Jornalismo político ontem e hoje | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 24/8/2004
Jornalismo político ontem e hoje
Luis Eduardo Matta

+ de 5900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O mês de julho de 2004 foi marcado por uma notícia triste, devidamente registrada aqui, no "Digestivo n° 184": o fim prematuro d'O Pasquim21, a versão ressuscitada e reformulada do antigo e célebre jornal de resistência à repressão política do regime militar. Em sua reedição, a publicação contava com uma equipe de colaboradores de primeira linha - muitos dos quais egressos do primeiro Pasquim - um criativo e arrojado projeto gráfico, impressão em papel de muito boa qualidade e um sistema eficiente de distribuição nas principais capitais. Eu costumava adquirir o jornal com alguma regularidade e sempre me deliciava com o humor ácido e inteligente dos textos, tiras e charges, com as críticas a questões da atualidade, muitas feitas por meio de uma ironia mordaz e apreciava, sobretudo, o fato de ter em mãos uma publicação de alto nível que demonstrava um esforço em manter o bom senso nas análises, apesar de, vez por outra, tropeçar nas suas assumidas convicções políticas, esquecendo-se, nestas ocasiões, de que o apego a crenças e ideologias, sejam elas quais forem, não pode, jamais, sobrepor-se à percepção objetiva e implacável da realidade, ainda mais num segmento como o da imprensa, em cuja atuação livre e honesta repousa um dos pilares capitais da saudável estabilidade democrática.

A pergunta que não quer calar, portanto, é: se o jornal era possuidor de tantas qualidades, se apresentava requisitos de sobra para assegurar uma carreira duradoura e consistente num país carente de publicações semelhantes, por que se viu forçado a encerrar suas atividades? Imagino que muita gente tem, na ponta da língua, uma explicação automática e perigosamente óbvia: porque o povo brasileiro não lê praticamente nada, porque somos uma pátria de ignorantes funcionais, na qual os jornais só sobrevivem graças aos cadernos de esportes, de TV e às seções de horóscopo; querer, portanto, que um periódico semanal, concebido e levado a cabo por veteranos intelectuais vingasse, era uma utopia tão disparatada quanto a crença ingênua e algo apaixonada - em voga até muito recentemente -, de que a mera chegada ao poder no Brasil da esquerda (na acepção tradicional do termo), capitaneada por um ex-operário oriundo das massas iria, num piscar de olhos, trazer uma solução imediata e milagrosa aos seculares problemas do país os quais, de tão antigos, encontram-se entranhados na sociedade, como mofo num porão úmido que não é ventilado há décadas.

A questão, contudo, não é assim tão simples. É verdade que o povão, em geral, não se interessava pelo Pasquim21 (como não se interessa pela Bravo, pela Cult, pela Carta Capital, e por aí adiante), pois a maioria, lamentavelmente, ainda mal é capaz de decodificar uma frase breve e elementar de sujeito, verbo e predicado, que dirá assimilar as elaboradas e bem-humoradas análises que o jornal publicava todas as semanas. Mas, o fato é que, desde a chegada do primeiro número às bancas, em fevereiro de 2002, eu me incomodava com a sensação de estar diante de uma publicação brilhante, porém fora de sua época, não pelo conteúdo e sim pela relação com o público. Explico:

Vivemos, hoje, num Brasil muito diferente daquele dos anos setenta, quando o primeiro Pasquim vicejou. Desde então, tivemos a lei da anistia, o regime militar acabou pacificamente e a democracia consolidou-se, assegurando liberdade de imprensa, pluripartidarismo e eleições diretas a cada dois anos. O passado autoritário, apesar de ainda recente, tornou-se uma referência vaga e sem grande significado para a maior parte dos brasileiros. A queda do Muro de Berlim, o desmantelamento da União Soviética e a conseqüente decadência das ilusões socialistas frente ao avanço impiedoso do trator capitalista, puseram em xeque a tradicional divisão política bipolar que, durante décadas, alimentou o embate ideológico em todo o Ocidente. A simples oposição entre direita e esquerda, apesar de continuar a existir e a rever seus conceitos, dando vida a novas formas de pensamento em sintonia com as demandas do mundo atual, já não é suficiente para diagnosticá-lo e propor-lhe, sozinha, soluções factíveis e convincentes.

Do mesmo modo, o fim da censura política e a crescente concorrência entre as empresas de comunicação fizeram deflagrar uma prática inédita no Brasil de se denunciar abertamente atos de corrupção e incompetência administrativa em todas as esferas do poder público nacional o que, conjugado ao eternamente precário (quando não mal-intencionado) desempenho das nossas autoridades e legisladores no intuito de dar ao país condições decentes para que se desenvolva social, humana e economicamente, levou a opinião pública - antes esperançosa de que o retorno à democracia, afinal, trouxesse ao país as melhorias necessárias tão sonhadas -, a, gradativamente, desenvolver uma notória aversão por política, a ponto de ver no próprio ato de votar um sinônimo de opressão e perda de tempo; isso, apenas vinte anos depois de multidões terem saído às ruas de todo o Brasil para exigir Diretas Já. Política no Brasil é um tema que caiu em desgraça. As pessoas estão desinteressadas, revoltadas, céticas, indignadas, desesperançadas e isso é especialmente verdade entre a classe média urbana, que constitui, justamente, o público alvo de publicações na linha d'O Pasquim21.

Se as coisas chegaram a esse nível, como, então, viabilizar a comercialização de um jornal cujo foco principal é o mundo político numa sociedade com ódio de tudo relacionado a política, ainda mais se valendo de uma retórica ideológica que conquistava legiões de seguidores há trinta anos, mas que, hoje, não encontra quase nenhum eco numa sociedade inteiramente mudada, com dilemas e paradigmas diferentes e muito mais complexos? Talvez, fazendo um jornalismo em sintonia com a realidade e a linguagem de agora. Nos anos setenta, o humor d'O Pasquim representava um importante foco de resistência ao arbítrio da ditadura; suas charges e textos inteligentes, repletos de mensagens nas filigranas, funcionavam brilhantemente, pois a marcação cerrada da censura não permitia que fosse de outra forma. As pessoas liam o jornal porque sabiam que encontrariam nele um conteúdo subversivo, extremamente valioso numa época em que a grande imprensa se achava à beira da asfixia. Hoje, no entanto, a situação é outra. Charges, músicas de protesto e sátiras inteligentes já não satisfazem, sozinhas, o leitor politizado e preocupado com os rumos do país. A opinião pública tornou-se menos romântica e mais pragmática. De modo que, o único jornalismo político combativo possível no Brasil de hoje é aquele que se incumbe de trazer à tona, de forma cruel e sem disfarces, a podridão que vem corroendo o estado brasileiro desde o seu nascimento: o jornalismo investigativo, de denúncia e amparado por um eficiente esquema de apuração de dados e fatos.

Enfrentar o poder sempre foi uma tarefa perigosa e não será justamente agora, com o Brasil pegando fogo, que isso irá mudar. Assim como o pessoal d'O Pasquim enfrentou as baionetas há três décadas, hoje os que quiserem enveredar por esse caminho terão de se armar fortemente para poder sobreviver: arregimentar uma equipe de repórteres audaciosos, perspicazes e corajosos; contar com o apoio de um departamento jurídico ágil e atuante, para dar conta da enxurrada de processos que, certamente, desabará sobre o jornal após as primeiras denúncias; ter nervos de aço para suportar as inúmeras pressões, ameaças de retaliação e de morte que se sucederão e possuir um bom ativo financeiro para custear desde as despesas com as investigações (que poderão levar meses, envolver viagens dispendiosas, contratações de assistentes e, eventualmente, o pagamento de subornos estratégicos a informantes-chave) até os gastos com advogados e, num caso mais grave, com a segurança pessoal dos repórteres e seus familiares. Além disso, para cativar de vez os leitores, o jornal precisará estar sempre na dianteira e dar as notícias em primeira mão, antecipando-se à grande imprensa. Resumindo: trata-se de uma empreitada difícil, cara, tremendamente arriscada, que pode condenar seus idealizadores a uma vida de turbulências e à ira eterna dos poderosos, historicamente habituados a dispor do erário como se fosse uma extensão dos seus feudos e conglomerados. Mas, infelizmente, é a única que se apresenta viável frente ao atual quadro político brasileiro.

De resto, faço votos que Ziraldo, Zélio e toda a turma d'O Pasquim21 já estejam bolando uma nova publicação e reapareçam o mais breve possível e com força total. Um jornal como o Pasquim, com toda a sua criatividade e inteligência em alta voltagem, faz falta numa sociedade como a nossa, cada vez mais poluída pelo vazio, pela futilidade e pela baixaria repetitiva. Mesmo porque, humor nunca é demais, ainda mais o de boa qualidade, feito por gente que entende do assunto e sabe a diferença que uma palavra bem colocada pode fazer num ambiente de cerceamento de idéias.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 24/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
03. O Anvil e o amor à música de Rafael Fernandes
04. Meu encontro com o Millôr de Julio Daio Borges
05. A Serbian Film: Indefensável? de Duanne Ribeiro


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
04. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/8/2004
08h51min
Olá, Luis Eduardo, mais uma vez vou repetir que seus textos jornalísticos são sempre maravilhosos. No caso do Pasquim, acho realmente uma pena estar encerrando suas atividades. Como você mencionou, ele vem sendo um jornal de excelente qualidade. Na última FLIP, em Parati, tive a oportunidade de assistir à palestra do Ziraldo e alguém lhe fez a pergunta, porque o Pasquim estava encerrando as atividades. E sua resposta foi bastante clara e direta. Não me lembro exatamente as palavras, mas a idéia foi essa. A vida dele teve uma bandeira que era colocar o seu partido no poder para finalmente ver sua ideologia criando um novo país. E ele não teria coragem, por exemplo de fazer uma charge com o Lula recebendo e voando sem parar me seu novo avião! Acho que todos que ajudaram a eleger o presidente Lula, com talvez a última esperança de que o país pudesse sair de uma corrupção suja e mesquinha onde os políticos não tem o menor escrúpulo em criar taxas e impostos para o enriquecimento pessoal e dos seus partidos, sentem o mesmo. Parece que chegar ao poder significa espoliar o povo em proveito próprio! Ou quem sabe o Ziraldo, com sua intuição tão aguçada, previu que com a aprovação da nova lei que vai “controlar” a produção cultural e o jornalismo, o Pasquim de qualquer forma acabaria!
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho Assump]
24/8/2004
13h29min
Caro LEM, Sinceramente acredito que o fim do Pasquim ocorreu porque a maioria de seus integrantes são egressos de uma esquerda que se tornou lamentavelmente ultrapassada. Era triste ver um sujeito inteligente como o Fausto Wolff ficar lamentando todas as semanas o fim da utopia petista sem ter a menor coragem de rever suas próprias convicções. Não por acaso o que havia de melhor no Pasquim21 eram as (poucas) colaborações de autores jovens bem como as charges da nova geração de carunistas. Discordo de você numa coisa: há espaço não sei se no mercado mas ao menos no espectro da Imprensa para uma revista de esquerda moderna, nos moldes da Adbusters canadense. O problema é que o Ziraldo e sua turma são incapazes de fazê-la pois são órfãos do muro de Berlim, saudosos de um tempo que já passou. Construir uma publicação desse tipo com qualidade será tarefa da nove geração de jornalistas e escritores brasileiros. O desafio é termos competência para isso.
[Leia outros Comentários de Daniel Malaguti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM BRASÍLIA, DEZENOVE HORAS
TIAGO
DO AUTOR
(1994)
R$ 23,00



AMIGOS DE DEUS
JOSEMARÍA ESCRIVA
QUADRANTE
(2000)
R$ 22,00



DEATH NOTE: ALVOS 8
TSUGUMI OHBA
JBC
(2001)
R$ 10,00



FÊNIX E HARPIA: FACES MÍTICAS DA POESIA E DA POÉTICA DE IVAN JUNQ
CHRISTINA RAMALHO
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
(2005)
R$ 19,82



HENRI MATISSE -COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA 8
TRAD MARTIN ERNESTO RUSSO
FOLHA DE SÃO PAULO
(2007)
R$ 5,90



MENINO DE OLHO VIVO
RICARDO AZEVEDO
ÁTICA
(1996)
R$ 14,24



O CONSTRUTIVISMO E A ALFABETIZAÇÃO - (AUTOGRAFADO)
IVANILDE MOREIRA
LIVRUS
(2009)
R$ 80,00



A HORA E VEZ DO RIO DE JANEIRO E NOVO GOVERNO
JOÃO PAULO DOS REIS VELLOSO
JOSÉ OLYMPIO
(2007)
R$ 14,00



BEIRA-MAR - MEMÓRIAS 4
PEDRO NAVA
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 15,00



GILSON MARTINS - VIAJANDO NO DESIGN
GLÁUCIA CENTENO, GILSON MARTINS
ESTAÇAO DAS LETRAS
(2008)
R$ 37,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês