Dono do próprio país | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mediando a Soninha
>>> O injustificável
>>> 40
>>> Assim rasteja a humanidade
>>> Mário Faustino
>>> A dança das imagens de Murilo
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Leia de ouvido
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Mais Recentes
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
>>> O Vendedor de Sonhos - O Chamado de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Indulgência de Francisco Cândido Xavier pela Ide (1989)
>>> Liga da Justiça : A Guerra do Demônio Parte 1 e 2 de Alan Grant pela Mythos (2003)
>>> O Fiel da Balança de Taylor Caldwell pela Globo
>>> Júlia Especial vol. 10: O caso do detetive Baxter de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Vida e Sexo de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1970)
>>> Júlia Especial vol. 09: O caso do ônibus fantasma de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Júlia Especial vol. 07: O caso dos grafites apagados de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> O Sexo No Casamento de Regina Navarro Lins; Flávio Braga pela Best Seller (2006)
>>> Júlia Especial vol. 06: O caso da Rua Magnólia de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Batman - Guardião de Hollywood - Ed. Especial de DC Comics pela Mythos (2002)
>>> A Vida em Família de Rodolfo Calligaris pela Ide (1980)
>>> Dinho e Suas Finanças de David F. Hastings pela Fgv (2015)
>>> Hoje é Dia de Maria - Coletânea de Fotos da 1ª e 2ª Jornadas de Luis Alberto de Abreu, Luiz Fernando Carvalho pela Globo (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/5/2012
Dono do próprio país
Carla Ceres
+ de 4300 Acessos

Certas verdades proverbiais nascem aos pares. Gêmeas fraternas, apontam direções contrárias, endossam comportamentos opostos. Ainda assim, continuam ambas verdadeiras e aceitáveis dependendo da situação e da cultura que lhes dá guarida.

Herdamos dos portugueses o "Não deixe para amanhã o que puder fazer hoje", conselho de quem precisou fazer-se ao mar para sobreviver. Caindo em nosso solo inculto, a máxima prosperou, mandou buscar os parentes de além-mar e teve muitos filhos. A cultura do "Fia e porfia" ganhou até as bênçãos do Criador: "Deus ajuda a quem cedo madruga."

Porém nenhum provérbio governa sozinho. Para garantir um relativo equilíbrio à sabedoria popular, os gêmeos opositores entram em ação: "Mais vale quem Deus ajuda do que quem cedo madruga" e "Deixe para amanhã o que não precisar fazer hoje." Nunca ouviu esse último conselho? Garanto que existe. É um parente mais radical do "Dê tempo ao tempo." Sua lógica tranquilizadora faz sentido porque algumas situações difíceis se resolvem sozinhas.

Embora a mesma cultura abrigue máximas discordantes, um dos lados costuma predominar. Provérbios não gostam de ensinar o pai-nosso ao vigário. Se quiser ter uns vislumbres da alma de um povo, procure descobrir quais conselhos ele repete com frequência. Temerários aconselham cautela; esbanjadores louvam a economia. Ninguém precisa estimular pessoas sossegadas a pegar leve e deixar trabalho para amanhã, pois já faz parte de seu modo de vida socialmente aceito.

Quando se trata de "ganhar o pão com o suor de seu rosto", quase todas as culturas recomendam esforço e persistência. As honrosas exceções são povos que vivem na escravidão, tendo que labutar em benefício alheio. Grupos oprimidos podem até repetir que "o trabalho dignifica o homem", mas encontrarão desculpas e subterfúgios para continuar inativos.

Não vejo o brasileiro como um Macunaíma entregue à preguiça. A aversão ao trabalho é universal. Trabalhar desmotivado cansa e entedia qualquer indivíduo que ainda não esteja embrutecido pela rotina. Também não aceito o retrato retocado que Monteiro Lobato fez de nossos caipiras, um Jeca Tatu patologicamente indolente, porém curável com um vidro de Biotônico Fontoura.

O brasileiro atual tem melhor saúde e é capaz de grandes esforços em benefício próprio ou em atividades lúdicas e assistenciais que lhe interessem, mas, por baixo de toda essa energia, impera a velha malandragem que mandava fazer corpo mole diante de um patrão opressor. Quando nos cobram obrigações e deveres, regredimos historicamente e nos percebemos como escravos colonizados, cuja revolta só pode se manifestar através da resistência passiva e sonsa. Viramos mestres da enrolação.

Assumimos compromissos "pra inglês ver", depois nos indignamos quando não nos levam a sério. Aliás, dizem que a expressão "pra inglês ver" nasceu em 1831 quando a Inglaterra tentava obrigar o Brasil a abrir mão do trabalho escravo. A pressão britânica levou nosso Governo Regencial a promulgar uma lei garantindo liberdade aos negros que aqui aportassem. Até os ingleses sabiam que a lei não seria cumprida como, de fato, não foi.

Seja ou não descendente de escravos, boa parte dos brasileiros atuais se comporta como se não fosse dono do próprio país. Mal cumpre suas obrigações, sente-se esperto por isso e quase nunca exige seus direitos como deveria. Na escola, estuda o mínimo possível. Depois reclama que seu diploma não lhe garante uma boa colocação. Exigir ensino de qualidade jamais lhe passa pela cabeça. Há muitos engenheiros mal formados trabalhando como técnicos. Quantos bacharéis em direito acabam desistindo de advogar porque não passam no exame da ordem? O país está cheio de faculdades que fornecem diplomas "pra constar" e despejam doutores "inempregáveis" em suas áreas.

Quando o governo entra na equação, o resultado piora. A iniciativa privada pode cobrar desempenho de seus funcionários e demiti-los por incompetência. O setor público fornece emprego garantido, sem grandes cobranças. Sim, os concursos são difíceis, mas, uma vez superados, só trabalha a sério quem for honesto e forte o suficiente para resistir a maus exemplos, facilidades e coações.

Boa parte de nossos empresários também prima pela incorreção quando presta serviços a estados e municípios. A principal justificativa para esse comportamento é que até a união paga mal e com atraso. Empresas de todos os portes ganham licitações prometendo o impossível a preços irrisórios. Tudo bem, não pretendem cumprir mesmo. Cabe ao povo exigir qualidade nos serviços pelos quais paga muito e pontualmente. Precisamos ser donos do nosso país.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 31/5/2012

Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Complete Works of William Shakespeare - Comedies
William Shakespeare
New York
(2008)



Meus Filhos
A. Balbach
A Edificação do Lar



Livro Literatura Estrangeira A Sogra
Emma Southworth
Companhia Ed. Nacional
(1984)



Em Obras - os Trabalhadores da Cidade de São Paulo Entre 1775 e 1809
Amália Cristovão dos Santos
Alameda
(2018)



Memórias Emotivas
Izaías Almada
Mania de Livro
(1996)



O Príncipe
Nicolau Maquiavel
Abril Cultural
(1973)



Frutas Brasil Frutas
Silvestre Silva e Helena Tassara
Melhoramentos
(2005)



O Que Vale é a Intenção
Mallika Chopra
Gente
(2015)



O Que São os Sentimentos?
Oscar Brenifier
Caramelo
(2005)



Marley & Eu
John Grogan
Ediouro
(2006)





busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês