Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> E-mails a um jovem resenhista
>>> O Conflito do Oriente Médio
Mais Recentes
>>> El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
>>> Os Viajores - Agentes dos Guardiões de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2019)
>>> Sonic The Hedgehog Vol. 3 - A Batalha por Angel Island de Sega pela Geektopia (2021)
>>> Os Turistas de Disney Especial pela Abril
>>> Joe Biden - A Vida As Ideias E Os Desafios Do Presidente Da Nacao Mais Poderosa Do Mundo de Evan Osnos pela Agir (2021)
COLUNAS

Terça-feira, 25/10/2016
Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I)
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 3700 Acessos



“Escuto vocês todos, irmãos sombrios.” (Drummond)

“O que é, no entanto, perturbador é que as repercussões na arte desses horrores não tenha sido, nem qualitativa nem quantitativamente, proporcional à carnificina militar. A arte não está à altura da catástrofe.” A ideia acima, de Ives Michaud, nos fala da impossibilidade em se traduzir os horrores da violência da guerra em termos artísticos. A dificuldade ainda se torna maior no caso da poesia: “O horror nunca é facilmente recuperável pela arte, sobretudo quando ela não tem vocação para ser documental”. (Michaud)

No entanto, poetas e outros artistas não se furtaram à necessidade de “descer aos infernos”, de visitar os cadáveres (os corpos retalhados, destruídos por tiros, bombas ou apodrecidos por morte e fome), de denunciar a demência e bestialidade humanas (fruto de economias imperiais e de jogatinas político-militares escusas), de apontar o desespero e a desesperança do homem diante do fracasso do humanismo.

O encontro entre a poesia e o cenário de horror que foi a Segunda Guerra é o tema do livro O Mundo Sitiado: a poesia brasileira e a Segunda Guerra Mundial, de Murilo Marcondes de Moura, publicado pela Editora 34.

A discussão central do livro é a relação dos poetas brasileiros, Carlos Drummond, Cecília Meireles, Oswald de Andrade e Murilo Mendes, com a Segunda Guerra Mundial. O que em si já seria uma investigação inédita. Mas o projeto do autor é mais ousado. O que lhe interessa não é apenas ler na obra dos poetas a temática da guerra, mas “como cada um desses poetas, ao se abrir para o acontecimento histórico, intensificou e mesmo expandiu o essencial de seus princípios estéticos”.

Para tanto, vale-se da ideia de que “o sentimento do mundo”, o impulso internacionalista, não próprio apenas a Drummond, mas a todos eles, seria a força motriz da dicção singular a que chegaram em suas obras. Nesse sentido, a ideia de uma “guerra moderna” criou necessidades poéticas próprias ao tempo histórico no qual os poetas “foram constrangidos a atuar”.

Essa necessidade que governa a relação entre o espírito criador e os dramas do mundo fez-se urgente aos poetas, às suas consciências, pois, como anotou Heiner Müller, “o que está morto, não está morto na história. O diálogo com os mortos não deve parar, até que seja arrancado deles o que de futuro foi enterrado junto com eles.” Ainda dentro dessa lógica, vale dizer que para o artista que pensa a questão da guerra “o que é nefando, indigno de nomear, se confronta com a urgente necessidade de dar nome aos cadáveres”. (Paulo Herkenhoff)

Mas como a interpretação da poética desses escritores pode escapar da força dos fatos que se amontoam sobre sua poesia como uma impositiva percepção histórica?

Como o individual do poema pode se relacionar com o coletivo da história? Era crença de T. W. Adorno que, ao abordar uma individualidade, um poema pode ser capaz de apontar elementos referentes a uma coletividade. A questão que se coloca, portanto, é: como isso se processa no interior da linguagem? O objetivo do livro de Murilo Marcondes é justamente esse: decifrar como a linguagem poética foi processada como “sentimento do mundo” a partir de seu encontro com os meandros da história.

A exigência proposta à lírica, segundo T. W. Adorno, é de um "protesto contra um estado social que todo indivíduo experimenta como hostil, alheio, frio, opressivo [...] A idiossincrasia do espírito lírico contra a prepotência das coisas é uma forma de reação à coisificação do mundo (...)." (Lírica e Sociedade) Como se a própria natureza da lírica fosse a oposição constante à uma suposta “normalidade do mundo”, como se a linguagem poética fosse intrinsecamente um movimento de resistência aos códigos “institucionais da língua do mundo”. Vale aqui lembrar a noção barthesiana de “écriture”, escritura como a escrita do escritor, sempre em oposição aos códigos normatizadores da língua e do poder.

Além de transcender o relato jornalístico sobre a guerra, uma “poesia de guerra” buscaria “atingir as mais profundas especulações sobre o Homem” (nas palavras de Robert Graves, citado por Murilo Marcondes). Mas para ir além da “poesia de circunstância” a poesia de guerra deveria, no mínimo, deflagrar dentro da própria poética do artista uma “transfiguração das circunstâncias” (Drummond).

O debate sobre a relação entre poesia e realidade, forma e conteúdo não é nova. Schiller pretendeu acabar com a discussão com sua famosa frase: “Na verdadeira obra de arte a forma mata o conteúdo”. Já para Goethe a coisa era um pouco mais confusa: “As declarações isoladas de Goethe a respeito da poesia parecem muitas vezes unilaterais, quando não abertamente contraditórias. Ora ele põe todo o peso na matéria dada pelo mundo, ora na interioridade do poeta; ora todo o bem está no objeto, ora no tratamento dado a ele; ora provém de uma forma perfeita e ora inteiramente do espírito, em detrimento da forma.” (Eckermann – Conversações com Goethe)

Para a poesia que “transfigura as circunstâncias”, segundo Adorno, a tensão interna deve ser significativa na relação com a tensão externa. Os mesmos termos de Adorno são citados por Murilo Marcondes ao chamar T. S. Eliot para o debate: “T. S. Eliot, a seu modo, reitera a necessidade dessa concomitância entre o interior e o exterior, ao identificar “a poesia” à “concepção abstrata da íntima experiência em sua intensidade máxima tornada universal”.

Para que essa poesia seja significativa, ela não deve se submeter aos andamentos do mundo. Murilo Marcondes se aproxima das ideias do crítico Pedrag Matvejevitch, amplamente citado na parte teórica do seu livro, se contrapondo à visão negativa da poesia de circunstância: “como se a referência forte a algo que lhe fosse externo traísse a natureza mais autêntica do poema, cujo valor deve ser medido pela própria imanência.”

Nesse ponto, Murilo Marcondes se apoia na ideia de Matvejevitch: “o crítico diferencia uma poesia escrita com vistas às circunstâncias de uma outra escrita em relação às circunstâncias – a primeira, depende primariamente dos fatos externos; a segunda, mantém com estes um vínculo mais autônomo”.

Balizando-se também em Jean Starobinski, dialoga com a ideia de que em uma situação de catástrofe é preciso que intervenha uma “contração do tempo histórico no tempo pessoal”. Entenda-se, aqui, “tempo pessoal” como dicção própria do poeta. Daí, citando ainda Starobinski, que sentencia: “em nosso tempo, a responsabilidade do poeta é sobretudo a de conferir ao acontecimento histórico a qualidade de acontecimento interior [...]. A verdadeira poesia interioriza a história”.

Ainda na clave de Starobinski, vale citar um trecho usado por Murilo Marcondes referente à ideia da poesia como testemunho: “Eu considero a forma mais completa [de testemunho] quando, os olhos abertos para o acontecimento, um poeta se funde em eternidade para elevar, ao mesmo tempo de seu eu singular e da provação compartilhada, um canto que diz o sofrimento e que dá figura a uma esperança em que todos podem se reconhecer. É de se supor que apenas aqueles cujas aventuras pessoais sejam suficientemente profundas acedam ao ponto em que o drama da história e o drama da pessoa se encontram.”

A partir desses pressupostos teóricos, Murilo Marcondes empreende a leitura atenta e minuciosa da obra de poetas que vão de Apollinaire, Wilfred Owen, Ungaretti, Mário de Andrade (todos referentes à Primeira Guerra). Em seguida pensa as circunstâncias da relação entre poetas e, por vezes, pintores (Franz Marc, que morreu no front), em relação à segunda Guerra. René Char, Éluard, Aragon, Brecht etc. Avança na análise arguta dos poetas brasileiros – sobre os quais comentaremos, por questão de espaço, apenas os capítulos sobre a poesia de guerra de Drummond e Cecília Meireles.

É o que veremos na parte dois de nosso texto.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/10/2016

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
02. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016
04. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História da Igreja
Pierre Pierrard
Paulus
(2002)



Our Last Best Chance
King Abdullah II
Penguin
(2010)



Chasing the Dime
Michael Connelly
Warner Vision
(2003)



Como Saí Do Buraco
Fly
Inspira
(2023)



Simples Assim
Janise Martins
Scortecci
(2009)



Plt123 Gestão de Projetos: uma Abordagem Global
Ralph Keeling
Saraiva
(2012)



Organização e Métodos. Uma Visão Holística
Antonio Cury
Atlas
(2005)



Volume 2: Proncípios de Auditoria 1ª edição.
R K Mautz
Atlas
(1976)



Metal sem Húmus
Dércio Braúna
7 Letras
(2006)



Livro Virginia and Maryland
Fodor's
Fodor's
(2011)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês