Cinema brasileiro em debate | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> Do inferno ao céu
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> O amor que choveu
Mais Recentes
>>> Como Trabalhar Para Um Idiota de John Hoover pela Saraiva (2010)
>>> Não Tenha Medo De Ser Chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Fui Promovido! E Agora? de Roberto Ruban pela M. Books (2010)
>>> Faça O Que Tem De Ser Feito de Bob Nelson pela Sextante (2003)
>>> Deixar de Fumar O que Você Precisa Saber de Jorge Schemes pela Dpl (2004)
>>> Casamento Blindado de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Pai Rico Pai Pobre de Robert T. Kiyosaki pela Campus (2000)
>>> De Volta Ao Mosteiro de James C. Hunter pela Sextante (2014)
>>> Ufo Os Códigos Proibidos de Alfredo Lissoni pela Madras (2007)
>>> 12 Meses Para Enriquecer. O Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> O Flagelo de Hitler de Albert Paul Dahoui pela Lachâtre (2012)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global: Aumentando Sua Inteligência Interpessoal de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos tempos/ RJ. (1992)
>>> Temperamento forte e bipolaridade de Diogo Lara pela Do autor (2004)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ.
>>> As Chaves da Autoconfiança: um Guia Avançado para Vencer na Vida de Robert Anthony pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Estruturas Clínicas de Freud a Lacan Travessia Nº 3 Jan/94 de Vários pela Gráfica da Ufes (1994)
>>> Viabilizando Talentos:Como Semear o Crescimento Pessoal e Profissional de J. R. Gretz pela Florianópolis (1997)
>>> O inumano: considerações sobre o tempo de Jean-François Lyotard pela Estampa (1997)
>>> Toque de Midas: Dinheiro, Poder e Riqueza, do Oriente ao Ocidente de Anthony Sampson pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Prepare-se para Enriquecer... de R. Stanganelli pela Eparma (1983)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Apometria...E Por que Não? de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Concubinos: União Estável no Novo Código Civil/ Encad. de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2002)
>>> Principios Para Uma Clinica Antimanicomial e outros escritos 1 edição de Ana Marta Lobosque pela Hucitec (1997)
>>> Direito Administrativo de Diógenes Gasparini pela Saraiva/ SP. (1995)
>>> Recursos Humanos: Crise e Mudanças de Flávio de Toledo pela Atlas/ SP. (1989)
>>> Análise Sintática: a Oração na Frase Portuguesa de Antonio de Abreu Rocha/autografado pela São Vicente/ Belo Horizonte (1957)
>>> Filologia e Gramatica: Referente À Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr pela J. Ozon Editor/ RJ. (1968)
>>> A Análise Matemática do Estilo: Aplicação do Processo de Fucks... de Tulo Hostílio Montenegro pela Ibge: / RJ. (1956)
>>> Atlas Previo dos Falares Baianos de N. Rossi pela Imprensa Nacional: Inl: Rio (1965)
>>> Sintomas Mórbidos - A Encruzilhada da Esquerda Brasileira de Sabrina Fernandes pela Autonomia Literária (2019)
>>> Trechos Selectos (trechos Seletos): Com uma Introdução ... de Sousa da Silveira pela Typogr. Bernard Frères/ RJ. (1919)
>>> Revolução Africana - Uma antologia do pensamento marxista de Jones Manoel e Gabriel Landi (orgs.) pela Autonomia Literária (2019)
>>> Antifa - O Manual Antifascista de Mark Bray pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Narrative of Travels on the Amazon and Rio Negro de Alfred Russel Wallace (ll. D) pela Ward, Lock/ B. and Co. London (1892)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> Calibã e a Bruxa - Mulheres, Corpo e a Acumulação Primitiva de Silvia Federici pela Elefante (2017)
>>> Ah! Eu Não Acredito! de Sérgio Almeida pela Casa da Qualidade (2001)
>>> As Aventuras de Pedro Malasarte de Sérgio Augusto Teixeira pela Ediouro
>>> O'Hurley's Return de Nora Roberts pela Visit Silhouette Books (2010)
>>> Glory in Death de Nora Roberts (Writing as J. D. Robb) pela Berkley (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 7/6/2005
Cinema brasileiro em debate
Daniela Castilho

+ de 15100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Fui assistir ao Primeiro Seminário de Cinema e Marketing, promovido pela Cine Tela Brasil, pela CCR (Cultura nas Estradas) e pela Buriti Filmes, de Laís Bodansky e Luiz Bolognesi.

Os palestrantes eram: Valmir Fernandes, presidente do Cinemark, José Carlos Ribeiro de Oliveira, diretor geral da Warner no Brasil, João Leiva, da JLeiva Marketing Cultural, Marco Quatorze, diretor de marketing da Claro Celular, Paulo Camossa Jr., diretor geral de mídia da AlmapBBDO, Francisco Bulhões da CCR, Luis Cássio de Oliveira, diretor de marketing da Visa e Fabiano Gullane, produtor de cinema de Carandiru e de Durval Discos.

O evento foi muito bem organizado, o local escolhido (o Museu Brasileiro de Escultura) é belíssimo e tivemos um excelente coffee break com direito a café, brownies e sanduíches de queijo com algas - que salvaram meu dia, porque eu não tinha almoçado, entre dar aula de fotografia de manhã e ir direto para o seminário à tarde.

As palestras foram excelentes - e agradavelmente surpreendentes.

Confesso que não sabia bem o que esperar do evento. Como profissional da área, participante de diversas listas de discussão sobre o assunto - algumas delas só para profissionais - e leitora de diversos blogs de cinema, sei que o debate sobre produção, formas de patrocínio, distribuição e exibição de filmes brasileiros é sempre acalorada, polêmica e cheia de opiniões contra e a favor.

Fiquei "sondando", escutando, anotando - eu queria muito descobrir qual era a opinião real: o cinema brasileito vai decolar ou não?

Valmir Fernandes, do Cinemark, abriu o seminário. Forneceu dados bastante impressionantes sobre o público - brasileiro é mesmo apaixonado por cinema, somos o décimo país do mundo em quantidade de salas de cinema, com cerca de 2000 salas, gerando uma receita de US$ 262 milhões anuais - e depois mergulhou no ponto nevrálgico da questão: por que cinema brasileiro ainda não dá lucro em bilheteria? Por que é tão difícil distribuir e exibir os filmes que ficam prontos?

Valmir - que muito gentilmente me cedeu alguns minutos de seu tempo durante o coffee break para explicar alguns pontos de sua explanação que eu não tinha compreendido bem - lançou várias respostas interessantes: o cinema brasileiro ainda não dá lucro em bilheteria, encontra problemas de distribuição e exibição porque a maioria dos filmes produzidos não têm apelo comercial, não são filmes box office nem filmes de entretenimento. O brasileiro adora filme brasileiro, especialmente fora do eixo das grandes capitais, mas... onde estão os filmes de entretenimento com "cara de Brasil", formatados para divertir apenas, para uma sessão de matinê de final de semana?

O Brasil tem um grande amor pelos filmes de arte - Valmir falou que o Brasil é um dos maiores mercados mundiais do cinema de arte - produz muitos filmes de autor e filmes de arte, mas quase nenhum filme de entretenimento. O que as distribuidoras e as salas de cinema querem são mais filmes box office - o que faz muito sentido, na indústria americana são os filmes de verão e os box office que permitem que os diretores possam também realizar filmes artísticos e de cunho autoral. Os filmes de grande bilheteria dão dinheiro e confiança aos estúdios e aos patrocinadores para que o diretor tenha carta branca para realizar os filmes que quiser. Spielberg não teria feito A Lista de Schindler sem primeiro fazer Tubarão ou E.T., por exemplo.

José Carlos Ribeiro de Oliveira, da Warner, falou do desempenho de bilheteria dos grandes filmes internacionais no Brasil e da questão do merchandising em filmes, deixando muito claro que grandes empresas - ele citou como exemplos Coca-Cola, Pepsi, Nike, Motorola, Apple, Ford e Avon - investem, sim, na produção de filmes e querem investir ainda mais.

Marco Quatorze, da Claro Celular, mostrou exemplos de ações de marketing das quais a Claro já participou e os filmes e festivais nos quais já investiu, reforçando a idéia de que investir em cinema tem sido excelente para a empresa.

João Leiva, da JLeiva Marketing Cultural, falou que existem muitas empresas que querem patrocinar a produção de filmes mas esbarram na dificuldade da falta de política cultural consistente e nas dificuldades do processo de patrocínio. Durante o coffee break ele me disse que o governo precisa estabelecer urgentemente uma política fixa com relação às leis e projetos de incentivo e patrocínio; falou que a grande questão não é se teremos Ancine ou Ancinav nem quais serão as quotas que cada lei de incentivo oferecerá e, sim, estabelecer uma política com regras claras e fixas; que não fiquem mudando de mês a mês, como acontece hoje. Segundo ele, é essa instabilidade que atrapalha e faz com que os patrocinadores tenham dificuldades e dúvidas com relação aos investimentos.

Ainda durante o café eu conversei dois minutos com Ícaro Martinez, da Aclara Produções. Ele me disse que a ampliação desse debate sobre a indústria nacional de cinema é muito importante. A discussão até hoje tem ficado restrita aos círculos de profissionais da área, legisladores e empresas que já patrocinam o cinema: é necessário que todas as pessoas participem do debate, auxiliando a estabelecer que modelo de trabalho poderá ser popularizado. As pessoas comuns, fora desse circuito especializado e restrito, precisam se declarar a respeito do assunto, dizendo o que pensam do cinema nacional e o que gostariam que acontecesse.

No segundo tempo, após o café, Paulo Camossa Júnior, da ALMAP-BBDO, elogiou as produtoras especializadas em formatar projetos de patrocínio; disse que a qualidade dos projetos aumentou muito nos últimos anos, que os projetos têm sido entregues com orçamentos claros, detalhados e objetivos, qualidades importantes para convencer os possíveis patrocinadores.

Luis Cássio de Oliveira, da Visa, contou que os resultados obtidos pela empresa superaram muito a expectativa inicial - quando a Visa se propôs a oferecer a seus clientes que comprassem ingresso de cinema no cartão de crédito, estimava vender 150 mil ingressos em seis meses; vendeu mais de um milhão e meio.

Francisco Bulhões da CCR também declarou que sua empresa está muito satisfeita com o retorno que tem obtido ao patrocinar projetos de cinema e pretende ampliar suas ações. A CCR é a empresa que apóia e patrocina o projeto Cine TelaBrasil de cinema itinerante, projeto da Buriti.

Finalmente, o produtor Fabiano Gullane, em sua vez de falar, enfatizou que agora "é a hora do amadurecimento do cinema como negócio" e que é necessário estreitar o relacionamento com os investidores e trabalhar o mercahndising para que em um futuro próximo o cinema nacional não precise mais depender de leis de incentivo.

O coro é uníssono: cinema é um bom negócio, as empresas querem colocar dinheiro em cinema. Querem fazer ações de marketing, merchandising, patrocínio. Só precisam de uma política do audiovisual mais consistente, com regras claras e que permitam que elas invistam o dinheiro de forma segura - seja através de leis de incentivo ou de patrocínio direto. Cinema é business e um excelente business.

O debate está aberto.

Só para informação
* A China é o maior mercado mundial de cinema, com 34.496 salas de cinema, seguida pela Índia, com 12.000 salas de cinema.

* Bollywood hoje produz mais filmes que Hollywood, liderando o ranking mundial.

* Os USA possuem 36.594 salas de cinema.

Small Talk na pausa para o café
* O filme exibido era Cabra Cega de Toni Venturi. Conversei um pouco com ele sobre cinema - of course - e descobri que Monsieur Toni é um gentleman.

* Valmir Fernandes me impressionou: veja bem, ele nunca me viu na vida nem tinha a menor idéia de quem eu podia ser e o homem é apenas o presidente da Cinemark. Monsieur Valmir conversou comigo mesmo assim e respondeu minhas perguntas com toda a simpatia. Finíssimo, finíssimo.

* Outro que foi finíssimo comigo foi o João Leiva. Adorei.

* Não consegui pescar o Mr. Warner, pena, pena. Eu queria TANTO falar com ele! Mas ele desapareceu.

* Um produtor me segredou que uma das coisas que atrapalha a distribuição dos filmes brasileiros é o esquema das distribuidoras presentes no Brasil, que privilegiam os filmes internacionais, não se interessam pelos filmes nacionais e formam grupos em defesa de seus próprios interesses.

* Outro produtor reclamou dos grandes cartéis de empresas de telecomunicação, apontando esses cartéis como um dos grandes obstáculos ao crescimento do cinema.

* Um terceiro produtor reclamou abertamente dos "esquemas" de patrocínio: ele defende que o cinema brasileiro deveria ser mais comercial, menos "metido a intelectual" e que deveria buscar o lucro, como é em muitos países.


Daniela Castilho
São Paulo, 7/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
02. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
03. Submissão, oportuno, mas não perene de Guilherme Carvalhal
04. As sobras completas, poesias de Jovino Machado de Jardel Dias Cavalcanti
05. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2005
01. Sobre blogs e blogueiros - 27/5/2005
02. Cinema brasileiro em debate - 7/6/2005
03. Todos os amores acabam - 3/8/2005
04. Causos e coisas da internet - 11/11/2005
05. Diploma ou não diploma... não é esta a questão - 28/4/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2005
03h01min
O cinema nacional ainda é financiado principalmente pelo parco dinheirinho dos nossos impostos. A idéia de que para se manter cineasta tem que se ganhar dinheiro ainda não pegou no Brasil... Na Índia, não é assim. Mesmo quem quer fazer filme de arte, se vira de um jeito ou de outro. E os melhores diretores são os que tem alguns sucessos comerciais, e suas aventuras artísticas, ou ambos em um só pacote. Quando nossos artistas decidirem parar de correr para as tetas governamentais, estaremos dando o primeiro passo para a maturidade. Se engenheiro não pode, porque cineasta pode?
[Leia outros Comentários de Ram]
12/6/2005
16h01min
Bollywood tem um esquema misto: existe auxílio do governo, sim, e existe o cinema comercial também. Bollywood produz mais que Hollywood, tem um público fiel que adora o cinema indiano. A questão não é eliminar o financiamento através de lei de incentivo e, sim, aumentar os financiamentos diretos e criar uma verdadeira indústria de cinema. É bom para todo mundo: mais cineastas poderão produzir, mais empregos gerados, mais alternativas para o público, mais gêneros de filmes.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
13/6/2005
11h04min
O financiamento na Índia, ao menos no que se refere a produção da maioria dos filmes, é sob forma de empréstimos bancários com juros muito baixos. Bem diferente da lei de incentivo brasileira, que "cobre" os produtores do filme com patrocínios, ao menos da maneira como entendo... Eu acho que a lei de mercado deveria agir no cinema brasileiro: que os cineastas brasileiros façam também filmes populares de diversão, que atraiam a população. Está acontecendo mais do que no passado, mas tem que haver algum objetivo de lucro. Ao se restringirem as empreitadas somente a filmes de arte e na busca de patrocínios, o cinema nacional sofre, pois para termos uma indústria cinematográfica, são necessários empresas e lucro. Na Índia, estúdios ou "diretores de marca" que não produzem lucro não conseguem fazer filmes no longo prazo. E hoje já se começa a diversificação, bem aos poucos, com estes mesmos estúdios criando espaço para filmes mais artísticos e autorais, que os usuais blockbusters em hindi. No Brasil, quando comentei isto com um amigo cineasta, a resposta que eu ouvi é que a arte não pode ser gerida pelo capitalismo, e que se não houver "patrocínio" morre a cultura. Me parece o contrário, por falta de gerar uma indústria morre a cultura.
[Leia outros Comentários de Ram]
28/11/2005
18h25min
Parabéns. Eu concordo em número, gênero e grau, tanto é que nós estamos desenvolvendo um projeto que já se encontra em pré produção e será rodado na cidade de Itu, é sim um filme comercial com características extrememente brasileiras. Estou tentando responder para mim mesmo porque é que um americano lá do norte dos E.U.A. pode fazer o público do sul do Brasil se emocionar, e isto é análise de trabalho, e nós estamos em busca disso...
[Leia outros Comentários de Naul di Montecarlo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS AOS MEUS AMIGOS - FRANZ KAFKA (LITERATURA ALEMÃ)
FRANZ KAFKA
NOVA ÉPOCA EDITORIAL
R$ 15,00



OS LUSÍADAS DE CAMÕES
LUÍS DE CAMÕES PREF. ALVARO JULIO
INSTITUTO CAMÕES
(2000)
R$ 37,39



PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO -Nº 1
CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA
PEPSIC
(2009)
R$ 6,00



LÁZARO: A AMIZADE NA BÍBLIA
MARCO GARZONI
PAULINAS
(1997)
R$ 12,82



E. BOUDIN NO BRASIL
JOSÉ ROBERTO TEIXEIRA LEITE

R$ 25,00



QUEDA DE GIGANTES
KEN FOLLETT
SEXTANTE
(2010)
R$ 25,00



O QUE É REVOLUÇÃO UTOPIA - ANARQUISMO
FLORESTAN FERNANDES- TEIXEIRA COELHO - CAIO TULIO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,90



AFINAL, QUEM SOMOS?
PEDRO GRANJA
EDICEL
(1981)
R$ 40,00



CIENCIAS NATURAIS - APRENDENDO COM O COTIDIANO
EDUARDO LEITO DO CANTO
MODERNA DIDÁTICOS
(2013)
R$ 7,00



SEUS PONTOS FRACOS
DR. WAYNE W. DYER
RECORD
(1976)
R$ 6,80





busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês