Tiroteio, racismo e demagogia em sala de aula | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
>>> Manual prático do ódio
>>> Greatest hits em forma de coluna
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Jogando com Cortázar
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Diálogos de Platão, pela editora da Universidade Federal do Pará
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Simonal e O Pasquim: nem vem que não tem
Mais Recentes
>>> Insurgente de Veronica Roth pela Rocco (2013)
>>> Cidades de Papel de John Green pela Intrínseca (2013)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo Adaptação de Silvana Salerno pela Seguinte (2014)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> 1815 de Henry Houssaye pela Perrin et Cia. Libraires-édite (1912)
>>> 1919 de John dos Passos pela Abril (1980)
>>> 1919 de John dos Passos pela Abril (1980)
>>> "a" de álibi de Sue Grafton pela Ediouro (1993)
>>> "b" de Busca de Sue Grafton pela Ediouro (1993)
>>> "c" de Cadáver de Sue Grafton pela Ediouro
>>> "d" de Dívida de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> 007 Encontro Em Berlim de Ian Fleming pela Bloch
>>> 007 Goldfinger - uma Novela de James Bond de Ian Fleming pela Best Seller
>>> 007 o Satânico Dr. No de Ian Fleming pela Bestseller
>>> 1° Livro de Leitura de Alegria de Ler pela Abril
>>> 1° Livro de Leitura de Alegria de Ler pela Abril
>>> 10 Que Valem 30! de Atilio Bari; Patricia Lima pela Scipione (2002)
>>> 100 Cronicas de Mario Prata pela O Estado de S Paulo (1997)
>>> 100 Dicas para Viajar Melhor - Ideias para Antes, Durante e Depois Da de Ricardo Freire pela Globo (2008)
>>> 100 Impulsos Positivos para Viver Melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> 100 maneiras de conquistar um homem na cama de Hans Freud / Nadia Maggi pela Sampa
>>> 100 Reflexões Filosóficas e Cor Local nos Romances Mediúnicos de Victo de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2009)
>>> 100 Segredos das Pessoas Felizes de David Niven pela Sextante (2001)
>>> 1000 Erros de Portugues de Luiz Antonio Sacconi pela Nossa
>>> 101 Dicas Essenciais - Gravidez de Outros pela Ediouro (1996)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph pela Best Seller (2010)
>>> 101 Segredos para Ser um Supervisor Bem-sucedido de Peter R. Garber; Mark S. Loper pela Futura (1999)
>>> 12 Semanas para Mudar uma Vida de Augusto Cury pela Academia de Intelige (2007)
>>> 127 Coisas para Ser Feliz de Donna Wilkinson; Vitoria Paranhos Mantovani pela Ediouro (2010)
>>> 13 á 18 de Fevereiro de 1922 - a Semana de 22: Revolução Estética de Marcia Camargos pela Lazuli (2007)
>>> 15 Minutos Espanhol de Ana Bremón pela Publifolha (2005)
>>> 15 Seconds de Andrew Cross pela Harper (2012)
>>> 1808 Juvenil - Laurentino Gomes de Laurentino Gomes pela Planeta Jovem (2008)
>>> 1808 Juvenil - Laurentino Gomes de Laurentino Gomes pela Planeta Jovem (2008)
>>> 1932 - São Paulo Em Chamas de Luiz Octavio de Lima pela Planeta
>>> 1961 o Brasil Entre a Ditadura e a Guerra Civil de Paulo Markun; Duda Hamilton pela Benvira (2011)
>>> 1968 - o Ano Que Não Terminou - a Aventura de uma Geração de Zuenir Ventura pela Nova Fronteira (1988)
>>> 20 Ficções Sobre o Amor e Ribeirão Preto de Alexandre Azevedo Etc pela Coruja (2013)
>>> 20. 000 Léguas Matemáticas de A. K. Dewdney pela Jorge Zahar (2000)
>>> 20. 000 léguas submarinas de Julio Verne pela Mônica Krauzs (2005)
>>> 20. 000 léguas submarinas de Julio Verne pela Mônica Krauzs (2005)
>>> 200 Músicas Inesquecíveis Volume Iii de Sérgio Roberto Rodrigues pela Coopim
>>> 200 Músicas Inesquecíveis Volume Iii de Sérgio Roberto Rodrigues pela Coopim
>>> 2011-12 Duvine Adventures de Andy Levine pela Do Autor (2012)
>>> 2012 a era do Ouro de C. Torres; S. Zanquim pela Madras (2012)
>>> 2012 uma Aventura no Fim do Mundo de Vanessa Bosso pela Novo Seculo (2010)
>>> 203 de Enlouquecer um Homem na Cama de Olivia St. Claire pela Ediouro (1997)
>>> 203 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Olivia St. Claire pela Ediouro (1997)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/4/2008
Tiroteio, racismo e demagogia em sala de aula
Marcelo Spalding

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O mercado hollywodiano é vertiginoso. São milhares de lançamentos, mas pouco do que é produzido chega aos cinemas. Menos ainda a gente consegue assistir; só se ouve falar de apenas alguns aqui e ali. Freedom Writers (2007), em português Escritores da liberdade, de Richard LaGravenese, é um desses filmes que de repente vemos em algumas locadoras, levamos para casa e temos a sensação de que não o esqueceremos com facilidade, para dizer o mínimo.

A história baseia-se no livro The Freedom Writers Diary: How a Teacher and 150 Teens Used Writing to Change Themselves and the World Around Them, que conta o sucesso que uma professora de inglês obtém entre adolescentes problemáticos de uma escola pública norte-americana. O conflito, apesar de bastante conhecido no cinema (Meu mestre, minha vida; Mentes perigosas), ganha nesta história ares de bangue-bangue, pois não está em jogo apenas o desinteresse pelo aprendizado, a pobreza das famílias e a falta de perspectiva. Há na escola, também, uma enorme rivalidade étnica que põe orientais, latinos, negros e brancos em lados opostos. Resultado: conflitos armados, brigas generalizadas, ódios, assassinatos, injustiças.

O filme dá a entender, já no começo, que essa situação caótica é resultado de uma política de integração social adotada pelo governo norte-americano em meados dos anos 90, uma forma de reinserir adolescentes infratores no sistema educacional. Naturalmente, essa política não é bem vista pelos diretores das escolas públicas, que criam ou reforçam as chamadas "turmas especiais" (leia-se problemáticas), aprofundando a segregação. Mas é exatamente seduzida pela possibilidade de dar aula numa dessas turmas e fazer algo por essa camada da população que a professora Erin Gruwell vai trabalhar na Wilson School. Inexperiente, vinda da classe média e casada com um charmoso homem de olhos claros e ternos bem passados, começa tentando falar da Odisséia de Homero até se dar conta de que para conquistar aquela turma teria de adotar outros métodos, métodos que iriam muito além da sala de aula.

A partir daí Hollywood entra em ação: a professora, interpretada pela ótima e oscarizada Hilary Swank (Meninos não choram; Menina de Ouro), vai trabalhar numa loja de departamentos para conseguir comprar livros com descontos para os alunos, numa agência de turismo para proporcionar viagens a sua turma, e mesmo contra tudo e todos (desde os pais dos adolescentes até a direção da escola), consegue motivar os alunos e incentivá-los a seguir adiante nos estudos.

Particularmente, duvido que a história contada no longa seja muito semelhante à história real. Ainda assim, o filme traz discussões bastante interessantes e atuais mesmo para o Brasil, onde as disputas étnicas não são tão profundas (apesar de já aparecerem nos noticiários mortes em salas de aula por brigas de gangues rivais). O método utilizado pela professora para atrair a atenção dos alunos, por exemplo, vale ser mencionado: associa a luta particular dos grupos com a Segunda Guerra, fala do Holocausto, de Hitler e os motiva a ler O diário de Anne Frank. A partir daí, propõe que cada aluno escreva suas histórias, seus pensamentos, seus sonhos e anseios em um próprio diário, diários que depois dariam origem ao livro The Freedom Writers Diary: How a Teacher and 150 Teens Used Writing to Change Themselves and the World Around Them.

Escrever, mais do que uma forma de expressar medos, anseios e sonhos, torna-se para aqueles adolescentes uma tentativa de enganar a morte, eternizando-se pelas palavras e pelas idéias (qual escritor nunca desejou que sua obra permanecesse além de sua curta existência?). E ao pôr no papel todo o ódio que antes expurgavam pelos pulsos, ao exporem o lado frágil e desprotegido por trás dos corpos sarados, humanizam-se e conseguem também perceber o outro como alguém com medos, anseios e sonhos.

Claro que o filme usa e abusa das idiossincrasias de classe. Um espectador menos avisado logo associará violência à pobreza, burrice à pobreza, e tanto que todas as soluções pedagógicas encontradas pela professora demandam algum recurso financeiro, prometem alguma recompensa (soluções, aliás, muito semelhantes às utilizadas pela professora Louanne Johnson em Mentes Perigosas, de 1995). E nesse ponto me pergunto se os adolescentes de classe média conhecem o Holocausto, se entre os adolescentes de classe média e alta não há também divisões por gênero, raça, religião ou número de namorados, se com os estudantes das melhores escolas do país não seria extremamente difícil trabalhar a Odisséia, de Homero. Claro que sim.

Há filmes que abordaram a dificuldade do ato de ensinar nas escolas de classe média e alta (As patricinhas de Beverly Hills; O sorriso de Monalisa), mas neles sempre o final é positivo e a ordem restabelecida. Discussões profundas e necessárias como o papel da escola nos dias de hoje e o valor da disciplina na sociedade contemporânea passam ao largo, enquanto me parece que essas discussões deveriam estar muito mais presentes. Não dá para negar que nos últimos vinte anos a sociedade mudou muito, tanto em valores quanto em tecnologia, enquanto que na escola permanece a lógica patriarcal do mestre repassando conhecimento aos alunos. Sem contar, e aí sim é a problemática de filmes como o de LaGravenese, que nos últimos anos a classe baixa chegou aos bancos escolares, trazendo anseios, medos e sonhos diferentes, trazendo uma bagagem cultural diferente. E ser diferente, ao contrário do que pensam muitos, não é ser pior.

Não sei se a professora Gruwell da ficção ― e não me atrevo a falar dela como outra coisa se não personagem, até porque não li o livro em questão ― inventou a solução para todos os problemas da educação pública. O que houve foi uma sintonia única entre classe e professor, sintonia irrepetível e quase demagoga (qual professor poderia comprar trinta e cinco livros novos para seus alunos conhecerem Anne Frank, quando sequer o último romance conseguem adquirir com os salários atuais?). O que não significa, de forma alguma, que sua iniciativa não deve servir de inspiração para todos que lidam com adolescentes, para todos que lidam com essa parcela carente da população. E é esse o mérito maior do filme, afora as lágrimas que rouba e os risos que arranca: provocar reflexão.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 17/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O ano do Nobel a Vargas Llosa e do livro digital de Marcelo Spalding


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/4/2008
13h37min
Assisti e fiquei encantada! Indiquei para amigos e familiares. Ah!, se o nosso Brasil tivesse mais professoras como ela...!
[Leia outros Comentários de Geórgia Lorena ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O VERÃO ANTES DA QUEDA
DORIS LESSING
RECORD
R$ 10,00



RAMOM, O FILOTETO AMERICANO
CARLOS HENRIQUE ESCOBAR
SERVIÇO NACIONAL DE TEATRO
(1977)
R$ 10,00



O LIVRO DAS PEQUENAS INFIDELIDADES
EDGARD TELLES RIBEIRO
COMPANHIA DAS LETRAS
(1994)
R$ 10,00



DA JURISDIÇÃO E DAS AÇÕES ACAUTELATÓRIAS ESPECÍFICAS
ACELINO PEDRO GUIMARÃES
LEUD
(1977)
R$ 10,00



O ÚLTIMO PORQUÊ
PIERRE WEIL
VOZES
(1988)
R$ 10,00



BOAS VINDAS BEBÊ 2
DRA. ANA ESCOBAR
PRINCIPIUM
(2014)
R$ 10,00



MANTENEDOR E REPARADOR DE CIRCUITOS HIDRÁULICOS - COMANDOS HIDRÁULICOS
SÉRGIO NOBRE FRANCO
SENAC - SP
(1987)
R$ 10,00



GOTAS DE SABEDORIA PARA A ALMA
HERNANDES DIAS LOPES
LPC
(2011)
R$ 10,00



PRAZOS JUDICIAIS CLT CPC CPP LEGISLAÇÃO EXTRAVAGANTE
LUCIA HELENA LENTZ CASSOU
HS
(2003)
R$ 10,00



TUDO E MAIS UMA SURPRESA
RAY ROMANO
FRENTE
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
83745 visitas/dia
2,4 milhões/mês