Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/5/2010
Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock
Luiz Rebinski Junior

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Ivo Rodrigues é praticamente desconhecido no Brasil. Mas em Curitiba e no Paraná o vocalista da banda Blindagem era um ícone. Sua banda, aliás, era uma das precursoras do rock curitibano, primeiro como A Chave para, uma década depois, se transformar em Blindagem. A banda ficou conhecida nos anos 1980, mas não tinha nada a ver com o chamado BRock, a famigerada expressão inventada pelo jornalista Arthur Dapieve.

O primeiro disco da banda, chamado simplesmente de Blindagem, de 1981, tem uma porrada de músicas escritas por Paulo Leminski em parceira com Ivo Rodrigues. O disco, ao longo dos anos, se tornou um clássico local - e com razão. A música que abre o álbum se chama "Oração de suicida" e foi composta por Paulo Leminski e seu irmão Pedro, que em 1986 se enforcou em uma pensão em um bairro boêmio da cidade. A música, como quase todas do disco, é linda, um poema sobre desilusão e natureza. "Vejo nos teus olhos/ tão profundo/ as durezas que este mundo/ te deu pra carregar/ vejo também/ que sentes que tem/ amor para dar/ perdi-me na vida/ achei-me no sonho/ a vida que levo/ não é a que quero/ não quero mais nada..."

O disco é curtinho, tem apenas dez músicas, mas todas muito poderosas. Na capa do álbum pode-se ver um mochileiro no Pico do Marumbi, na serra do mar paranaense, ainda hoje destino certeiro de bichos-grilo em busca de sossego e birita ao ar livre. Nessas montanhas Leminski acampava com o irmão e se entorpecia de vodca. Esse é o clima que cerca o disco. Longe das guitarrinhas estridentes dos seus parceiros de geração, o Blindagem parecia ter um pé nos anos 1970 e outro no barro de algum sítio próximo de Curitiba quando gravou o disco. Não há muitos solos de guitarra, que dão lugar a um som mais acústico, recheado com violões, violas e gaitas. Almir Sater toca viola de dez cordas em "Berço de Deus", outra canção de louvação à natureza. "Não posso ver" e "Cheiro do mato" são verdadeiras odes ao naturismo e à pureza de espírito, sem que sejam inocentes ou pueris.

Talvez por conta desse deslocamento, o Blindagem tenha voltado rapidinho de seu passeio pelo Sudeste. O disco foi lançado pela Continental, mas não emplacou. Ivo e a trupe voltaram pra casa para comer pinhão. E fizeram bem, afinal de contas ainda não nasceu uma banda mais curitibana do que o Blindagem. É como o Ira! em São Paulo, mais ou menos. Isso porque a cidade tem bons representantes, como o Charme Chulo e a Relespública (que acaba de acabar), bandas que traduzem bem a atmosfera local. Mas o Blindagem era uma espécie de instituição que, mesmo sem lançar um disco de inéditas desde 1997, há treze anos, continuava saltitante pelos palcos do Paraná.

No interior do Estado, a banda tinha fãs que a recebiam com tapete vermelho e muita cerveja gelada, sempre. Qualquer show deles pelo interior tinha casa cheia. Era como encontrar velhos amigos depois de tempos. Talvez por isso a banda não se arriscasse muito fora de seus domínios. Pra quê? Falavam pra quem os entendiam, eram reverenciados e continuavam fazendo somente o que queriam. Eis o ideal hippie levado às últimas consequências. Alguns integrantes tinham outros empregos, se dedicavam paralelamente a outros projetos, pois o rock que faziam era apenas uma diversão.

Menos Ivo, que era o rock em seu estado bruto. Em uma noite de terça ou quarta-feira, podia-se encontrar Ivo cantando em botecos tradicionais do centro de Curitiba, como Stuart e Hermes. Também eram conhecidas as suas aparições surpresa em bares dedicados ao rock. Você estava no balcão tomando uma gelada e, de repente, como um Cristo andando sobre as águas, Ivo abria caminho na multidão com sua guitarra a tiracolo.

Chegava, tocava duas ou três músicas e zarpava para mais uma missão na noite gelada de Curitiba. Era rock sem frescura, desses em que o ídolo cumprimenta todo mundo, entra pela porta da frente e depois toma uma cerveja com a moçada. Ivo tinha um cabelão comprido e encaracolado. Nos últimos anos mantinha uma franja que lhe deixava parecido com o Joey Ramone, só que bem mais gordo. Sua aparência bonachona lhe valeu o apelido de "Tia Marli". Essa figura era um ícone tão importante quanto a gralha azul ou a araucária para os paranaenses. Sua voz potente poderia ser reconhecida até mesmo por um recém-nascido curitibano.

Depois do clássico disco de estreia, o Blindagem gravou mais dois álbuns de inéditas. Ainda que não sejam tão bons quanto o primeiro, em todos eles há grandes canções, como "O homem e a natureza", um clássico de João Lopes, o "bicho do Paraná", "Se eu tivesse" e "Lá vai o trem", esta sobre o prazer de descer a serra do mar a bordo de uma Maria Fumaça, todas do disco Cara e Coroa, de 1986.

Em 1997, a banda lançou Dias Incertos, um disco pesado gravado parte em Curitiba, parte na Itália. Nesse disquinho há uma música que se tornaria um hino dos falidos. "Dias incertos" é uma injeção de ânimo, com sarcasmo em excesso, àqueles que já perderam o rumo. "Às vezes ando tão fudido/ Quebrado na falta de grana/ Nervoso numas de horror/ Às vezes ando tão fudido/ Travado sem saber aonde ir/ Carente, sem ter amor..."

No dia 9 de abril pela manhã, uma sexta-feira, recebo um e-mail de Toninho Vaz, biógrafo de Leminski, comunicando a morte de Ivo, que há três meses lutava contra um câncer, depois de ter passado, anos atrás, por um transplante de fígado. Toninho é da mesma geração de Leminski e Ivo e conviveu com ambos nos anos 1970. Havia muitos anos eu não ficava chocado com a morte de alguém. O Blindagem tocava toda quarta-feira em um bar próximo à minha casa. Sempre que passava em frente ao bar e via a faixa anunciando a banda, pensava comigo: "preciso ver esses caras, faz um tempão que não escuto o Ivo cantar ao vivo". Não deu! As obrigações do trabalho e a leseira que o cotidiano impõe não me deixaram "perder" uma noite de sono pra me embebedar vendo um cara que cresci escutando e que sabia estar doente (Ivo foi aos dois últimos shows da banda com uma bolsa para urina). Só me restou dar uma passada rápida no teatro Guaíra, onde Ivo estava sendo velado ao som que produziu em vida. Com o coração apertado, como se estivesse perdido um parente próximo, à noite cheguei em casa e me encharquei de vodca ouvindo Blindagem. Valeu Ivo!


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
02. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
03. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
04. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2010
13h20min
Cheguei em Curitiba em 1968, vindo de um seminário por mais de oito anos; não havia encontrado um ambiente cultural no interior onde eu morava, mas Curitiba tinha tão quente vida, mesmo em noites tão frias. Bem o dizia Leminski: "O Rio tem Mar, mas Curitiba tem Bar!" Eu, sempre careta, vi logo isto muito bem em uma noite em que Juarez Machado, Fressato e este iniciante, pintavam alguns painéis para a fachada dos cinemas. Tudo estava tão calmo e produtivo, quando apareceu o Ivo com o Leminski, já vodcados, mas blindados, lúcidos e poetas de sempre! Depois deste dia, fiquei de fora, alguns ainda latiam e meu latim não combinava com isto tudo. Mas deixaram saudades que não passam, ficam como estes quentes e grandes nomes Curitibanos, na memória de nossa gente!
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês