Ensaio sobre a Cegueira, por Fernando Meirelles | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Cinema

Sexta-feira, 13/2/2009
Ensaio sobre a Cegueira, por Fernando Meirelles
Julio Daio Borges

+ de 5300 Acessos
+ 9 Comentário(s)




Digestivo nº 402 >>> Chegou em DVD o filme mais superestimado do ano passado, no Brasil: Ensaio sobre a Cegueira, com direção de Fernando Meirelles. Não bastasse o superestimado prêmio Nobel concedido a José Saramago — quando Borges nunca recebeu, nem Fernando Pessoa, nem o nosso Drummond —, agora essa mesma "sacralidade" é atribuída a um longa que, internacionalmente, não foi unânime (tanto quanto gostariam) e a um diretor que, se não fosse brasileiro, não seria tão bajulado por aqui. Saramago, evidentemente, tem bons momentos, como até Millôr Fernandes já reconheceu, mas não merece toda essa aura de santidade de 1998 pra cá. Muito menos Fernando Meirelles e sua distopia em película que, no máximo, pode alcançar o grau de um sub-George "1984" Orwell ou de um sub-Aldous "Admirável Mundo Novo" Huxley. No nosso País, além do selo do Nobel, Saramago recebeu o selo da Companhia das Letras, a editora mais prestigiosa do nosso tempo, então ninguém ousa criticá-lo no mass media, embora todo o establishment literário saiba que seus últimos livros estão abaixo da média. Do mesmo jeito, Meirelles acertou a mão com Cidade de Deus, mas errou ao criticar Glauber Rocha em público, não foi unânime com O Jardineiro Fiel e, muito menos, agora, quando atingiu menos da metade das críticas favoráveis no balanço do Rotten Tomatoes e três notas zero (0.0) no mesmo júri de Cannes. Não há nada de errado em torcer pela própria pátria e pela própria língua, mas a consagração sem limites pode ser, também, uma das piores formas de cegueira coletiva.
>>> Ensaio sobre a Cegueira
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. O mensalão, 5 anos depois, pelo Valor Econômico (Imprensa)
02. Não tem partido nem ideal (Teatro)
03. Feliz aniversário, envelheço na cidade (Televisão)
04. Lei do Sexagenário (Cinema)
05. Inútil Paisagem (Música)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/2/2009
08h18min
Discordo completamente. O filme foge do absoluto, da visão míope de quem procura no filme o livro que leu (ou não). Tem sua linguagem própria e distancia-se dos clichês cinematográficos. Tem a luz certa, a intensidade do ato e a essência do livro. Para mim, foi o melhor de 2008. São Paulo transfigurada, as reações instintivas do ser humano no limite. Algo que só um Escritor pode captar e só um Diretor, traduzir.
[Leia outros Comentários de Sílvio Vasconcellos]
9/2/2009
09h53min
Fernando Meirelles criticou os trabalhos de Glauber Rocha? Ora veja! Eis um sujeito que vê a realidade de maneira clara e sem retoques. Só posso aplaudir alguém que possui luz neste Brasil de toupeiras cinematográficas. E só para não fugir do contexto: Fernando Meirelles é, atualmente, o maior cineasta brasileiro em nível internacional. O resto é inveja ou má intencionalidade.
[Leia outros Comentários de João Athayde]
9/2/2009
09h55min
Discordo totalmente do texto. O filme não foi o mais superestimado do ano passado. Foi avaliado na medida certa. Quem leu o livro sabia que a adaptação para o cinema seria difícil. E que o filme, pelo tema do livro, não seria para multidões. Meirelles conseguiu fazer um filme excelente, fiel ao livro mas não mera transcrição dele. Cortou com precisão toda a "gordura" permitida no papel, mas que não seria tolerada no cinema. Valorizou alguns personagens meio escondidos no livro. Conseguiu passar a mensagem do livro sem precisar abusar de violência desnecessária. Trilha sonora ótima. A escolha dos atores foi primorosa. Por outro lado, a discussão quanto ao mérito do Nobel do Saramago é ociosa. A lista de escritores injustiçados já é enorme e só tende a aumentar. Os critérios da Academia são obscuros, muitas vezes com viés político. Quem deveria ser comparado a Orwell e Huxley seria o Saramago, e não o Meirelles. E onde está a consagração sem limites do Meirelles? Não vi. Estarei cego?
[Leia outros Comentários de José Frid]
9/2/2009
11h41min
Concordo e vou mais longe; o filme, ao qual consegui assistir por apenas 20 minutos, de tão ruim, é uma das piores coisas feitas pelo cinema brasileiro nos últimos anos. Assim como me envergonhei de estar na platéia de "Durval Discos", quando o filme dá uma virada e tenta a linguagem do nonsense, também me envergonhei pelo Meirelles e por ter representado o Brasil lá fora. A começar pela fotografia, que parece ter sido feita por um garoto do primeiro ano da escola de cinema. O personagem do japonês trabalha mal. A estética que cai para a propaganda é terrível. A história é ruim, inverossímil em termos de narrativa. Alguém fica cego e, ao invés de correr ao hospital, vai para casa. Enfim, é uma baboseira só. Não vi mais porque a minha sensibilidade já havia sido ferida e a minha bagagem na área me permitiu avaliar que o filme é ruim. No mais, não gosto de Saramago, jamais gostei e saio dizendo para quem quiser ouvir. Quem conhece boa literatura, não gosta de Paulo Coelho e nem de Saramago...
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
9/2/2009
13h35min
O fato de ter vencido o Nobel, e Drummond, Borges, Pessoa entre inúmeros outros, não, não tira o mérito da obra de Saramago. Ele é um escritor de ótimo nível, e essa discussão é apenas uma prova disso. Aliás, o seu texto, Julio, parece dizer que unanimidade é sinal de qualidade. Será que é mesmo?
[Leia outros Comentários de Gustavo]
9/2/2009
20h27min
Não vi o filme. Mas comento o texto pelo que contém, que é uma opinião divergente de outra, estando esta outra apresentada como geral. A mídia, essa coisa necessária, porém altamente suspeita, fabrica mitos. É certo que lá dentro de nós fica algo remexendo quando alguma coisa nos é apresentada como especial e aquilo nos parece coisa comum. Mas nosso poder só pode ser manifestado pela nossa preferência, traduzida na nossa presença lá, assistindo, quando for para assistir ou lendo quando for para ler, para ficar só nesses casos. Correto? Nem tanto. Os métodos científico-massificantes criados por experts de comunicação, muitas vezes com base em certas teorias antigas, permitem vender um gato, perfeitamente gato e fazendo miau, afirmando que é lebre...
[Leia outros Comentários de Miguel Accacio]
9/2/2009
21h02min
A cegueira é milenar e Saramago não só a sente na pele como a percebe feito vírus doentio no mundo. Acho que é sobre isso que ele fala, e sobre suas consequências. O filme do Meirelles não alcança isso, mas se aproxima; é bonito e ousado e rompe com uma linguagem no cinema nacional. No mais, aqui da galera, o melhor ultimo filme ainda é "Tropa de Elite" com Wagner Moura e elenco, sob a batuta do José Padilha, e tenho dito ;-))))
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
9/2/2009
21h28min
Agora discordo dos comentários da Isa Fonseca. Os possíveis "erros" de narrativa que ela apontou estão no texto do Saramago, não são invenções do Meirelles. E fico admirado que uma pessoa que não gosta do Saramago vá ver um filme inspirado em sua obra. A maioria das pessoas foi ver o filme exatamente para deleitar-se com a interpretação que o Meirelles daria ao livro. Para esses, a fotografia é perfeita, reflete o clima do romance. O caso do japonês, que no livro não tem nacionalidade especificada, é absolutamente plausível: a pessoa ficou cega de repente, uma cegueira branca, isto é, não está tudo escuro, há excesso de luz. Por ser uma coisa tão inusitada e inesperada, ele pensa em ir para casa descansar, pois pode ser alguma coisa passageira, um mal-estar qualquer.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/2/2009
17h02min
A cegueira metafórica é enxergar demais e, por buscar o oculto, não enxergar o óbvio. A despeito da dificuldade de transpor uma narrativa textual para uma linguagem cinematográfica, Meirelles realizou um bom filme. Não é uma obra-prima, como o livro, mas nos atinge com as inquietações que o filme propõe. Isa, é necessário um tanto mais de cultura para perceber que é possível não gostar de todos os livros de Saramago, mas para não gostar dele é preciso proximidade e convivência íntima. Não faça como muitos que atribuem aos autores as frustrações diante de determinada obra. O "Ensaio sobre a cegueira" é a proposta de um escritor ateu confesso diante do excesso de luz que nos rouba a visão, o excesso de informação que se traduz em ignorância e sobretudo uma longevidade como nunca fora possível. A humanidade está tomada por uma vida miserável, falo das guerras, fomes e o egoísmo das grandes nações e culturas. Esta tudo ali no filme e no livro, qualquer cego vê.
[Leia outros Comentários de Carlos E F Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA ARTE
LUCAS DE MONTERADO
LIVROS TECNICOS
(1978)
R$ 14,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO FRANCESA
MÁRIO FIÚZA
PORTO
(1988)
R$ 14,00



A ENERGÉTICA DOS ALIMENTOS
STEVE GAGNÉ
LAFONTE
(2011)
R$ 58,00



FORÇA DE VONTADE
BARBARA TAYLOR BRADFORD
RECORD
(1987)
R$ 19,90
+ frete grátis



TESOURO DE MENINAS OU DIÁLOGOS ENTRE UMA SÁBIA AIA E SUAS DISCÍPU
JEANNE MARIE LEPRINCE DE BEAUMONT
ODISSEIA
(2008)
R$ 19,00



ESTA AMÉRICA NOVA, AINDA INABORDÁVEL. PALESTRAS A PARTIR DE EMERSON E WITTGENSTEIN
STANLEY CAVELL
34
(1997)
R$ 25,00



O FOGO DE PENTECOSTES
PE. ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 10,00



50 ANOS DE FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL
TARCISIO PATRICIO DE ARAUJO & OUTROS (ORG.)
IPEA
(2009)
R$ 34,69
+ frete grátis



ANDROID EM 50 PROJETOS
FERNANDO ANSELMO
VISUAL BOOKS
(2012)
R$ 50,00



PLAYBOY DORA VERGUEIRO Nº 342 ERÓTICO
ED. ABRIL
ABRIL
(2004)
R$ 16,00





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês