Baixíssima gastronomia | Ricardo Freire

busca | avançada
43247 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/1/2006
Baixíssima gastronomia
Ricardo Freire

+ de 5600 Acessos

A última onda é a baixa gastronomia praticada em lugares da moda – pratos de botequins populares revisitados por botequins freqüentados pela moçada. Não, obrigado. Baixa gastronomia em boteco de mauricinho é meio-termo demais para o meu gosto.

Prefiro os extremos. Pedir comida nojenta em restaurante de luxo, por exemplo. Desculpe falar isso bem no meio do seu café da manhã, mas a verdade é que eu não consigo resistir a dobradinha em restaurante francês. Se está no cardápio, eu peço. E imediatamente esqueço que esse é um prato que nasceu em Caen, no noroeste da França – para mim, a dobradinha nasceu num desses botecos do Centro onde é servida todas as terças.

Já num botequim eu dificilmente peço o prato do dia. Por um motivo: não chego a ler o cardápio afixado na parede. Meus olhos simplesmente não conseguem desgrudar daquilo que está exposto no balcão. Um virado à paulista é algo totalmente abstrato, quando você tem na sua frente coxas de galinha de carne e osso. Basta comer uma para ter certeza absoluta de que coxa de galinha e peito de frango vêm de integrantes inteiramente distintos do reino animal.

Mas não se preocupe. Você não vai me ver comendo ovos cozidos coloridos em nenhum momento deste artigo. É que eu não sou fã de ovo cozido. Mas se fosse, é lógico que experimentaria um desses – de preferência, cor-de-rosa – que costumam ficar entre os torresmos, as lingüiças e os nuggets de pacote.

O meu fraco por coxas de carne e osso, contudo, não chega perto da minha tara por doce velho de padaria. Fala sério – tem coisa melhor que doce vencido de padoca? Aquele mil-folhas dormido de três noites, que já deu ao creme toda a chance do mundo de penetrar na massa, tornando o conjunto absolutamente inseparável? Ou aquele pudim que se solidificou um pouquinho só, para ficar com aquela consistência própria para a gente pegar um guardanapo e segurar com a mão? Ah, como eu gosto.

Infelizmente, eu não fumo. Porque, se fumasse, teria a chance de entrar com mais freqüência nos verdadeiros antros da baixíssima gastronomia. E poderia comer mais vezes aquele que é o bolo mais gostoso do planeta: o bolo de balcão. Aquele que você não tem a mínima idéia de onde, quando e de que jeito veio, mas que está ali, só esperando você levantar a tampa de plástico transparente e escolher o seu pedaço. Moço! Eu queria também um café. Mas só se for no copo. Já vem com açúcar, né?

Sobre a globalização do café expresso

Ninguém jamais se manifestou contra a globalização do café expresso. A não ser, é claro, as balconistas.

Chegue em algum lugar onde o café expresso seja novidade – basicamente, qualquer cidade fora do Estado de São Paulo – e você vai notar que as meninas do balcão têm dificuldade em entender como é que alguém pode gostar daquilo.

Se você recusa o açúcar, então, elas fazem careta.

– Puro? Ugh! Como o senhor consegue?

A gente dá um golinho e elas se arrepiam, como alguém tivesse arranhado um giz no quadro-negro.

O fenômeno, no entanto, é irreversível. Um dia o café expresso chegará ao sertão, à floresta, ao pantanal. Já tem café expresso em Canoa Quebrada. Já tem café expresso em Ilha Grande. Já tem café expresso até em Fernando de Noronha. (Ao lado do Ibama, para ser mais exato.)

Mesmo assim, ninguém se manifesta contra a globalização do café expresso.

Os agricultores franceses não bloqueiam as estradas em protesto contra a disseminação dos valores culturais italianos. Os nacionalistas brasileiros não escrevem artigos defendendo a resistência cívica e a instituição de incentivos fiscais ao jeitinho caipira de fazer café. Nenhuma confederação de indústrias pede a proibição da importação de máquinas de café expresso para evitar o fechamento das fábricas de coador de papel.

Cada vez mais escritórios instalam máquinas de café expresso do tamanho de geladeiras, mas ainda não apareceu nenhum partido de esquerda a alertar para o desemprego maciço das moças do cafezinho.

A verdade é que o café expresso civiliza povos aonde quer que chegue.

Os americanos só fizeram a revolução tecnológica da informática depois que descobriram o café expresso. Hoje os Estados Unidos são um país dividido visceralmente entre jovens e velhos, modernos e ultrapassados, bacanas e jecas, bebedores de café expresso e consumidores de canecões de água preta rala.

A única grande empresa americana surgida nos últimos 10 anos e que não se chama alguma coisa ponto-com é a Starbucks – uma espécie de McDonald's do café expresso, nascida na mesma Seattle da Microsoft e da Amazon. Mesmo lá, não adianta pedir um café. Eles só atendem se você pedir um piccolo ou um doppio latte. Na Starbucks você é obrigado a não apenas ser específico, mas a ser específico em italiano. Nem por isso os americanos fazem piquete em frente à Casa Branca contra a invasão de expressões estrangeiras ao vernáculo ianque.

Leonel Brizola nunca foi à televisão denunciar a perda internacional do nosso melhor café, que vai até a Itália para voltar em sachês imperalistas, prontos para funcionar apenas em máquinas italianas. Itamar Franco nunca condicionou a venda de Illycaffè em Minas Gerais à instalação de uma fábrica de máquinas em Juiz de Fora. Maria da Conceição Tavares jamais chorou em público por preferirem café expresso até em Portugal.

É incrível: ninguém se manifesta contra a globalização do café expresso. E no entanto só Hollywood penetrou tão insidiosamente nos costumes de todos os povos civilizados ou em processo de civilização. O cigarro pode estar caindo em desuso, mas o expresso nunca experimentou tamanho sucesso. A Coca-Cola perde mercado para as tubaínas, as cervejas ficam mais leves e claras, mas a única concessão do café expresso ao gosto do mercado foi o surgimento da versão descafeinada (ugh).

Só as balconistas são contra a globalização do café expresso.

Elas pegam a nossa ficha com indiferença. Perguntam "puro ou com leite?" com desprezo. Tiram o bocal da máquina com força. Enchem o bocal de pó de café com raiva. Recolocam o bocal na máquina com ódio. Apertam o botão da máquina com tristeza. Esperam o café escorrer com tédio. Depositam a xícara na sua frente com nojo.

Não adianta, meninas. Não há como deter a globalização.

Nota do Editor
Textos gentilmente cedidos pelo autor. Publicados originalmente no Guia do Estadão, em dezembro de 2005, e no Jornal da Tarde, em agosto de 2000. Ricardo Freire é autor dos livros Viaje na Viagem e O Efeito Sanfona: confissões de um dependente químico de comida.


Ricardo Freire
São Paulo, 23/1/2006

Mais Ricardo Freire
Mais Acessados de Ricardo Freire
01. Para você estar passando adiante - 23/3/2009
02. Baixíssima gastronomia - 23/1/2006
03. O que é o Twitter? - 24/8/2009
04. Twitter versus Facebook - 21/6/2010
05. iAnta - 8/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIARIO DE UMA BANANA 10 - BONS TEMPOS
JEFF KINNEY
VERGARA & RIBA
(2015)
R$ 20,00



AO COMBATE! O BRASIL NA 1ª GUERRA MUNDIAL - 9408
DIVERSOS
FBN
(2008)
R$ 15,00



CIDADE DE ÁGUA E SAL
PAULO LINHARES
ARMAZÉM CULTURA
(2013)
R$ 34,00



PORTUGUÊSLÍNGUA E CULTURA
CARLOS ALBERTO FARACO
BASE
(2003)
R$ 15,00



ELEMENTOS DE MÁQUINAS (COLEÇÃO COM 3 LIVROS)
GUSTAV NIEMANN
EDGARD BLÜCHER
(1971)
R$ 145,00



A IMAGEM DA GALIZA EM PORTUGAL
CARLO PAZOS-JUSTO
ATRAVÉS
(2016)
R$ 30,00



WORK AS A SPIRITUAL PRACTICE
LEWIS RICHMOND
BROADWAY BOOKS
(2000)
R$ 50,00



CARTAS A UM JOVEM POETA/A CANÇÃO DE AMOR E DE MORTE DO PORTA
RAINER MARIA RILKE
GLOBO
(1959)
R$ 25,00



MINIDICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA
SILVEIRA BUENO
FTD
(2007)
R$ 20,00



DICIONÁRIO PRÁTICO INGLÊS - PORTUGUÊS
VARIOS AUTORES
DCL
R$ 5,00





busca | avançada
43247 visitas/dia
1,3 milhão/mês