Um livro canibal | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 9/5/2013
Um livro canibal
Carla Ceres

+ de 6600 Acessos

Quem se interessa por cinema e literatura contemporânea já deve ter se encantado com As Aventuras de Pi (Life of Pi) em forma de filme e/ou do livro que lhe deu origem. Os mais curiosos também leram Max e os Felinos, novela de Moacyr Scliar da qual o escritor Yann Martel se alimentou para escrever seu romance. Ainda assim, deixo aqui um aviso: este texto está infestado de spoilers.

Nenhuma das discussões sobre plágio ou não plágio pode se pretender mais conclusiva do que a admirável atitude de Moacyr Scliar sobre o assunto. O escritor gaúcho agiu com dignidade, enquanto Martel, por arrogância, manchou o próprio nome. O que importa agora é fazer justiça ao livro de Martel, uma obra grandiosa a despeito da desonestidade intelectual de seu criador. Sim, As aventuras de Pi é um romance canibal que se alimenta de inúmeras outras obras como a Bíblia; o Bhagavad Gita; O Relato de Arthur Gordon Pym, de Edgar Allan Poe; Moby Dick, de Herman Melville, livros de filosofia, misticismo e muitas outras fontes exaustivamente pesquisadas nas áreas de navegação e biologia, com especial ênfase à etologia que, como diz o Michaelis, é uma "parte da ecologia que trata dos hábitos dos animais e da acomodação dos seres vivos às condições do ambiente".

Yann Martel estava se afogando em um mar de influências desconexas, algo muito fácil de acontecer a um escritor culto e viajado que se interessa por filosofia e religiões. Ele não conseguia transformar seus conhecimentos em uma embarcação capaz de salvá-lo da falta de ideias originais, as únicas aptas a flutuar e sobressair-se diante da mesmice editorial. Por sorte, deparou-se com um escaler vindo de um país exótico. A pequena embarcação em forma de novela abrigava um jovem náufrago chamado Max e um jaguar. Martel agarrou-se a ela e transformou-a em um transatlântico através de trabalho árduo de pesquisa e composição.

As Aventuras de Pi é um belo ecossistema literário, semelhante à ilha carnívora onde Pi e Richard Parker se abrigam por um tempo, mas de onde acabam por fugir. Sua originalidade está na seleção e composição de influências e empréstimos. O próprio nome de Richrd Parker é um exemplo disso. O autor confirma que encontrou esse nome em outras três histórias de canibalismo no mar. Em O relato de Arthur Gordon Pym (The Narrative of Arthur Gordon Pym of Nantucket, 1838), romance de Edgar Allan Poe que influenciou Herman Melville a escrever Moby Dick, Richard Parker é o nome de um dos marinheiros amotinados que estão sob a liderança do malévolo cozinheiro do navio. (Pois é, um cozinheiro sanguinário como o cozinheiro do Tsimtsum, navio que afunda com a família de Pi.) Arthur Gordon Pi, quero dizer Pym, seus dois amigos e seu cachorro chamado Tigre vencem o cozinheiro e aceitam Richard Parker em seu grupo que agora se encontra sem comida, no meio do mar. À beira da morte, Parker sugere que os quatro sobreviventes façam um sorteio para decidir quem deveria morrer para servir de alimento aos demais. Pym/Pi se horroriza com a ideia, mas os outros o convencem. Parker se dá mal no sorteio e termina devorado.

Martel admite que se inspirou em Poe, mas salienta que O relato de Arthur Gordon Pym está longe de ser uma obra-prima. Atitude semelhante à que tomou em relação a Moacyr Scliar, lamentando que "uma ideia tão boa" como a da parte central de Max e os felinos "tivesse sido estragada por um escritor menor". Essa arrogância é típica dos grandes arranjadores de ideias alheias. Mas voltemos a Richard Parker.

Em 1884, a vida real se encarregou de plagiar Poe. O iate Mignonette afundou deixando quatro tripulantes à deriva num bote salva-vidas. Entre eles estava um jovem camareiro órfão chamado Richard Parker. O rapaz bebera água do mar a despeito das recomendações em contrário e estava passando muito mal. Todos estavam sem água e comida há muitos dias. Alguém teve a ideia de fazer um sorteio para decidir quem seria sacrificado. A sugestão não foi aceita. Dois dos marinheiros decidiram matar Parker e assim o fizeram enquanto o náufrago que se opôs a esse crime virou o rosto para não ver. Na manhã do dia seguinte, enquanto estavam todos "tomando o café da manhã", os sobreviventes foram salvos por um navio e levados a julgamento por assassinato e canibalismo.

Em 1846, antes do caso do Mignonette, o nome Richard Parker já aparece relacionado a um naufrágio real, talvez seguido de canibalismo. O navio Francis Spaight afunda e os sobreviventes devoram o aprendiz Richard Parker. Martel reparou nas coincidências e assim escolheu o nome de seu tigre. Alguém já disse que copiar uma obra de arte é plágio, mas copiar muitas é talento. Yann Martel não é tolo a ponto de copiar literalmente, mas tem o talento de construir um belo panteão sob a influência de suas musas menosprezadas.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros.


Carla Ceres
Piracicaba, 9/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rebocos da memória: 1929, de Rafael Fava Belúzio de Jardel Dias Cavalcanti
02. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua de Elisa Andrade Buzzo
03. Moro no Morumbi, mas voto em Moema de Julio Daio Borges
04. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
05. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2013
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Um livro canibal - 9/5/2013
03. Em busca de cristãos e especiarias - 7/11/2013
04. Autodidatas e os copistas da vez - 7/2/2013
05. Brasileiros aprendendo em inglês - 17/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De fora da arca
Ana Maria Machado e Ziraldo
Salamandra
(1996)



Eurico, o Presbítero - Clássicos de Ouro
Alexandre Herculano - Apresentação Antônio Soares
Ouro
(1969)



Lucréce Borgia
Cecil Saint-laurent
Stock
(1988)



O Aprendiz da Madrugada
Luiz Carlos Lisboa
Gente
(1994)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
ática
(1983)



Dirigindo Com Sabedoria sem o Cd
Tony Gandra
Abrather
(2002)



Direito do Comercio Internacional
Antonio Carlos Rodrigues do Amaral
Edicoes Aduaneiras
(2005)



O vento nas vidraças
Roberto Bittencourt Martins
Lpm
(1983)



História: Sociedade & Cidadania - 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)



Fundamentos da Reforma Íntima
Abel Glaser pelo Espírito Cairbar Schutel
O Clarim
(2011)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês