Dono do próprio país | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/5/2012
Dono do próprio país
Carla Ceres
+ de 4000 Acessos

Certas verdades proverbiais nascem aos pares. Gêmeas fraternas, apontam direções contrárias, endossam comportamentos opostos. Ainda assim, continuam ambas verdadeiras e aceitáveis dependendo da situação e da cultura que lhes dá guarida.

Herdamos dos portugueses o "Não deixe para amanhã o que puder fazer hoje", conselho de quem precisou fazer-se ao mar para sobreviver. Caindo em nosso solo inculto, a máxima prosperou, mandou buscar os parentes de além-mar e teve muitos filhos. A cultura do "Fia e porfia" ganhou até as bênçãos do Criador: "Deus ajuda a quem cedo madruga."

Porém nenhum provérbio governa sozinho. Para garantir um relativo equilíbrio à sabedoria popular, os gêmeos opositores entram em ação: "Mais vale quem Deus ajuda do que quem cedo madruga" e "Deixe para amanhã o que não precisar fazer hoje." Nunca ouviu esse último conselho? Garanto que existe. É um parente mais radical do "Dê tempo ao tempo." Sua lógica tranquilizadora faz sentido porque algumas situações difíceis se resolvem sozinhas.

Embora a mesma cultura abrigue máximas discordantes, um dos lados costuma predominar. Provérbios não gostam de ensinar o pai-nosso ao vigário. Se quiser ter uns vislumbres da alma de um povo, procure descobrir quais conselhos ele repete com frequência. Temerários aconselham cautela; esbanjadores louvam a economia. Ninguém precisa estimular pessoas sossegadas a pegar leve e deixar trabalho para amanhã, pois já faz parte de seu modo de vida socialmente aceito.

Quando se trata de "ganhar o pão com o suor de seu rosto", quase todas as culturas recomendam esforço e persistência. As honrosas exceções são povos que vivem na escravidão, tendo que labutar em benefício alheio. Grupos oprimidos podem até repetir que "o trabalho dignifica o homem", mas encontrarão desculpas e subterfúgios para continuar inativos.

Não vejo o brasileiro como um Macunaíma entregue à preguiça. A aversão ao trabalho é universal. Trabalhar desmotivado cansa e entedia qualquer indivíduo que ainda não esteja embrutecido pela rotina. Também não aceito o retrato retocado que Monteiro Lobato fez de nossos caipiras, um Jeca Tatu patologicamente indolente, porém curável com um vidro de Biotônico Fontoura.

O brasileiro atual tem melhor saúde e é capaz de grandes esforços em benefício próprio ou em atividades lúdicas e assistenciais que lhe interessem, mas, por baixo de toda essa energia, impera a velha malandragem que mandava fazer corpo mole diante de um patrão opressor. Quando nos cobram obrigações e deveres, regredimos historicamente e nos percebemos como escravos colonizados, cuja revolta só pode se manifestar através da resistência passiva e sonsa. Viramos mestres da enrolação.

Assumimos compromissos "pra inglês ver", depois nos indignamos quando não nos levam a sério. Aliás, dizem que a expressão "pra inglês ver" nasceu em 1831 quando a Inglaterra tentava obrigar o Brasil a abrir mão do trabalho escravo. A pressão britânica levou nosso Governo Regencial a promulgar uma lei garantindo liberdade aos negros que aqui aportassem. Até os ingleses sabiam que a lei não seria cumprida como, de fato, não foi.

Seja ou não descendente de escravos, boa parte dos brasileiros atuais se comporta como se não fosse dono do próprio país. Mal cumpre suas obrigações, sente-se esperto por isso e quase nunca exige seus direitos como deveria. Na escola, estuda o mínimo possível. Depois reclama que seu diploma não lhe garante uma boa colocação. Exigir ensino de qualidade jamais lhe passa pela cabeça. Há muitos engenheiros mal formados trabalhando como técnicos. Quantos bacharéis em direito acabam desistindo de advogar porque não passam no exame da ordem? O país está cheio de faculdades que fornecem diplomas "pra constar" e despejam doutores "inempregáveis" em suas áreas.

Quando o governo entra na equação, o resultado piora. A iniciativa privada pode cobrar desempenho de seus funcionários e demiti-los por incompetência. O setor público fornece emprego garantido, sem grandes cobranças. Sim, os concursos são difíceis, mas, uma vez superados, só trabalha a sério quem for honesto e forte o suficiente para resistir a maus exemplos, facilidades e coações.

Boa parte de nossos empresários também prima pela incorreção quando presta serviços a estados e municípios. A principal justificativa para esse comportamento é que até a união paga mal e com atraso. Empresas de todos os portes ganham licitações prometendo o impossível a preços irrisórios. Tudo bem, não pretendem cumprir mesmo. Cabe ao povo exigir qualidade nos serviços pelos quais paga muito e pontualmente. Precisamos ser donos do nosso país.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 31/5/2012

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol
02. Perguntas sagradas de Larissa Pontez
03. Chinese Democracy: grande disco de Rafael Fernandes
04. Escrever para não morrer de Andréa Trompczynski
05. A Turquia em Stoke Newington de Arcano9


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês