O cinema de fronteira de Theo Angelopoulos | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 28/2/2012
O cinema de fronteira de Theo Angelopoulos
Wellington Machado

+ de 3500 Acessos

Triste Grécia. Não bastassem os problemas econômicos neste começo de 2012, a dívida praticamente impagável, o povo nas ruas contestando os políticos irresponsáveis, chega-nos a notícia da morte do cineasta Theo Angelopoulos de maneira trágica: fora atropelado por uma motocicleta em um bairro periférico de Atenas. O diretor estava se dedicando à produção de um novo filme, abordando justamente a crise econômica grega. Sócrates, Platão ou Aristóteles jamais imaginariam o tamanho do fosso no qual se enfiaria o país que nos civilizou. Angelopoulos conseguiu, a partir da década de 70, imprimir uma assinatura própria em sua pequena filmografia, composta de pouco mais de 15 filmes. Contemporâneo de nomes de peso como Woody Allen, Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, Andrei Tarkovski, Kieslowski, Angelopoulos cunhou em seus filmes uma atmosfera pessimista, com personagens sempre em trânsito, valendo-se de uma velocidade narrativa ousada para o seu tempo.

O cinema grego contemporâneo estava bem representado mundialmente com dois diretores de estilos distintos, porém marcantes: Theo Angelopoulos e Costa-Gavras. O primeiro fazia uma crítica social mais amena, subentendida nos dramas introspectivos de seus personagens. Já Costa-Gavras faz um cinema de denúncia política abordando temas espinhosos, como conflitos sociais, ditaduras, nazismo, Igreja Católica e guerras pelo mundo afora (o diretor filmou em vários países). Seus personagens não sofrem os efeitos dessas tensões sociais obliquamente. Eles estão sempre no "campo de batalha", em constante confronto direto com alguma instituição. Grosso modo, numa analogia bem rudimentar, os personagens de Angelopoulos levam estilhaços no campo de batalha; os de Costa-Gravas morrem no combate.

A grande marca do cinema de Theo Angelopoulos é a larga utilização de longos planos-sequências (ele realizava filmes com até cem deles, enquanto um filme americano convencional utiliza mais de mil planos). Mas tal artifício não é utilizado pelo diretor com o objetivo de dimensionar um ambiente ou uma paisagem qualquer. Os longos planos atravessam vários ambientes, internos e externos. Saem, por exemplo, de dentro de um quarto num casarão, mostram um diálogo no quintal, passam pela areia da praia e se fixam nas ondas por alguns minutos, instigando a reflexão do espectador.

Outro aspecto que marca a filmografia de Angelopoulos é o uso de uma fotografia esbranquiçada e descorada, bem característica dos cenários dos países do leste europeu pós-comunista - algo como os prédios e carros velhos, as cidades vazias retratados por Krzysztof Kieslowski em A igualdade é branca (1994) ou nos episódios do Decálogo. O diretor grego também abusa dos ambientes molhados, com espelho d'agua nas calçadas lúgubres. Angelopoulos negava veementemente, mas é difícil não reconhecer a influência de Tarkovski nessas locações - principalmente os cenários de Stalker (1979). Arriscaria dizer que o cinema de Theo Angelopoulos é metafísico, com cenários vazios e desoladores à De Chirico, cuja relação entre tempo e espaço é demarcada por lentos movimentos de câmera, enfocando personagens taciturnos, caminhando vagarosamente ao léu, aguardando serem abarcados por uma sorte melhor.

Muito dessa busca, dessa saída sem rumo pelo mundo, se dá através da transposição de fronteiras. Alcançar países vizinhos parecia ser uma obsessão para Angelopoulos (seria o destino dos gregos atuais com o país à míngua?). Em Paisagem na neblina (1988), duas crianças partem num trem à procura do pai. Não sabem onde ele se encontra ou até se está vivo. A viagem é tortuosa. As crianças passam fome, sofrem violência sexual e têm de amadurecer prematuramente enfrentando uma realidade crua. Angelopoulos faz uma crítica ao abandono social de governos inoperantes e omissos. O clima no filme é de "salve-se quem puder", de "o último que sair que apague a luz". Apesar do desencanto, o caminhar das adolescentes por longas estradas cobertas de neve, por fábricas abandonadas (como em O deserto vermelho [1964], de Antonioni) dão um tom poético à narrativa.

Atravessar fronteira é também o desafio de um repórter que chega a uma ponte entre a Grécia e a Turquia, em O passo suspenso da cegonha (1991). Impedido pela polícia de atravessar a ponte, ele acaba se infiltrando numa exótica cidade improvisada (um acampamento) do lado grego, onde as pessoas aguardam uma oportunidade para transpor a fronteira e tentar a vida em outro lugar. O motivo do policiamento ostensivo do lado turco não é aparente, mas o filme retrata as dificuldades enfrentadas por refugiados no mundo todo. Há uma cena antológica, de uma ironia crítica cirúrgica: a celebração de um casamento, onde o noivo está do lado grego do rio, e a noiva do lado turco, na outra margem do rio. Acabada a cerimônia, cada um volta ao seu país com seus convidados, e a polícia volta a monitorar a fronteira. O filme tem participação de Marcello Mastoianni e Jeanne Moreau.

Em Um olhar a cada dia (1995), um cineasta (Harvey Keitel) tem seu filme censurado na Grécia. Ele cruza a fronteira com a Albânia (depois com a Bulgária e Alemanha), em busca de três rolos de filmes, ainda não revelados, dos irmãos Manakis (primeiros cineastas da região dos Balcãs). A saga do cineasta é livremente inspirada no Ulisses da Odisseia (Homero). O personagem caminha por vários cenários de guerras, escancarando a mediocridade humana e a destruição promovida pelas ditaduras - há uma cena da retirada de uma estátua de Lênin da cidade, como se fosse um fio de esperança. A crítica social do filme não está inserida na jornada do cineasta em si, mas no cenário de guerras e refugiados estampado ao seu redor. A última frase do filme dá o tom da mensagem proposta pelo diretor: "a história nunca termina".

Mas o maior equilíbrio entre poesia, melancolia e busca pessoal é atingido em A eternidade e um dia (1998) - sem dúvida a obra-prima de Angelopoulos. O filme é um road movie existencial, vivenciado por um velho escritor (Bruno Ganz), que após descobrir uma carta da esposa escrita há trinta anos, abandona o conforto de sua casa em busca de algo que lhe coroe o fim a vida, apesar de não saber o quê. No percurso, oferece carona a um garoto de rua que é perseguido por traficantes de menores. O objetivo do escritor (o último da vida?) passa a ser defender o garoto. Para tal, eles têm de transpor várias fronteiras, onde passado e presente se confundem nas várias aparições (lembranças) de sua esposa durante o trajeto.

O cinema de Andelopoulos nos oferece um bom contraponto ante os diretores de sua geração. O diretor não fez concessões em manter sua "estirpe europeia". Poderia ter se arriscado em produzir filmes em outros países, a exemplo de Win Wenders, que se "infiltrou" no cinema americano, mantendo uma linha autoral. Mas Angelopoulos preferiu desfiar a agilidade da narrativa contemporânea. Optou por privilegiar o silêncio, a poesia inserida no desencanto e na melancolia de personagens sem perspectiva. Que a partida de Theo Angelopoulos o retire dos círculos de cinéfilos e o leve a público maior, possibilitando a este público momentos de descolamento de tudo o que "está posto" (pela imprensa, internet, marketing; pela mídia em geral), dando chance a um cinema contemplativo e a novas experiências estéticas.



Wellington Machado
Belo Horizonte, 28/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma nova forma de captação para projetos culturais de Marcelo Spalding
02. O Anvil e o amor à música de Rafael Fernandes
03. Ninguém é dono da (boa) história de Marta Barcellos
04. Escrevemos para nós mesmos (?) de Rafael Rodrigues
05. Assim é... de Marta Barcellos


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONJUGAÇÃO DOS VERBOS ESPANHÓIS
HERMANN WILLERS (ORIENTAÇÃO)
EDITORIAL PRESENÇA
(1996)
R$ 14,00



MULHERES FRANCESAS NÃO ENGORDAM
MIREILLE GUILIANO
PARALELA
(2014)
R$ 19,90
+ frete grátis



GUERRA LITERÁRIA - PANFLETOS DA INDEPENDÊNCIA (1820-1823) EM 4 VOLUMES
JOSÉ MURILO DE CARVALHO, LÚCIA BASTOS E OUTRO
ED. UFMG
(2014)
R$ 242,90



SIMONE WEIL ET CHARLES DE GAULLE; DE GAULLE ET CLAUDEL;
REVUE DE LINSTITUT CHARLES DE GAULLE Nº 72
LINSTITUT CHARLES DE GAULLE
(1990)
R$ 26,82



SÃO LUIS - ILHA DO AMOR
CLÁUDIO FONTANA
RIOS
(1981)
R$ 15,00



A FORTALEZA DE NEVE
MATTHIEU RICARD
EDIOURO
(2007)
R$ 7,19



PATOLOGÍA DE LA COLUMNA VERTEBRAL CLÍNICA Y ROENTGENOLOGÍA
GEORG SCHMORL HERBERT JUNGHANNS
LABOR
(1959)
R$ 40,85



ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NO ENSINO MÉDIO : TEORIA E PRÁTICA
VERA MENEZES
SM
(2012)
R$ 26,00



PEDAGOGIA DA ANIMAÇÃO (CORPO & MOTRICIDADE)
NELSON CARVALHO MARCELLINO
PAPIRUS
(1997)
R$ 20,00



UIRAMIRIM CONTRA OS DEMÔNIOS DA FLORESTA
ANTONIO CARLOS OLIVIERI
ATUAL
(1991)
R$ 5,00





busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês