Não me interrompas, Pilar | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
Mais Recentes
>>> Meu dia com Padre Gregório, scj de Padre Gregorio pela N/a
>>> O Primeiro Bilhão de Christopher Reich pela Best Seller (2004)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (2018)
>>> Manual do Astrólogo de Landis Knigh Green pela Pensamento (1975)
>>> Noções de Symbologia Esoterica de Circulo Esotérico pela Circulo Esotérico (1941)
>>> Juventude e Revolução de Hermes Zaneti Junior pela Unb (2001)
>>> Dharma de Annie Besant pela Pensamento (2008)
>>> Fome do Cão de Táki Athanássios Cordás pela Maltese (1993)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Harper Usa (2000)
>>> Gandhi Autobiographie ou mês Expériences de Vérité (Francês) de Gadhi pela Puf (2010)
>>> Tábuas de Casa para o Hemisfério Sul de Carlos Alberto Boton pela Pensamento (1993)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1988)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Jacira X Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1980)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Simone X Angela de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Guia Prático de manobras de Eric Tabarly pela Edições marítimas (1983)
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Como Planejar sua Carreira de Varios Autores pela Povo (2003)
>>> Perguntas Bíblicas Extrovertidas de Tio Cornélio pela J&f Artes Gráficas (2004)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Macmillan Pub Co (1984)
>>> Gestão Financeira de Negócios de Aurélio Hess pela Cart-Impress (2005)
>>> Luz Emergente A Jornada de Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (2003)
>>> Jesus, um Profeta do Islão de Muhammad Áta Ur-rahim pela Al Furqán (1995)
>>> Buda O Mito e a Realidade de Hérodoto Barbeiro pela Madras (2005)
>>> Gandhi O Apóstolo da Não - Violência de Martin Claret pela Martin Claret (1983)
>>> Concentra-te em Ti Mesmo de Miguel Lucas pela Loyola (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/2/2011
Não me interrompas, Pilar
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma árvore caiu por causa da chuva forte. O bairro ficou sem luz e minha ida ao cinema, por alguns minutos, pareceu frustrada. Um cinema sem luz. Nunca eu pensara nisso. Sem luz não se tem nada, exceto pelo livro, que independe disso e pode ser lido sob o Sol.

Umas voltas pelas lojas ao redor e a luz voltou. As pessoas comemoraram e o bilheteiro veio avisar que haveria sessão. Mesmo atrasadinha, haveria sessão, para minha alegria e a de mais quatro ou cinco pessoas, naquela tarde cinza.

O filme era José e Pilar, documentário por meio do qual se pode acompanhar o final da trajetória de José Saramago. No filme, Pilar, a esposa mais jovem do escritor mundialmente conhecido, é também personagem central, algo que não costuma ocorrer aos pares de artistas. Veja-se aí a luta de Frida ou as quantas esposas que jamais soubemos existir. Nora, a esposa de James Joyce, que jamais lia seus originais ou mesmo livros, era o oposto da esposa-copista-dedicada de León Tolstói. E onde estavam elas? Sob as páginas viradas, nos colofões ou, menos, nos créditos de foto, às vezes. Mas Pilar está lá, leitora, administradora, esposa e agente. Talvez tenha se tornado uma figura profissional ao lado do marido.

Uma imensa antipatia é o que Pilar provoca, talvez. Meu parceiro de cinema saiu da sessão admirado da arrogância daquela mulher. Saí dividida, assumo. Não achei que a esposa de Saramago fosse algum poço de simpatia, mas nutri por ela uma espécie de admiração cínica. Como se pode ser mulher, leitora, interlocutora, gestora, agente, acompanhante e o nome da rua de esquina? O que significaria dar nome à rua da cidade natal? E por quê? Uma coisa é virar rua porque se é escritor consagrado... outra é ser a esposa do escritor e dar de esquina com ele. E nem no traçado da cidade eles se podem livrar um do outro. Que maldição. Ou será?

Se eu virasse nome de rua ficaria muito preocupada. Vão me matar, vou morrer, virei monumento. Não é assim que se faz com pessoas vivas, bem vivas. Prefiro virar um poema. Pilar era tudo isso. Ela era (e ainda é, porque a literatura não deixa as pessoas se esquecerem) a musa de todos os livros, umas tantas dedicatórias (já tiveste, em vida, uma dedicatória? Experimentaste esta emoção?), uns laivos de personagens e umas tantas frases de amor.

José é tão estrela que nem se preocuparam tanto em tratá-lo como mote total do filme. Pilar, sim, é uma exuberância. Nem sempre doce e sedutora, mas bem-enquadrada e forte. Foi por ela, diz ele, que Saramago não morreu. E creio, piamente, que alguém vivo possa disputar o outro com a morte. E ganhar, ao menos provisoriamente.

Os livros de José Saramago não estão todos em minhas estantes. Alguns, sim. Não cheguei a assistir ao filme originado de Ensaio sobre a cegueira, mas lembro bem da resenha encantada que um amigo me fez sobre a obra de papel. Impressionante. Um dos personagens que mais admiro, e pelo qual mais me apaixono, é um revisor de textos que protagoniza, discretamente, História do cerco de Lisboa, livro que ocupou minha cabeceira por algum tempo e de onde eu ainda retiro citações.

Os livros de Saramago, embora nem bem tivessem muitos pontos-finais, me davam síncopes. Eu vivia interrompendo a leitura, de um modo que talvez ele odiasse. Escritores em ato detestam ser interrompidos. Só mesmo a narrativa o pode fazer, em ondas. Escritores desmancham casamentos quando não são plenamente compreendidos. Mas o escritor deixa ao leitor muitos espaços, falhas, abismos por onde se precipitar. Parei umas tantas vezes de ler porque, a cada frase, os narradores de Saramago me faziam pensar tanto que nem dava para continuar a vida de onde parei. Foi assim também com outros, mas principalmente com ele. Em português, minhas línguas.

Você namorou um escritor? Rapaz, já namoraste uma escritora? Dificilmente. Eles não se dão com o mundo assim. Mas tentaste esta experiência? É ofegante. Mas é preciso dar valor (e demonstrar) a umas tantas coisas que costumam passar desapercebidas para a maior parte das pessoas. Se a existência dos livros e da própria literatura passa, imagine o resto. Já ganhaste uma dedicatória? Não aquela que emplasta livros dados de aniversário, ou CDs. Digo aquela que o autor estampa logo no início de sua obra: "Para você". Nem que seja numa tese, num trabalho monográfico. Já recebeste o presente de ver seu nome no convite da formatura? "Ao Dudu, por ter me apoiado enquanto eu trabalhava". Já? Chorei muito quando não me dedicaram um convite de formatura, tendo eu participado ativamente daquela formação. Chorei. E aquilo era uma incisiva vingança. E foi.

Para Pilar. Era a vida de Saramago que ela gerenciava, não apenas sua obra, mas via-se em tudo sua preocupação em não parecer coadjuvante. Preocupação até incômoda, às vezes, exagerada, forçada até. Ser a sombra não pode ser assim tão simples.

José e Pilar é o álbum dos anos de um escritor consagrado, de um casal consagrado. É, afinal, raríssimo assistir, de longe ou de perto, a uma relação amorosa em que uns e outros ficam à vontade para ser, sabendo se é hora de interromper.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 4/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
02. A literatura infanto-juvenil que vem de longe de Marcelo Spalding
03. Privacidade de Daniel Bushatsky
04. O caminho rumo ao som e a fúria de Luiz Rebinski Junior
05. Deus: uma invenção?, de René Girard de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2011
10h04min
Ana, também tive essa impressão da Pilar. Ela foi mal interpretada por muitos que viram o filme. Acho que sem ela o Saramago teria morrido bem antes. Ele mesmo admitiu isso. Veja o filme "Ensaio sobre a cegueira", de Fernando Meirelles. É uma ótima adaptação do livro, apesar também das várias críticas que recebeu. Acho que o diretor captou muito bem as cenas do livro.
[Leia outros Comentários de Wellington Machado]
20/2/2011
09h30min
Ana, acabei de ler "Todos os nomes", também de Saramago. Muito bom, mas, principalmente, no início, difícil de ler, acostumada que estou à pontuação convencional. Às vezes me perdi no sentido, outras vezes o sentido se perdeu em mim. Consegui ir em frente, passadas as primeiras 40 dolorosas páginas. Gostei mesmo. Embora dispensasse o final.
[Leia outros Comentários de Rachel Kopit Cunha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mediadas Provisórias
Leon Frejda Szklarowsky
Rt
(1991)



Moçambique Com os Mirage Sul Africanos a 4 Minutos
Licínio Azevedo
Global
(1980)



Entre La Guerre et La Paix: 1944-1949
Roger Céré
Presses Universitaires França
(1949)



Budismo
Dalai Lama
Universo dos Livros
(2005)



Coaching de carreira
Jaques Grinberg, Maurício Sita
Literare Books International
(2019)



A Mãe Judia, o Gênio Cibernético e Outras Histórias
Paulo Wainberg
Age
(2001)



De Pneuzinho a Tanquinho
C. W. Randolph e Genie James
Best Seller
(2011)



Como Não Ser Enganado Nas Eleições
Gilberto Dimenstein
Atica
(1994)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Em Defesa do Marxismo
Julio Magri
Outubro
(1992)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês