso, onde se fala do cinema como arma de propaganda na guerra, a ação da máfia nos sindicatos, Mcarthismo, e muito mais. E vemos expostas as fraquezas humanas daquelas pessoas que por gerações têm manipulado os sonhos de todo o mundo.

Dica internética
Para terminar uma dica internética. Gustav Klimt foi o gênio austríaco da pintura e da art deco na transição dos séculos XIX/XX, sua obra mais famosa é "O Beijo".

Para quem aprecia a beleza, recomendo entrar no site expo-klimt.com e clicar nas imagens que tem lá.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 24/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. White Stripes: porque o rock não começa no punk de Mario Marques


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
04. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Evangelho Segundo o Espiritismo
Allan Kardec
Lake
(2020)
R$ 15,00



Uma Vida de Amor e Caridade
Izabel Bueno
Fonte Viva
(1992)
R$ 5,00



O Rabo da Gata
Sylo Costa
Armazém de Idéias
(1998)
R$ 5,50



Alberto Durero
Ernst Ullmann
Gente Nueva
(1982)
R$ 20,00



Peço a Palavra - Pido La Palabra
Nicolás Leoz
Mz
(2001)
R$ 35,93



Apesar dos Filhos
Patrick e Ruth Schwenk
Vida Melhor
(2017)
R$ 18,34



Elogio do Homem
Ana Candida Costa
Cortez
(1990)
R$ 5,00



Eu Sou o Mensageiro
Markus Zusak
Intronseca
(2007)
R$ 35,00



Pró e Contra de Gaulle o Julgamento da História
Gianni Rizzoni
Melhoramentos
(1975)
R$ 12,00



Realistas e Parnasianos - 6476
Oscar Lopes
Ece
R$ 20,00





busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês