Coisas nossas | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 23/4/2002
Coisas nossas
Rafael Lima
+ de 16100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Carrancas são Tiki!
carrancas típicas brasileiras
Carrancas. Sempre fui ligado em carrancas, na contradição que é utilizar aqueles totens horrendos como objeto de decoração. Sempre me assustaram, quando criança, os bustos de dentes arreganhados à entrada de restaurantes, lojas e até lares. Se não ficar nenhum trauma mais sério, e a curiosidade resistir, o tempo acaba passando, e a gente, aprendendo, mais tarde, que elas eram montadas na proa de barcos do São Francisco, para afastar os maus espíritos - mesmo motivo pelo qual acabariam sendo usadas como objetos de adorno (?) - que já existiam em naves vikings ou galeras romanas, e até uma lenda deveras bacana, versando sobre o gemido que as carrancas emitiriam antes do barco afundar: já imaginou, teu barco adernando e um guincho gutural saindo daquela carantonha de madeira? A fascinação me fez ter duas réplicas; uma, plantada na mesa do escritório, e outra, pendurada no chaveiro, e a curiosidade (sempre ela) me levou a procurar imagens na internet. O que descobri foi um autêntico Easter Egg, uma surpresa dentro de uma surpresa, na página, tinha que ser!, de um surfista.
Mais do que fotos de primeira, ele deu uma notável bola dentro ao classificar as carrancas como o "autêntico Tiki brasileiro", uma correlação brilhante. Do tipo que deixa esse povo da comunicação visual numas de como é que eu não pensei isso antes?, tal a obviedade da observação quando se comparam imagens de carrancas brasileiras e estátuas de ídolos Tiki. Nessa orgia de totens carrancudos, não pude deixar de lembrar também de um parente mais distante, o horrível deus egípcio Bes. Voltando ao assunto: como todos sabem e ninguém ignora, Tiki é o nome que se dá à versão pop da cultura primitiva de ilhas da Polinésia, cheias de cores tropicais, deuses da fertilidade e da sorte, sempre de olhos arregalados e dentes expostos e artesanato em palha e bambu. A estética Tiki é vasta o suficiente para se espalhar pela decoração de interiores, roupas, moda, arquitetura e maleável ao ponto de se adaptar às ilustrações do Shag, ou, como sacou o Hiro, ao vilão Brak, do desenho animado Space Ghost. O auge da popularidade da estética Tiki foi no final década de 50 e início da década de 60 nos E.U.A., graças aos militares norte-americanos que trouxeram aquela mania das ilhas do Pacífico, na bagagem da 2ª guerra. Com o tempo, foi caindo em desuso, e hoje é mais identificada pelo acento kitsh, como no seriado Ilha da Fantasia, uma curiosidade mezzo cult, meio exótica, para colecionadores e gente que ainda acredita nas lendas dos mares do sul.
As duas principais referências que eu tinha do que fosse Tiki antes ir parar na página daquele surfista eram o Enchanted Tiki Room, atração na Adventure Land na Disney World, com autômatos de pássaros piando uma musiquinha numa cabana autenticamente Tiki, e os relatos da expedição Kon-Tiki, do norueguês Thor Heyerdhal, que estampara uma imagem do grande deus Tiki na vela da sua jangada. Se até agora nenhuma dessas indicações serviu para criar uma imagem clara do que seja a estética Tiki na sua cabeça, provavelmente vai agora, quando eu citar os ídolos Tiki mais manjados na face da Terra: os moais de Rapa Nui, a Ilha de Páscoa.

Espalhe por aí
Tem gente se mobilizando por uma estética do fracasso.

Ócio criador da poesia
Ariano Suassuna A Farsa da Boa Preguiça, além do título excepcional, é um texto teatral de primeira do Ariano Suassuna, cuja obra parece ter renascido para os palcos depois do sucesso da mini-série-que-virou-filme O Auto da Compadecida, dirigida por Guel Arraes com elenco global; era uma das suas 3 peças em cartaz no Rio de Janeiro na quinta-feira em que fui assistir.
O mote, como de costume, é simples: a cobiça do enriquecido Aderaldo Catacão, casado com a fútil Clarabela, por Nevinha, mulher de Joaquim Simão, poeta. Os conflitos surgidos do choque do espírito disciplinado, sério e trabalhador de Aderaldo com o preguiçoso, desleixado e pobretão Joaquim Simão ("Ô mulher, traz o meu lençol que eu estou no baaaaaaaanco deitado!") são introduzidos à platéia por Jesus Cristo, São Miguel e São Pedro - o último, ex-pescador e homem feito santo, toma partido pelo seu xará (pois chamava-se Simão Pedro), ao lembrar das agruras de ganhar o pão com o suor de cada dia e apoiar a "boa preguiça" de Joaquim Simão ("Não sei como se tem coragem de reclamar contra o ócio criador da Poesia"), contra São Miguel, arcanjo guerreiro, ironizado por nunca ter pego numa enxada. JC, identificado pelo nome popular de Manoel Carpinteiro, faz as vezes de mediador ("nem tanto, nem tão pouco"), puxando suas orelhas para que não cometam injustiças no exagerado apego aos respectivos protegidos.
Assistir a uma peça de Ariano Suassuna é abrir os olhos para a extrema riqueza da cultura popular, no melhor sentido dessa última palavra. Interpretações rebuscadas da poesia e a procura de um significado maior - esotérico? - por trás do figurativo são ironizadas logo no começo da peça, que se vale de recursos de grande simplicidade e impacto - ou seja, tipicamente populares - para dizer o que quer. Ariano já deve ter sido acusado por seus detratores de populista, simplista, de fazer propaganda socialista - tudo falso. Sua dramaturgia tem a qualidade atemporal dos clássicos: dá para ouvir ecos aqui e ali de O Avarento, de Moliére, na crítica à avareza de Aderaldo; à moda dos deuses em uma tragédia grega, os santos (e os diabos) descem à Terra disfarçados, interagindo com os mortais e interferindo em seu destino. Até mesmo debates ora em voga, como a crítica ao discurso único da eficiência e da produtividade feita pela turma do ócio criativo, são emulados pelo texto de Ariano. A falsa simplicidade de personagens, comportamentos e situações mascara uma complexidade de elementos capaz de abordar, literalmente, qualquer tema, como uma novela de Dias Gomes ou um episódio dos Simpsons, conduzindo à lições de uma moral que supera qualquer tipo de ideologia ("O homem deve respeitar três coisas nessa vida: a mulher, o que é certo e Deus").
O resultado poderia ser pesado, mas tudo isso desce redondo porque vem sensualmente embalado na riqueza de adereços originais, os mesmos volta e meia redescobertos por algum estilista para requentar as peças de sua última coleção primavera-verão; no calor dos ritmos comandados pela zabumba e triângulo - daqueles que fazem um arrepio na espinha quando as cordas da rabeca gemem - e em expressões do vernáculo como porreta, arretado, de inegável propriedade na descrição dos resistentes a uma realidade safada & sofrida, para a qual, como bem colocado no prefácio de O Tocador de Tuba (Chico Anísio, Rocco, 1977) só há duas saídas: em vida, a safadeza; na morte, a vida eterna. Ao modo de Joaquim Simão. De João Grilo. E de Chicó.

O último dos cariocas
Nássara em meio aos bacharéis do samba Provavelmente sou uma das poucas pessoas a quem o nome de Antonio Gabriel Nássara evoca antes suas caricaturas à suas mágicas composições. Porque se o nome não diz nada à primeira sílaba, torna-se impossível esquecê-lo quando se associa-o às canções Mundo de zinco ("aquele mundo de zinco que é mangueira / acorda com o apito do trem / ... / um barracão de madeira / uma cabrocha, uma esteira / todo malandro em mangueira, tem"), Formosa ("foi Deus quem te fez formosa...") ou, sobretudo, à marchinha de carnaval A-la-la-ô. Pronto, Fabio, agora você não precisa mais confundir Nássara com David Nasser. Mas falava nas caricaturas, pois foi por causa delas, em uma exposição no final dos anos 80 homenageando-o - provavelmente era Salão Carioca de Humor, provavelmente armada pelo Jorge de Salles - que pela primeira vez ouvi falar em Nássara. E logo coberto de elogios da turma toda d'O Pasquim, que levou-o a voltar às ilustrações na década de 70, em suas páginas: era o Mondrian do portrait-charge, dizia-se que ele não fazia caricatura, fazia logotipo de gente.
Mengo por Nássara Traço absolutamente sintético, economia severa de linhas, moderno até a última gota de nanquim, Nássara criou para si um estilo único, limpo, que fica bem colorido ou no preto e branco - original: da mesma estatura, só consigo lembrar de Flávio Colin. Agora, no sexto aniversário de sua morte, ganhou uma exposição numa salinha perdida de um andar solitário de uma faculdade de dois nomes. Os universitários que passam lotados não têm noção das pérolas que se abrigam ali dentro. É triste a sina de países que não preservam a sua memória, e mais ainda a de cidades que perdem seus referenciais sem se dar conta disso. Nássara, assim como os recentemente Nássara no morro do Cantagalo falecidos Carlinhos Niemeyer, Albino Pinheiro e do inventor do telecoteco, Oswaldo Sargentelli, era um dos últimos cariocas arquetípicos, modelo de longa garantia sem muitos similares no mercado. Em Vila Isabel, bairro que desenhou com pedrinhas portuguesas as partituras de Noel Rosa na calçada, existe uma estátua de seu poeta maior sentado numa mesa de bar, sendo servido por um garçom, que acaba de lhe trazer "palito, e um cigarro para espantar mosquito", com uma cadeira estranhamente vaga do seu lado. Sentar uma imagem de Nássara ali seria a melhor homenagem que a prefeitura poderia lhe fazer (já que os dois chegaram até a fazer parceria numa música). Quem sabe assim aqueles universitários resolvam conferir os originais na próxima exposição que houver. Pout pourri do Nássara

Vício maldito!!!
Eu tinha me prometido parar com isso. Mas essas daqui são muito classe:
I am Vincenzo by David Lynch
Qual personagem de filme do David Lynch você seria?

Cocadaboa.com.br blog
Que blog famoso você é?

E, por último, rufem os tambores:
Eu sou os Skrotinhos!
Qual personagem do Angeli você é ?
Qual personagem do Angeli você é ?


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 23/4/2002

Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2002
01. Coisas nossas - 23/4/2002
02. Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa - 25/6/2002
03. Ar do palco, ou o xadrez nos tempos da Guerra Fria - 16/4/2002
04. Quando éramos reis, bispos, cavalos... - 9/4/2002
05. Quebrar pratos com Afrodite - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2002
14h36min
Estava na casa de um amigo que iria jogar várias coisas foras. Entre as coisas achei uma edição antiga do Pasquim, como uma entrevista pra lá de hilariante com o Nássara. Claro que guardei e guardo como uma relíquia. Outro trabalho histórico do Nássara foi a capa que ele fez para o disco "Polêmica" do Roberto Paiva, que traz todos os sambas da famosa polêmica entre Noel Rosa e Wilson Batista.
[Leia outros Comentários de Eduardo Martins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografias Vinicius sem Ponto Final
João Carlos Pecci
Saraiva
(1994)



Livro Infanto Juvenis A Chata Daquela Gorda Coleção Navegar
Regina Drummond
Cortez
(2005)



Usar a Mídia a Seu Favor
Paulo Piratininga
Cla
(2008)



Livro Direito Financeiro na Constituição de 1988
José Mauricio Conti
Oliveira Mendes
(1998)



Gestão florestal sustentável- Um diagnóstico no Espírito Santo
Luiz Fernando Schettino
Ed. do Autor
(2000)



O Hobbit
J. R. R. Tolkien
Martins Fontes
(2003)



Enquanto a Banda Tocava Um Blues
Wander Porto
Wp
(2019)



Amar, Verbo Intransitivo
Mário de Andrade
Agir
(2008)



Férias De Natal
W. Somerset Maugham
Globo
(1957)



Turismo Religioso - Ensaios Antropológicos Sobre Religião e Turismo
Edin Sued Abmanssur
Papirus
(2018)
+ frete grátis





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês