Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/5/2010
Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock
Luiz Rebinski Junior

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Ivo Rodrigues é praticamente desconhecido no Brasil. Mas em Curitiba e no Paraná o vocalista da banda Blindagem era um ícone. Sua banda, aliás, era uma das precursoras do rock curitibano, primeiro como A Chave para, uma década depois, se transformar em Blindagem. A banda ficou conhecida nos anos 1980, mas não tinha nada a ver com o chamado BRock, a famigerada expressão inventada pelo jornalista Arthur Dapieve.

O primeiro disco da banda, chamado simplesmente de Blindagem, de 1981, tem uma porrada de músicas escritas por Paulo Leminski em parceira com Ivo Rodrigues. O disco, ao longo dos anos, se tornou um clássico local - e com razão. A música que abre o álbum se chama "Oração de suicida" e foi composta por Paulo Leminski e seu irmão Pedro, que em 1986 se enforcou em uma pensão em um bairro boêmio da cidade. A música, como quase todas do disco, é linda, um poema sobre desilusão e natureza. "Vejo nos teus olhos/ tão profundo/ as durezas que este mundo/ te deu pra carregar/ vejo também/ que sentes que tem/ amor para dar/ perdi-me na vida/ achei-me no sonho/ a vida que levo/ não é a que quero/ não quero mais nada..."

O disco é curtinho, tem apenas dez músicas, mas todas muito poderosas. Na capa do álbum pode-se ver um mochileiro no Pico do Marumbi, na serra do mar paranaense, ainda hoje destino certeiro de bichos-grilo em busca de sossego e birita ao ar livre. Nessas montanhas Leminski acampava com o irmão e se entorpecia de vodca. Esse é o clima que cerca o disco. Longe das guitarrinhas estridentes dos seus parceiros de geração, o Blindagem parecia ter um pé nos anos 1970 e outro no barro de algum sítio próximo de Curitiba quando gravou o disco. Não há muitos solos de guitarra, que dão lugar a um som mais acústico, recheado com violões, violas e gaitas. Almir Sater toca viola de dez cordas em "Berço de Deus", outra canção de louvação à natureza. "Não posso ver" e "Cheiro do mato" são verdadeiras odes ao naturismo e à pureza de espírito, sem que sejam inocentes ou pueris.

Talvez por conta desse deslocamento, o Blindagem tenha voltado rapidinho de seu passeio pelo Sudeste. O disco foi lançado pela Continental, mas não emplacou. Ivo e a trupe voltaram pra casa para comer pinhão. E fizeram bem, afinal de contas ainda não nasceu uma banda mais curitibana do que o Blindagem. É como o Ira! em São Paulo, mais ou menos. Isso porque a cidade tem bons representantes, como o Charme Chulo e a Relespública (que acaba de acabar), bandas que traduzem bem a atmosfera local. Mas o Blindagem era uma espécie de instituição que, mesmo sem lançar um disco de inéditas desde 1997, há treze anos, continuava saltitante pelos palcos do Paraná.

No interior do Estado, a banda tinha fãs que a recebiam com tapete vermelho e muita cerveja gelada, sempre. Qualquer show deles pelo interior tinha casa cheia. Era como encontrar velhos amigos depois de tempos. Talvez por isso a banda não se arriscasse muito fora de seus domínios. Pra quê? Falavam pra quem os entendiam, eram reverenciados e continuavam fazendo somente o que queriam. Eis o ideal hippie levado às últimas consequências. Alguns integrantes tinham outros empregos, se dedicavam paralelamente a outros projetos, pois o rock que faziam era apenas uma diversão.

Menos Ivo, que era o rock em seu estado bruto. Em uma noite de terça ou quarta-feira, podia-se encontrar Ivo cantando em botecos tradicionais do centro de Curitiba, como Stuart e Hermes. Também eram conhecidas as suas aparições surpresa em bares dedicados ao rock. Você estava no balcão tomando uma gelada e, de repente, como um Cristo andando sobre as águas, Ivo abria caminho na multidão com sua guitarra a tiracolo.

Chegava, tocava duas ou três músicas e zarpava para mais uma missão na noite gelada de Curitiba. Era rock sem frescura, desses em que o ídolo cumprimenta todo mundo, entra pela porta da frente e depois toma uma cerveja com a moçada. Ivo tinha um cabelão comprido e encaracolado. Nos últimos anos mantinha uma franja que lhe deixava parecido com o Joey Ramone, só que bem mais gordo. Sua aparência bonachona lhe valeu o apelido de "Tia Marli". Essa figura era um ícone tão importante quanto a gralha azul ou a araucária para os paranaenses. Sua voz potente poderia ser reconhecida até mesmo por um recém-nascido curitibano.

Depois do clássico disco de estreia, o Blindagem gravou mais dois álbuns de inéditas. Ainda que não sejam tão bons quanto o primeiro, em todos eles há grandes canções, como "O homem e a natureza", um clássico de João Lopes, o "bicho do Paraná", "Se eu tivesse" e "Lá vai o trem", esta sobre o prazer de descer a serra do mar a bordo de uma Maria Fumaça, todas do disco Cara e Coroa, de 1986.

Em 1997, a banda lançou Dias Incertos, um disco pesado gravado parte em Curitiba, parte na Itália. Nesse disquinho há uma música que se tornaria um hino dos falidos. "Dias incertos" é uma injeção de ânimo, com sarcasmo em excesso, àqueles que já perderam o rumo. "Às vezes ando tão fudido/ Quebrado na falta de grana/ Nervoso numas de horror/ Às vezes ando tão fudido/ Travado sem saber aonde ir/ Carente, sem ter amor..."

No dia 9 de abril pela manhã, uma sexta-feira, recebo um e-mail de Toninho Vaz, biógrafo de Leminski, comunicando a morte de Ivo, que há três meses lutava contra um câncer, depois de ter passado, anos atrás, por um transplante de fígado. Toninho é da mesma geração de Leminski e Ivo e conviveu com ambos nos anos 1970. Havia muitos anos eu não ficava chocado com a morte de alguém. O Blindagem tocava toda quarta-feira em um bar próximo à minha casa. Sempre que passava em frente ao bar e via a faixa anunciando a banda, pensava comigo: "preciso ver esses caras, faz um tempão que não escuto o Ivo cantar ao vivo". Não deu! As obrigações do trabalho e a leseira que o cotidiano impõe não me deixaram "perder" uma noite de sono pra me embebedar vendo um cara que cresci escutando e que sabia estar doente (Ivo foi aos dois últimos shows da banda com uma bolsa para urina). Só me restou dar uma passada rápida no teatro Guaíra, onde Ivo estava sendo velado ao som que produziu em vida. Com o coração apertado, como se estivesse perdido um parente próximo, à noite cheguei em casa e me encharquei de vodca ouvindo Blindagem. Valeu Ivo!


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol
02. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva
03. Cultura-Espuma, Hofdware e Outras Questões de Luis Dolhnikoff
04. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? de Ana Elisa Ribeiro
05. História da leitura (V): o livro na Era Digital de Marcelo Spalding


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2010
13h20min
Cheguei em Curitiba em 1968, vindo de um seminário por mais de oito anos; não havia encontrado um ambiente cultural no interior onde eu morava, mas Curitiba tinha tão quente vida, mesmo em noites tão frias. Bem o dizia Leminski: "O Rio tem Mar, mas Curitiba tem Bar!" Eu, sempre careta, vi logo isto muito bem em uma noite em que Juarez Machado, Fressato e este iniciante, pintavam alguns painéis para a fachada dos cinemas. Tudo estava tão calmo e produtivo, quando apareceu o Ivo com o Leminski, já vodcados, mas blindados, lúcidos e poetas de sempre! Depois deste dia, fiquei de fora, alguns ainda latiam e meu latim não combinava com isto tudo. Mas deixaram saudades que não passam, ficam como estes quentes e grandes nomes Curitibanos, na memória de nossa gente!
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESCUBRA-ME!NA FLORESTA TROPICAL
CARRON BROWN
GIRASSOL
(2013)
R$ 13,50



MENSAGEM DO AMOR MISERICORDIOSO ÀS ALMAS PEQUENAS
MARGARIDA
BARBOSA E XAVIER
(1976)
R$ 150,00



AGRESSÃO VIOLÊNCIA E CRUELDADE
JOSÉ ANGELO GAIARSA
GENTE
(1993)
R$ 18,00



DEAD ISLAND
MARK MORRIS
GALERA
(2015)
R$ 9,90



ENQUANTO HÁ LUZ
NARA COELHO
ITAPUÃ
(2003)
R$ 5,90



SOHLMAN CONVERSATION GUIDE INTERPRETER
WALDEMAR J. ADAMS
EDWARD HACK
(1947)
R$ 21,32



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JANEIRO DE 1966
TITO LEITE REDATOR CHEFE
YPIRANGA
(1966)
R$ 7,00



CINCO ESTRELAS - COL. LITERATURA EM MINHA CASA
SELEÇÃO ANA MARIA MACHADO
OBJETIVA
(2001)
R$ 7,00



BUILDING ROUTES TO CUSOMERS
PETER RAULERSON
SPRINGER
(2000)
R$ 6,90



ÁGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(2010)
R$ 5,00





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês