Baixíssima gastronomia | Ricardo Freire

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
Mais Recentes
>>> A Senhora do Jogi de Sidney Sheldon pela Record (2010)
>>> A Palavra Perdida de Lino de Albergaria pela Atual (1991)
>>> O Desafio Amazonico de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1989)
>>> Alguém Para Amar a Vida Inteira de Roniwalter Jatobá pela Positivo (2015)
>>> O Céu está caindo de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Alquimistas e Quimicos de Vanin Jose Atilio pela Moderna (1994)
>>> Trafico de Anjos de Luiz Puntel pela Atica (1992)
>>> O Plano Perfeito de Sidney Sheldon pela Record (2012)
>>> As Aventuras do Marujo Verde de Glaucia Lemos pela Atual (1990)
>>> Posso Te Dar Meu Coração? de Ganymedes José pela Moderna (1989)
>>> O Segredo do ídolo de Barro de Elisabeth Loibl pela Melhoramentos (1987)
>>> O Elefante Assassino de Pedro Bandeira pela Atual (1987)
>>> Lover in the rough de Elizabeth Lowell pela Avon books (1994)
>>> O Passado Esteve Aqui de Stella Carr pela Moderna (1988)
>>> O Guarani - de José de Alencar pela Reddiel (1997)
>>> A Maldição da Fabrica de José Americo de Lima pela Atual (1989)
>>> Vinda Com a Neve de Odette de Barros Mott pela Moderna (1982)
>>> Qual é a Minha de Marcia Leite pela Scipione (1990)
>>> Um Cadáver Ouve Rádio de Marcos Rey pela Atica (1984)
>>> O Caso da Ilha de Odette de Barros Mott pela Atual (1987)
>>> Literatura Comentada de Mário Quintana pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de José Lins do Rego pela Abril Educação (1982)
>>> Literatura Comentada de Graciliano Ramos pela Abril Educação (1981)
>>> Literatura Comentada de Camilo Castelo Branco pela Abril Educação (1980)
>>> Literatura Comentada de Antonio Callado pela Abril Educação (1982)
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/1/2006
Baixíssima gastronomia
Ricardo Freire

+ de 6000 Acessos

A última onda é a baixa gastronomia praticada em lugares da moda – pratos de botequins populares revisitados por botequins freqüentados pela moçada. Não, obrigado. Baixa gastronomia em boteco de mauricinho é meio-termo demais para o meu gosto.

Prefiro os extremos. Pedir comida nojenta em restaurante de luxo, por exemplo. Desculpe falar isso bem no meio do seu café da manhã, mas a verdade é que eu não consigo resistir a dobradinha em restaurante francês. Se está no cardápio, eu peço. E imediatamente esqueço que esse é um prato que nasceu em Caen, no noroeste da França – para mim, a dobradinha nasceu num desses botecos do Centro onde é servida todas as terças.

Já num botequim eu dificilmente peço o prato do dia. Por um motivo: não chego a ler o cardápio afixado na parede. Meus olhos simplesmente não conseguem desgrudar daquilo que está exposto no balcão. Um virado à paulista é algo totalmente abstrato, quando você tem na sua frente coxas de galinha de carne e osso. Basta comer uma para ter certeza absoluta de que coxa de galinha e peito de frango vêm de integrantes inteiramente distintos do reino animal.

Mas não se preocupe. Você não vai me ver comendo ovos cozidos coloridos em nenhum momento deste artigo. É que eu não sou fã de ovo cozido. Mas se fosse, é lógico que experimentaria um desses – de preferência, cor-de-rosa – que costumam ficar entre os torresmos, as lingüiças e os nuggets de pacote.

O meu fraco por coxas de carne e osso, contudo, não chega perto da minha tara por doce velho de padaria. Fala sério – tem coisa melhor que doce vencido de padoca? Aquele mil-folhas dormido de três noites, que já deu ao creme toda a chance do mundo de penetrar na massa, tornando o conjunto absolutamente inseparável? Ou aquele pudim que se solidificou um pouquinho só, para ficar com aquela consistência própria para a gente pegar um guardanapo e segurar com a mão? Ah, como eu gosto.

Infelizmente, eu não fumo. Porque, se fumasse, teria a chance de entrar com mais freqüência nos verdadeiros antros da baixíssima gastronomia. E poderia comer mais vezes aquele que é o bolo mais gostoso do planeta: o bolo de balcão. Aquele que você não tem a mínima idéia de onde, quando e de que jeito veio, mas que está ali, só esperando você levantar a tampa de plástico transparente e escolher o seu pedaço. Moço! Eu queria também um café. Mas só se for no copo. Já vem com açúcar, né?

Sobre a globalização do café expresso

Ninguém jamais se manifestou contra a globalização do café expresso. A não ser, é claro, as balconistas.

Chegue em algum lugar onde o café expresso seja novidade – basicamente, qualquer cidade fora do Estado de São Paulo – e você vai notar que as meninas do balcão têm dificuldade em entender como é que alguém pode gostar daquilo.

Se você recusa o açúcar, então, elas fazem careta.

– Puro? Ugh! Como o senhor consegue?

A gente dá um golinho e elas se arrepiam, como alguém tivesse arranhado um giz no quadro-negro.

O fenômeno, no entanto, é irreversível. Um dia o café expresso chegará ao sertão, à floresta, ao pantanal. Já tem café expresso em Canoa Quebrada. Já tem café expresso em Ilha Grande. Já tem café expresso até em Fernando de Noronha. (Ao lado do Ibama, para ser mais exato.)

Mesmo assim, ninguém se manifesta contra a globalização do café expresso.

Os agricultores franceses não bloqueiam as estradas em protesto contra a disseminação dos valores culturais italianos. Os nacionalistas brasileiros não escrevem artigos defendendo a resistência cívica e a instituição de incentivos fiscais ao jeitinho caipira de fazer café. Nenhuma confederação de indústrias pede a proibição da importação de máquinas de café expresso para evitar o fechamento das fábricas de coador de papel.

Cada vez mais escritórios instalam máquinas de café expresso do tamanho de geladeiras, mas ainda não apareceu nenhum partido de esquerda a alertar para o desemprego maciço das moças do cafezinho.

A verdade é que o café expresso civiliza povos aonde quer que chegue.

Os americanos só fizeram a revolução tecnológica da informática depois que descobriram o café expresso. Hoje os Estados Unidos são um país dividido visceralmente entre jovens e velhos, modernos e ultrapassados, bacanas e jecas, bebedores de café expresso e consumidores de canecões de água preta rala.

A única grande empresa americana surgida nos últimos 10 anos e que não se chama alguma coisa ponto-com é a Starbucks – uma espécie de McDonald's do café expresso, nascida na mesma Seattle da Microsoft e da Amazon. Mesmo lá, não adianta pedir um café. Eles só atendem se você pedir um piccolo ou um doppio latte. Na Starbucks você é obrigado a não apenas ser específico, mas a ser específico em italiano. Nem por isso os americanos fazem piquete em frente à Casa Branca contra a invasão de expressões estrangeiras ao vernáculo ianque.

Leonel Brizola nunca foi à televisão denunciar a perda internacional do nosso melhor café, que vai até a Itália para voltar em sachês imperalistas, prontos para funcionar apenas em máquinas italianas. Itamar Franco nunca condicionou a venda de Illycaffè em Minas Gerais à instalação de uma fábrica de máquinas em Juiz de Fora. Maria da Conceição Tavares jamais chorou em público por preferirem café expresso até em Portugal.

É incrível: ninguém se manifesta contra a globalização do café expresso. E no entanto só Hollywood penetrou tão insidiosamente nos costumes de todos os povos civilizados ou em processo de civilização. O cigarro pode estar caindo em desuso, mas o expresso nunca experimentou tamanho sucesso. A Coca-Cola perde mercado para as tubaínas, as cervejas ficam mais leves e claras, mas a única concessão do café expresso ao gosto do mercado foi o surgimento da versão descafeinada (ugh).

Só as balconistas são contra a globalização do café expresso.

Elas pegam a nossa ficha com indiferença. Perguntam "puro ou com leite?" com desprezo. Tiram o bocal da máquina com força. Enchem o bocal de pó de café com raiva. Recolocam o bocal na máquina com ódio. Apertam o botão da máquina com tristeza. Esperam o café escorrer com tédio. Depositam a xícara na sua frente com nojo.

Não adianta, meninas. Não há como deter a globalização.

Nota do Editor
Textos gentilmente cedidos pelo autor. Publicados originalmente no Guia do Estadão, em dezembro de 2005, e no Jornal da Tarde, em agosto de 2000. Ricardo Freire é autor dos livros Viaje na Viagem e O Efeito Sanfona: confissões de um dependente químico de comida.


Ricardo Freire
São Paulo, 23/1/2006

Mais Ricardo Freire
Mais Acessados de Ricardo Freire
01. Para você estar passando adiante - 23/3/2009
02. Baixíssima gastronomia - 23/1/2006
03. O que é o Twitter? - 24/8/2009
04. Twitter versus Facebook - 21/6/2010
05. iAnta - 8/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mudança Radical - do Islã para o Senhor Jesus
Samir Mustafa
Getsêmani
(2012)



Plenitude Visionária - Autografado
Márcio Catundo Gomes
Companhia das Musas
(2007)



Regra Constituições Diretório da Ordem dos Mínimos
Cura Generalicia da Ordem de Roma (1986)
Delegação Geral do Brasil (sp)
(1995)



Fascinação do Amor
Condessa Dorsay
Empresa
(1938)



Billy the Kid - História de um Bandido
Pat Garrett
L&pm
(1985)



Cantinho do Caminhoneiro
Sandra Casadei
Edicon
(1997)



Seus Problemas Acabaram! Casseta e Planeta
Objetiva
Objetiva
(2004)



Os Guerreiros do Tempo - 8a edição - Coleção Veredas
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1996)



Mundo da Lua e Miscelanea
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1950)



Teoria da Legitimidade do Direito e do Estado
Antonio Carlos de Almeida Diniz
Landy
(2006)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês