O cinema de fronteira de Theo Angelopoulos | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
Mais Recentes
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1997)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1998)
>>> Fe, Razon y Civilizacion: Ensayo de Análisis Historico de Harold J. Laski pela Editorial Abril/ Buenos Aires (1945)
>>> Bolofofos e Finifinos de Fernando Sabino pela Ediouro (2006)
>>> ...Quando Florescem os Ipês de Ganymédes José pela Brasiliense (1986)
>>> Robinson Crusoé A Conquista do Mundo numa Ilha de Daniel Defoe pela Scipione (1983)
>>> O Monstro do Morumbi de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> O Útimo Magnata de F. Scott Fizgerald / Introd.: Edmund Wilson pela Record
>>> Poesia e Prosa - (obras Completas- Avulso): Volume 3/ Encadernado de Edgar Allan Poe pela Ed. da Livr. do Globo (1944)
>>> Dama da Caridade de Antonio Cesar Perri de Carvalho pela Radhu (1987)
>>> O Castelo dos Horrores de Thomas Brezina pela Melhoramentos (1996)
>>> Rita Está Crescendo de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1989)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Círculo do livro (1989)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1980)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1970)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1981)
>>> O Gato Sou Eu: Todos Têm o Direito de Sonhar... de Fernando Sabino pela Record (1983)
>>> O Navegador do Espaço de José Acleildo de Andrade pela Leal (2006)
>>> Os Raios Invisíveis O astral das Coisas de Acervo Papus pela Gnosis (2002)
>>> Passes e Radiações de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> O Livro da Lua de Marcia Mattos pela Campus (2001)
>>> Yokaanam fala á Posteridade de Vários pela Edição do Autor (1970)
>>> Os Tecelões do Destino de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> O Poder dos Anjos de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Eliminando o Estresse de Brian L. Weiss M.D. pela Sextante (2006)
>>> Fenômenos Ocultos de Zsolt Aradi pela Ibrasa (1976)
>>> Los Rosacruces de Christopher Mc Intosh pela Edaf (1988)
>>> Bases Esenias ( Em 02 volumes ) de Oreb Raja Aari pela Organizacion Esenia Universal
>>> Mudando o seu destino de Mary Orser e Ricardo Zarro pela Summus (1991)
>>> Magia Organizada Planetária de Vicente Beltran Anglada pela Aquariana (1990)
>>> Muralhas do passado de Jaci Regis pela Dpl (2001)
>>> O séculos dos Cirugiões de Jürgen Thorwald pela Hemus
>>> Dicionarios de las artes adivinatorias de Gwen Le Scouézec pela Martínez Roca (1973)
>>> Há Solução Sim! de José Lázaro Boberg pela Chico Xavier (2012)
>>> A Outra Face da doença de Mokiti Okada pela Fundação Mokiti (1986)
>>> Como evitar as influências Negativas de Amadeus Volben pela Pensamento (1984)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1997)
>>> Terceiro Milênio de Carlos E. Pesssione pela Z. Valentin gráfica (1992)
>>> Segurança Mediúnica de João Nunes Maia pela Espirita Cristã (1992)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Os Novos Pagãos de Hans Holzer pela Record (1972)
>>> As propriedades curativas dos cristais e das pedras Preciosa de Katrina Raphael pela Pensamento (1995)
>>> Justça Além da Vida de José Carlos de Lucca pela Petit (2001)
>>> Vida Ativa de Parker J. palmer pela Cultrix (1990)
>>> Amor e Vida de René Pessa pela Seja (1996)
>>> Você já viveu outras Vidas de Kurt Allgeier pela Ediouro (1998)
>>> A Misericórdia Divina nos liberta do passado de Izoldino Resende pela Chico Xavier (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 28/2/2012
O cinema de fronteira de Theo Angelopoulos
Wellington Machado

+ de 3400 Acessos

Triste Grécia. Não bastassem os problemas econômicos neste começo de 2012, a dívida praticamente impagável, o povo nas ruas contestando os políticos irresponsáveis, chega-nos a notícia da morte do cineasta Theo Angelopoulos de maneira trágica: fora atropelado por uma motocicleta em um bairro periférico de Atenas. O diretor estava se dedicando à produção de um novo filme, abordando justamente a crise econômica grega. Sócrates, Platão ou Aristóteles jamais imaginariam o tamanho do fosso no qual se enfiaria o país que nos civilizou. Angelopoulos conseguiu, a partir da década de 70, imprimir uma assinatura própria em sua pequena filmografia, composta de pouco mais de 15 filmes. Contemporâneo de nomes de peso como Woody Allen, Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, Andrei Tarkovski, Kieslowski, Angelopoulos cunhou em seus filmes uma atmosfera pessimista, com personagens sempre em trânsito, valendo-se de uma velocidade narrativa ousada para o seu tempo.

O cinema grego contemporâneo estava bem representado mundialmente com dois diretores de estilos distintos, porém marcantes: Theo Angelopoulos e Costa-Gavras. O primeiro fazia uma crítica social mais amena, subentendida nos dramas introspectivos de seus personagens. Já Costa-Gavras faz um cinema de denúncia política abordando temas espinhosos, como conflitos sociais, ditaduras, nazismo, Igreja Católica e guerras pelo mundo afora (o diretor filmou em vários países). Seus personagens não sofrem os efeitos dessas tensões sociais obliquamente. Eles estão sempre no "campo de batalha", em constante confronto direto com alguma instituição. Grosso modo, numa analogia bem rudimentar, os personagens de Angelopoulos levam estilhaços no campo de batalha; os de Costa-Gravas morrem no combate.

A grande marca do cinema de Theo Angelopoulos é a larga utilização de longos planos-sequências (ele realizava filmes com até cem deles, enquanto um filme americano convencional utiliza mais de mil planos). Mas tal artifício não é utilizado pelo diretor com o objetivo de dimensionar um ambiente ou uma paisagem qualquer. Os longos planos atravessam vários ambientes, internos e externos. Saem, por exemplo, de dentro de um quarto num casarão, mostram um diálogo no quintal, passam pela areia da praia e se fixam nas ondas por alguns minutos, instigando a reflexão do espectador.

Outro aspecto que marca a filmografia de Angelopoulos é o uso de uma fotografia esbranquiçada e descorada, bem característica dos cenários dos países do leste europeu pós-comunista - algo como os prédios e carros velhos, as cidades vazias retratados por Krzysztof Kieslowski em A igualdade é branca (1994) ou nos episódios do Decálogo. O diretor grego também abusa dos ambientes molhados, com espelho d'agua nas calçadas lúgubres. Angelopoulos negava veementemente, mas é difícil não reconhecer a influência de Tarkovski nessas locações - principalmente os cenários de Stalker (1979). Arriscaria dizer que o cinema de Theo Angelopoulos é metafísico, com cenários vazios e desoladores à De Chirico, cuja relação entre tempo e espaço é demarcada por lentos movimentos de câmera, enfocando personagens taciturnos, caminhando vagarosamente ao léu, aguardando serem abarcados por uma sorte melhor.

Muito dessa busca, dessa saída sem rumo pelo mundo, se dá através da transposição de fronteiras. Alcançar países vizinhos parecia ser uma obsessão para Angelopoulos (seria o destino dos gregos atuais com o país à míngua?). Em Paisagem na neblina (1988), duas crianças partem num trem à procura do pai. Não sabem onde ele se encontra ou até se está vivo. A viagem é tortuosa. As crianças passam fome, sofrem violência sexual e têm de amadurecer prematuramente enfrentando uma realidade crua. Angelopoulos faz uma crítica ao abandono social de governos inoperantes e omissos. O clima no filme é de "salve-se quem puder", de "o último que sair que apague a luz". Apesar do desencanto, o caminhar das adolescentes por longas estradas cobertas de neve, por fábricas abandonadas (como em O deserto vermelho [1964], de Antonioni) dão um tom poético à narrativa.

Atravessar fronteira é também o desafio de um repórter que chega a uma ponte entre a Grécia e a Turquia, em O passo suspenso da cegonha (1991). Impedido pela polícia de atravessar a ponte, ele acaba se infiltrando numa exótica cidade improvisada (um acampamento) do lado grego, onde as pessoas aguardam uma oportunidade para transpor a fronteira e tentar a vida em outro lugar. O motivo do policiamento ostensivo do lado turco não é aparente, mas o filme retrata as dificuldades enfrentadas por refugiados no mundo todo. Há uma cena antológica, de uma ironia crítica cirúrgica: a celebração de um casamento, onde o noivo está do lado grego do rio, e a noiva do lado turco, na outra margem do rio. Acabada a cerimônia, cada um volta ao seu país com seus convidados, e a polícia volta a monitorar a fronteira. O filme tem participação de Marcello Mastoianni e Jeanne Moreau.

Em Um olhar a cada dia (1995), um cineasta (Harvey Keitel) tem seu filme censurado na Grécia. Ele cruza a fronteira com a Albânia (depois com a Bulgária e Alemanha), em busca de três rolos de filmes, ainda não revelados, dos irmãos Manakis (primeiros cineastas da região dos Balcãs). A saga do cineasta é livremente inspirada no Ulisses da Odisseia (Homero). O personagem caminha por vários cenários de guerras, escancarando a mediocridade humana e a destruição promovida pelas ditaduras - há uma cena da retirada de uma estátua de Lênin da cidade, como se fosse um fio de esperança. A crítica social do filme não está inserida na jornada do cineasta em si, mas no cenário de guerras e refugiados estampado ao seu redor. A última frase do filme dá o tom da mensagem proposta pelo diretor: "a história nunca termina".

Mas o maior equilíbrio entre poesia, melancolia e busca pessoal é atingido em A eternidade e um dia (1998) - sem dúvida a obra-prima de Angelopoulos. O filme é um road movie existencial, vivenciado por um velho escritor (Bruno Ganz), que após descobrir uma carta da esposa escrita há trinta anos, abandona o conforto de sua casa em busca de algo que lhe coroe o fim a vida, apesar de não saber o quê. No percurso, oferece carona a um garoto de rua que é perseguido por traficantes de menores. O objetivo do escritor (o último da vida?) passa a ser defender o garoto. Para tal, eles têm de transpor várias fronteiras, onde passado e presente se confundem nas várias aparições (lembranças) de sua esposa durante o trajeto.

O cinema de Andelopoulos nos oferece um bom contraponto ante os diretores de sua geração. O diretor não fez concessões em manter sua "estirpe europeia". Poderia ter se arriscado em produzir filmes em outros países, a exemplo de Win Wenders, que se "infiltrou" no cinema americano, mantendo uma linha autoral. Mas Angelopoulos preferiu desfiar a agilidade da narrativa contemporânea. Optou por privilegiar o silêncio, a poesia inserida no desencanto e na melancolia de personagens sem perspectiva. Que a partida de Theo Angelopoulos o retire dos círculos de cinéfilos e o leve a público maior, possibilitando a este público momentos de descolamento de tudo o que "está posto" (pela imprensa, internet, marketing; pela mídia em geral), dando chance a um cinema contemplativo e a novas experiências estéticas.



Wellington Machado
Belo Horizonte, 28/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Zizitinho Foi Para o Céu de Marilia Mota Silva
02. O iPad não é coisa do nosso século de Marcelo Spalding


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MENINOS SEM PÁTRIA
LUIZ PUNTEL
ATICA
(2000)
R$ 14,90



OS CACHORROS VIERAM DO ESPAÇO
REGINA CHAMLIAN
STUDIO NOBEL
(2000)
R$ 8,00



A DIETA DE SOUTH BEACH
ARTHUR AGASTON
SEXTANTE
(2003)
R$ 8,90



O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
EDIGRAF
R$ 35,00
+ frete grátis



PARANÁ VIVO: SUA VIDA, SUA GENTE, SUA CULTURA
TEMÍSTOCLES LINHARES
JOSÉ OLYMPIO
(1985)
R$ 12,24



MANUELZÃO E MIGUILIM - JOÃO GUIMARÃES ROSA
JOÃO GUIMARÃES ROSA
NOVA FRONTEIRA
(2001)
R$ 15,00



IT GIRL GAROTA INESQUECIVEL - VOLUME 4
CECILY VON ZIEGESAR
GALERA RECORD
(2009)
R$ 10,00



EM DEFESA DA ÁFRICA, ACUSO
RENÉ DUMONT
EUROPA AMERICA
(1988)
R$ 67,00



PROTEU
MORRIS WEST
RECORD
R$ 5,50



O MODELO POLÍTICO BRASILEIRO
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
DIFUSÃO EUROPÉIA DO LIVRO
(1972)
R$ 10,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês