Um livrinho, um poetinha | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
>>> Cisne Negro
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
Mais Recentes
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Abril Cultural (1985)
>>> Palavra Desordem de Arnaldo Antunes pela Iluminuras (2002)
>>> A Filha Pródiga de Jeffrey Archer pela Nova Cultural (1986)
>>> Escritos Sobre o Racismo, Igualdade e Direitos de André Costa pela Inst. Afirmação de Direitos (2009)
>>> A Origem da Família, Da Propriedade Privada e do Estado de Friedrich Engels pela Boitempo (2019)
>>> Romântico, sedutor e anarquista -Como e por que ler Jorge Amado de Ana Maria Machado pela Companhia Das Letras (2014)
>>> Easy English - Book One - 6a Edição de Nelsi M. de Jesus pela Eden
>>> Dieta das 8 horas de David Zinczenko - Peter Moore pela Sextante (2014)
>>> Law And Ecology The Rise of The Ecosystem Regime de Richard O. Broks/Ross Jones/Ross A.Virgínia pela Asgate Publishing (2002)
>>> Perguntas Perfeitas, Respostas Perfeitas de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupãda e Bob Cohen pela Bbt (1999)
>>> The Book Thief de Markus Zusak pela Knopf (2007)
>>> O processo civilizador 2: formação do estado e civilização de Norbert Elias pela Zahar (2019)
>>> O Livro das Coisas Perdidas de John Connolly pela Bertrand Brasil (2006)
>>> O Avesso e o Direito de Albert Camus pela Record (1996)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> A Semiologia de Pierre Guiraud pela Editorial Presença (1973)
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2020)
>>> Alta Fidelidade de Nick Hornby pela Rocco (1995)
>>> Fonte Viva de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2003)
>>> Cozinha de Estar - Receitas Práticas para Receber de Rita Lobo pela Paralela (2012)
>>> Uma janela em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das letras (2001)
>>> O ateneu de Raul Pompéia pela Estadão (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 28/2/2005
Um livrinho, um poetinha
Andréa Trompczynski

+ de 4400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quando pus os olhos a primeira vez em Garoto de Ipanema, de Alex Solnik, pensei: "que livrinho...", da mesma maneira que pensava, anos atrás, ter sido Vinícius de Moraes somente "um poetinha". É uma regra: nas primeiras vezes que se lê Vinícius de Moraes, geralmente durante um grande amor aos dezesseis ou dezessete anos, ele é perfeito. Depois, alguém vai certamente dizer que ele é doce demais, amigo demais, poeta demais. Virá a época de desgostos, Augusto dos Anjos ou Arthur Rimbaud, sucedido de um longo tempo sem ler poesia, com a única explicação de que dói. Um dia pode-se voltar a ela, que os cortes já estão costurados com linha forte e muitos são apenas cicatrizes. Reler Vinícius aos trinta anos é diferente, ele assume proporções não vistas antes e umas palavras que pareciam singelas tomam todo significado. Ao ler sobre o Vinícius, impreterivelmente se pensa: "amei pouco".

São entrevistas ou depoimentos de Portinari, Jorginho Guinle, Oscar Niemeyer, Haroldo Costa (o eterno Orfeu), Lan, Ferreira Gullar, Miúcha, Sérgio Cabral, Zélia Gattai, Carlos Lyra, Nana Caymmi, Wimer Bottura, Toquinho, Gilda Mattoso e Christina Gurjão (as duas últimas ex-esposas do poeta) e uma carta-testamento de próprio punho.

Vinícius carregava a alma boa debaixo do braço. Era um retrato, óleo sobre madeira, pintado por Portinari e que entrava e saía das casas das esposas que passavam a ser ex-esposas, como num pacto de fidelidade a ele mesmo e ao sentimento original de estar apaixonado, não o de amor morno, mas aquele enlouquecido dos tais dezesseis ou dezessete anos. "Vire essa folha do livro e se esqueça de mim.../ Finja que o amor acabou e se esqueça de mim..." Dizia-se que saía dos relacionamentos amorosos com a escova-de-dentes, o pijama e o Portinari.

Foi jornalista, censor do DIP, secretário da embaixada brasileira em Paris. Jorginho Guinle o acompanhava nas visitas aos estúdios da Metro para assistirem às filmagens: "Vinícius era muito bem cotado, não pela importância da posição dele, mas por ele mesmo". Compartilhavam com Orson Welles a mesma adoração pelo cinema e o jazz e frequentavam o café society com Marlene Dietrich e Heddy Lammar, num lugar em que ninguém sabia onde era o Brasil e confundiam-no com a Argentina.

Detestava os aborrecimentos com direitos autorais. Era autor ou co-autor de mais de quatrocentas músicas e sabia o que isso representava. "Garota de Ipanema" havia sido gravada por Sinatra, Ella Fitzgerald e em todas as versões possíveis. Mesmo assim, Vinícius não morreu rico, sentia uma "imensa preguiça só em pensar" em contratar um advogado. Das frustrações que teve uma foi sua loucura por encontrar um despacho em que Costa e Silva dizia para Magalhães Pinto: "Afasta esse vagabundo". Garantia que se o achasse colocaria num quadro na sala, mas nunca o encontrou. Ciumento tanto das mulheres quanto dos parceiros, uma vez acordou muito zangado com Toquinho, que estava morando por uns tempos na mesma casa com Vinícius e Gesse, respondia com monossílabos e uma carranca. Toquinho, preocupado em ter dito ou feito algo que o desagradou, perguntou o que estava acontecendo: "Vou te falar a verdade: estou muito puto com você. Eu sonhei que você tinha me traído com minha mulher. Estou pensando até agora o que é que eu faria com você". Casou nove vezes, apesar de dizer que casaria de fato somente com Sérgio Cabral -declaração que rendeu uma ilustração de Jaguar no Pasquim, com Sérgio vestido de noiva- e não se cansava de procurar o "verdadeiro amor", carregando sempre o Portinari.

"Peguem meu corpo, joguem-no ao mar, lá na Avenida Niemeyer, com dois pesos nos pés. Adoraria ser comida de peixe. (...) Mas não me enterrem, pelo amor que vocês têm a mim". Morreu na banheira, lugar predileto onde recebia os amigos e compunha, com Toquinho segurando sua mão. Pediu para ser enterrado ao som de Pixinguinha. E que houvesse nenhuma tristeza: "fiz o que pude".

Obviedades
Uma professora de literatura brasileira certa vez me disse: "Vinícius é óbvio demais". Há uma arte na obviedade dele, em cantar a beleza, o amor, a amizade e a pátria, que somente ele domina. Cantar a pátria, tomamos por ufanismo nem um pouco inteligente, não se pode mais escrever sobre amor daquela maneira. Essa liberdade foi permitida para um poeta que se desvinculou do intelectualismo que ri do Brasil. Não é mais permitido amar o país, citamos cientistas políticos e somos engraçadinhos como Miguel Falabella no teatro, num besteirol de escritores irônicos e poesia concreta escatológica. Eu, que tenho esta alma velha incapaz de se adaptar ao pensamento jovem de hoje, desejaria alguma vez escrever que queria uma banheira e um amigo segurando minha mão na morte. Escrever que aqui é minha patriazinha e estive sofrendo de saudades dela quando estive longe. Talvez sobre a busca sem fim do amor verdadeiro da adolescência que Vinícius procurou em nove casamentos. Mas não posso, não podemos. Não soa bem, é ingênuo e o mundo nos engolirá por isso.

Aí está a outra regra: tais sentimentos e declarações só são permitidos a poetinhas óbvios.

"(...)

Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos...
Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias
De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias pátria minha
Tão pobrinha!

(...)

Não te direi o nome, pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha, que és
Uma ilha de ternura: a Ilha
Brasil, talvez.

(...)

Agora chamarei a amiga cotovia
E pedirei que peça ao rouxinol do dia
Que peça ao sabiá
Para levar-te presto este avigrama:
"Pátria minha, saudades de quem te ama..."

Outro crime sem perdão do Presidente
O personal stylist de Lula deve estar em férias. Muito mais grave que a declaração que o presidente fez dia 24, de que estava ciente de corrupção em processos de privatização e calou, foi aquela camisa empapada de suor. Impeachment, por favor, para presidentes vestindo camisas empapadas de suor.
Um amigo diz-me que foi proposital, para dar uns ares de quem está trabalhando.

Clube da Terceira Idade
Não pode-se mais conversar com pessoas com menos de sessenta anos -precisam ir já, precisam desligar o telefone, estão atolados de trabalho. Rapidamente citam títulos, nomes e livros e saem correndo. Somente agora pude entender o antigo conselho "ouça os mais velhos": eles já sabem. Pacientes, olham os jovens como um menino que pisa num formigueiro e ri da agitação inútil das formigas. Pedirei o documento de identidade antes de iniciar qualquer conversa, que desta arte pessoas jovens não entendem -nem sequer sentam-se! Há duas ou três exceções que andam por aí em corpos trocados e parecem ter uns trinta anos, mas são velhos, bem velhinhos. E nós, do Clube da Terceira Idade, olhamos preguiçosos para o mundo por cima dos óculos, sem nem pensar em correr -faz mal aos joelhos.

Numa capela do interior
Casamento numa igreja do interior, era a filha mais velha de Dona Filomena. Queria casar-se antes da mais nova mas foi impedida pelo pai, que faz questão de seguir a ordem das idades, como os seus pais e seus avós fizeram. Na missa, enquanto o padre falava que a vida é sacrifício pelo outro e que seremos recompensados no reino dos céus, meu peito apertava pensando em Nietzsche. Fugimos da dor nas consolações cegas do cristianismo, nesses deuses que não dançam, tristes e sangrados. Olhava a imagem de uma santa sofrida que pisa numa cobra, e sentia medo daqueles anjos de olhos azuis sobrevoando um Cristo recussitado que resplandecia, "merda essa mentira toda do livre-arbítrio". Pensei sair um pouco lá fora e fugir daquele cenário de horror, mas Dona Filomena segurou meu braço: "A filha está tão feliz porque você veio", insistem em me querer bem e esses amores aprisionam-me dentro da vida, das igrejas, das casas.

Depois, na festa ela me segredou que pra essas coisas de infelicidade o único remédio é fazer uma horta.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 28/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
02. Dos papéis, a dança de Elisa Andrade Buzzo
03. Bibliotecas públicas, escolares e particulares de Ana Elisa Ribeiro
04. Arte e liberdade de Diogo Salles
05. Companheiros de Jornada de Ricardo de Mattos


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/3/2005
14h43min
Amei pouco, ou bebi pouco...
[Leia outros Comentários de Ram]
1/3/2005
16h46min
Que bom ler esse artigo. Vinícius representa muito daquilo que a gente sonhava que era o Brasil (ou que podia ser) e que não sonha mais. Ou, pelo menos, não deixamos que alguém pense que continuamos sonhando.
[Leia outros Comentários de Antonio Montenegro]
1/3/2005
17h00min
Andréa, são demais os perigos desta vida para quem tem paixão. Óbvio demais. Bom demais. Só os poetinhas têm o direito de ser óbvios. E assim o é. Vinícius me livra do cinismo e me transporta a um mundo que não existe mais, ou que talvez jamais tenha existido, a não ser para uns poucos. Ah, hoje estou tão triste, que deveria sair do trabalho, chegar em casa e ler Vinícius (ou Artaud, só pra chegar noutro extremo?) até o fim dos tempos. Bom, como não estou assim tão espirituoso, devo pegar minha viola, enfiar no saco e partir! Beijão!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
9/3/2005
18h41min
Grande Vinícius! Já pensou o que é escrever, fazer falarem, por si só, palavras tão simples! Transformar banalidades em "espetacularidades"? Quem dera ser assim. Ao menos posso apreciá-lo!
[Leia outros Comentários de Rosa Nina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PODER DA ESPERANÇA : SEGREDOS DO BEM ESTAR EMOCIONAL
JULIÁN MELGOSA E MICHELSON BORGES
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2017)
R$ 15,00



INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA HUMANA - 4365
J. H. G. LEBON
ZAHAR EDITORES
(1966)
R$ 10,00



WILLIAM SHAKESPEARE
JENNIFER BASSETT
OXFORD
(2000)
R$ 15,00



SEVEN ONE ACT PLAYS
DONN BYRNE
LONGMAN
(1972)
R$ 5,00



POR UM PEDAÇO DE CÉU
GIAN PAOLA MINA
IRMÃS MISSIONÁRIAS DA CONSOLAT
(1992)
R$ 5,00



EM BUSCA DO SUCESSO: INTELIGÊNCIA ÉTICA FAZ BEM ÁS EMPRESAS
ROBERT HENRY SROUR
DISAL
(2007)
R$ 5,00



LÍNGUA, LITERATURA E REDAÇÃO - VOLUME 3
JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(2000)
R$ 15,90



A REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DE DIREITO AUTORAL
JOSÉ CARLOS COSTA NETTO
MINISTÉRIO EDUCAÇÃO E CULTURA
(1983)
R$ 10,00



INTELIGENCIA MEDICA VOL. 1 CLÍNICA MÉDICA - ANO 2012
SJT
SJT
(2012)
R$ 19,90
+ frete grátis



A MULHER DE 30 ANOS
HONORÉ DE BALZAC
L&PM POCKET
(2017)
R$ 16,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês