Dono do próprio país | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trilogia Evil Dead
>>> Joaquim Roriz
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
Mais Recentes
>>> Turismo. Princípios, práticas e filosofias. de Charles R. Goeldner, J.R. Brent Ritchie e Robert W. McIntosh pela Bookman (2002)
>>> Brasil : uma história. Cinco séculos de um País em contrução. de Eduardo Bueno pela Leya (2010)
>>> Historia da aeronáutica de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/5/2012
Dono do próprio país
Carla Ceres

+ de 3700 Acessos

Certas verdades proverbiais nascem aos pares. Gêmeas fraternas, apontam direções contrárias, endossam comportamentos opostos. Ainda assim, continuam ambas verdadeiras e aceitáveis dependendo da situação e da cultura que lhes dá guarida.

Herdamos dos portugueses o "Não deixe para amanhã o que puder fazer hoje", conselho de quem precisou fazer-se ao mar para sobreviver. Caindo em nosso solo inculto, a máxima prosperou, mandou buscar os parentes de além-mar e teve muitos filhos. A cultura do "Fia e porfia" ganhou até as bênçãos do Criador: "Deus ajuda a quem cedo madruga."

Porém nenhum provérbio governa sozinho. Para garantir um relativo equilíbrio à sabedoria popular, os gêmeos opositores entram em ação: "Mais vale quem Deus ajuda do que quem cedo madruga" e "Deixe para amanhã o que não precisar fazer hoje." Nunca ouviu esse último conselho? Garanto que existe. É um parente mais radical do "Dê tempo ao tempo." Sua lógica tranquilizadora faz sentido porque algumas situações difíceis se resolvem sozinhas.

Embora a mesma cultura abrigue máximas discordantes, um dos lados costuma predominar. Provérbios não gostam de ensinar o pai-nosso ao vigário. Se quiser ter uns vislumbres da alma de um povo, procure descobrir quais conselhos ele repete com frequência. Temerários aconselham cautela; esbanjadores louvam a economia. Ninguém precisa estimular pessoas sossegadas a pegar leve e deixar trabalho para amanhã, pois já faz parte de seu modo de vida socialmente aceito.

Quando se trata de "ganhar o pão com o suor de seu rosto", quase todas as culturas recomendam esforço e persistência. As honrosas exceções são povos que vivem na escravidão, tendo que labutar em benefício alheio. Grupos oprimidos podem até repetir que "o trabalho dignifica o homem", mas encontrarão desculpas e subterfúgios para continuar inativos.

Não vejo o brasileiro como um Macunaíma entregue à preguiça. A aversão ao trabalho é universal. Trabalhar desmotivado cansa e entedia qualquer indivíduo que ainda não esteja embrutecido pela rotina. Também não aceito o retrato retocado que Monteiro Lobato fez de nossos caipiras, um Jeca Tatu patologicamente indolente, porém curável com um vidro de Biotônico Fontoura.

O brasileiro atual tem melhor saúde e é capaz de grandes esforços em benefício próprio ou em atividades lúdicas e assistenciais que lhe interessem, mas, por baixo de toda essa energia, impera a velha malandragem que mandava fazer corpo mole diante de um patrão opressor. Quando nos cobram obrigações e deveres, regredimos historicamente e nos percebemos como escravos colonizados, cuja revolta só pode se manifestar através da resistência passiva e sonsa. Viramos mestres da enrolação.

Assumimos compromissos "pra inglês ver", depois nos indignamos quando não nos levam a sério. Aliás, dizem que a expressão "pra inglês ver" nasceu em 1831 quando a Inglaterra tentava obrigar o Brasil a abrir mão do trabalho escravo. A pressão britânica levou nosso Governo Regencial a promulgar uma lei garantindo liberdade aos negros que aqui aportassem. Até os ingleses sabiam que a lei não seria cumprida como, de fato, não foi.

Seja ou não descendente de escravos, boa parte dos brasileiros atuais se comporta como se não fosse dono do próprio país. Mal cumpre suas obrigações, sente-se esperto por isso e quase nunca exige seus direitos como deveria. Na escola, estuda o mínimo possível. Depois reclama que seu diploma não lhe garante uma boa colocação. Exigir ensino de qualidade jamais lhe passa pela cabeça. Há muitos engenheiros mal formados trabalhando como técnicos. Quantos bacharéis em direito acabam desistindo de advogar porque não passam no exame da ordem? O país está cheio de faculdades que fornecem diplomas "pra constar" e despejam doutores "inempregáveis" em suas áreas.

Quando o governo entra na equação, o resultado piora. A iniciativa privada pode cobrar desempenho de seus funcionários e demiti-los por incompetência. O setor público fornece emprego garantido, sem grandes cobranças. Sim, os concursos são difíceis, mas, uma vez superados, só trabalha a sério quem for honesto e forte o suficiente para resistir a maus exemplos, facilidades e coações.

Boa parte de nossos empresários também prima pela incorreção quando presta serviços a estados e municípios. A principal justificativa para esse comportamento é que até a união paga mal e com atraso. Empresas de todos os portes ganham licitações prometendo o impossível a preços irrisórios. Tudo bem, não pretendem cumprir mesmo. Cabe ao povo exigir qualidade nos serviços pelos quais paga muito e pontualmente. Precisamos ser donos do nosso país.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 31/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os defeitos meus de Renato Alessandro dos Santos
02. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
03. É o Fim Do Caminho. de Marilia Mota Silva
04. Mark Dery e o cotidiano virtualizado de Guilherme Mendes Pereira
05. A princesa insípida e o caçador de Carla Ceres


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2012
01. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
02. Liberdade de crença e descrença - 4/10/2012
03. Memórias de ex-professoras - 8/3/2012
04. O céu tornou-se legível - 3/5/2012
05. Dono do próprio país - 31/5/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Die Bodenreform in Der Britischen Zone 1945-1949
Gunter J. Trittel
Deutsche Verlags-anstalt
(1975)



Sap Interface Programming
Michael Wegelin/michael Englbrecht
Galileo Press
(2008)



Changer En Douceur: a La Recherche de Léquilibre
Alain Rochon
Les Editions de Lhomme
(1995)



Reumato Volume 2 - as Colagenoses
Equipe Medcurso
Medcurso
(2012)



Memórias Inacabadas - Obra Póstuma
Humberto de Campos
W. M. Jackson
(1945)



História Viva Mitologia 2 - as Leis do Olimpo
Thomas Bulfinch
Duetto



Depois do Silêncio
Raul Marques
7 Letras
(2009)



Doenças Infecciosas e Parasitárias
Ricardo Veronesi
Guanabara Koogan
(1962)



Legends of the Ferengi (star Trek: Deep Space Nine)
Ira Steven Behr, Robert Hewitt Wolfe
Pocket Books
(1997)



Você Meu Filho
Jean Bothorel
Brasiliense
(1986)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês