Reminiscências | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 12/2/2002
Reminiscências
Rafael Lima

+ de 3500 Acessos

É meu maior prazer vê-lo brilhar
Casa da Laura Alvim O Salão Carioca de Humor da Casa de Cultura Laura Alvim não é um concurso nem tão grande, nem tão prestigiado, nem tão antigo como o de Piracicaba, mas já completou 15 anos revelando talentos, distribuindo prêmios e ocupando lugar cativo no calendário humorístico de verão. Se é que ainda é possível rir no meio de atentado, seqüestro ou assassinato de homens públicos, para não falar no fundamentalismo de esquerda, que nos últimos 30 anos transformou o humor num instrumento essencialmente político e fez de cada chargista uma Dora Kramer do nanquim. Depois ficam por aí reclamando que a antiga e misteriosa arte do cartum está morrendo ninguém sabe porque, quando é só dar uma olhada nos catálogos dos anos anteriores para perceber uma nítida primazia das piadas com fundo social, entre os vitoriosos, sobre as simplesmente engraçadas (por mais engraçadas que fossem). Resmungos de lado - estamos falando de um salão de humor, caramba! - a exposição desse ano marcou um gol de placa ao pendurar os originais de Jano sobre o Rio de Janeiro, um álbum que eu gostaria de ter feito. O visitante em geral fica tão impressionado com a maestria na captura da alma das ruas que mal percebe a meticulosidade e a paciência extraordinária de seu trabalho: as pranchas têm praticamente o mesmo tamanho das páginas do álbum. Jano desenhou cada friso de fachada no Catete, cada cabecinha do Maracanã cheio naquele tamanho que se vê no álbum.
Visito o Salão da Laura Alvim, casa de cultura localizada num dos endereços mais caros do Rio, a Vieira Souto, desde seus primeiros dias. Foi lá que vi pela primeira vez os originais de gente que eu só conhecia de nome em página de fundo de jornal. Nos últimos anos, cheguei a freqüentar a cerimônia de abertura, evento particularmente indicado para apreciar desenho de humor, trocar palavras com algum cartunista predileto (eventual lenda viva), desopilar o fígado e se emocionar com as homenagens. Especialmente inesquecível foi a que fizeram ao Otelo Caçador, conhecido chargista de esportes - vamos deixar de nove horas: de futebol - das antigas, e que andou sumido na década passada (hoje em dia, parece que saiu de sua semi-aposentadoria desenhando camisetas de blocos de carnaval para voltar à ativa no Extra, o jornal popularesco das organizações Globo no RJ). Uma das bossas do Otelo era o diploma de perdedor, típica gozação praiana, você recortava do jornal de domingo e preenchia com o nome do seu amigo vascaíno, para entregar depois do jogo: Zico em campo era garantia de piada. Otelo é Flamenguista. Fanático. Reza a lenda que foi ele quem teria trazido o uruguaio Lanfranco para o Brasil, transformando-o em ,Lan, o cartunista que ficou mais famoso pintando mulatas que Di Cavalcanti... Quem abriu a noite foi o Jaguar, pedindo para "desligarem os celulares e as crianças", e convocando o próprio Lan para entregar a Otelo um troféu. Após subir no palco e fazer uma continência moleque, contou como eles se conheceram ainda no Uruguai, onde se fizeram amigos de infância. Após a noite de papo, ele diria ao Lan:
- Algum dia você vai para o Brasil, e vai morar no Rio. E vai ser Flamengo.

Computadores fazem arte, artistas fazem dinheiro
Mangue boys

Por um mero acaso não foi o último, mas o penúltimo show de Chico Science e Nação Zumbi no Rio. Ainda iriam tocar numa mega casa de espetáculos, dessas que hoje se chama ridiculamente de hall. Não há dúvida que estavam mais à vontade no Circo Voador naquele final de 96, um dos típicos shows arrebenta-quarteirão do Circo Voador, dos que não se entendia onde cabia tanta gente, dos que pareciam nunca acabar, tal a profusão de músicas no bis. Apenas a parede sonora da percussão Zumbi entrou no palco (acho que o Otto ainda fazia parte nessa época) e depois de uma pequena introdução, silenciou para a entrada no palco de Chico Science, calado, casmurro, numa inconcebível camisa azul de mangas longas para a primavera carioca; ergueu um braço e quando baixou, ao mesmo tempo em que cantava o primeiro verso, aconteceu. Foi como uma pancada para remover a poeira de um tapete estendido, uma onda de energia se propagando em todas as direções, para todas as pessoas. Um primitivo deus do trovão.
Cinco anos sem presenciar algo sequer parecido com isso.

Intelectual não vai à praia, intelectual bebe
5 anos sem ele. A primeira coisa a se saber sobre Paulo Francis é que seu nome real, aquele da carteira de identidade, era Franz Paul Trannin Heillborn. Paulo Francis fora o nome, "típico de 'bailarino' de teatro-revista", com o qual Paschoal Carlos Magno, seu professor de interpretação, lhe batizara em 1951. Um nome eufônico para cartazes de teatro rebolado, que continuou sendo usado, até o fim da vida, nas incontáveis incursões jornalísticas. Entender Paulo Francis é entender essa confusa relação entre ator, personagem, autor, leitores e espectadores ao longo dos anos. Não me admira que essa revelação seja a primeira informação relevante da primeira página de seu livro de memórias, O Afeto que Se Encerra, o texto mais essencial para entender quem Francis foi.
Me lembro claramente do susto que tomei quando descobri que Paulo Francis, aquele engravatado comentarista de Nova York, tinha escrito no Pasquim. Dificilmente estava entre os meus preferidos, ficando atrás do Ivan Lessa, do Millôr, do Henfil, do Maciel, do Fortuna. Considero, paradoxalmente, a década de 70 seu melhor período no jornalismo, quando publicou os livros Paulo Francis Nu e Cru, Certezas da Dúvida, além de uma coletânea pela Editora Três. Comparados com aqueles textos, o estilo do Diário da Corte é corrido, superficial, embrulha-e-manda. Nunca fui leitor do Diário, muito menos leitor assíduo, de vigiar as bancas a cada quinta e domingo, mas é inegável que foi aquele formato lhe angariou mais prestígio, fama - e inimigos - do que bons livros, como o Dicionário da Corte bem o mostra.
Paulo Francis sempre foi um grande dum chato, ainda que tivesse em grande escala todas as qualidades que um chato tem. Jornalista, era a própria incorporação daquela frase de Kingsley Amis: "If you can't annoy somebody, there's little point in writing". Abusava um pouco da paciência os leitores - como qualquer bom escritor, aliás. Incrível como se adaptou extremamente bem à televisão, fazendo da incomparável dicção um estilo. Inesquecível, a inserção no Jornal da Globo dizendo "aquiiiiiii em Nova Ioooorque está fazeeeeendo um frio chato..." Mas afinal, por que essa lembrança, se você não gostava dele, se preferia estar falando de Chico Science? Acho que por sua capacidade de suscitar discussões, de alavancar acalorados debates: para cada candidato a intelectual que apontasse o dedo em riste, acusando-o de vendido, outro apareceria para defender sua trajetória; para cada amante da língua que o acuse de ser mau escritor, outro apareceria citando seu arsenal de punch lines. Era um catalisador vivo de idéias, num mar de ociosidade. O tipo de autor de quem se colecionam frases. A minha? "As crianças são o proletariado extremo, porque em qualquer classe social estão sujeitas a caprichos humilhantes de adultos". Se bem que a que titula essa nota - pelo menos atribuída a ele - também é antológica.

Nas pedras
Brrrr!
Que bebida você é?


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 12/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem Aos Domingos de Marilia Mota Silva


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CONTINENTE DESAPARECIDO
GIANNI MINÀ
RECORD
(2007)
R$ 12,00



NOVÍSSIMA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA 48ª ED.
DOMINGOS PASCHOAL CEGALLA
COMPANHIA ED. NACIONAL
(2008)
R$ 100,00



BLEAK HOUSE
CHARLES DICKENS
PENGUIN CLASSICS
(1994)
R$ 12,99



A VIDA ESTÁ EM OUTRO LUGAR
MILAN KUNDERA
NOVA FRONTEIRA
(1992)
R$ 10,00



DIREITO PROCESSUAL CIVIL
VALERIA MARIA SANT'ANNA
EDIPAD
(1995)
R$ 6,00



O GARATUJA
JOSÉ DE ALENCAR
IDC
R$ 5,90



DEUSES DE DOIS MUNDOS - O LIVRO DA MORTE - ( CAPA DURA ) - 1ª EDIÇÃO
PJ PEREIRA
DA BOA PROSA
(2015)
R$ 59,90



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
NOVA CULTURAL
(1984)
R$ 6,90



VIVA O POVO BRASILEIRO
JOÃO UBALDO RIBEIRO
NOVA FRONTEIRA
(1984)
R$ 30,00



QUATORZE SANTOS DE EMERGÊNCIA
LUIS EDGAR DE ANDRADE
OBJETIVA
(2006)
R$ 24,82





busca | avançada
44715 visitas/dia
1,3 milhão/mês