Cinema brasileiro em debate | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
COLUNAS

Terça-feira, 7/6/2005
Cinema brasileiro em debate
Daniela Castilho

+ de 15100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Fui assistir ao Primeiro Seminário de Cinema e Marketing, promovido pela Cine Tela Brasil, pela CCR (Cultura nas Estradas) e pela Buriti Filmes, de Laís Bodansky e Luiz Bolognesi.

Os palestrantes eram: Valmir Fernandes, presidente do Cinemark, José Carlos Ribeiro de Oliveira, diretor geral da Warner no Brasil, João Leiva, da JLeiva Marketing Cultural, Marco Quatorze, diretor de marketing da Claro Celular, Paulo Camossa Jr., diretor geral de mídia da AlmapBBDO, Francisco Bulhões da CCR, Luis Cássio de Oliveira, diretor de marketing da Visa e Fabiano Gullane, produtor de cinema de Carandiru e de Durval Discos.

O evento foi muito bem organizado, o local escolhido (o Museu Brasileiro de Escultura) é belíssimo e tivemos um excelente coffee break com direito a café, brownies e sanduíches de queijo com algas - que salvaram meu dia, porque eu não tinha almoçado, entre dar aula de fotografia de manhã e ir direto para o seminário à tarde.

As palestras foram excelentes - e agradavelmente surpreendentes.

Confesso que não sabia bem o que esperar do evento. Como profissional da área, participante de diversas listas de discussão sobre o assunto - algumas delas só para profissionais - e leitora de diversos blogs de cinema, sei que o debate sobre produção, formas de patrocínio, distribuição e exibição de filmes brasileiros é sempre acalorada, polêmica e cheia de opiniões contra e a favor.

Fiquei "sondando", escutando, anotando - eu queria muito descobrir qual era a opinião real: o cinema brasileito vai decolar ou não?

Valmir Fernandes, do Cinemark, abriu o seminário. Forneceu dados bastante impressionantes sobre o público - brasileiro é mesmo apaixonado por cinema, somos o décimo país do mundo em quantidade de salas de cinema, com cerca de 2000 salas, gerando uma receita de US$ 262 milhões anuais - e depois mergulhou no ponto nevrálgico da questão: por que cinema brasileiro ainda não dá lucro em bilheteria? Por que é tão difícil distribuir e exibir os filmes que ficam prontos?

Valmir - que muito gentilmente me cedeu alguns minutos de seu tempo durante o coffee break para explicar alguns pontos de sua explanação que eu não tinha compreendido bem - lançou várias respostas interessantes: o cinema brasileiro ainda não dá lucro em bilheteria, encontra problemas de distribuição e exibição porque a maioria dos filmes produzidos não têm apelo comercial, não são filmes box office nem filmes de entretenimento. O brasileiro adora filme brasileiro, especialmente fora do eixo das grandes capitais, mas... onde estão os filmes de entretenimento com "cara de Brasil", formatados para divertir apenas, para uma sessão de matinê de final de semana?

O Brasil tem um grande amor pelos filmes de arte - Valmir falou que o Brasil é um dos maiores mercados mundiais do cinema de arte - produz muitos filmes de autor e filmes de arte, mas quase nenhum filme de entretenimento. O que as distribuidoras e as salas de cinema querem são mais filmes box office - o que faz muito sentido, na indústria americana são os filmes de verão e os box office que permitem que os diretores possam também realizar filmes artísticos e de cunho autoral. Os filmes de grande bilheteria dão dinheiro e confiança aos estúdios e aos patrocinadores para que o diretor tenha carta branca para realizar os filmes que quiser. Spielberg não teria feito A Lista de Schindler sem primeiro fazer Tubarão ou E.T., por exemplo.

José Carlos Ribeiro de Oliveira, da Warner, falou do desempenho de bilheteria dos grandes filmes internacionais no Brasil e da questão do merchandising em filmes, deixando muito claro que grandes empresas - ele citou como exemplos Coca-Cola, Pepsi, Nike, Motorola, Apple, Ford e Avon - investem, sim, na produção de filmes e querem investir ainda mais.

Marco Quatorze, da Claro Celular, mostrou exemplos de ações de marketing das quais a Claro já participou e os filmes e festivais nos quais já investiu, reforçando a idéia de que investir em cinema tem sido excelente para a empresa.

João Leiva, da JLeiva Marketing Cultural, falou que existem muitas empresas que querem patrocinar a produção de filmes mas esbarram na dificuldade da falta de política cultural consistente e nas dificuldades do processo de patrocínio. Durante o coffee break ele me disse que o governo precisa estabelecer urgentemente uma política fixa com relação às leis e projetos de incentivo e patrocínio; falou que a grande questão não é se teremos Ancine ou Ancinav nem quais serão as quotas que cada lei de incentivo oferecerá e, sim, estabelecer uma política com regras claras e fixas; que não fiquem mudando de mês a mês, como acontece hoje. Segundo ele, é essa instabilidade que atrapalha e faz com que os patrocinadores tenham dificuldades e dúvidas com relação aos investimentos.

Ainda durante o café eu conversei dois minutos com Ícaro Martinez, da Aclara Produções. Ele me disse que a ampliação desse debate sobre a indústria nacional de cinema é muito importante. A discussão até hoje tem ficado restrita aos círculos de profissionais da área, legisladores e empresas que já patrocinam o cinema: é necessário que todas as pessoas participem do debate, auxiliando a estabelecer que modelo de trabalho poderá ser popularizado. As pessoas comuns, fora desse circuito especializado e restrito, precisam se declarar a respeito do assunto, dizendo o que pensam do cinema nacional e o que gostariam que acontecesse.

No segundo tempo, após o café, Paulo Camossa Júnior, da ALMAP-BBDO, elogiou as produtoras especializadas em formatar projetos de patrocínio; disse que a qualidade dos projetos aumentou muito nos últimos anos, que os projetos têm sido entregues com orçamentos claros, detalhados e objetivos, qualidades importantes para convencer os possíveis patrocinadores.

Luis Cássio de Oliveira, da Visa, contou que os resultados obtidos pela empresa superaram muito a expectativa inicial - quando a Visa se propôs a oferecer a seus clientes que comprassem ingresso de cinema no cartão de crédito, estimava vender 150 mil ingressos em seis meses; vendeu mais de um milhão e meio.

Francisco Bulhões da CCR também declarou que sua empresa está muito satisfeita com o retorno que tem obtido ao patrocinar projetos de cinema e pretende ampliar suas ações. A CCR é a empresa que apóia e patrocina o projeto Cine TelaBrasil de cinema itinerante, projeto da Buriti.

Finalmente, o produtor Fabiano Gullane, em sua vez de falar, enfatizou que agora "é a hora do amadurecimento do cinema como negócio" e que é necessário estreitar o relacionamento com os investidores e trabalhar o mercahndising para que em um futuro próximo o cinema nacional não precise mais depender de leis de incentivo.

O coro é uníssono: cinema é um bom negócio, as empresas querem colocar dinheiro em cinema. Querem fazer ações de marketing, merchandising, patrocínio. Só precisam de uma política do audiovisual mais consistente, com regras claras e que permitam que elas invistam o dinheiro de forma segura - seja através de leis de incentivo ou de patrocínio direto. Cinema é business e um excelente business.

O debate está aberto.

Só para informação
* A China é o maior mercado mundial de cinema, com 34.496 salas de cinema, seguida pela Índia, com 12.000 salas de cinema.

* Bollywood hoje produz mais filmes que Hollywood, liderando o ranking mundial.

* Os USA possuem 36.594 salas de cinema.

Small Talk na pausa para o café
* O filme exibido era Cabra Cega de Toni Venturi. Conversei um pouco com ele sobre cinema - of course - e descobri que Monsieur Toni é um gentleman.

* Valmir Fernandes me impressionou: veja bem, ele nunca me viu na vida nem tinha a menor idéia de quem eu podia ser e o homem é apenas o presidente da Cinemark. Monsieur Valmir conversou comigo mesmo assim e respondeu minhas perguntas com toda a simpatia. Finíssimo, finíssimo.

* Outro que foi finíssimo comigo foi o João Leiva. Adorei.

* Não consegui pescar o Mr. Warner, pena, pena. Eu queria TANTO falar com ele! Mas ele desapareceu.

* Um produtor me segredou que uma das coisas que atrapalha a distribuição dos filmes brasileiros é o esquema das distribuidoras presentes no Brasil, que privilegiam os filmes internacionais, não se interessam pelos filmes nacionais e formam grupos em defesa de seus próprios interesses.

* Outro produtor reclamou dos grandes cartéis de empresas de telecomunicação, apontando esses cartéis como um dos grandes obstáculos ao crescimento do cinema.

* Um terceiro produtor reclamou abertamente dos "esquemas" de patrocínio: ele defende que o cinema brasileiro deveria ser mais comercial, menos "metido a intelectual" e que deveria buscar o lucro, como é em muitos países.


Daniela Castilho
São Paulo, 7/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2005
01. Sobre blogs e blogueiros - 27/5/2005
02. Cinema brasileiro em debate - 7/6/2005
03. Todos os amores acabam - 3/8/2005
04. Causos e coisas da internet - 11/11/2005
05. Diploma ou não diploma... não é esta a questão - 28/4/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2005
03h01min
O cinema nacional ainda é financiado principalmente pelo parco dinheirinho dos nossos impostos. A idéia de que para se manter cineasta tem que se ganhar dinheiro ainda não pegou no Brasil... Na Índia, não é assim. Mesmo quem quer fazer filme de arte, se vira de um jeito ou de outro. E os melhores diretores são os que tem alguns sucessos comerciais, e suas aventuras artísticas, ou ambos em um só pacote. Quando nossos artistas decidirem parar de correr para as tetas governamentais, estaremos dando o primeiro passo para a maturidade. Se engenheiro não pode, porque cineasta pode?
[Leia outros Comentários de Ram]
12/6/2005
16h01min
Bollywood tem um esquema misto: existe auxílio do governo, sim, e existe o cinema comercial também. Bollywood produz mais que Hollywood, tem um público fiel que adora o cinema indiano. A questão não é eliminar o financiamento através de lei de incentivo e, sim, aumentar os financiamentos diretos e criar uma verdadeira indústria de cinema. É bom para todo mundo: mais cineastas poderão produzir, mais empregos gerados, mais alternativas para o público, mais gêneros de filmes.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
13/6/2005
11h04min
O financiamento na Índia, ao menos no que se refere a produção da maioria dos filmes, é sob forma de empréstimos bancários com juros muito baixos. Bem diferente da lei de incentivo brasileira, que "cobre" os produtores do filme com patrocínios, ao menos da maneira como entendo... Eu acho que a lei de mercado deveria agir no cinema brasileiro: que os cineastas brasileiros façam também filmes populares de diversão, que atraiam a população. Está acontecendo mais do que no passado, mas tem que haver algum objetivo de lucro. Ao se restringirem as empreitadas somente a filmes de arte e na busca de patrocínios, o cinema nacional sofre, pois para termos uma indústria cinematográfica, são necessários empresas e lucro. Na Índia, estúdios ou "diretores de marca" que não produzem lucro não conseguem fazer filmes no longo prazo. E hoje já se começa a diversificação, bem aos poucos, com estes mesmos estúdios criando espaço para filmes mais artísticos e autorais, que os usuais blockbusters em hindi. No Brasil, quando comentei isto com um amigo cineasta, a resposta que eu ouvi é que a arte não pode ser gerida pelo capitalismo, e que se não houver "patrocínio" morre a cultura. Me parece o contrário, por falta de gerar uma indústria morre a cultura.
[Leia outros Comentários de Ram]
28/11/2005
18h25min
Parabéns. Eu concordo em número, gênero e grau, tanto é que nós estamos desenvolvendo um projeto que já se encontra em pré produção e será rodado na cidade de Itu, é sim um filme comercial com características extrememente brasileiras. Estou tentando responder para mim mesmo porque é que um americano lá do norte dos E.U.A. pode fazer o público do sul do Brasil se emocionar, e isto é análise de trabalho, e nós estamos em busca disso...
[Leia outros Comentários de Naul di Montecarlo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROFESSOR ATUANDO NO CIBERESPAÇO REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO
NILBO RIBEIRO NOGUEIRA
ÉRICA
R$ 10,00



HISTÓRIA UNIVERSAL VOLUME NONO
CÉSARE CANTU
DAS AMÉRICAS
(1957)
R$ 6,50



CONVERSANDO SOBRE A SÍNDROME DO PÂNICO
GUGU KELLER
GLOBO
(1997)
R$ 15,00



THE PRACTICE OF THE PRESENCE OF GOD
BROTHER LAWRENCE
THE EPWORTH PRESS
(1933)
R$ 45,00



O ÁLBUM DE VISHNU
MANUELA PARREIRA DA SILVA
ASSÍRIO & ALVIM
(1999)
R$ 45,32



CULTURA POPULAR, DISNEY E POLÍTICA PÚBLICA; O EDUCADOR E A CULTUR
REVISTA DO ISEP; FÓRUM CRÍTICO DA EDUCAÇÃO, 2
ISEP
(2003)
R$ 22,82



ANDROID + ARDUINO USANDO O MIT APPINVENTOR
LUIS ALBERTO GÓMEZ UND CLÓVIS OLLE FISCHER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



REVISTA OCCIDENTAL: ANO 14 NÚMERO 1 DE 1997
DIVERSOS AUTORES
IICLA (MÉXICO)
(1997)
R$ 26,00



THE PELICAN GUIDE TO MODERN THEOLOGY VOLUME 2
J. COURATIN, A. H DANIELOU E JOHN KENT
PELICAN
(1971)
R$ 18,82



ARIANO SUASSUNA PELAS PEDRAS DA POESIA
HILDEBERTO BARBOSA FILHO
SEBO VERMELHO
(2018)
R$ 30,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês