Uma análise sociossemiótica do trabalho | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Melhores Blogs
>>> Dilbert
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
Mais Recentes
>>> Tudo valeu a pena de Zibia Gasparetto pela Vida e consciencia (2003)
>>> Concurso de Credores de Sylvio Martins Teixeira pela Jacintho (1936)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.4 (Processo de Execução Processo Cautelar Parte Geral) de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.3 ( Processo de Conhecimento) 2ª Parte de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Codigo do processo Civil e Commercial do Estado de São Paulo (Annotações) de João Evangelista Rodrigues pela Revista dos Tribunais (1930)
>>> Traité Des Preuves En Droit Civil Et En Drit Criminel de Édouard Bonnier pela Librairie Plon (1888)
>>> Embargos de Nulidade e Infringentes do Julgado de E.D. Moniz de Aragão pela Saraiva (1965)
>>> Introdução ao estudo do processo Civil de Eduardo J. Couture pela José Bushatsky (1951)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1947)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1946)
>>> Eficácia e Autoridade da Sentença e ouros escritos sobre a coisa Julgada. de Enrico Tullio Liebman pela Forense (1984)
>>> Princípios Gerais do Direito Processual de Anésio de Lara Campos Junior pela José Bushatsky (1964)
>>> Doutrina das Acções de José Homem Corrêa Telles pela H. Garnier (1902)
>>> Como Requer em Juízo ( Formulário Cível) de Yara Muller Leite pela Freitas Bastos (1967)
>>> Decisões de Decio Cesario Alvim pela Officinas do Centro da Boa Imprensa (1930)
>>> O Procedimento Sumaríssimo de Domingos Sávio Brandão Lima pela José Bushatsky (1977)
>>> Aspectos Fundamentais das Medidas Liminares de R. Reis Friede pela Forense (1993)
>>> Curso de Direito Processual Civil Volume 3 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Curso de direito Processual Civil Volume 1 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela José Bushatsky (1976)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1980)
>>> Consultor Civil Acerca de Todas as Acções Seguidas no Fôro Civil de Carlos Antonio Cordeiro e Oscar de Macedo Soares pela H. Garnier (1910)
>>> O Brasil na vidão do artista. O país e sua cultura de Frederico Morais pela Prêmio (2003)
>>> Um certo ponto de vista. Pietro Maria Bardi 100 anos de Emanoel Araújo. Curadoria pela Burti (2000)
>>> A riqueza de um vale. A richly endowed valley de Ricardo Martins pela Kongo (2011)
>>> Tomie Ohake de Ana Paula Cavalcanti Simioni pela Folha de S.Paulo (2013)
>>> Bez Batti. Esculturas de Instituto Moreira Salles pela Ims (2006)
>>> Responsabilidade Civil - Doutrina e Jurisprudência de Yussef Said Cahali (Coordenador) pela Saraiva/ SP. (1984)
>>> O Problema da Língua Brasileira de Homero Senna (Entrev. c/ Prof. Souza da Silveira) pela Dep. Imprensa Nacional/ RJ. (1953)
>>> A Trégua de Mario Benedetti pela Alfaguara (2007)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 1 de Divaldo Franco pela Intelitera (2010)
>>> Sonhos de J. J. Benitez pela Record (1995)
>>> Hora de Poesia de Ivan Luís Corrêa da Silva pela Modelo (2008)
>>> (In) Quietude Narrativas de Mim de Walkiria Helena pela Catalão em Prosa e Verso (2010)
>>> O Diário das Bruxas Parte I de F. A. F. Melo pela Catalão em Prosa e Verso (2008)
>>> Resgatando o Capital Humano de Roberto Boclin pela Folha Dirigida (2015)
>>> Personas Sexuais de Camille Paglia pela Companhia das Letras (1994)
>>> Uma Vida com Karol de Cardeal Stanislaw Dziwisz pela Objetiva (2007)
>>> Quem Me Roubou de Mim? de Pe. Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> Saúde de Miramez João Nunes Maia pela Fonte Viva (2016)
>>> Ataque do Comando P. Q. Descobrindo os Clássicos de Moacyr Scliar pela Ática (2004)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 2 de Divaldo Franco pela Intelitera (2013)
>>> The Colour Of Memory de Geoff Dyer pela Canongate (2012)
>>> Dark Places de Gillian Flynn pela Phoenix (2009)
>>> O Livro que Ninguém Leu de Owen Gingerich pela Record (2008)
>>> Coisas que Todo Professor de Português Precisa Saber a Teoria na Prática de Luciano Amaral Oliveira pela Parábola (2010)
>>> Políticas da Norma e Conflitos Linguísticos de Xoán Carlos Lagares Marcos Bagno pela Parábola (2011)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Barnes & Noble Classics (2003)
>>> Sense And Sensibility de Jane Austen pela Barnes & Noble Classics (2004)
>>> Muito Antes de 1500 de Epiága R. T. pela Madras (2005)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/4/2002
Uma análise sociossemiótica do trabalho
Adriana Baggio

+ de 7200 Acessos

O trabalho como sistema produtivo é um dos fundamentos da sociedade, e está em processo de mudança. Como um alicerce que se move e balança o prédio todo, as alterações nas relações de trabalho estão afetando toda a estrutura social já sedimentada, e com a qual a gente já se habituou. A relação mais básica de trabalho, considerando um serviço realizado em troca de dinheiro, é aquela em que se trabalha para receber um salário. É uma condição para a sobrevivência, por isso não é questionada. Quem tem essa relação com trabalho – por dependência desse sistema e por falta de condições de romper o esquema – não questiona, apenas dá continuidade ao processo que, usualmente, é exploratório. Uma relação um pouco mais sofisticada é aquela onde o trabalhador reconhece sua dependência do salário e da relação trabalhista, mas não está satisfeito e questiona. Pode ter ou não condições de mudar o processo. A próxima relação, em uma escala ascendente, é aquela em que a pessoa gosta do que faz, está satisfeita com a relação entre o trabalho realizado e a remuneração recebida. Pode questionar, se for o caso, e buscar uma outra situação dentro do mesmo esquema. Existem ainda duas situações extremas, que estão fora do sistema produtivo, porque não envolvem as duas variáveis: trabalho e salário. A primeira é onde a pessoa não trabalha e também não recebe. Vive à margem do sistema. A outra é onde a pessoa recebe sem precisar trabalhar. É o explorador do sistema produtivo.

Todas essas relações podem ser visualizadas através de uma análise sociossemiótica do sistema produtivo. A sociossemiótica é uma ciência nova que procura identificar o processo de significação dos discursos não-literários. O discurso das relações existentes no sistema produtivo não são, necessariamente, discursos como entendemos literalmente, ou seja, um documento escrito, por exemplo. A idéia que temos destas relações podem ser consideradas como um discurso, e por isso, podem ser analisadas e estudadas pela sociossemiótica.

Um momento da análise sociossemiótica compreende um esquema gráfico simples, chamado octógono semiótico. O estabelecimento das relações dentro deste octógono forma um meta-modelo que permite o estudo das relações entre os termos que compõem o polígono. O octógono só existe pela contraposição de dois termos antagônicos, condição necessária para a significação. Neste caso, os termos básicos para a construção do nosso meta-modelo são trabalho e salário. A tensão dialética existente entre esses dois termos é a idéia do sistema produtivo.

Além da relação dialética entre os termos contrários trabalho e salário, existem as relações de contraditoriedade entre os termos não-trabalho e não-salário. Para facilitar o entendimento das relações, podemos considerar não-trabalho como ociosidade. Não-salário, literalmente, seria escravidão, mas como esse tipo de relação não existe no sistema produtivo aqui analisado, podemos considerar o não-salário como uma remuneração ínfima, degradante.

Trazendo os cenários apresentados no início do texto para o octógono semiótico, a relação entre os contraditórios trabalho e salário degradante representa a exploração. É o tipo de relação que existe hoje, e que tende a piorar até chegar a um ponto de exaustão dentro das sociedades futuras. Os sistemas informatizados, a robótica, as novas tecnologias fazem com que o trabalho operacional seja cada vez mais independente da mão de obra humana. Os empregos estão se especializando, o que abre espaço para pessoas com melhor formação. As pessoas sem formação, ou obsoletas, tendem a ser excluídas do sistema produtivo, e passarão a fazer parte do grupo representado pela relação salário degradante – ociosidade. A tensão dialética entre esses dois termos dá origem à marginalidade, à existência fora do sistema produtivo. A pessoa não trabalha, e sobrevive graças a renda que recebe de bicos, trabalhos informais, mendicância.

Outra relação existe entre os contraditórios salário e ociosidade, que representa a elite, e que em outras épocas representou a nobreza. É a classe que também não participa do sistema produtivo porque recebe remuneração sem trabalhar. A renda da elite provém da exploração do sistema produtivo, mas sem colaboração com este. De uma maneira simplista, poderiam estar nessa classificação os especuladores, que obtêm a renda a partir do trabalho realizado por outros.

A diminuição do espaço dentro do sistema produtivo ideal – relação equilibrada e benéfica entre trabalho e salário – e o aumento do número de pessoas que tendem a ir para a marginalidade do sistema, vão gerar um conflito que será inevitável na passagem do sistema atual para as relações de trabalho da sociedade do futuro. A tendência é que não exista mais trabalho. As máquinas serão responsáveis por todas as atividades que hoje geram trabalho, dos operacionais aos mais qualificados. As pessoas terão tempo livre para fazer o que quiserem. O problema é que o trabalho é hoje, para muita gente, uma espécie de sobrenome, de identificação, de referência de personalidade. As características pessoais são relegadas a um segundo plano. Enquanto um cartão de visitas abre portas, identifica, agrega valor, fatores como educação ou bom caráter não dizem nada. Em uma sociedade sem trabalho essas características pessoais podem voltar a fazer diferença. Outro ponto é que, sem trabalho, as relações voltam a ser pessoais, desprotegidas da indiferença ou da máscara do convívio “profissional”.

Outra conseqüência da ausência de trabalho é a maior quantidade de tempo livre, fator gerador de ansiedade. Esse tempo livre precisa ser ocupado novamente, o que talvez dê origem a uma quantidade maior de pensadores. Esse estágio é um retorno à época em que o homem, descobrindo o fogo (diminuiu o tempo de digestão, que era passado dormindo), passou a ter mais tempo livre e, conseqüentemente, começou a pensar, refletir. São dessa época as primeiras produções artísticas. É evidente que uma sociedade sem trabalho, com recursos distribuídos de maneira equilibrada entre todas as pessoas, e onde o tempo seja usado para pensar maneiras de melhorar essa mesma sociedade, é uma idéia mais que utópica. Mas pode ser um vislumbre de uma nova estrutura social com a qual as futuras gerações vão precisar se adaptar.


Adriana Baggio
Curitiba, 25/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
03. 'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo de Duanne Ribeiro
04. Ler Oswald Spengler em 2014 de Celso A. Uequed Pitol
05. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANÁLISE DO DISCURSO
LUCAS NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



JÂNIO DE FIO A PAVIO
NELSON VALENTE
EDICON
(1992)
R$ 10,00



MAPEAMENTO E ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA DO SOLO
NAYARA LAGE SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



PREVIDÊNCIA SOCIAL: LEGISLAÇÃO COMPLETA E ATUALIZADA - COM CD
FUNDAÇÃO ANFIP DE ESTUDOS DA SEGURIDADE SOCIAL
FUNDAÇÃO ANFIP
(2002)
R$ 20,00



PENSAR É TRANSGREDIR
LYA LUFT
RECORD
(2004)
R$ 5,00



UM MESTRE DA LUZ TROPICAL
FERNANDO DUARTE
CINEMATECA BRASILEIRA
(2010)
R$ 20,00



MEU PRIMEIRO DICIONÁRIO ILUSTRADO DE INGLÊS
GIOVANA CAMPOS
RIDEEL
(2001)
R$ 15,00



O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
SCIPIONE
(1996)
R$ 4,00



XANAM -HISTÓRIAS ANTIGAS E NOVAS
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
R$ 4,16



À LUZ DO CÉU PROFUNDO ASTROLOGIA E POLÍTICA NO BRASIL
GETULIO BITTENCOURT
NOVA ERA
(1978)
R$ 8,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês