Não há vagas? Então viva a informalidade! | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> O Espetacular Homem-Aranha: Homem-Aranha Nunca Mais! de Stan Lee / John Romita pela Panini Comics (2016)
>>> Imaginários - Volume 1 de Alex Mir pela Draco (2013)
>>> RexMundi : o rio subterrâneo - Livro Dois de Arvid Nelson pela Dark Horse (2008)
>>> Em Chamas - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> A Esperança - Jogos Vorazes de Suzanne Collins pela Rocco (2011)
>>> Livro de receitas para mulheres tristes de Héctor Abad pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Bestiarius 1 2 e 3 de Masasumi Kakizaki pela Planet Manga
>>> O labirinto dos ossos 1 de Rick Riordan pela Ática (2009)
>>> Obras Completas de Fiodor Dostoiévski pela José Olympio (1960)
>>> Uma nota errada 2 de Gordon Korman pela Ática (2010)
>>> Dos delitos e das penas de Cesare Beccaria pela Martin Claret (2014)
>>> Não me abandone jamais de Kazuo Ishiguro pela Companhia Das Letras (2016)
>>> O livro dos abraços de Eduardo Galeano pela L&Pm Pocket (2018)
>>> Kyoto de Yasunari Kawabata pela Estação Liberdade (2006)
>>> Minha Luta 1 e 2 de Karl Ove Knausgard pela Companhia Das Letras
>>> Um novo dia para amar de Célia Xavier De Camargo pela Petit (2016)
>>> Nascida à meia-noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Levada ao Entardecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> 10 Obras de Machado de Assis pela Edigraf
>>> Super interessante: nazismo-como ele pôde acontecer de Eduardo Szklarz pela Abril (2014)
>>> O livro secreto da maçonaria de Otávio Cohen pela Abril (2015)
>>> Box o Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record
>>> Se eu morrer antes de você de Allison Brennan pela Universo Dos Livros (2011)
>>> A ditadura da beleza e a revolução das mulheres de Augusto Cury pela Sextante (2005)
>>> Poemas de alberto caeiro de Fernando Pessoa pela L&Pm Pocket (2015)
COLUNAS >>> Especial Não há vagas

Terça-feira, 22/4/2008
Não há vagas? Então viva a informalidade!
Diogo Salles

+ de 8400 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Eu já havia participado de outros especiais aqui no Digestivo, mas nunca pude escrever com tanta autoridade sobre um assunto como escrevo agora. Se há uma frase que eu conheço como poucos e ouvi durante anos, essa frase é "não há vagas". Após mais de uma década colecionando sucessivos e retumbantes fracassos, interrompidos por alguns breves e tímidos sucessos, posso dizer, com total segurança, que ninguém aqui conheceu o limbo com a mesma intimidade que eu conheci. Não é recalque nem auto-piedade. Rejeito as lamúrias e a choradeira. Prefiro me ater apenas à realidade, salpicada pelo humor auto-depreciativo.

Pós-graduado em desemprego, com especialização em informalidade, formei-me, com honras, na universidade do nada e hoje tenho um respeitável currículo de doutor em ostracismo. Não se consegue um feito desses da noite para o dia. É preciso muita teimosia e estupidez. Tenho agora a chance de publicar aqui a minha tese de doutorado. Uma linda história de perseverança e, principalmente, desesperança. História que precisa ser contada. Afinal de contas, você sabe, sou brasileiro e não desisto nunca.

Como qualquer pessoa anormal, em meu início da carreira procurei seguir pelos caminhos mais erráticos. Eis que me deparei com o primeiro grande inimigo: o processo seletivo. E logo fiquei amedrontado. As empresas sabem mesmo avaliar um candidato pelo que ele tem de pior. Mas em meio a toda essa pobreza de idéias, existe um método de seleção que se destaca por sua notável imbecilidade: a dinâmica de grupo.

Nesse terreno baldio, onde só se pode enxergar pelo grau máximo da miopia, gerentes de RH avaliam os candidatos como camundongos em um laboratório. Pode funcionar para uma vaga que exige especificamente um perfil agressivo do candidato. Mas na grande maioria das vezes, tudo o que se consegue produzir são debates vazios em conteúdo e anárquicos em sua forma ― algo muito próximo das mesas redondas futebolísticas. Vencerá sempre o que tiver a melhor retórica e raramente o mais apto de fato para a vaga. Ali eu já podia perceber como somos reféns do marketing pessoal e como o subir na vida anda de mãos dadas com a mentira.

Sempre acreditei, ingenuamente, no "Não fale. Faça". O talento e o esforço sempre haveriam de superar qualquer deficiência no marketing do umbigo. Achava que as pessoas perdiam muito tempo falando bem de si mesmas. Não, não era perda de tempo. Era apenas o método mais eficaz de se atingir o objetivo. Num mercado de trabalho onde se glorifica diariamente a competitividade, eu estava fadado ao fracasso, pois acreditava que a grande competição da minha vida fosse com o meu eu. O mundo todo não podia estar errado. Quem estava errado era eu e a estúpida competição de mim mesmo, um doce fardo que carrego até hoje. Talvez por isso eu tenha me tornado assim, tão sarcástico (o traço essencial de um cartunista). Embora tardio, meu sincero obrigado aos gerentes de RH pela não-preferência.

Nesse início de minha vida profissional eu convivia com um incômodo fato que me perseguia: não havia início. Era só tentativa atrás de tentativa. Em diferentes áreas, por todos os lados. E nada. Por mais que eu procurasse esconder minhas fraquezas, alguém sempre me desmascarava. O conceito de "mercado de trabalho" ainda era obscuro e ininteligível para mim. Era como um imenso e pouco iluminado corredor, cercado por várias portas, todas trancadas. E eu lá, claustrofóbico em meio à penumbra, sem nenhuma chave no bolso. Era a vergonha do pré-desemprego. Cheguei a ter pesadelos onde eu ouvia coisas como "Ih, olha ele lá. Não tem emprego... hahaha". Eram pesadelos assustadoramente reais.

A situação já ultrapassava os limites do sustentável quando fui salvo, pela primeira vez, pela informalidade. Foi quando me apresentaram ao mundo dos eventos, feiras, palestras e congressos médicos. O trabalho era de baixíssimas aspirações intelectuais. Meramente mecânico e burocrático, quando não braçal. Mas pagava melhor do que um estágio. Abracei minha mediocridade e, juntos, atropelamos o orgulho e seguimos adiante.

Alguns anos e vários empregos (a maioria sem carteira assinada) depois, me vi de volta às ruas mais uma vez. Mas agora a situação era menos dramática. Com alguma experiência na bagagem, eu podia escolher entre o canto fúnebre do desemprego ou as incertezas da informalidade. Escolhi a informalidade, essa velha amiga, pela qual eu um dia me afeiçoara.

Mas dessa vez seria diferente. Eu trabalharia como "autônomo". Gostei da minha nova ocupação. Era mais bacaninha do que dizer "freelancer", um termo pomposo, que me fazia lembrar tudo aquilo que aprendi a desprezar: a publicidade. Autônomo, embora menos sofisticado, me soava mais honesto (ou menos picareta) e dava uma idéia de independência. Sim, esse era o termo correto. E assim foi. Freqüentemente, por pura curiosidade (ou seriam recaídas?), eu voltava àquele escuro e tenebroso corredor, cheio de portas. Mesmo não conseguindo entrar por nenhuma porta, eu conseguia ao menos espiar pelas frestas dessa vez. E elas me mostravam que as coisas não haviam mudado muito.

Durante meus tempos de autônomo, onde não me eram impostas as atribuições de um emprego formal, criei a minha própria regra de ouro, à qual segui à risca: sempre que te entregarem uma agenda vazia, dê um jeito de preenchê-la. É nessa hora que você precisa ser inventivo, buscar alternativas. Voltei ao mundo dos eventos, desta vez fazendo caricaturas ao vivo. Pude vender estes e outros serviços pelo meu site. Com a maior flexibilidade nos horários, pude procurar cursos que me interessavam. Além disso, me arrisquei em novos projetos. Lancei um livro, busquei novas mídias e conheci gente de diversos setores. Aprofundei, também, meu trabalho em ações sociais, que ampliaram muito minha percepção sobre o Brasil. Pude ver que entre as salas refrigeradas dos "especialistas" e o calor impiedoso do sertão existe uma distância muito maior do que se imagina.

Financeiramente não é uma maravilha, devo dizer. Mas dá pra viver dignamente se o autônomo for alguém com iniciativa. Nesse setor não há lugar para aqueles mais acomodados.

Porém, reza a cartilha política que precisamos combater ferozmente a informalidade no mercado de trabalho. Só assim o país encontrará o caminho do desenvolvimento e da estabilidade. Esse é o discurso ― muito eloqüente, por sinal ― que se vende a quatro cantos no país. Como o estado ainda arrecada pouco em tributos e impostos, os políticos, sempre muito solícitos, têm feito um esforço louvável para conscientizar a população e os pequenos e micro-empresários. Se eu já me afeiçoara antes pela informalidade, agora é que eu estava perdidamente apaixonado por ela. Quando eu era pago como pessoa física, não podia esconder o sorriso amarelo, enquanto que os governantes seguiam sua vida, comprando fazendas, passeando em seus iates, comendo prostitutas de luxo e alimentando contas bancárias no exterior.

Contudo, ficam várias dúvidas a quem está chegando agora ao maravilhoso mundo corporativo. Devemos ser nós mesmos e encarar todas as dificuldades que certamente virão de uma inevitável vida empreendedora? Ou é melhor encarnar o canastrão de si mesmo e jogar o jogo? Sempre penso no que poderia ter acontecido se, lá no início, eu tivesse passado em algum daqueles processos seletivos... Mas este não era o meu caminho. Tentei jogar o jogo. Perdi. Aprendi muito com todas as derrotas e hoje agradeço por ter sido um perdedor tão prodigioso. No mundo de hoje é importante saber que trabalho não é sinônimo de emprego, e que a CLT não pode se tornar uma muleta na vida de quem trabalha.

Sempre que se falava em "oportunidade", ressoava um enorme eco em meus ouvidos, pois estas sempre me pareciam distantes. Engana-se quem pensa que uma oportunidade se resume a um emprego formal. Pode ser um patrocínio para um projeto, a chance de abrir um novo negócio, descobrir um novo nicho no mercado, qualquer coisa que uma mente mais inquieta possa produzir. Com o passar dos anos eu fui entendendo que essa oportunidade, quando chegasse, não dependeria unicamente do meu esforço e competência, mas também do encontro de situações que fugiam do meu controle. A decisão final não seria só minha. Tudo o que eu tinha a fazer era buscá-la e estar preparado para quando esse dia chegasse. Eis que um dia, ela, a tal oportunidade, bateu à minha porta. Eu estava disposto a renunciar a minha agenda cheia e, principalmente, estava pronto para aceitar o desafio.

Sou apenas mais um exemplo dessa realidade. Brasileiro se acostumou a viver assim. Ele não trabalha num emprego, ele se vira em um ou mais subempregos. Muita gente passou e ainda passa por isso. E se você, como eu, não for "competitivo" o bastante para as vagas mais disputadas ou um especialista em processos seletivos, também passará por isso. Cabe a você preencher a sua agenda com o melhor conteúdo possível e buscar a grande oportunidade. Ela pode chegar amanhã ou bem depois, mas um dia chegará. Esteja pronto.


Diogo Salles
São Paulo, 22/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. [email protected] de Ana Elisa Ribeiro


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008
03. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
04. Preconceitos - 8/1/2008
05. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008


Mais Especial Não há vagas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/4/2008
12h09min
Parabéns pelo texto. E parabéns pela sua luta, iniciativa, honestidade, simplicidade, perspicácia e inteligência. Puxa, que engraçado; todos os gerentes de RH sonham com candidatos com essas características. Mas os processos de avaliação são falhos para este objetivo. Vão selecionar nada mais nada menos do que os bons vendedores de imagem pessoal. Mesmo que sejam uns incompetentes em muitos outros aspectos. Eu já acompanho o seu trabalho há algum tempo. Os seus desenhos não deixam nada a dever. Continue nesta sua trajetória que vc irá ainda mais longe! Muito sucesso pra você! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Vagner Jeger]
23/4/2008
13h54min
Carissimo Diogo! Lamento e ao mesmo tempo regozijo-me de não estar só neste barco. Já com 65 órbitas em torno do Sol, imaginei que seria uma especie de coqueiro, numa ilha de prosperidade, no mar das aventuras. Sua história me surpreendeu muito. Cheguei a pensar que seria minha exclusividade a síndrome do monumento sem praça, do piano de cauda sem palco e pianista, do sanduíche sem recheio ou pão... Mais ainda: desde criança e até hoje, desenho, pinto e destilo mediocridade entre as quatro margens do papel, papelão, eucatex ou tela... Uma feroz autocritica sempre me afastou da hipotese de mostrar o "trabalho". A web até que aliviou um pouco a barra. Agora tenho o privilégio de saber que haverá mais de um na mesma mesa, lá canto do inferno. Haverão muitos outros, por certo. Mas vc teve a capacidade, o brilho, o mérito e a categoria de mostrar a nossa, permita-me, realidade. Um grande abraço, Raul
[Leia outros Comentários de R Almeida]
24/4/2008
10h21min
Sua perseverança foi o fator determinante para essa e muitas outras conquistas que estão por vir. Parabéns pelo texto mais uma vez. Um abraço, Daniel
[Leia outros Comentários de Daniel M. Lisboa]
5/5/2008
16h12min
Parabéns pelo texto e pela coragem de publicá-lo! Realmente, como já foi dito em outros comentários, sua perseverança, força de vontade e crença no "não fale, faça!" agradaria qualquer executivo de RH. Pena que sabemos que certas coisas não vão mudar tão cedo, como a alta competitividade do mercado, os processos seletivos injustos e o preconceito contra aqueles que não têm um "emprego" formal! Além disso, sempre nos disseram que se dar bem na vida é questão de talento e inteligência. É sim, sem dúvida! Mas a sorte e o QI (quem indica) também têm o seu papel na busca por um lugar na formalidade empregatícia! Parabéns, mesmo, pelo texto. Inovador e sincero. Espero que você não tenha mais aqueles pesadelos!
[Leia outros Comentários de Juliana Dacoregio]
15/9/2013
22h01min
Parabens pelo texto leve dotado de fina ironia
[Leia outros Comentários de Geiza do Carmo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Origens e a História das Ordens de Cavalaria
Kevin L. Gest
Madras
(2012)



Peregrinos Retiro Popular
Dom Alberto Taveira Corrêa
Canção Nova
(2011)



O Legado de Gutenberg ,e Industria Grafica Brasileira com edição integral da Biblia Sagrada Novo Testamento
Max Schrappe
Ripasa
(2001)
+ frete grátis



Você
Coleção Segredos do Coração
Ciranda Cultural
(2009)



Crescer Não é Fácil
José Roberto Mendonça de Barros
Campus
(2012)



Die Suche Nach Dem Regenbogen
Judith Merkle Riley
Bastei Lubbe
(1994)



O Sermão da Montanha
Lourenço Diaféria
Feb
(2010)



Encontro Com o Futuro
Arthur C. Clarke
Pallas Sa
(1975)



La Curacion de las Endermedades Mediante El Poder del Pensamiento
Kate Atkinson Boehme
Victor Hugo
(1956)



Doenças dos Pássaros e Outras Aves
Deila Maria Ferreira Scharra
Cátedra
(1987)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês