Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> Do inferno ao céu
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> O amor que choveu
Mais Recentes
>>> Como Trabalhar Para Um Idiota de John Hoover pela Saraiva (2010)
>>> Não Tenha Medo De Ser Chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Fui Promovido! E Agora? de Roberto Ruban pela M. Books (2010)
>>> Faça O Que Tem De Ser Feito de Bob Nelson pela Sextante (2003)
>>> Deixar de Fumar O que Você Precisa Saber de Jorge Schemes pela Dpl (2004)
>>> Casamento Blindado de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Pai Rico Pai Pobre de Robert T. Kiyosaki pela Campus (2000)
>>> De Volta Ao Mosteiro de James C. Hunter pela Sextante (2014)
>>> Ufo Os Códigos Proibidos de Alfredo Lissoni pela Madras (2007)
>>> 12 Meses Para Enriquecer. O Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> O Flagelo de Hitler de Albert Paul Dahoui pela Lachâtre (2012)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global: Aumentando Sua Inteligência Interpessoal de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos tempos/ RJ. (1992)
>>> Temperamento forte e bipolaridade de Diogo Lara pela Do autor (2004)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ.
>>> As Chaves da Autoconfiança: um Guia Avançado para Vencer na Vida de Robert Anthony pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Estruturas Clínicas de Freud a Lacan Travessia Nº 3 Jan/94 de Vários pela Gráfica da Ufes (1994)
>>> Viabilizando Talentos:Como Semear o Crescimento Pessoal e Profissional de J. R. Gretz pela Florianópolis (1997)
>>> O inumano: considerações sobre o tempo de Jean-François Lyotard pela Estampa (1997)
>>> Toque de Midas: Dinheiro, Poder e Riqueza, do Oriente ao Ocidente de Anthony Sampson pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Prepare-se para Enriquecer... de R. Stanganelli pela Eparma (1983)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Apometria...E Por que Não? de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Concubinos: União Estável no Novo Código Civil/ Encad. de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2002)
>>> Principios Para Uma Clinica Antimanicomial e outros escritos 1 edição de Ana Marta Lobosque pela Hucitec (1997)
>>> Direito Administrativo de Diógenes Gasparini pela Saraiva/ SP. (1995)
>>> Recursos Humanos: Crise e Mudanças de Flávio de Toledo pela Atlas/ SP. (1989)
>>> Análise Sintática: a Oração na Frase Portuguesa de Antonio de Abreu Rocha/autografado pela São Vicente/ Belo Horizonte (1957)
>>> Filologia e Gramatica: Referente À Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr pela J. Ozon Editor/ RJ. (1968)
>>> A Análise Matemática do Estilo: Aplicação do Processo de Fucks... de Tulo Hostílio Montenegro pela Ibge: / RJ. (1956)
>>> Atlas Previo dos Falares Baianos de N. Rossi pela Imprensa Nacional: Inl: Rio (1965)
>>> Sintomas Mórbidos - A Encruzilhada da Esquerda Brasileira de Sabrina Fernandes pela Autonomia Literária (2019)
>>> Trechos Selectos (trechos Seletos): Com uma Introdução ... de Sousa da Silveira pela Typogr. Bernard Frères/ RJ. (1919)
>>> Revolução Africana - Uma antologia do pensamento marxista de Jones Manoel e Gabriel Landi (orgs.) pela Autonomia Literária (2019)
>>> Antifa - O Manual Antifascista de Mark Bray pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Narrative of Travels on the Amazon and Rio Negro de Alfred Russel Wallace (ll. D) pela Ward, Lock/ B. and Co. London (1892)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> Calibã e a Bruxa - Mulheres, Corpo e a Acumulação Primitiva de Silvia Federici pela Elefante (2017)
>>> Ah! Eu Não Acredito! de Sérgio Almeida pela Casa da Qualidade (2001)
>>> As Aventuras de Pedro Malasarte de Sérgio Augusto Teixeira pela Ediouro
>>> O'Hurley's Return de Nora Roberts pela Visit Silhouette Books (2010)
>>> Glory in Death de Nora Roberts (Writing as J. D. Robb) pela Berkley (2000)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/5/2010
Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock
Luiz Rebinski Junior

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Ivo Rodrigues é praticamente desconhecido no Brasil. Mas em Curitiba e no Paraná o vocalista da banda Blindagem era um ícone. Sua banda, aliás, era uma das precursoras do rock curitibano, primeiro como A Chave para, uma década depois, se transformar em Blindagem. A banda ficou conhecida nos anos 1980, mas não tinha nada a ver com o chamado BRock, a famigerada expressão inventada pelo jornalista Arthur Dapieve.

O primeiro disco da banda, chamado simplesmente de Blindagem, de 1981, tem uma porrada de músicas escritas por Paulo Leminski em parceira com Ivo Rodrigues. O disco, ao longo dos anos, se tornou um clássico local - e com razão. A música que abre o álbum se chama "Oração de suicida" e foi composta por Paulo Leminski e seu irmão Pedro, que em 1986 se enforcou em uma pensão em um bairro boêmio da cidade. A música, como quase todas do disco, é linda, um poema sobre desilusão e natureza. "Vejo nos teus olhos/ tão profundo/ as durezas que este mundo/ te deu pra carregar/ vejo também/ que sentes que tem/ amor para dar/ perdi-me na vida/ achei-me no sonho/ a vida que levo/ não é a que quero/ não quero mais nada..."

O disco é curtinho, tem apenas dez músicas, mas todas muito poderosas. Na capa do álbum pode-se ver um mochileiro no Pico do Marumbi, na serra do mar paranaense, ainda hoje destino certeiro de bichos-grilo em busca de sossego e birita ao ar livre. Nessas montanhas Leminski acampava com o irmão e se entorpecia de vodca. Esse é o clima que cerca o disco. Longe das guitarrinhas estridentes dos seus parceiros de geração, o Blindagem parecia ter um pé nos anos 1970 e outro no barro de algum sítio próximo de Curitiba quando gravou o disco. Não há muitos solos de guitarra, que dão lugar a um som mais acústico, recheado com violões, violas e gaitas. Almir Sater toca viola de dez cordas em "Berço de Deus", outra canção de louvação à natureza. "Não posso ver" e "Cheiro do mato" são verdadeiras odes ao naturismo e à pureza de espírito, sem que sejam inocentes ou pueris.

Talvez por conta desse deslocamento, o Blindagem tenha voltado rapidinho de seu passeio pelo Sudeste. O disco foi lançado pela Continental, mas não emplacou. Ivo e a trupe voltaram pra casa para comer pinhão. E fizeram bem, afinal de contas ainda não nasceu uma banda mais curitibana do que o Blindagem. É como o Ira! em São Paulo, mais ou menos. Isso porque a cidade tem bons representantes, como o Charme Chulo e a Relespública (que acaba de acabar), bandas que traduzem bem a atmosfera local. Mas o Blindagem era uma espécie de instituição que, mesmo sem lançar um disco de inéditas desde 1997, há treze anos, continuava saltitante pelos palcos do Paraná.

No interior do Estado, a banda tinha fãs que a recebiam com tapete vermelho e muita cerveja gelada, sempre. Qualquer show deles pelo interior tinha casa cheia. Era como encontrar velhos amigos depois de tempos. Talvez por isso a banda não se arriscasse muito fora de seus domínios. Pra quê? Falavam pra quem os entendiam, eram reverenciados e continuavam fazendo somente o que queriam. Eis o ideal hippie levado às últimas consequências. Alguns integrantes tinham outros empregos, se dedicavam paralelamente a outros projetos, pois o rock que faziam era apenas uma diversão.

Menos Ivo, que era o rock em seu estado bruto. Em uma noite de terça ou quarta-feira, podia-se encontrar Ivo cantando em botecos tradicionais do centro de Curitiba, como Stuart e Hermes. Também eram conhecidas as suas aparições surpresa em bares dedicados ao rock. Você estava no balcão tomando uma gelada e, de repente, como um Cristo andando sobre as águas, Ivo abria caminho na multidão com sua guitarra a tiracolo.

Chegava, tocava duas ou três músicas e zarpava para mais uma missão na noite gelada de Curitiba. Era rock sem frescura, desses em que o ídolo cumprimenta todo mundo, entra pela porta da frente e depois toma uma cerveja com a moçada. Ivo tinha um cabelão comprido e encaracolado. Nos últimos anos mantinha uma franja que lhe deixava parecido com o Joey Ramone, só que bem mais gordo. Sua aparência bonachona lhe valeu o apelido de "Tia Marli". Essa figura era um ícone tão importante quanto a gralha azul ou a araucária para os paranaenses. Sua voz potente poderia ser reconhecida até mesmo por um recém-nascido curitibano.

Depois do clássico disco de estreia, o Blindagem gravou mais dois álbuns de inéditas. Ainda que não sejam tão bons quanto o primeiro, em todos eles há grandes canções, como "O homem e a natureza", um clássico de João Lopes, o "bicho do Paraná", "Se eu tivesse" e "Lá vai o trem", esta sobre o prazer de descer a serra do mar a bordo de uma Maria Fumaça, todas do disco Cara e Coroa, de 1986.

Em 1997, a banda lançou Dias Incertos, um disco pesado gravado parte em Curitiba, parte na Itália. Nesse disquinho há uma música que se tornaria um hino dos falidos. "Dias incertos" é uma injeção de ânimo, com sarcasmo em excesso, àqueles que já perderam o rumo. "Às vezes ando tão fudido/ Quebrado na falta de grana/ Nervoso numas de horror/ Às vezes ando tão fudido/ Travado sem saber aonde ir/ Carente, sem ter amor..."

No dia 9 de abril pela manhã, uma sexta-feira, recebo um e-mail de Toninho Vaz, biógrafo de Leminski, comunicando a morte de Ivo, que há três meses lutava contra um câncer, depois de ter passado, anos atrás, por um transplante de fígado. Toninho é da mesma geração de Leminski e Ivo e conviveu com ambos nos anos 1970. Havia muitos anos eu não ficava chocado com a morte de alguém. O Blindagem tocava toda quarta-feira em um bar próximo à minha casa. Sempre que passava em frente ao bar e via a faixa anunciando a banda, pensava comigo: "preciso ver esses caras, faz um tempão que não escuto o Ivo cantar ao vivo". Não deu! As obrigações do trabalho e a leseira que o cotidiano impõe não me deixaram "perder" uma noite de sono pra me embebedar vendo um cara que cresci escutando e que sabia estar doente (Ivo foi aos dois últimos shows da banda com uma bolsa para urina). Só me restou dar uma passada rápida no teatro Guaíra, onde Ivo estava sendo velado ao som que produziu em vida. Com o coração apertado, como se estivesse perdido um parente próximo, à noite cheguei em casa e me encharquei de vodca ouvindo Blindagem. Valeu Ivo!


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 12/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
05. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2010
13h20min
Cheguei em Curitiba em 1968, vindo de um seminário por mais de oito anos; não havia encontrado um ambiente cultural no interior onde eu morava, mas Curitiba tinha tão quente vida, mesmo em noites tão frias. Bem o dizia Leminski: "O Rio tem Mar, mas Curitiba tem Bar!" Eu, sempre careta, vi logo isto muito bem em uma noite em que Juarez Machado, Fressato e este iniciante, pintavam alguns painéis para a fachada dos cinemas. Tudo estava tão calmo e produtivo, quando apareceu o Ivo com o Leminski, já vodcados, mas blindados, lúcidos e poetas de sempre! Depois deste dia, fiquei de fora, alguns ainda latiam e meu latim não combinava com isto tudo. Mas deixaram saudades que não passam, ficam como estes quentes e grandes nomes Curitibanos, na memória de nossa gente!
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS AOS MEUS AMIGOS - FRANZ KAFKA (LITERATURA ALEMÃ)
FRANZ KAFKA
NOVA ÉPOCA EDITORIAL
R$ 15,00



OS LUSÍADAS DE CAMÕES
LUÍS DE CAMÕES PREF. ALVARO JULIO
INSTITUTO CAMÕES
(2000)
R$ 37,39



PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO -Nº 1
CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA
PEPSIC
(2009)
R$ 6,00



LÁZARO: A AMIZADE NA BÍBLIA
MARCO GARZONI
PAULINAS
(1997)
R$ 12,82



E. BOUDIN NO BRASIL
JOSÉ ROBERTO TEIXEIRA LEITE

R$ 25,00



QUEDA DE GIGANTES
KEN FOLLETT
SEXTANTE
(2010)
R$ 25,00



O QUE É REVOLUÇÃO UTOPIA - ANARQUISMO
FLORESTAN FERNANDES- TEIXEIRA COELHO - CAIO TULIO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,90



AFINAL, QUEM SOMOS?
PEDRO GRANJA
EDICEL
(1981)
R$ 40,00



CIENCIAS NATURAIS - APRENDENDO COM O COTIDIANO
EDUARDO LEITO DO CANTO
MODERNA DIDÁTICOS
(2013)
R$ 7,00



SEUS PONTOS FRACOS
DR. WAYNE W. DYER
RECORD
(1976)
R$ 6,80





busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês