O fantástico mundo de Roth | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Terça-feira, 12/2/2008
O fantástico mundo de Roth
Daniel Lopes

+ de 4000 Acessos

Quantos escritores que publicaram seu primeiro romance antes dos 30 anos já apareceram com uma obra de grosso calibre? Passando os olhos rapidamente pela minha estante, apenas O estrangeiro, de Albert Camus, vem me socorrer na resposta a essa pergunta. Há El túnel, mas Ernesto Sabato o publicou apenas aos 37, marcando sua estréia na literatura. Há Dusklands, de J. M. Coetzee, mas que foi publicado quando seu autor contava 34 anos.

Talvez, se me demorar mais na estante, eu encontre uma ou duas companhias para Camus, e se for pesquisar pela internet, aparecerão mais um punhado. Mas não vou. Porque a pergunta seguinte é: quantos escritores publicaram antes dos 30 um romance, não apenas de considerável qualidade, mas, somado a isso, de incrível fôlego e sofisticação? A obra primeva de Camus na ficção não deixa ninguém com dúvidas de que se trata de um ótimo livro, mas é um romance curtinho.

Philip Roth apareceu com Letting go em 1962, ou seja, quando o autor tinha 29 anos ― em cima da hora! É um livro de espantosa qualidade. Espantosa não em retrospectiva, pois hoje nós sabemos do que Roth aparentemente sempre foi capaz de fazer. Mas se colocarmos em contexto e atentarmos apenas ao fato nu e cru de que o livro foi a primeira incursão do escritor estadunidense pelo romance (depois do bem-sucedido livro de contos Adeus, Columbus), o susto é inevitável. Poucas vezes na história da literatura alguém demonstrou tanta habilidade e vontade, ânsia, fome, fôlego para contar uma história assim no início de carreira. E podem sair pesquisando pelo Google.

São 630 páginas na mais recente edição da Vintage. No romance (atualmente fora de catálogo no Brasil), estão intercalados capítulos em primeira pessoa, acompanhando as andanças de Gabe Wallach, com outros em terceira, cobrindo as vidas de outros personagens. Gabe é um jovem professor de Inglês na Universidade de Chicago, solteiro e com o pai viúvo morando em Nova York. Mesmo a contragosto, esse professor está sempre se intrometendo nas vidas de outras pessoas, pois é acometido de um irrecuperável espírito altruísta ― ou melhor, de um incontrolável impulso altruísta. Embora ele não tenha inteira consciência disso, nós leitores estamos por dentro graças a nada menos que a própria narrativa de Gabe. Ora, observem este incrível parágrafo, prova do impulso que faz o personagem gravitar em torno de outros seres, e da frustração quando ele em nada pode ajudar, quando é impossível ajudar:

"Quando cruzei a ponte e estava dobrando para pegar a rua Dubuque, tive de diminuir a velocidade por causa de um acidente mais à frente. Um carro de polícia, uma ambulância e meia dúzia de pessoas reunidas sob a luz da rua. Havia também um caminhão de reboque na cena, cujo motorista reconheci, e na pista congelada vi uma maca. Eu estava pronto para contornar o carro de polícia e tomar a próxima rua cruzada, quando vi que na maca havia um cobertor, e embaixo do cobertor, uma pessoa. Parei o carro, saí e caminhei rumo ao centro do círculo. Acho que os policiais devem ter pensado que eu era um amigo ou parente que havia sido chamado, porque os dois ficaram de lado e me deixaram passar. O que vi me surpreendeu. O rosto aparecendo por sobre o cobertor não era de ninguém que eu conhecia."

Essa passagem também deixa clara a habilidade de Philip Roth na lida com o texto. É bem verdade, e o atestam as mais de seiscentas páginas, que nessa ficção ambientada nos anos 50 às vezes há divagações em demasia entre uma fala e outra dos personagens, e muitos pontos do enredo se repetem à exaustão, numa tentativa clara de fazer o leitor perceber que aquilo sim é importante, e não pode de modo algum passar batido. Sem falar nas páginas e páginas em que os personagens pensam, pensam e pensam, e lembram, lembram e lembram. Mas, como sabemos, Roth irá apurar sua técnica nas décadas seguintes, perdendo às vezes em fôlego, mas ganhando em intensidade ― vide seu penúltimo romance, Everyman (no Brasil, Homem comum), denso em suas pouco mais de cento e cinqüenta páginas.

Alguns temas a que o escritor iria recorrer incessantemente nos anos por vir já estão bem presentes em Letting go. O sexo não é um deles. O judaísmo, sim. Ou melhor, os conflitos que ocorrem dentro de famílias judaicas. Como Roth é um ficcionista, e não um sociólogo ou historiador, ele está sempre à vontade para lançar mão ora da ironia e do sarcasmo, ora de críticas mais abertas (mas, nem por isso, menos ficcionalizadas), até o ponto de não ser bem visto por membros da comunidade judaica de seu país.

Nesse livro do início da década de 60, Gabe é de uma família judaica, mas de judeus não-ortodoxos. Assim, a seu velho pai pouco importaria que o filho optasse casar-se com uma mulher católica ou protestante. O mesmo não se dá em ralação a Paul Herz. Paul trabalha na mesma universidade que Gabe, e é casado com Libby, uma jovem de saúde frágil e temperamento explosivo. Paul é de uma família judaica ultra-conservadora. Por ter escolhido uma não-judia para esposa, fez os pais sofrerem profundamente (e o deserdarem). À míngua, ele e a também despossuída companheira vão viver uma vida extremamente difícil, pois as contas nunca fecham, apesar das economias. Como se não bastasse, para complicar tanto a situação financeira do casal quanto a saúde de Libby, esta ainda teve de se submeter a um aborto logo após o casamento. Se tivesse gerado a criança, provavelmente sua saúde não teria se deteriorado (o procedimento era ilegal, e portanto muito inseguro), mas, certo como dois e dois, o casal iria à bancarrota.

Os vários capítulos que investigam esses dramáticos anos do casal Paul e Libby Herz são os de maior intensidade em Letting go, e em si já com carga suficiente para se construir uma ótima novela. Não apenas pela perturbação mental que o aborto deixou nos dois, mas também pelas sucessivas e fracassadas tentativas de Libby de se fazer aceitar pelos pais do amado. Ela passou pelos complexos processos de conversão ao judaísmo, tendo inclusive desistido dos estudos para uma maior dedicação ao futuro marido, mas nem por isso deixou de ser, aos olhos da família de Paul, uma mera "gentia". Para agradar aos pais e a si mesmo, Paul queria que a união fosse consagrada por um rabino, mas este, ao tomar conhecimento da situação religiosa de Libby, rudemente declarou:

"Cale a boca! Você é um secular, então seja secular! Não venha aqui até minha sinagoga com seus pés lamacentos por conta de razões sentimentais! Eu não casaria vocês mesmo se fossem dois judeus! Agora saia! Você é estúpido, uma praga e um covarde! Saia!"

A união dos dois acaba sendo feita modestamente por um Juiz de Paz.

Ao ficar por dentro dessa história (desse histórico), Gabe não se furta a oferecer sempre que pode ajuda ao casal. Seja ao colocar seu carro à disposição quando Paul é obrigado a vender o próprio, seja ao assumir a função de "intermediário" num complicado processo de adoção, sonho de Paul e Libby; esta, com a saúde que tem, foi alertada pelos médicos de que qualquer gravidez apresentaria grave risco de morte.

Gabe sente-se também com remorsos pelo fato de estar diante daquele jovem casal renegado pelos pais, carentes do amor e cuidado, enquanto ele próprio tem um pai que sempre lhe liga de Nova York, e do qual, estranhamente, sempre tenta fugir. Aqui encontramos outra característica que também estará em toda a ficção posterior de Roth: a complexidade e a ambigüidade dos personagens. Gabe por si mesmo: "Estava começando a parecer que, em direção àqueles por quem eu não sentia fortes sentimentos, eu gravitava; onde existia sentimento, eu fugia".

Só espero não estar dando a impressão, e estou, de que esse character Gabe Wallach é o astro central do sistema Letting go. A verdade é que, mesmo enquanto lemos seu relato em primeira pessoa, não há como deixar de perceber que são as mulheres que têm papel central no enredo. Há, além de Libby, Martha Reganhart, uma jovem divorciada e mãe de duas crianças, entre elas a arguta Cynthia (em contraste com seu irmãozinho lento de raciocínio); Theresa, jovem engravidada por um sujeito que ao que parece não irá assumir o filho, que deverá ser adotado por Libby/Paul; e outras mais secundárias, como Pat Spigliano, esposa do chefe de departamento de Gabe, que, surfando na crista da onda do racismo da época, vê as relações inter-raciais de forma tão perniciosa como o incesto (explica à sua pequena filha que "ela não poderia beijar crianças de cor pelo mesmo motivo que não poderia casar com seu irmão").

Como constatará quem ler o romance, as mulheres de Philip Roth não são perfeitas ou qualquer tipo de projetos de deusas. Pelo contrário, são seres à beira da loucura (Libby), que não se decidem sobre o que querem (Martha), com sintomas de idiotia (Theresa). Mas, ao mesmo tempo, enérgicas, com grande capacidade de se adaptar a situações-limite, com paixão de viver. Mulheres reais, enfim, pintadas com tintas fortes. O que não é de se estranhar, vindo de um admirador de Nathaniel Hawthorne.

E já que falei da esposa do chefe de departamento de Gabe, vale a pena acrescentar que o mundo acadêmico é outro dos alvos preferenciais de Roth. Sempre que pode, ele volta-se, com elegância, contra o pseudo-intelectualismo de professores e estudantes, contra a idéia da universidade como habitat do supra-sumo da espécie humana. Vejamos essas duas passagens bem próximas uma da outra, impressões captadas pelo narrador-professor Gabe Wallach:

"Nós [professores] vivíamos sempre à beira de um profundo abismo: havia a chance de que um de nós desse A para um ensaio a que outro tivesse dado um B.
(...)
Sam McDougall [um professor] havia escrito uma longa obra sobre a história da pontuação, e (...) era uma das mais importantes autoridades em ponto-e-vírgula e travessão. Um ano atrás ele desenterrou dois erros no uso de vírgulas em um artigo meu em American Studies, e desde então optou por sentar-se próximo a mim nas reuniões de professores para me mostrar a luz."

Captaram a fatuidade da academia, ou pelo menos de parte dela? E o humor? Eis aí outro traço inseparável da produção de Philip Roth. Dos momentos mais soturnos e depressivos ele é capaz tirar da cartola o coelho da graça; sem imperícia, diga-se de passagem, o que é fundamental. E é assim, já trazendo o embrião de vários conflitos e do estilo que Roth iria aprofundar e aperfeiçoar no futuro, que Letting go se faz uma leitura convidativa, feita por alguém que ainda teria muitas histórias para contar.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 12/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
02. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
03. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
04. Oversharing: que negócio é esse? de Vicente Escudero
05. Diz-que-diz de Ana Elisa Ribeiro


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2008
01. Não gostar de Machado - 3/6/2008
02. Chris Hedges não acredita nos ateus - 1/7/2008
03. Neruda, oportunista fantasiado de santo - 18/3/2008
04. 20 anos de Trapo - 25/9/2008
05. Cenas de um país machista - 17/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Galut
Itzack Baer
Perspectiva
(1977)



Referências Bibliográficas - 7ª Edição - uma Guia para Documentar ...
Derna Pescuma & Antonio Paulo Ferreira de Castilho
Olho Dágua
(2013)



A Dogmática Jurídica - 1ª Edição - Coleção Fundamentos do Direito
Rudolf Von Jhering
Ícone
(2013)



O Feijão e o Sonho
Orígenes Lessa
Ática
(1983)



Economia Solidaria da Cultura e Cidadania Cultural
Neusa Serra e Hamilton Faria
Ufabc
(2016)



Irmandade da Adaga Negra, Vol. 10 - Amante Renascido - 1ª Edição
J. R. Ward
Digerati
(2012)



Administre seu tempo
Iain Maitland
Nobel
(2000)



Hip Resurfacing Principles Indications Technique and Results
Harlan C Amstutz
Saunders Elsevier
(2008)



Manual do Concurso Público Didática Direta e Fácil Informática
Rodney José Idankas
Master
(2000)



Os Seis Livros da República - Livro Quinto - 1ª Edição - Coleção Fu...
Jean Bodin
Ícone
(2012)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês