Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 28/7/2015
Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4600 Acessos


O final do livro "Gerald Thomas: cidadão do mundo", organizado por Edi Botelho, é reservado para o comentário de algumas peças e óperas montadas pelo dramaturgo nos últimos anos, como também para Thomas falar e refletir sobre si mesmo.

Há uma parte um pouco melancólica, denominada "Todas!", em que Gerald Thomas comenta os problemas que envolvem a sua imagem pública. Visto como "polêmico" (vários episódios geraram esse adjetivo), rebate logo dizendo: "Polêmico, na imprensa, para mim significa que o jornalista é preguiçoso." Com certeza, evidentemente, o adjetivo "polêmico" não resolve (muito menos resume) o significado de uma vida inteira dedicada ao teatro, à criação e à reflexão sobre o "mundo em transe" ao qual o diretor sempre esteve atento.

Os adjetivos variam do péssimo ao pior: grosso, viciado, alcoólatra, come todas e todos, mitômano, narcisista e por aí vai! Contra essas denominações ordinárias, há uma obra construída, que requer tempo, atenção e cultura para ser entendida. Jornalistas não têm tempo para isso, como pessoas "ordinárias" também não. Gerald Thomas reclama disso: "No entanto, tudo isso parece evaporar-se como a fumaça que uso no palco. O que parece sobreviver é a imagem de um monstro."

Além da imprensa, novos amigos revelam ao diretor parte dessa imagem terrível criada sobre ele. "Nada como sentar com um amigo recente. Ele revela tudo aquilo que você mais temia a respeito da tua imagem girando por aí, mas tinha medo de perguntar. (...) Você não tem ideia de como é visto pelas pessoas, ou melhor, você não tem noção de como é sua imagem por aí."

A resposta que o diretor dá a esse "espelho torto" de sua imagem é dura: "Então, que assim seja, (...) vou começar a satisfazer a imagem pública que fazem de mim. Chega de me desculpar. (...) O jeito mesmo é ficar antipático, arrogante, orgulhoso. Já que não importa mesmo que as pessoas não me conheçam na intimidade e não saibam dos meus sacrifícios diários de sobrevivência... entendi de uma vez por todas que uma pessoa pública é assim mesmo: uma coisa, um produto. E produtos não choram lágrimas e nem se despedem!".

Outro tema apresentado pelo dramaturgo é a sua relação de admiração e respeito por Haroldo de Campos e Beckett, bem como pela obra de Wagner, que montou em vários momentos, e sua relação tensa com dois outros grandes criadores que são o compositor Luciano Berio e o dramaturgo Heiner Müller.

Sobre Haroldo de Campos, revela: "ele foi uma das pessoas mais importantes da minha vida e obra". Sobre Beckett, a dívida pelo contato, amizade e influência fatal: "A prosa de Beckett que montei no início, na verdade, era uma porta - uma chance - para que eu começasse a formar um vocabulário próprio."

Sobre Heiner Müller, apesar da aproximação com três montagens de "Quartett", Gerald diz: "eu não faço mais Heiner Müller, não acredito nas peças dele, não me convence mais como dramaturgo. É um ótimo escritor de manifestos e Hamlet Machine é uma coisa que nunca me apeteceu (...)".

De Richard Wagner, o diretor montou "O Navio Fantasma" e "Tristão e Isolda", e não polpa admiração ao compositor: "Superlativo no sentido ariano mesmo da palavra: perfeição, além da vida, aquilo que inspirou Nietzsche a escrever homem, Super-homem, e criar o ser imortal. Não há nada como Wagner. Eu choro enquanto dirijo. Lacrimejo, descubro a cada dia, a cada récita, a cada ensaio, uma nova camada. Nunca tivemos um gênio assim, e não haverá outro."

Com Luciano Berio a relação não foi boa, no momento de direção da obra "Zaíde", de Mozart, a convite de Bob Wilson, quando juntou-se para Gerald Thomas duas coisas desagradáveis: "Mozart é o compositor que menos gosto. Juntando com o que eu mais detesto que é Luciano Berio, deu no que deu." Berio descobriu a relação próxima de Thomas com o compositor Philip Glass, que ele não tolerava, quando começou a demonização do diretor e de Glass. Quando Gerald, em um encontro com Berio, exigiu do compositor a música, recebeu de volta o questionamento: "Quem é você para exigir alguma coisa de Luciano Berio?" Sobre a música que Berio levou seis meses para compor, Gerald Thomas não poupa crítica: "Nossa mãe, que coisa horrorosa! O cara precisa de seis meses para compor uma bosta dessa."


Além desses temas, o final de "Cidadão do mundo" trata de trabalhos como a "Blog Novela", para o universo virtual do site IG, que foi transmitido no Brasil e pelo mundo, com 55 mil espectadores aproximadamente. A peça acabou com o nome de "Kepler, o cão que insultava mulheres", sendo transmitida via internet, no teatro e na Av. Paulista, por um telão que o Danilo, do SESC, instalou para o público da rua.

A montagem de "Dr. Fausto", ópera de Ferruccio Busoni, em 1995, é um dos assuntos retomados no final do livro que resenhamos aqui. Montada na Graz Ópera, na Áustria, foi uma felicidade para Gerald Thomas. Suas palavras são radiantes sobre essa montagem: "Ótimo, maravilha, um dos melhores trabalhos que eu já fiz. (...) É um dos que eu mais me orgulho, esse realmente... O Fausto é uma coisa impressionante. O tema é Goethe, e Busoni é um compositor que o Schöenberg criou, então é uma música schoenberguiana com um tema goethiano. É lindo, lindo, lindo! Tem todos os elementos de modernismo (...) eu trouxe os elementos da Bauhaus e Duchamp, a roda de bicicleta, enfim, eu coloquei tudo aquilo que não quis olhar para trás, só quis olhar pra frente e teve que arcar com essa consequência. Foi a luz mais brilhante que eu já fiz até hoje."

A ópera Tristão e Isolda foi montada em duas versões, uma para Weimar e a outra para o Rio de Janeiro. A de Weimar foi no Deutsches National Theather, na Alemanha Oriental, em frente ao museu da Bauhaus, na Weimar de Goethe, "onde aconteceu todo o modernismo do século XX". Segundo Thomas, "as críticas foram boas, algumas excelentes. Foi parar na TV e no Japão e China". Rompendo com o modelo tradicional de apresentação da ópera Thomas inovou, usando até passarela de moda no palco.

No Rio de Janeiro, o diretor teve que partir do zero. Apresentada somente nos anos 50 ou 60, pelo neto de Wagner, com produção da Bayreuth em tournée mundial, a ópera retoma nas mãos de Gerald Thomas, numa leitura ousada e com o grand finale polêmico da bunda do diretor sendo exposta. Além disso, Gerald introduz Freud na peça, o elixir do amor virando cocaína, criando divergências e cortes por parte da direção artística, na pessoa de Helena Severo (governo Rosinha e Garotinho).

No dia da estreia, Gerald recebe a notícia da morte do seu amigo e mentor intelectual Haroldo de Campos. Tensão total, ainda mais com as primeiras fileiras compradas por gente do Richard Wagner Fórum (que não admitem nenhuma mudança no conceito original de Wagner), vindos da Alemanha, Inglaterra, Áustria, Bolívia, Argentina... Atrás dessa fileira, artistas como Caetano Veloso, Cacá Diegues, Fernanda Montenegro, Francis Ford Copolla, Denzel Washington, Zuenir Ventura.

No final da apresentação, vaias irrompem das primeiras fileiras e Gerald Thomas decide mostrar a bunda para esse grupo, o que faz com que ninguém entenda seu gesto, pois estava sendo ovacionado pelas outras fileiras, o que gerou incompreensão da razão do desabafo anal do diretor. "O fato é que mostrei a bunda e fui preso".

Notícia mundo afora, a questão é que o diretor foi detido, sob processo de Rosinha e Garotinho, sendo levado algemado para a 15ª Delegacia. O resultado para Gerald foi um gasto de 22 mil dólares com advogados e viagens para se apresentar ao juiz, só podendo entrar no Brasil com habeas corpus. Para o juiz, Gerald disse o certo: "Não vou aqui, como artista, colocar um precedente para meus colegas artistas. Eu não cometi nada de indecente, eu estou dentro de um teatro onde a nudez é permitida. No mesmo teatro onde Nelson Rodrigues levou ovo e tomate na cara em Vestido de Noiva, em 1943. Eu, em 2003, me recuso a aceitar que vocês vão me processar por ato indecente, indecoroso, obsceno, sei lá."


END HERE

Gerald Thomas é um dramaturgo do mundo e de "nenhures" (como disse Haroldo de Campos). Não lhe basta apenas o ambiente do teatro, como não lhe basta apenas o ambiente de um país ou de uma cidade, como não lhe basta também apenas uma língua.

Sai sempre em defesa de seu teatro e suas ideias por todos os meios possíveis, dando entrevistas ou escrevendo artigos, ensaios sobre seu trabalho ou sobre autores que lhe importam, livros, blogs etc. Nunca se furtou de frequentar a grande mídia e opinar sobre a situação do teatro e das artes como sobre a política mundial ou a condição humana. Nunca deixou de discutir com outras personalidades ou com o público (em eventos, palestras, workshops) sobre seu projeto de teatro e de outros artistas que admira ou rejeita.

Por dar a cara à tapa, não se furtando a transitar por áreas pouco convencionais, tem sido sempre admirado e/ou criticado. Seu temperamento, embora difícil (quem conseguiria viver com um artista, esse "esquizofrênico que deu certo"?), não o afasta de uma legião de admiradores. Em geral, quem conhece o trabalho do diretor o admira. Talvez a frase de Barthes explique um pouco o diretor: "Eu escrevo para ser amado". Nem tanto, às vezes o diretor parece criar para ser odiado. É, por isso, mais mal entendido do que conhecido profundamente, onde deveria ser de fato reconhecido: no seu teatro.




Desde suas montagens de Beckett no La MaMa, em Nova York, Gerald Thomas tem levado o teatro para o campo da experimentação, da criação de uma prática próxima ao "experimentar o experimental" de Helio Oiticica, sem cair em chavões vanguardistas fáceis. Amante da ópera, principalmente wagneriana, faz de sua dramaturgia uma busca pelo ideal da "arte total", uma conjunção cósmica de teatro, música, cenografia inspirada nas artes plásticas, performance, dança. Jamais conformado com a linguagem "normatizada", do que quer que seja, faz da estranheza do discurso - "Oh! A palavra que me falta!"- uma forma de "invenção".

Gerald Thomas não espera Godot, acaba de escrever sua autobiografia "And dead, we walk", que em breve será lançada... E os debates recomeçarão.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/7/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Qual é a alma da cidade? de Ana Elisa Ribeiro
02. Zoológico da malandragem de Eduardo Carvalho


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Marcelo Mirisola: entrevista - 22/9/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O reino de Campbell
Hammond Innes
Mérito



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Planejamento e Estratégia Empresarial
Carlos Thomaz Guimarães Lopes
Saraiva
(1984)



Quatro Cenário para o Brasil 2005 - 2007
Claudio Porto - ( Org)
Do Autor
(2005)



America Latina - Historia, Crise e Movimento
Luiz Bernanrdo Pericás, Paulo Barsotti
Xamã
(1999)
+ frete grátis



Casa de Pedra
Vicente Ataide
H. D. V
(1985)



Domingo Dia de Cachimbo
Giselda Laporta Nicolelis
Vértice
(1974)



Diário de Rabiscos
Adriana Barbosa Ferreira
Ícone
(2008)



Capitalismo Climático
L. Huntere Lovins, Boyd Cohen
Cultrix
(2013)



Fetish: Fashion, Sex & Power
Valerie Steele
Oxford University Press,
(1997)
+ frete grátis





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês