Também somos violentos | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/1/2002
Também somos violentos
Daniela Sandler

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Bruno Weiszflog

Quando eu estive no Brasil, agora no fim do ano, ouvi de tanta gente a pergunta: "Mas você não está com medo?" Ouvi de amigos, gente da família, conhecidos, chofer de táxi, balconista, manicure....

Sim, estou com medo. Mas não, não estou com medo de que enfiem um avião na biblioteca da minha faculdade, nem de receber cartão de natal com antraz. Estou com medo de que aconteça alguma coisa com as pessoas aí, essas mesmas que me perguntaram, meus amigos, minha família, conhecidos, o chofer de táxi.

Desde que mudei para cá, senti o alívio e a beleza de viver com segurança. De não achar que vai surgir um cara armado assim que eu parar o carro no farol. De não ter minha carteira batida quando pego ônibus. De não temer pela vida de uma pessoa só porque ela pegou o carro e foi até o bar na sexta à noite.

Meu alívio sempre foi consciente, proclamado e festejado. Quando a tragédia toda aconteceu em Nova York, repeti para todo mundo que não ia voltar porque ainda me achava mais segura aqui. Com antraz e tudo. Com neura e tudo. Com avião fazendo pouso de emergência a três por quatro e tudo.

Acabei de saber de mais uma - mais uma! - conhecida que foi vítima de assalto a mão armada, em São Paulo, na semana passada. Cercada em seu carro de manhã - às dez horas da manhã - diante de testemunhas. Nem pudor (da luz do dia ou das pessoas) os assaltantes têm mais. Há mais ou menos um ano, uma amiga havia sido seqüestrada, passou a noite rodando com bandidos. Gente da minha família já passou por isso não uma, mas duas, três vezes. Um amigo teve seu pára-brisa arrebentado por uma pedra atirada de viaduto sobre a 23 de Maio - truque tosco para obrigá-lo a parar (não parou).

Endemia de violência

Eu de minha parte me considero sortuda, incólume: apenas fui assaltada uma vez, em que um pretenso vendedor de farol enfiou o tórax pela janela de meu carro (nem cheguei a ver a arma, mas não ia duvidar, né?) e levou R$ 30 - gente, isso não foi nada, nem valeu o susto! Sim, tenho sorte: o mais perto que cheguei de revólver foi quando assaltaram o carro à frente do meu. Isso, aliás, aconteceu duas vezes - pelo visto eu não parecia abonada o suficiente para ser roubada. Isso naquela época, porque agora, ao que me dizem, assaltam até velhinho aposentado e gente no fusquinha velho.

A violência no Brasil - nos grandes centros urbanos em especial, mas não só - se espalhou feito metástase: publicitário seqüestrado, prefeito assassinado, chacina na periferia, opressão nas favelas. Se os crimes são muitos, tão diversos e numerosos, que isso não sirva de desculpa para desconectá-los, como se fossem manifestações isoladas. Pois, se as motivações circunstanciais são específicas, conjunturais, há uma certa qualidade endêmica na violência brasileira.

É como se a gente, coletivamente, tivesse incorporado e aceitasse a violência como parte da vida, como fio do tecido social e político. Às vezes eu me perguntava como alguém conseguia viver em Israel, com tensão, bombas, atentados. Hoje olho para o Brasil e penso numa guerra civil - não tão explícita, talvez. Mas vejam: nas favelas, quadrilhas de traficantes instauram estado paralelo, mantido com metralhadoras. Sim, parece coisa de guerra - a porção de território que um dos combatentes conseguiu tomar.

Que mais? Um prefeito é seqüestrado e assassinado. O segundo do mesmo partido. Circunstâncias obscuras, cheiro de crime político. Crime político, gente! Não é preciso mais que um grau de separação para encontrar alguém que tenha ficado sob mira de arma. Muitos desses estiveram no meio de tiroteio - quando eu era criança, tiroteio era coisa de filme de bangue-bangue, de terras sem lei...

Contrição não enche barriga

Eu tinha uma professora, na faculdade, engajada em movimentos de habitação popular e reforma social. Ela dizia, em tom profético - talvez até um pouco desejoso - que, em alguns anos, seríamos vítimas de nosso próprio descaso pela miséria, prisioneiros de nossas casas e carros entrincheirados. Isso faz dez anos, e ela não estava muito longe da cena atual - com a diferença de que nem em nossas casas estamos seguros.

Quando eu era mais nova, idealista e ingênua, achava até bom que a desigualdade social se agravasse, porque aí os pobres, sem outra alternativa, talvez se revoltassem e fizessem um movimento em massa para mudar a ordem social.

Sim, nossa ordem social está abalada - mas não por revolta construtiva, e sim por violência dispersa, vingativa e egoísta. Por quê?

Porque talvez não sejamos tão diferentes assim dos assaltantes (e dos homicidas, e dos corruptos). Antes de explicar, quero rejeitar a versão simplista, que aponta vagamente a elite econômica como culpada pela disparidade social, e esta por conseguinte como causa imediata dos crimes. Estamos caducos de ouvir essa versão, estamos roucos de tanto repeti-la sem resultado, talvez tentando apaziguar nossas consciências ao admitir o pecado. Mas não basta confessar e rezar três-aves-marias: contrição não enche barriga nem pára bala de revólver. Também não expia nossa culpa, apenas nos distrai de nossas responsabilidades.

Sim, somos responsáveis. Mas de um modo mais profundo e perturbador do que gostaríamos. Somos violentos também. A violência - que, como vimos, é latente, não explícita como uma guerra - está na gente, em todos nós, na nossa cultura. Quando digo nós, falo de agentes históricos, de forças sociais. Nós forçamos pessoas para o meio do esgoto e achamos normal. Vemos crescer o menininho que vende chiclete no farol - seis, dez anos a fio, o mesmo menino, o mesmo farol - e achamos normal. Passamos na frente da favela, lemos sobre a última chacina do Jardim Ângela, temos uma faxineira que mora no Jardim Ângela - e estamos cegos para a nossa própria violência.

Peixes-obesos-mórbidos

Somos violentos com nós mesmos. Pagamos uma batelada de impostos, que pesam no salário médio (e no médio-alto também), enquanto os verdadeiros peixes-gordos - quero dizer, os peixes-balofos, peixes-sapo, peixes-obesos-mórbidos - sonegam e evadem taxação (e, ainda que não o fizessem, pagariam muito menos, proporcionalmente, do que as classes médias) sem que a gente solte um grito.

Sempre me horroriza pensar que o assaltante se sente no direito não só de roubar o dinheiro de outra pessoa, como também de atacar e matar. Falta escrúpulo moral básico. Bem, quando penso na sociedade em que esse assaltante nasceu e cresceu, não me surpreendo (mas ainda me horrorizo, e mais, pois falta escrúpulo moral básico em muito mais gente que os ladrões). Se eu fosse o menino do farol, talvez me horrorizasse diante do desfile diário de carros bacanas e gente estudada, cheirosa e bem-alimentada.

E, quando alguém tenta gritar - como o MST e outros movimentos sociais de base -, a gente sufoca o grito apontando defeitos, irregularidades, corrupções, violência. Somos rapidíssimos em detectar os problemas (naturais e inevitáveis) de grupos de reforma social. Os mesmos problemas que vemos no governo e na cidade e diante dos quais nos calamos. (Claro, o governo tem muito mais influência sobre o que e como aparece nas capas de revista do que o MST. Nós compramos a revista e compramos a sua versão dos fatos. Já vimos esse filme.)

Chega de calmante

Não sou louca de achar que o Brasil é o único país de violência endêmica. Aqui nos EUA, são os franco-atiradores, Unabombers e adolescentes frustrados. No Oriente Médio, são os estados beligerantes, intransigentes, seus exércitos, milícias e terroristas. Na China há uma ditadura; na África, lutas tribais; na Europa, um pouco de tudo: racistas, terroristas políticos. Não que o passado tenha sido muito melhor (imagine viajar de um feudo a outro na Idade Média). Acho mesmo que a violência é humana, inerente, que não há nada de novo nessas pulsões destrutivas - o que não significa que elas devam dominar e tomar conta de tudo. Afinal, os impulsos construtivos, criadores, de preservação da vida são igualmente humanos e inerentes.

A questão, para cada sociedade (para cada grupo, família, pessoa), é se esse embate de impulsos ou forças será dominado por violência, ou se a destrutividade será dominada (o que não significa eliminada).

Sociedades mais seguras, ou desenvolvidas, conseguiram de certa forma controlar sua violência latente. Digo isso num sentido amplo. Não só porque o patrulhamento, os mecanismos judiciários e a seriedade das punições contenham o crime. Mas também porque nesses países a disparidade social - que existe, sempre - é muito menor e menos aviltante que a brasileira. A violência quotidiana, invisível, mas nem por isso menos arrasadora da miséria está controlada. Não é que a pobreza não exista - mas não é ubíqua e escandalosa como a nossa: nem a pobreza, nem a violência.

Não cabe falar aqui dos meios pelos quais os países desenvolvidos controlaram sua violência (social, econômica, criminal). Esses meios têm seus problemas e complicações, por certo. Não vêm ao caso justamente porque não é questão de importar modelos. O que é preciso é que tenhamos a coragem de enxergar e entender nossa própria violência. De verdade, sem nos apaziguar com tranqüilizantes do tipo "é a estrutura social, vem de anos, de séculos, um indivíduo sozinho é impotente..." Sem o reconhecimento de nossos próprios crimes, nunca conseguiremos enfrentá-los - que dirá vencê-los.


Daniela Sandler
Riverside, 23/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Doces bárbaros de Elisa Andrade Buzzo
02. O Jabuti de Cristovão Tezza de Luiz Rebinski Junior
03. Guia para viajar sem sair da poltrona de Adriana Baggio


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/1/2002
03h42min
Há muito não lia uma opinião com tanta lucidez!!! É exatamente isso. Concordo em número, gênero e grau.
[Leia outros Comentários de Elaine Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês