Um livrinho, um poetinha | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Características de Deus que chamam a nossa atenção. de Silas Malafaia pela Central Gospel (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 28/2/2005
Um livrinho, um poetinha
Andréa Trompczynski

+ de 4000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quando pus os olhos a primeira vez em Garoto de Ipanema, de Alex Solnik, pensei: "que livrinho...", da mesma maneira que pensava, anos atrás, ter sido Vinícius de Moraes somente "um poetinha". É uma regra: nas primeiras vezes que se lê Vinícius de Moraes, geralmente durante um grande amor aos dezesseis ou dezessete anos, ele é perfeito. Depois, alguém vai certamente dizer que ele é doce demais, amigo demais, poeta demais. Virá a época de desgostos, Augusto dos Anjos ou Arthur Rimbaud, sucedido de um longo tempo sem ler poesia, com a única explicação de que dói. Um dia pode-se voltar a ela, que os cortes já estão costurados com linha forte e muitos são apenas cicatrizes. Reler Vinícius aos trinta anos é diferente, ele assume proporções não vistas antes e umas palavras que pareciam singelas tomam todo significado. Ao ler sobre o Vinícius, impreterivelmente se pensa: "amei pouco".

São entrevistas ou depoimentos de Portinari, Jorginho Guinle, Oscar Niemeyer, Haroldo Costa (o eterno Orfeu), Lan, Ferreira Gullar, Miúcha, Sérgio Cabral, Zélia Gattai, Carlos Lyra, Nana Caymmi, Wimer Bottura, Toquinho, Gilda Mattoso e Christina Gurjão (as duas últimas ex-esposas do poeta) e uma carta-testamento de próprio punho.

Vinícius carregava a alma boa debaixo do braço. Era um retrato, óleo sobre madeira, pintado por Portinari e que entrava e saía das casas das esposas que passavam a ser ex-esposas, como num pacto de fidelidade a ele mesmo e ao sentimento original de estar apaixonado, não o de amor morno, mas aquele enlouquecido dos tais dezesseis ou dezessete anos. "Vire essa folha do livro e se esqueça de mim.../ Finja que o amor acabou e se esqueça de mim..." Dizia-se que saía dos relacionamentos amorosos com a escova-de-dentes, o pijama e o Portinari.

Foi jornalista, censor do DIP, secretário da embaixada brasileira em Paris. Jorginho Guinle o acompanhava nas visitas aos estúdios da Metro para assistirem às filmagens: "Vinícius era muito bem cotado, não pela importância da posição dele, mas por ele mesmo". Compartilhavam com Orson Welles a mesma adoração pelo cinema e o jazz e frequentavam o café society com Marlene Dietrich e Heddy Lammar, num lugar em que ninguém sabia onde era o Brasil e confundiam-no com a Argentina.

Detestava os aborrecimentos com direitos autorais. Era autor ou co-autor de mais de quatrocentas músicas e sabia o que isso representava. "Garota de Ipanema" havia sido gravada por Sinatra, Ella Fitzgerald e em todas as versões possíveis. Mesmo assim, Vinícius não morreu rico, sentia uma "imensa preguiça só em pensar" em contratar um advogado. Das frustrações que teve uma foi sua loucura por encontrar um despacho em que Costa e Silva dizia para Magalhães Pinto: "Afasta esse vagabundo". Garantia que se o achasse colocaria num quadro na sala, mas nunca o encontrou. Ciumento tanto das mulheres quanto dos parceiros, uma vez acordou muito zangado com Toquinho, que estava morando por uns tempos na mesma casa com Vinícius e Gesse, respondia com monossílabos e uma carranca. Toquinho, preocupado em ter dito ou feito algo que o desagradou, perguntou o que estava acontecendo: "Vou te falar a verdade: estou muito puto com você. Eu sonhei que você tinha me traído com minha mulher. Estou pensando até agora o que é que eu faria com você". Casou nove vezes, apesar de dizer que casaria de fato somente com Sérgio Cabral -declaração que rendeu uma ilustração de Jaguar no Pasquim, com Sérgio vestido de noiva- e não se cansava de procurar o "verdadeiro amor", carregando sempre o Portinari.

"Peguem meu corpo, joguem-no ao mar, lá na Avenida Niemeyer, com dois pesos nos pés. Adoraria ser comida de peixe. (...) Mas não me enterrem, pelo amor que vocês têm a mim". Morreu na banheira, lugar predileto onde recebia os amigos e compunha, com Toquinho segurando sua mão. Pediu para ser enterrado ao som de Pixinguinha. E que houvesse nenhuma tristeza: "fiz o que pude".

Obviedades
Uma professora de literatura brasileira certa vez me disse: "Vinícius é óbvio demais". Há uma arte na obviedade dele, em cantar a beleza, o amor, a amizade e a pátria, que somente ele domina. Cantar a pátria, tomamos por ufanismo nem um pouco inteligente, não se pode mais escrever sobre amor daquela maneira. Essa liberdade foi permitida para um poeta que se desvinculou do intelectualismo que ri do Brasil. Não é mais permitido amar o país, citamos cientistas políticos e somos engraçadinhos como Miguel Falabella no teatro, num besteirol de escritores irônicos e poesia concreta escatológica. Eu, que tenho esta alma velha incapaz de se adaptar ao pensamento jovem de hoje, desejaria alguma vez escrever que queria uma banheira e um amigo segurando minha mão na morte. Escrever que aqui é minha patriazinha e estive sofrendo de saudades dela quando estive longe. Talvez sobre a busca sem fim do amor verdadeiro da adolescência que Vinícius procurou em nove casamentos. Mas não posso, não podemos. Não soa bem, é ingênuo e o mundo nos engolirá por isso.

Aí está a outra regra: tais sentimentos e declarações só são permitidos a poetinhas óbvios.

"(...)

Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos...
Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias
De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias pátria minha
Tão pobrinha!

(...)

Não te direi o nome, pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha, que és
Uma ilha de ternura: a Ilha
Brasil, talvez.

(...)

Agora chamarei a amiga cotovia
E pedirei que peça ao rouxinol do dia
Que peça ao sabiá
Para levar-te presto este avigrama:
"Pátria minha, saudades de quem te ama..."

Outro crime sem perdão do Presidente
O personal stylist de Lula deve estar em férias. Muito mais grave que a declaração que o presidente fez dia 24, de que estava ciente de corrupção em processos de privatização e calou, foi aquela camisa empapada de suor. Impeachment, por favor, para presidentes vestindo camisas empapadas de suor.
Um amigo diz-me que foi proposital, para dar uns ares de quem está trabalhando.

Clube da Terceira Idade
Não pode-se mais conversar com pessoas com menos de sessenta anos -precisam ir já, precisam desligar o telefone, estão atolados de trabalho. Rapidamente citam títulos, nomes e livros e saem correndo. Somente agora pude entender o antigo conselho "ouça os mais velhos": eles já sabem. Pacientes, olham os jovens como um menino que pisa num formigueiro e ri da agitação inútil das formigas. Pedirei o documento de identidade antes de iniciar qualquer conversa, que desta arte pessoas jovens não entendem -nem sequer sentam-se! Há duas ou três exceções que andam por aí em corpos trocados e parecem ter uns trinta anos, mas são velhos, bem velhinhos. E nós, do Clube da Terceira Idade, olhamos preguiçosos para o mundo por cima dos óculos, sem nem pensar em correr -faz mal aos joelhos.

Numa capela do interior
Casamento numa igreja do interior, era a filha mais velha de Dona Filomena. Queria casar-se antes da mais nova mas foi impedida pelo pai, que faz questão de seguir a ordem das idades, como os seus pais e seus avós fizeram. Na missa, enquanto o padre falava que a vida é sacrifício pelo outro e que seremos recompensados no reino dos céus, meu peito apertava pensando em Nietzsche. Fugimos da dor nas consolações cegas do cristianismo, nesses deuses que não dançam, tristes e sangrados. Olhava a imagem de uma santa sofrida que pisa numa cobra, e sentia medo daqueles anjos de olhos azuis sobrevoando um Cristo recussitado que resplandecia, "merda essa mentira toda do livre-arbítrio". Pensei sair um pouco lá fora e fugir daquele cenário de horror, mas Dona Filomena segurou meu braço: "A filha está tão feliz porque você veio", insistem em me querer bem e esses amores aprisionam-me dentro da vida, das igrejas, das casas.

Depois, na festa ela me segredou que pra essas coisas de infelicidade o único remédio é fazer uma horta.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 28/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
02. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
04. O gosto da cidade em minha boca de Elisa Andrade Buzzo
05. Pendurados no Pincel de Marilia Mota Silva


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/3/2005
14h43min
Amei pouco, ou bebi pouco...
[Leia outros Comentários de Ram]
1/3/2005
16h46min
Que bom ler esse artigo. Vinícius representa muito daquilo que a gente sonhava que era o Brasil (ou que podia ser) e que não sonha mais. Ou, pelo menos, não deixamos que alguém pense que continuamos sonhando.
[Leia outros Comentários de Antonio Montenegro]
1/3/2005
17h00min
Andréa, são demais os perigos desta vida para quem tem paixão. Óbvio demais. Bom demais. Só os poetinhas têm o direito de ser óbvios. E assim o é. Vinícius me livra do cinismo e me transporta a um mundo que não existe mais, ou que talvez jamais tenha existido, a não ser para uns poucos. Ah, hoje estou tão triste, que deveria sair do trabalho, chegar em casa e ler Vinícius (ou Artaud, só pra chegar noutro extremo?) até o fim dos tempos. Bom, como não estou assim tão espirituoso, devo pegar minha viola, enfiar no saco e partir! Beijão!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
9/3/2005
18h41min
Grande Vinícius! Já pensou o que é escrever, fazer falarem, por si só, palavras tão simples! Transformar banalidades em "espetacularidades"? Quem dera ser assim. Ao menos posso apreciá-lo!
[Leia outros Comentários de Rosa Nina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACT MATH FOR DUMMIES
MARK ZEGARELLI
FOR DUMMIES
(2011)
R$ 17,50



PERSPEKTIVLEHRE
ERHARD GULL
ND
R$ 58,36



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 5,00



A REPÚBLICA BRASILEIRA 1964- 1984
EVALDO VIEIRA
MODERNA
R$ 5,00



SERESTA MINEIRA
LAR DE PAULA
LAR DE PAULA
R$ 40,00



É PROIBIDO CHORAR
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
R$ 5,00



REUNIAO DE PAIS: SOFRIMENTO OU PRAZER? - 2ª ED.
BEATE G. ALTHUON / CORINNA H. ESSLE / ISA S. STOEB
CASA DO PSICÓLOGO
R$ 11,00



VALA CLANDESTINA DE PERUS
VARIOS AUTORES
INSTITUTO MACUCO
(2012)
R$ 5,12



AÇÕES INSTITUCIONAIS DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCAC
RICARDO AZAMBUJA SILVEIRA
DO AUTOR
R$ 5,00



O CARNÊ DOURADO
DORIS LESSING (A MAIOR ESCRITORA VIVA DE LÍNGUA INGLESA)
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês