Um novo caminho na literatura policial brasileira | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
80637 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boa tarde às coisas aqui em baixo
>>> Spamzines, blogs e literatura
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> O que não fazer em época de crise
>>> Pizzaria Brasil
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> Passeata Contra o eBook
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
Mais Recentes
>>> Ai Meu Deus, Ai Meu Jesus: Crônicas de Amor e Sexo de Carpinejar pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Histórias da Velha Totônia de José Lins do Rego pela José Olympio (1981)
>>> Fábulas - Obra-prima de Cada Autor de Esopo pela Martin Claret (2006)
>>> Sobre a Norma Literária do Modernismo - Lingüística e Filologia de Raimundo Barbadinho Neto pela Ao Livro Técnico (1977)
>>> Rei Édipo - Antígone / Prometeu Acorrentado Tragédias Gregas de Sófocles - Ésquilo pela Ediouro
>>> Namoros Com a Medicina de Mário de Andrade pela Martins (1972)
>>> Claude Levi-strauss - o Guardião das Cinzas de David Pace pela Bertrand (1992)
>>> Uma Total Mudança de Mentalidade de Willis Harman pela Pensamento (1993)
>>> Kabballah Egípcia - um Universo de Conhecimento de Gilberto Luiz Bacaro pela Isis (2010)
>>> No Ar Rarefeito de Jon Krakauer pela Companhia das Letras (2006)
>>> As Mais Belas Páginas da Literatura Árabe de Mansour Challita pela Vozes (1973)
>>> Canudos - Diário de uma Expedição de Euclides da Cunha pela Martin Claret (2006)
>>> Discurso Sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens de Jean-Jacques Rousseau pela Martin Claret (2005)
>>> Conversa na Catedral de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1977)
>>> O Príncipe - Escritos Políticos de Nicolau Maquiavel - os Pensadores pela Abril (1979)
>>> A Epistemologia Genética-sabedoria e Ilusões da Filosofia de Jean Piaget - os Pensadores pela Abril (1978)
>>> O Existencialismo é um Humanismo-a Imaginação-questão de Método de Jean-paul Sartre - os Pensadores pela Abril (1978)
>>> Reencarnação de Annie Besant pela Pensamento
>>> Antes dos Tempos Conhecidos de Peter Kolosimo pela Melhoramentos (1970)
>>> Doidinho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Sonetos de Luís Vaz de Camões pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson pela Companhia Nacional (2005)
>>> Efésios N Testamento Coleção Lições De Vida de Max Lucado pela Mundo Cristão (2014)
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 1/8/2006
Um novo caminho na literatura policial brasileira
Luis Eduardo Matta

+ de 10100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A despeito das recentes incursões de alguns autores no gênero, não se pode afirmar que o Brasil já possua uma Literatura Policial com fisionomia definida e consolidada. A ficção policial brasileira é um organismo ainda em formação e que aos poucos, vai adquirindo traços mais vívidos, pondo em relevo características comuns presentes na prosa e no estilo dos nossos escritores. É possível identificar na maioria deles, por exemplo, uma evidente e quase magnética influência de Rubem Fonseca e da tradição noir norte-americana, com destaques para Dashiell Hammett e Raymond Chandler. Do mesmo modo, persiste, mesmo entre os autores policiais que atingiram maior renome, o problema da criação e desenvolvimento das tramas, que costumam ser fracas e previsíveis, com personagens pouco convincentes, histórias mal amarradas, diálogos pueris, arremedos de mistério que não arrancam mais do que uma sucessão de bocejos dos leitores e uma ambientação pobre, que deixa transparecer a quase absoluta falta de técnica dos brasileiros para escrever uma história de mistério realmente envolvente e bem contada. Aliás, lendo os livros policiais brasileiros, tem-se a impressão de que todos são muito parecidos, que os autores tiveram a mesma idéia e a desenvolveram pretensiosamente de maneira similar, convencidos de que são realmente dotados de uma verve criativa genial. Para os leitores amantes do gênero, essa é uma situação calamitosa, que acaba tendo uma única saída: a Literatura policial estrangeira, felizmente bastante traduzida e publicada por aqui.

Mas, nem tudo está perdido e foi graças a duas escritoras, uma paulista e outra carioca, que eu cheguei, feliz da vida, a esta conclusão. A primeira delas é Vera Carvalho Assumpção, cuja obra já tive a oportunidade de abordar num artigo publicado aqui no Digestivo Cultural em 2005. A segunda, Elaine Paiva, descobri graças à internet. Recentemente, pude conhecer o seu trabalho, ao ler a novela O Segredo da Senhora Greey (KroArt/Litteris; 80 páginas; 2005). O livro, um policial autêntico, em nada se assemelha ao restante da produção nacional no gênero e apresenta uma nova perspectiva que oferece um contraponto à mesmice soporífera na qual os nossos autores policiais pareceram se enclausurar.

A história de O Segredo da Senhora Greey é ambientada em Florentis, uma fictícia localidade no sul do Brasil, famosa por ser a "cidade das essências". Ao chegar lá, o protagonista criado por Elaine Paiva, o detetive Sleiyver depara-se, sem querer, com um grande segredo cujo centro é a misteriosa e solitária senhora Greey, que acaba sendo o fio condutor de toda a trama. O Segredo da Senhora Greey é um livro, ao mesmo tempo, intrigante e sensível, que nos conduz pela atmosfera perfumada da bucólica Florentis numa pequena saga de mistério, amor e reflexão. Talvez seja esta delicadeza onipresente no livro, que o torne tão especial. Mas é inevitável afirmar que estamos diante de uma escritora de personalidade e voz própria, que fugiu do lugar-comum ao qual a Literatura policial brasileira sucumbiu e produziu uma obra singular, que se lê rapidamente, deixando uma sensação de "quero mais".

Foi estimulado por esse coquetel de boas impressões, que entrei em contato com a escritora, para saber dela um pouco mais sobre a sua Literatura e o seu processo criativo. Leiam, abaixo, a breve entrevista que Elaine Paiva concedeu ao Digestivo Cultural:

1. Por que você optou por escrever Literatura policial?

Sou neta de policial e sempre gostei de filmes do gênero. Mas não optei por escrever Literatura policial. Na verdade, eu me sentei ao computador e a história foi nascendo. Estava desempregada e tinha que ocupar minha cabeça. Foi quando escrevi em um blog o que deveria ter sido o primeiro conto com o detetive Sleiyver, mas acabou praticamente como um romance, O Assassinato no Alto da Boa Vista. Não me considero uma escritora de "romances policiais"; minha idéia, em principio, era preencher um espaço vazio pela falta de uma atividade profissional e entreter os leitores.

2. Quais foram as suas inspirações, na vida real e na ficção, para compor o detetive Sleiyver?

Eu me inspirei em um policial a que assisti trabalhando, em 2001. Foram muitas horas observando seus passos. Mas nem imaginava que dois anos depois fosse usar um pouco de seus trejeitos, olhar e sorriso em personagem de uma história escrita por mim. Nem pensava em voltar a escrever nessa época. Eu não sei por que me lembrei especialmente dele, pois não foi o único a que assisti trabalhando. A mídia só mostra o lado negativo da polícia, mas já tive oportunidade de ver vários policiais em ação e nem tudo é ruim. Algumas operações policiais foram ótimas, outras péssimas e, ainda outras, maravilhosas em inteligência e disfarces... de você olhar e se perguntar: Caramba! São nossos policiais mesmo?!

3. Por que você decidiu situar a trama de O Segredo da Senhora Greey numa localidade fictícia (Florentis) em vez de, como a maioria dos autores policiais brasileiros, ambientá-la numa cidade real, como o Rio de Janeiro ou São Paulo?

O primeiro conto com o detetive Sleiyver se passou no Rio de Janeiro. Sendo uma homenagem ao Dia das Mães e uma espécie de continuidade do conto, em O Segredo da Senhora Greey optei por manter a cidade real, que é a originária do personagem, e criar a fictícia, na qual pudesse impor a criatividade e a imaginação que todo escritor deve apresentar. De qualquer maneira, a "coisa" parece ter agradado bastante porque, afinal, a cidade do Rio (como muitas outras cidades do país), como se apresenta hoje lamentavelmente talvez seja irreal mesmo. Há cenas de realidade crua, mas outras parecem pura ficção, saídas da mente de algum escritor sarcástico. No fundo, no fundo, as duas cidades de meu romance são fictícias.

4. Como você analisa a Literatura policial produzida hoje no Brasil?

O braço brasileiro desse gênero não recebe apoio da grande mídia, mas nomes fortes, como o de Rubem Fonseca, conseguem se manter em boa evidência. Acredito que ele tenha aberto o caminho de fortalecimento para novos e jovens talentos da Literatura policial, como Alexandre Fraga (Quando os Demônios Vão ao Confessionário); Vera Carvalho Assumpção, que lamento não ter lido, mas sobre quem tenho excelentes indicações e elogios, principalmente a respeito de Paisagens Noturnas; e, outros que estão chegando e se revelando, como Rodrigo Capella, com o seu Transroca: o navio proibido, que será adaptado para o Cinema. É uma Literatura que tem muito para se expandir e também muito que aprender.

5. Já possui novos projetos? Pretende escrever novos livros protagonizados pelo detetive Sleiyver?

Sim. Embarco em dezembro para o Canadá onde irei divulgar o livro biográfico Amor de Artista projeto que apresentei a um empresário do ramo musical da comunidade portuguesa canadense. E também divulgarei O Segredo da Senhora Greey e a antologia Margens do Atlântico (Editora Abrali) que participei com um miniconto da infância do Sleiyver, As Lágrimas de Zelão. Quanto a projetos futuros com o Sleiyver, já tenho pronto o conto Antônio Jesus, Antônio Pedro e Paulo César. É a história de três amigos, inspirada na Semana Santa, que discute a importância da doação de sangue. Uma obra pós-moderna que fala de amizade, respeito e de se doar por inteiro. Devo publicar no próximo ano em parceria com um instituto de hematologia. Outros projetos são: dar nova roupagem a O Assassinato no Alto da Boa Vista, juntamente com Serg Smigg, escritor e atualmente meu editor e revisor; Bernardo, o Bonsai & Isabele, que aborda o tema das drogas; Eu Não, que fala sobre violência doméstica e mais especificamente da violência contra a mulher; Água e Fogo, uma agradável discussão sobre pais e filhos, todos contos com dez capítulos cada. Os dois primeiros serão narrados pelo detetive Sleiyver; já Água e Fogo é a própria história do detetive em que, enfim, vou revelar aos meus leitores mais ansiosos quem é o grande amor a que a Sra Greey se referiu no livro... E aí eu encerro minha história de um projeto literário com o personagem.

6. No que a internet auxilia o seu trabalho como escritora?

Eu já faço divulgação cultural desde 2000 e jamais imaginei que fosse escrever contos em meus sites e blogs. Isso me ajudou muito porque eu já era conhecida em São Paulo antes de lançar O Segredo da Senhora Greey. A maioria dos meus leitores do blog era de lá. Depois, fui abrindo meus horizontes para outros estados e para o exterior, como Portugal, Angola e Canadá. Hoje, muitas pessoas já ouviram falar de Elaine Paiva. Nem todos sabem que se trata de uma escritora, mas, de alguma forma, a semente foi plantada.

7. Como você avalia o mercado editorial brasileiro?

Embora tenhamos escritores de muito talento e criatividade, estamos longe de ser um mercado equilibrado, justo, exportador e de igualdade. Muitos, ou a maioria, ainda pagam editoras - prestadoras de serviço - para publicar suas obras, sem a menor expectativa de futuro dentro da Literatura nacional. E outros, quando conseguem uma editora, muitas vezes não chegam ao conhecimento dos leitores. O Brasil é um país que lê pouco. As escolas não inovam e continuam incentivando a leitura de forma equivocada. É preciso que essa discussão vá para dentro das salas de aula. Sou a favor da democratização da Literatura nas escolas, onde os alunos escolheriam os livros. Poderia ser assim: em um bimestre, a escola deixaria eles escolherem entre três autores de nossa História e, no outro, eles próprios escolheriam o autor que desejassem, sem interferência da escola para fazer um trabalho ou uma prova. Penso que os alunos ficariam mais incentivados dentro de sala de aula. Além do mais, o livro no Brasil é caro e a mídia só divulga os mais famosos, que a maioria das pessoas já ouviu falar, mas muitos nunca leram uma obra desses escritores. Ainda temos muito que amadurecer em nosso mercado, mas é preciso buscar novas alternativas para um dia ter um mercado editorial digno para os escritores e acessível ao povo brasileiro, no qual o leitor se sinta atendido em suas expectativas quanto à qualidade, preço e conteúdo. E o escritor incentivado a criar mais e mais, e respaldado pela mídia e pelas editoras quanto à construção e manutenção de seu nome perante o público.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 1/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
02. MPTA, Dança feita de Afetos Condensados de Duanne Ribeiro
03. Pieguice ou hipocrisia? de Rosângela Vieira Rocha
04. As cores de Pamuk de Wellington Machado
05. Gênio bom é gênio morto de Marta Barcellos


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2006
01. Sim, é possível ser feliz sozinho - 19/9/2006
02. A favor do voto obrigatório - 24/10/2006
03. Literatura de entretenimento e leitura no Brasil - 21/11/2006
04. As novas estantes virtuais - 14/2/2006
05. Reflexões para um mundo em crise - 16/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/8/2006
06h45min
Num texto sobre litertura policial, sou sempre suspeita! Adoro literatura policial e acompanho com muito carinho a coluna do LEM. Ainda não li o livro de Elaine Paiva, mas sendo uma recomendação do meu amigo LEM vai ser minha próxima leitura. Tão logo conheça o segredo da senhora Grey, serei uma testemunha com um depoimento.
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho Assump]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Biblioteca da Matemática Moderna - Tomo 5
Antonio Marmo de Oliveira - Agostinho Silva
Lisa
(1968)
R$ 10,00



Fábulas de Fedro - J. J. Lucas
J. J. Lucas
Rio
(1958)
R$ 10,00



O Informante
Stephen Frey
Record
(2006)
R$ 10,00



Bíblia Sagrada
Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin
Paulus
(2000)
R$ 10,00



Panorama da Ação Governamental - Prevenção do Crime e Justiça Criminal
Funag
Funag
(2010)
R$ 10,00



Mulheres de a a Z (autografado) - 6323
Otto Augusto Sievert
Imprimatur
(2006)
R$ 10,00



A Terapia do Amor
Kathleen Keating
Pensamento
(1992)
R$ 10,00



Inocênca
Visconde de Tauney
Ciranda Cultural
R$ 10,00



Estudos de História Contemporânea
A. J. Toynbee
Companhia E. Nacional
(1976)
R$ 10,00



Cinquenta Tons de Cinza
E L James
Intrínseca
(2012)
R$ 10,00





busca | avançada
80637 visitas/dia
2,4 milhões/mês