Paisagem interna agreste | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Últimas Notas Sobre A FLIP
>>> O futuro a Deus pertence (e Ele é brasileiro)
>>> Junho artístico em Sampa
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Feedback
>>> A Epopeia de Gilgamesh, pela WMF Martins Fontes
>>> A Era do Gelo
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Speak, Memory
>>> 24 de Fevereiro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Auto da barca do inferno farsa de Inês Pereira auto da índia de Gil Vicente pela Ática (2003)
>>> O Sombrio Chamado de Kelly Shimohiro pela Novo Século (2019)
>>> Auto da compadecida de Ariano Suassina pela Nova Fronteira (2014)
>>> Uma Janela Aberta de Nadir Paes Viana pela Aliança (2012)
>>> O Crime do Padre Amaro - Série bom livro de Eça de Queirós pela Ática (2006)
>>> Os Meninos da Caverna de Rodrigo Carvalho pela Globo (2018)
>>> O Último Olimpiano - Percy Jackson Livro 5 de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> Club Penguin: O passageiro clandestino de Disney pela Melhoramentos (2010)
>>> Kindred: Laços de Sangue de Octavia E. Butler pela Morrobranco (2019)
>>> Ciência & Fé: Milagres e Mensagens de Nilson Dimarzio pela Do Autor (2005)
>>> Moby Dick - Trad. e adap. Carlos Heitor Cony de Heman Melville pela Nova Fronteira (2013)
>>> 1001 Filmes para ver antes de morrer de Steven Jay Schneider pela Sextante (2010)
>>> Diário de um Banana 11 - Vai ou Racha (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 10 - Bons Tempos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (pocket) de Jeff Kinney pela Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (2018)
>>> Diário de um Banana 12 - Apertem os Cintos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 9 - Caindo na Estrada de Jeff Kinney pela V&R (2015)
>>> Diário de um Banana -Faça Você mesmo de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 1 - Um Romance em Quadrinhos de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 2 - Rodrick é o Cara de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 3 - A Gota D'água de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 4 - Dias de Cão de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 5 - A Verdade Nua e Crua de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 6 - Casa dos Horrores de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 7 - Segurando Vela de Jeff Kinney pela V&R (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/1/2020
Paisagem interna agreste
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1700 Acessos

Deslizar na estrada, dando adeus ao rebanho de vacas castanhas douradas de sol. Traçar curvaturas na linha do destino, uma grossa coleira de couro com um sino, que se visualiza, já que o grilhão resplandece, que não se ouve, pois tudo é já muito distante, e desencontrado, mujido e repique desaparecem antes do som estalar nos ouvidos. Atravessar minas arqueológicas em Aljustrel, tracejar no olhar campos granulados de milho e azeitonas.

Flutuar na ponte, e abrir os olhos, e fechar, desistir do novo caminho e da chegada que se aproxima como linha a ser transposta, como cancela a ser levantada. Anonimamente, entrar na cidade, levitando como se do fado houvesse uma dança muito lenta. E os prédios tão baixos começam a aparecer do nevoeiro branco e azul-claro, afastando essa cortina e colocando seus rostos para fora, em boas-vindas calmas pois qualquer movimento brusco é capaz de transtornar a passageira em eterna convalescência.

Deixar o oceano, para encontrar um rio, que é mar, um mar, que é rio e nenhuma das duas coisas, só um estranho e calmo azul habitado por um navio abandonado, num cais esquecido. Esquecer as ondulações calmas, as estrias de água azul-turquesa, a espuma esbravejando calma nas rochas feridas, a agreste vegetação rasteira sagrense. Olvidar o azul mixado ao amêndoa, entornado por uma moldura de algas marinhas castanhas ondulejando, como pestanas vivas e comunicativas; esquecer, nunca, mas enterrar com essa terra mais areia porque esbugalhada, e fina, para se poder pisar em algo, nas sobras da própria ruína, para não ser engolida pela boca do oceano instalada no ponto mais derradeiro da península recortada.

Entrar em um ônibus, entrar, não, ser empurrada, pois os estrangeiros querem ver peixes, tirar fotos, macaquear pinguins em ambientes artificiais, alimentar almas e lontras escorregadiças. Sair, empurrada, adentrar por galerias de espinhas de peixe transparentes, iluminadas, concretadas. Redesenhar novamente um caminho protomarítimo, que deve se afastar da fundura querida do real oceano, mas um caminho em que há uma pegada de morte por todo lado, em esqueletos brancos, em palmeiras artificiais, no que já se sabe que não volta a encarnar, em barcos que não são navegáveis mas construções cenográficas onde homens se adelgaçam.

E surgir em um jardim atapetado de degraus, habitado por patos casmurros, pombas sisudas. Andar como quem nada encontrará, mas que ouve o primeiro latejar, o sopro do Bolero de Ravel, e nesse labirinto penumbroso surgirão pesados casacos, perucas brancas, o pastel de nata queimado pedido, a sopa, o vinho serão ainda mais despropositados, perversos. A comida, as gentes, entrando, dando encontrões, nas filas, nos banheiros, as tosses esgueladas, o lenço de pano fazendo malabarismos ao nariz enquanto os violinos esguaniçam, e o maestro dança um balé de movimentos egípcios.

No olhar-se no grande espelho da sala de concerto, cada personagem vai se imiscuindo, aqueles já quase esquecidos, de repente surgem na ponta das baquetas lânguidas e orientais das cordas, mas já num tom menor, como fantasmas transparecidos, mansas águas-vivas encantadoras de ratazanas, até a apoteose das notas finais em uníssono. Ser definitivamente sugada pela roda, alçada por guindastes. Então retornar à civilização terrestre e suas habitações de tocas enfurnadas, apegar-se à aparência e ao irrisório, ouvir o apito das operações das máquinas e o manejar de roldanas que pretendem carregar o peso do mundo e modelar o desenho das construções infinitas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 23/1/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da fatalidade do desejo de Elisa Andrade Buzzo
02. Um grande romance para leitores de... poesia de Renato Alessandro dos Santos
03. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
04. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2020
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa - 20/8/2020
02. Alma indígena minha - 14/5/2020
03. Na translucidez à nossa frente - 10/12/2020
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua - 1/10/2020
05. Alameda de água e lava - 29/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para Entender Kelsen
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2001)



Enduring Love
Ian McEwan
Vintage
(1998)



Direito Internacional Público - o Estado Em Direito das Gentes
Gerson Britto Mello
Delrey
(2000)



Teoria Semântica
Ruth M Kempson
Zahar
(1980)



Terceiro Tempo de Jogo
Roberto Gomes
Moderna
(1994)



Os cérebros prateados
Fritz Leiber
Hemus
(1981)



Tbs Strategy Maps: Converting Intangible Assets Into Tangible Outcomes
Robert S. Kaplan; David P. Norton
Harvard Business Review Press
(2004)



A Prova de Godel
Ernest Nagel; James R. Newman
Perspectiva
(2012)



Sopro na Aragem
Eliana Cardoso
Córrego
(2017)



Aquarela Brasileira
Beth Cançado Aquarela Brasileira
Corte





busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês