Não há vagas? Então viva a informalidade! | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
COLUNAS >>> Especial Não há vagas

Terça-feira, 22/4/2008
Não há vagas? Então viva a informalidade!
Diogo Salles

+ de 7600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Eu já havia participado de outros especiais aqui no Digestivo, mas nunca pude escrever com tanta autoridade sobre um assunto como escrevo agora. Se há uma frase que eu conheço como poucos e ouvi durante anos, essa frase é "não há vagas". Após mais de uma década colecionando sucessivos e retumbantes fracassos, interrompidos por alguns breves e tímidos sucessos, posso dizer, com total segurança, que ninguém aqui conheceu o limbo com a mesma intimidade que eu conheci. Não é recalque nem auto-piedade. Rejeito as lamúrias e a choradeira. Prefiro me ater apenas à realidade, salpicada pela auto-paródia e o que há de melhor (ou pior) do meu humor negro.

Pós-graduado em desemprego, com especialização em informalidade, formei-me, com honras, na universidade do nada e hoje tenho um respeitável currículo de doutor em ostracismo. Não se consegue um feito desses da noite para o dia. É preciso muita teimosia e estupidez. Tenho agora a chance de publicar aqui a minha tese de doutorado. Uma linda história de perseverança e, principalmente, desesperança. História que precisa ser contada. Afinal de contas, você sabe, sou brasileiro e não desisto nunca.

Como qualquer pessoa anormal, em meu início da carreira procurei seguir pelos caminhos mais erráticos. Eis que me deparei com o primeiro grande inimigo: o processo seletivo. E logo fiquei amedrontado. As empresas sabem mesmo avaliar um candidato pelo que ele tem de pior. Mas em meio a toda essa pobreza de idéias, existe um método de seleção que se destaca por sua notável imbecilidade: a dinâmica de grupo.

Nesse terreno baldio, onde só se pode enxergar pelo grau máximo da miopia, gerentes de RH avaliam os candidatos como camundongos em um laboratório. Pode funcionar para uma vaga que exige especificamente um perfil agressivo do candidato. Mas na grande maioria das vezes, tudo o que se consegue produzir são debates vazios em conteúdo e anárquicos em sua forma ― algo muito próximo das mesas redondas futebolísticas. Vencerá sempre o que tiver a melhor retórica e raramente o mais apto de fato para a vaga. Ali eu já podia perceber como somos reféns do marketing pessoal e como o subir na vida anda de mãos dadas com a mentira.

Sempre acreditei, ingenuamente, no "Não fale. Faça". O talento e o esforço sempre haveriam de superar qualquer deficiência no marketing do umbigo. Achava que as pessoas perdiam muito tempo falando bem de si mesmas. Não, não era perda de tempo. Era apenas o método mais eficaz de se atingir o objetivo. Num mercado de trabalho onde se glorifica diariamente a "competitividade", eu estava infindavelmente fadado ao fracasso, pois acreditava que a grande competição da minha vida fosse com o meu eu. O mundo todo não podia estar errado. Quem estava errado era eu e a estúpida competição de mim mesmo, um doce fardo que carrego até hoje. Talvez por isso eu tenha me tornado assim, tão sarcástico (o traço essencial de um cartunista). Embora tardio, meu sincero obrigado aos gerentes de RH pela não-preferência.

Nesse início de minha vida profissional eu convivia com um incômodo fato que me perseguia: não havia início. Era só tentativa atrás de tentativa. Em diferentes áreas, por todos os lados. E nada. Por mais que eu procurasse esconder minhas fraquezas, alguém sempre me desmascarava. O "mercado de trabalho" ainda era algo obscuro e ininteligível para mim. Era como um imenso e pouco iluminado corredor, cercado por várias portas, todas trancadas. E eu lá, claustrofóbico em meio à penumbra, sem nenhuma chave no bolso. Sentia-me como um leproso pela vergonha do pré-desemprego. Cheguei a ter pesadelos onde eu ouvia coisas como "Ih, olha ele lá. Não tem emprego... hahaha". Eram pesadelos assustadoramente reais.

A situação já ultrapassava os limites do sustentável quando fui salvo, pela primeira vez, pela informalidade. Foi quando me apresentaram ao mundo dos eventos, feiras, palestras e congressos médicos. O trabalho era de baixíssimas aspirações intelectuais. Meramente mecânico e burocrático, quando não braçal. Mas pagava melhor do que um estágio. Abracei minha mediocridade e, juntos, atropelamos o orgulho e seguimos adiante.

Alguns anos e vários empregos (a maioria sem carteira assinada) depois, me vi de volta às ruas mais uma vez. Mas agora a situação era menos dramática. Com alguma experiência na bagagem, eu podia escolher entre o canto fúnebre do desemprego ou as incertezas da informalidade. Escolhi a informalidade, essa velha amiga, pela qual eu um dia me afeiçoara.

Mas dessa vez seria diferente. Eu trabalharia como "autônomo". Gostei da minha nova ocupação. Era mais bacaninha do que dizer "freelancer", um termo pomposo, que me fazia lembrar tudo aquilo que aprendi a desprezar: a publicidade. Autônomo, embora menos sofisticado, me soava mais honesto (ou menos picareta) e dava uma idéia de independência. Sim, esse era o termo correto. E assim foi. Freqüentemente, por pura curiosidade (ou seriam recaídas?), eu voltava àquele escuro e tenebroso corredor, cheio de portas. Mesmo não conseguindo entrar por nenhuma porta, eu conseguia ao menos espiar pelas frestas dessa vez. E elas me mostravam que as coisas não haviam mudado muito.

Durante meus tempos de autônomo, onde não me eram impostas as atribuições de um emprego formal, criei a minha própria regra de ouro, à qual segui à risca: sempre que te entregarem uma agenda vazia, dê um jeito de preenchê-la. É nessa hora que você precisa ser inventivo, buscar alternativas. Voltei ao mundo dos eventos, desta vez fazendo caricaturas ao vivo. Pude vender estes e outros serviços pelo meu site, graças à mãe Google. Com a maior flexibilidade nos horários, pude procurar cursos que me interessavam. Além disso, me arrisquei em novos projetos. Lancei um livro, busquei novas mídias e conheci gente de diversos setores. Aprofundei, também, meu engajamento em ações sociais, que ampliaram muito minha percepção sobre o Brasil. Pude ver que entre as salas refrigeradas dos "especialistas" e o calor impiedoso do sertão existe uma distância muito maior do que se imagina.

Financeiramente não é uma maravilha, devo dizer. Mas dá pra viver dignamente se o autônomo for alguém com iniciativa. Nesse setor não há lugar para aqueles mais acomodados, que olham com apreço para a burocracia. Gente que sonha ardentemente com a estabilidade vitalícia, coisa que só um sonho pequeno-burguês e um cabide de emprego podem sustentar.

Porém, reza a cartilha politicamente correta que precisamos combater ferozmente a informalidade no mercado de trabalho. Só assim o país encontrará o caminho do desenvolvimento e da estabilidade. Esse é o discurso ― muito eloqüente, por sinal ― que se vende a quatro cantos no país. Como o estado ainda arrecada pouco em tributos e impostos, os políticos, sempre muito solícitos, têm feito um esforço louvável para conscientizar a população e os pequenos e micro-empresários. Se eu já me afeiçoara antes pela informalidade, agora é que eu estava perdidamente apaixonado por ela. Sempre que recebia pagamentos como pessoa física, não podia esconder o sorriso no rosto. Na precária situação financeira em que eu me encontrava, era um alívio saber que eu não teria de descontar os impostos. Melhor ainda era não precisar receber em troca os péssimos serviços públicos prestados pelo estado e ainda fingir gratidão. Seria muita hipocrisia da minha parte sorrir amarelo enquanto os governantes compram fazendas, passeiam em seus iates, comem prostitutas de luxo e alimentam suas contas bancárias no exterior.

Contudo, ficam várias dúvidas a quem está chegando agora ao maravilhoso mundo corporativo. Devemos ser nós mesmos e encarar todas as dificuldades que certamente virão de uma inevitável vida empreendedora? Ou é melhor encarnar o canastrão de si mesmo e jogar o jogo? Sempre penso no que poderia ter acontecido se, lá no início, eu tivesse passado em algum daqueles processos seletivos... Mas este não era o meu caminho. Tentei jogar o jogo. Perdi. Aprendi muito com todas as derrotas e hoje agradeço por ter sido um perdedor tão prodigioso. No mundo de hoje é importante saber que trabalho não é sinônimo de emprego, e que a CLT não pode se tornar uma muleta na vida de quem trabalha.

Sempre que se falava em "oportunidade", ressoava um enorme eco em meus ouvidos, pois estas sempre me pareciam distantes. Engana-se quem pensa que uma oportunidade se resume a um emprego formal. Pode ser um patrocínio para um projeto, a chance de abrir um novo negócio, descobrir um novo nicho no mercado, qualquer coisa que uma mente mais inquieta possa produzir. Com o passar dos anos eu fui entendendo que essa oportunidade, quando chegasse, não dependeria unicamente do meu esforço e competência, mas também do encontro de situações que fugiam do meu controle. A decisão final não seria só minha. Tudo o que eu tinha a fazer era buscá-la e estar preparado para quando esse dia chegasse. Eis que um dia, ela, a tal oportunidade, bateu à minha porta. Eu estava disposto a renunciar a minha agenda cheia e, principalmente, estava pronto para aceitar o desafio.

Sou apenas mais um exemplo dessa realidade. Brasileiro se acostumou a viver assim. Ele não trabalha num emprego, ele se vira em um ou mais subempregos. Muita gente passou e ainda passa por isso. E se você, como eu, não for "competitivo" o bastante para as vagas mais cobiçadas ou um especialista em processos seletivos, também passará por isso. Cabe a você preencher a sua agenda com o melhor conteúdo possível e buscar a grande oportunidade. Ela pode chegar amanhã ou bem depois, mas um dia chegará. Esteja pronto.


Diogo Salles
São Paulo, 22/4/2008


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. Preconceitos - 8/1/2008
03. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
04. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008
05. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008


Mais Especial Não há vagas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/4/2008
12h09min
Parabéns pelo texto. E parabéns pela sua luta, iniciativa, honestidade, simplicidade, perspicácia e inteligência. Puxa, que engraçado; todos os gerentes de RH sonham com candidatos com essas características. Mas os processos de avaliação são falhos para este objetivo. Vão selecionar nada mais nada menos do que os bons vendedores de imagem pessoal. Mesmo que sejam uns incompetentes em muitos outros aspectos. Eu já acompanho o seu trabalho há algum tempo. Os seus desenhos não deixam nada a dever. Continue nesta sua trajetória que vc irá ainda mais longe! Muito sucesso pra você! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Vagner Jeger]
23/4/2008
13h54min
Carissimo Diogo! Lamento e ao mesmo tempo regozijo-me de não estar só neste barco. Já com 65 órbitas em torno do Sol, imaginei que seria uma especie de coqueiro, numa ilha de prosperidade, no mar das aventuras. Sua história me surpreendeu muito. Cheguei a pensar que seria minha exclusividade a síndrome do monumento sem praça, do piano de cauda sem palco e pianista, do sanduíche sem recheio ou pão... Mais ainda: desde criança e até hoje, desenho, pinto e destilo mediocridade entre as quatro margens do papel, papelão, eucatex ou tela... Uma feroz autocritica sempre me afastou da hipotese de mostrar o "trabalho". A web até que aliviou um pouco a barra. Agora tenho o privilégio de saber que haverá mais de um na mesma mesa, lá canto do inferno. Haverão muitos outros, por certo. Mas vc teve a capacidade, o brilho, o mérito e a categoria de mostrar a nossa, permita-me, realidade. Um grande abraço, Raul
[Leia outros Comentários de R Almeida]
24/4/2008
10h21min
Sua perseverança foi o fator determinante para essa e muitas outras conquistas que estão por vir. Parabéns pelo texto mais uma vez. Um abraço, Daniel
[Leia outros Comentários de Daniel M. Lisboa]
5/5/2008
16h12min
Parabéns pelo texto e pela coragem de publicá-lo! Realmente, como já foi dito em outros comentários, sua perseverança, força de vontade e crença no "não fale, faça!" agradaria qualquer executivo de RH. Pena que sabemos que certas coisas não vão mudar tão cedo, como a alta competitividade do mercado, os processos seletivos injustos e o preconceito contra aqueles que não têm um "emprego" formal! Além disso, sempre nos disseram que se dar bem na vida é questão de talento e inteligência. É sim, sem dúvida! Mas a sorte e o QI (quem indica) também têm o seu papel na busca por um lugar na formalidade empregatícia! Parabéns, mesmo, pelo texto. Inovador e sincero. Espero que você não tenha mais aqueles pesadelos!
[Leia outros Comentários de Juliana Dacoregio]
15/9/2013
22h01min
Parabens pelo texto leve dotado de fina ironia
[Leia outros Comentários de Geiza do Carmo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ZAPP! THE LIGHTNING OF EMPOWERMENT
WILLIAM C. BYHAM JEFF COX
BALLANTINE BOOKS
(1992)
R$ 4,82



PÁTIO D ALFÂNDEGA MEIA - NOITE - ROMANCE
ÁLAMO OLIVEIRA
VEGA
(1992)
R$ 22,70



GEISY ARRUDA VESTIDA PARA CAUSAR
FABIANO RAMPAZZO
MATRIX
(2010)
R$ 14,00



BONEQUINHA DE LUXO
RUTH JEAN DALE
NOVA CULTURAL
(1997)
R$ 4,50



COMUNICAÇÃO TELEVISIVA FICÇÃO E COTIDIANO
JOSÉ PAULO GERMANO
ANNABLUME
(2009)
R$ 14,99



ASSÉDIO MORAL NO TRABALHO: CARACTERIZAÇÃO E CONSEQUÊNCIAS
PAULO EDUARDO VIEIRA DE OLIVEIRA
LTR
R$ 55,00



NA MARGEM DO RIO PIEDRA EU SENTEI E CHOREI
PAULO COELHO
ROCCO
(1994)
R$ 5,00



PROGRAMAÇÃO DE MATÉRIAS 1º GRAU MATEMÁTICA
NÃO MENCIONADO
NÃO MENCIONADA
R$ 29,00



TRANSAÇÃO PENAL E PENAS ALTERNATIVAS
VERA RIBEIRO DE ALMEIDA
LUMEN JURIS
(2014)
R$ 58,00



CLÁSSICOS WALT DISNEY 13 A DAMA E O VAGABUNDO
MICKEY
ABRIL
R$ 25,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês