Neon Genesis Evangelion | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nunca pergunte coisas sobre as quais eu não gostaria de falar
>>> Jornal troca papel pela Web
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Extraordinary Times
>>> Ensaio sobre a surdez
>>> The Search, John Battelle e a história do Google
>>> As ligações perigosas
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Consulta
Mais Recentes
>>> LEVIATÃ, ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil de Thomas Hobbes (1588-1679) pela Martin Claret (2014)
>>> O Inverno Chegou de Cynthia Freeman pela Nova Cultural (1987)
>>> Parábolas de Jesus: texto e contexto de Haroldo Dutra Dias pela Federação Espírita do Paraná (2011)
>>> Nunca Houve um Castelo de Martha Batalha pela Companhia das Letras (2018)
>>> O segredo de fátima de Irmã lúcia pela Loyola (1991)
>>> Iniciação À Arte De Curar Pelo Magnetismo Humano de Paul-Clément Jagot pela Pensamento
>>> Venda mais - DEUS na empresa. A espiritualidade ajuda a vender? Ano 9 - Nº108 de Vários pela Quantum (2003)
>>> Meu Recife de Outrora: Crônicas do Recife Antigo de Fernando Pio pela Departamento de Cultura (1969)
>>> Aparência Rio de Janeiro - 60 Notícia Histórica Descritiva da Cidade de Gastão Cruls pela José Olympio (1949)
>>> Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro de Sheila Ostrander e Outro pela Cultrix (1970)
>>> Aprender a pensar de Edward de Bono pela Plaza e Janés (1987)
>>> Nem cosme nem damião de Joaquim vaz de carvalho pela Giz (1993)
>>> A Tormenta de Espadas. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 3 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Guerra dos Tronos. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 1 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Dança Dos Dragões - Coleção As Crônicas De Gelo E Fogo. Volume 5 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Furia dos Reis: As Cronicas de Gelo e Fogo, Vol. 2 de George R R Martin pela Leya (2011)
>>> O Festim Dos Corvos - Coleção As Crônicas de Gelo e Fogo de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Menina Submersa: Memórias: Um caso de amor para toda vida de Caitlin R. Kiernan pela Darkside (2015)
>>> D.Gray-Man, Volume 15 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 14 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 13 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D Gray Man Vol. 12 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> D. Gray-man Volume 11 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> Manuel Bandeira- Análise e Interpretação Literária de Emanuel de Moraes pela José Olympio (1962)
>>> O Fantasma de Jo Nesbo pela Record (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 29/11/2011
Neon Genesis Evangelion
Duanne Ribeiro

+ de 4600 Acessos

Desde outubro, o mangá Neon Genesis Evangelion está sendo republicado pela editora JBC - é a chance de conhecer ou redescobrir uma das franquias mais relevantes dos quadrinhos e da animação japonesa. No Japão, a HQ foi lançada em fevereiro de 1995, como um modo de divulgar sua versão em animação, e ainda não foi concluída. O anime, exibido a partir de outubro daquele ano e encerrado em 1996, alcançou sucesso e repercussão; em 2007, foi considerado por uma agência do Ministério de Educação japonês como o melhor de todos os tempos. A série pode ser comparada a Sandman, de Neil Gaiman; Watchmen, de Alan Moore; ou Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller - na medida em que também representa um salto de maturidade dentro de seu gênero.

Como Miller e Moore quanto aos quadrinhos americanos, Evangelion lida com uma forma japonesa típica - enquanto os primeiros releem o conceito de super-herói, a série faz uso do gênero dos mecha, isto é, robôs gigantes, controlados por humanos. Como Gaiman, seu mundo é criado em diálogo com referências culturais diversas - se ele cria sua fantasia a partir de múltiplas mitologias, ela recorre principalmente à tradição judaico-cristã. O núcleo da produção, no entanto, não está ai; além da ficção científica e do fantástico, seu foco está no relacionamento humano, nos abismos da relação do indivíduo consigo e com os outros.

Os principais artistas na produção de Evangelion são Hideaki Anno e Yoshiyuki Sadamoto. Sadamoto fez o design de personagens para o anime e produz a adaptação em mangá. Além disso, é um dos fundadores do estúdio Gainax, responsável pelo desenho animado. Já Anno foi o diretor da animação. Seu talento foi revelado pelo trabalho com Hayao Miyasaki - um diretor conhecido no Brasil para além de nichos, por obras como A Viagem de Chihiro - para o qual foi animador em Nausicaä do Vale do Vento.

A história se dá em um cenário distópico. No ano 2000, a Terra é atingida por um meteoro; a catástrofe, que fica conhecida como "Segundo Impacto", reduz a população mundial pela metade. Quinze anos depois, ainda em processo de recuperação, a raça humana é ameaçada novamente, por imensas criaturas, resistentes a todo tipo de ataque convencional e evidente objetivo de destruição: os "anjos". Para confrontá-los, haviam sido criados os EVAs, andróides que precisam ser pilotados por adolescentes específicos, com características necessárias para a "sincronização" com os robôs. A relação entre o cataclismo, a chegada dos monstros e a prontidão visionária dessas novas "armas" serão depois esclarecidos, assim como a razão do uso de um nome cristão para nomeá-los.

São produzidos três EVAs, cada qual pilotado por uma "criança": o garoto Shinji Ikari e as meninas Rei Ayanami e Asuka Langley Soryu, todos com idade entre 13 e 14. A postura de cada um deles frente à sua "missão" é um dos pontos importantes na série: por que pilotar o EVA? A identificação com os personagens acontece assim que se sente que essa pergunta é, na verdade, mais geral: de onde vem a sua motivação? Por que faz o que faz?

Shinji é o nosso protagonista. Filho de Gendou Ikari, chefe da organização que construiu os EVAs, sempre esteve distante do pai, que o ignorava. Inesperadamente, Gendou o chama à sua cidade. Não se tratava de um reencontro entre familiares, mas de um alistamento. O pai exige que o filho seja um dos pilotos. A tensão entre a necessidade de afirmação de Shinji e a frieza e o calculismo de Gendou é uma das linhas dramáticas principais - e, assim como poderia afastar o garoto da luta a que é chamado, o atrai. Esse conflito exemplifica os temas de Evangelion: o duelo entre afetos distintos, os que se sobrepõem, os que ficam para trás.

Ainda uma última camada se torna evidente logo nos primeiros momentos. Todo o sistema contra o "anjos" parece escamotear outros propósitos da NERV, grupo contratado pela ONU e responsável pela construção dos robôs. Não só a origem e sentido dos ataques é escondida, mas também o Projeto de Instrumentalização Humana, que parece fundamental e do qual, inicialmente, não sabemos nada. Pouco a pouco, os mistérios e farsas vão sendo elucidados, de maneira semelhante a séries como Arquivo X, Lost e Fringe.

Outras Versões, Outros Fins
O mangá é em certa medida independente da animação e possui algumas diferenças. Ainda está sendo produzido no Japão: de 13 volumes previstos, 12 estão concluídos. No Brasil, 10 destes volumes foram publicados pela Conrad, em 20 edições. A partir daí, a publicação foi assumida pela JBC, que publicou outras quatro (referentes aos números japoneses 11 e 12). O que a editora faz agora é republicar a HQ do início, no formato japonês original.

O atraso dos quadrinhos em relação ao anime se deve ao ritmo de produção de Sadamoto, que esteve mais envolvido com o projeto Rebuild of Evangelion, série de quatro filmes que recontam a animação original, também com algumas variações. Já foram lançadas duas das releituras: Evangelion: 1.0 You Are (Not) Alone e Evangelion 2.0 You Can (Not) Advance. O final da história, tanto no mangá quanto nas novas animações, pode ser substancialmente diferente. O anime já possui um duplo fim: pouco após o término dos 26 episódios, o longa The End of Evangelion foi lançado, com uma reinterpretação dos dois últimos capítulos.

Há muitas características de Evangelion que poderiam ser destacadas: o caráter animalesco dos EVAs; a ligação física e mental dos pilotos com seus robôs; os recursos da animação se pensada como cinema: o uso do silêncio e da sugestão; o traço cheio de rachuras, sombras e velocidade da HQ; entre outros elementos. Por sua qualidade, seus detalhes, sua densidade interpretativa, mereceria um texto maior, que desse conta pelo menos dos aspectos críticos da série, sua abordagem da psicologia e da metafísica. Mas esta é uma apresentação - um convite. Assista ou leia, leitor, e volte cá que a gente discute nos comentários.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 29/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palavra de Honra de Daniel Bushatsky
02. Glamour e mistério em Belíssima de Luis Eduardo Matta
03. Que espécie de argumento é uma bunda? de Alexandre Soares Silva
04. Na Cama Com Tarantino de Rennata Airoldi
05. Civilizado? de Juliano Maesano


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
02. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. Dexter Versus House - 4/10/2011
05. A Serbian Film: Indefensável? - 30/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fedra e Hipólito - Tragedias de Eurípedes, Sêneca e Racine
Eurípedes, Sêneca e Racine
Agir
(1985)



O que é Arte
Jorge Coli
Brasiliense
(2006)



Canção para Débora
Luci Guimarães Watanabe
FTD
(1998)



São Paulo 1554 1880 Discurso Ideológico e Organização Espacial
Janice Theodoro da Silva
Moderna
(1984)



Muffins e Cupcakes - Bolinhos Deliciosos
Lucrecia Pérsico
Planeta
(2012)



A Dieta do Dr. Phil
Phil Mcgraw
Campus
(2004)



O Maior Presente de Todos
Kleber O. Gonçalves
Sementes
(2010)



As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã
Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros
Companhia das Letrinhas
(2004)



Divaldo Franco Em Uberarba
Carlos A. Baccelli
Leal
(1995)



Elementos de Psicologia 2 volumes
Davio Krech e Richard S. Crutchfield
Livraria pioneira
(1971)





busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês