Os bastidores de Psicose | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> A moreninha de Joaquim Manuel De Macedo pela Martinn Claret
>>> Ciências Telares 8º ano de Fernando Gewandsznajder e Helena Pacca pela Atica (2019)
>>> Morte e vida Severina Capa Dura de João Cabral de Melo Neto pela Grandes Escritores Brasileiros (1955)
>>> Papisa Joana - romance de Donna Woolfolk Cross pela Geração (2009)
>>> Crown of Midnight de Sarah J Maas pela Bloomsbury (2013)
>>> Ragtime de E.L. Doctorow pela Record (2017)
>>> Procura-se um coração de Lucia Seixas pela Ftd (2010)
>>> A Tulipa Negra de Alexandre dumas tradução e adaptação de Francisco Balthar Peixoto pela Ftd (2015)
>>> Por Que Amamos - O Que Os Mitos E A Filosofia Têm A Dizer Sobre O Amor de Renato nogueira pela Harper collins (2020)
>>> Os Mistérios Rosacruzes de Max Heindel pela Pensamento (1993)
>>> Grammatica - enciclopedia: iltaliana-inglese per gli it. deli stati uniti de Alberto pecorini pela Libreria nuova italia
>>> O Príncipe Destemido: a Saga de Prahlada Maharaja de Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pela Igvi (2011)
>>> O Príncipe Destemido: a Saga de Prahlada Maharaja de Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pela Igvi (2011)
>>> O Avatara Dourado de Sri Srimad Bhaktivedanta Narayana Gosvami Maharaja pela Braja (2011)
>>> A Verdade Sobre os Incas de Roselis Von Sass pela Ordem Do Graal (2011)
>>> Eurico o Presbítero de Alexandre Herculano pela Folha
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Folha
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Folha
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela O globo
>>> Muito Além do Nirvana: Biografia da Filosofia Mayavada de Srila Bhakti Prajanana Kesava Gosvami Maharaja pela Braja (2012)
>>> Lírica, redondilhas e sonetos de Camões pela Folha
>>> Espumas Flutuantes de Castro Alves pela Folha
>>> Senhora de José de Alencar pela Folha
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda: Laranja da China de Antônio de Alcântara Machado pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela O globo
COLUNAS

Sexta-feira, 21/3/2014
Os bastidores de Psicose
Gian Danton

+ de 4000 Acessos

Alfred Hitchcock já era um diretor consagrado quando dirigiu Psicose, em 1960. Seu nome num cartaz era quase certeza de sucesso de crítica e de público. Mas com essa obra, um filme barato e despretensioso, transformou-se num deus do cinema, ficou milionário e provocou verdadeira histeria coletiva. É a história dos bastidores desse sucesso inesperado que Stephen Rebello conta no livro Alfred Hitchock e os bastidores de psicose (Iluminuras).

A obra é um relato amplo de todas as circunstâncias relacionadas ao filme, a começar pela história do serial killer Ed Gein, que, no final dos anos 1950 assassinou várias mulheres na região rural de Wisconsin. Gein era um solteirão de 51 anos que vivia de pequenos biscates (entre eles tomar conta dos filhos dos casais da região), excêntrico, mas aparentemente inofensivo. Um dia o assistente do xerife foi visitar a sua mãe e encontrou a loja da qual ela era proprietária fechada. Ao lembrar que Gein mencionara que iria na loja naquele dia, resolveu visitar a fazenda do cinquentão. O que ele e os demais policias encontraram era um verdadeiro filme de horror: entre produtos para embalsamento e embalagens para comida, havia dois pares de lábios humanos pendurados num cordão, alguns narizes em cima da mesa da cozinha, um bolsa e braceletes feitos de pele humana, quatro cadeiras estofadas de carne, um tambor feito com pele humana, uma vasilha de sopa feita com um crânio, as peles descarnadas de quatro rostos de mulheres, com ruge e maquiagem presos à parede. Na estufa, o assistente do xerife encontrou sua mãe: estava nua, pendurada pelos calcanhares como um porco, e estripada.

O fato chocou a pequena localidade, principalmente depois que o assassino declarou à imprensa que nunca havia atirado em um cervo (e muitos se lembraram da deliciosa carne de veado que haviam ganhado dele).

Os jornais trataram Gein como o "açougueiro louco" e noticiaram seus assassinatos e suposto canibalismo, mas, com pudor, esconderam o travestismo, o roubo de cadáveres e a possível relação incestuosa com a mãe.

A 63 quilômetros dali, um escritor de 41 anos, discípulo e apadrinhado de H. P. Lovecraft, chamado Robert Bloch, procurava um tema para seu novo livro quando se deparou com uma pequena nota sobre um homem que fora preso após assassinar a dona de um armazém e pendurá-la, estripando-a como um cervo. Ele ficou intrigado com o fato de que um homem que nunca fora suspeito de nada e vivia numa pequena cidade do interior (em que, se alguém espirrasse no lado norte, alguém no lado sul diria saúde) acabara se revelando um assassino em série. Incrivelmente, as informações que conseguia sobre o fato eram mínimas, o que o fez usar mais a imaginação do que os fatos.

Na época, Freud estava em alta e Bloch decidiu dar ao seu personagem uma motivação psicológica bem ao gosto do criador da psicanálise: "Pensei: e se ele cometesse esses crimes num surto amnésico, sob controle de outra personalidade?". Essa outra personalidade, seria, claro, a mãe, fechando a relação edipiana. Para funcionar, a mãe deveria estar morta, mas "não seria legal se ela estivesse realmente presente de alguma forma? Foi quando me veio a ideia de que ele mantinha o corpo dela preservado". Segundo Rebello, ao usar a taxidermia como elemento principal da trama, Bloch cruzou a linha divisória entre o refinado mistério de salão do tipo "quem matou" e o puro terror. O livro seria revolucionário em mais um sentido: o escritor criou uma heroína simpática, deu a ela um problema, fez com que o leitor gostasse dela e a matou no primeiro terço da história, rompendo totalmente com o paradigma das histórias convencionais, em que os protagonistas sempre conseguem se safar das maiores dificuldades.

Bloch teria mais uma inspiração que seria fundamental para o filme: matar a heroína no chuveiro: "Eu tinha a opinião de que uma pessoa nunca está tão indefesa quanto no chuveiro".

Quando o livro já tinha sido publicado e era um sucesso, Bloch soube de todos os detalhes do caso e percebeu o quanto seu romance era semelhante com a história real: "Ao inventar meu personagem, cheguei muito perto da personalidade real de Ed Gein. Fiquei horrorizado em pensar como eu podia imaginar tais coisas".

Se de um lado Bloch estava assustado, do outro, Hitchcock se sentia obsoleto com o sucesso comercial e de crítica do thriller francês As diabólicas, de Henri-Georges Clouzot. Ele queria uma história diferente, para um filme tipicamente "não-hitchcockiano". Foi um assistente de produção que descobriu o livro, graças a uma resenha, e o apresentou ao diretor. Hitchcock ficou fascinado especialmente com a cena do assassinato no chuveiro. Além disso havia o acréscimo da heroína que morria no primeiro terço da história. Sem falar na esperteza do recurso do travestismo. O diretor viu ali uma ótima oportunidade para um filme de suspense que superasse a película francesa. Tanto que, quando os executivos da Paramount se negaram a financiar o projeto ele bateu o pé. "Você não vai conseguir o orçamento a que está habituado para fazer uma coisa assim. Nada de technicolor, nada de grandes atores. "Tudo bem eu dou um jeito", retrucou ele.

Uma das soluções foi utilizar a barata equipe de seu programa de TV, que já estava habituada a filmar diversas cenas por dia. Para escrever o roteiro, contratou o iniciante James Cavanagh e, quando este não conseguiu desenvolver a trama (na primeira versão havia até mesmo uma história romântica para desviar a atenção do assassinato da mocinha), contratou outro ainda mais novato: Joseph Stefano, um ex-ator que antes de começar a escrever episódios para TV nunca tinha nem mesmo lido um roteiro. Para interpretar o vilão contratou o astro em ascensão Antony Perkins, por apenas 40 mil dólares. Era o salário mais alto de todo elenco, ironicamente a exata quantia que a heroína Mary Crane surrupia de seu patrão no filme.

Os custos de produção eram tão baixos que durante muito tempo acreditou-se que ele estivesse produzindo um episódio para televisão.

Contrariando as expectativas dos produtores, o filme foi um sucesso absoluto, faturando quinze milhões de dólares apenas no mercado americano no seu primeiro ano de exibição e transformando seu diretor em um milionário.

Psicose foi mais do que um sucesso. Foi uma febre. Por causa dele a venda de cortinas de opacas de banheiro caiu nos EUA, assim como o número de hospedes de motéis de beira de estrada.

É essa história que o escritor e roteirista Stephen Rebello destrincha em uma prosa agradável. Um livro de mais de 200 páginas, mas que se devora em um tapa, em especial se o leitor for fã de cinema.


Gian Danton
Goiânia, 21/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
03. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
04. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
05. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2014
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea - 24/1/2014
03. O cão da meia-noite - 19/12/2014
04. Abelardo e Heloísa - 28/2/2014
05. A cultura visual e a emancipação do receptor - 20/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Voce S. A: Como Administrar Sua Carreira Como Se Fosse um Negocio
Ricardo de Almeida Prado Xavier
Sts / Manager
(1997)



Breaking Dawn
Stephenie Meyer
Megan Tingley Books
(2006)



Sobre a Fisionomia do Retrato; Tecnologia Intelectual: Progresso
Revista Humboldt, Nº 44 de 1981
F Bruckmann
(1981)



Nova Escola 219 - Janeiro / Fevereiro 2009 - Produção de Texto
Gabriel Pillar grossi
Abril
(2009)



Nella Foresta del Vocabolario
Aldo Gabrielli
Oscar Mondadori
(1977)



Farragans Retreat
Tom Mchale
Bantan Books
(1972)



Secretário Íntimo Preboste Ou Juiz Ou Mestre Irlandês...
Jorge Adoum - Mago Jefa
Pensamento



Direito na Atualidade – Volume III
André Vicente Freitas, Fernanda Paula Diniz
Lumen Juris
(2016)



Mariana Adeus
Noenio Spinola
Mandarim
(1998)



Taktike Systema Schema Futebol
Orlando Duarte
Unip
(2002)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês