Rituais de final de ano | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
56745 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição Alma
>>> Festival internacional de fotografia premia fotos vencedoras da edição de 2022
>>> Livro que destaca a importância da diversidade feminina em Conselhos de empresas já está disponível
>>> Cacá Machado se apresenta no Sesc Vila Mariana
>>> Cine Rural: Fazenda histórica do Interior sedia sessões de cinema de graça em igreja do século 19
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
>>> Música do acaso
>>> Duas cartas
>>> O Suplício do Papai Noel, por Claude Lévi-Strauss
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Depeche Mode 2001
>>> O melhor joio do trigal
>>> A morte de Sardanapalo de Delacroix
>>> O Quarteto Fantástico
>>> BDRs, um guia
Mais Recentes
>>> A Náusea - Texto Integral de Jean-Paul Sartre pela Nova Fronteira (2011)
>>> Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Best Seller (1987)
>>> La Dialectica del Amo y del Esclavo en Hegel de Alexandre Kojeve pela La Pleyade (2022)
>>> Protocolo Bluehand: Zumbis - Seu Guia Definitivo Contra os Mortos e os Vivos de Abu Fobiya; Alexandre Ottoni; Deive Pazos pela Nerdbooks (2012)
>>> Manual do Empreendedor de Jerônimo Mendes pela Atlas (2009)
>>> Refúgio de Nora Roberts D8 pela Bertrand (2021)
>>> Criação de um outro mundo: Gênesis 1-11 de Rogério L. de Almeida Cunha (Orgs.) pela Cebi (2022)
>>> O homem que fazia chover de John grisham D8 pela Rocco (1996)
>>> Manual para uma vida craft de Andrea Onishi e Cláudia Fajkarz pela Panda books (2016)
>>> Marco Polo - 3 Volumes Coleção Completa de Muriel Romana pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Heidi de Johanna Spyri pela Arena (2013)
>>> Quase pronta de Meg cabot pela Galera Record (2008)
>>> Livro - O Novo Relatório da Cia: Como Será o Amanhã de Heródoto Barbeiros pela Geração Editorial (2009)
>>> Canto: Uma Expressão: Princípios básicos de técnica vocal de Mônica Marsola e outros pela Irmãos Vitale (2022)
>>> The Riddle of the Sands: A Record of Secret Service de Erskine Childers pela Penguin Books (1995)
>>> Livro - Sun Tzu Estratégias de Marketing - 12 Princípios fundamentais para vencer a guerra por clientes de Geralda A. Michaelson; Steven W. Michaelson pela M. Books (2005)
>>> Dissertação do Papa Sobre o Crime Seguida de Orgia de Marquês de Sade pela Etc (2022)
>>> Memorias Perdidas de Jane Austen pela Record (2013)
>>> Mais forte do que nunca de Eliana machado coelho C9B3 pela Lumen (2011)
>>> Livro de bolso - Assassinato na Casa do Pastor: Coleção Agatha Christie de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Antes do Baile Verde de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1999)
>>> Caminhando com Jesus: Círculos bíblicos sobre o Evangelho de Marcos de Carlos Mesters pela Cebi (2015)
>>> Livro de bolso - Convite para um Homicídio: Coleção Agatha Christie de Agatha Christie pela Record (1950)
>>> Diário de Bridget Jones de Helen Fielding pela Best bolso (2010)
>>> Almanaque da Magali Nº 64 de Mauricio de Souza pela Panini Comics (2017)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/1/2007
Rituais de final de ano
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Final de ano é tempo de festa. Mesmo quando a gente acha um porre ficar errando de festividade em festividade, algumas bastante protocolares, é sempre bom prestar atenção em alguma coisa. Festa de empresa, via de regra, é chatíssimo. E quanto maior a empresa, mais tosca é a confraria. De festim arrojado, facilmente tudo se torna um pagodão com gente bêbada que acha que os chefes não vão reparar, vão compreender que "hoje a festa é nossa".

No meio do furdunço, uma professora bêbada cai no chão. Nada muito especial, se ela não estivesse de saia e tonta como uma porca. Mais alguns meses e o chefão manda chamar na sala dele, diz que compreende, mas que aquele comportamento lhe havia incomodado e à "mantenedora" (cujos chefões estavam todos na festa), então, já que estão em contenção de gastos, o nome dela foi cogitado para a demissão. Isso tudo é dito já na execução da coisa toda. E então vêm à tona outras tantas cenas da professora bebendo com os alunos, nos churrascos de turmas, no bar da esquina da faculdade. "Hoje a festa é nossa", mas não de quem quiser.

Funcionário feliz é ótimo, mas na festa de final de ano é preciso saber, o tempo todo, que não se está na presença dos amigos e primos de primeiro grau. O chefe dar vexame também não combina. Em geral, outro funcionário pensa que o dono da empresa virou amigo de funk de uma hora para a outra. No dia seguinte, o man in black não admite gracinhas e nem ser chamado de "chegado". E ainda há os funcionários caxias, que mostram serviço até na hora de compôr a festa.

Há aquelas pessoas que participam dos eventos com fervor. Ajudam a organizar, recolhem dinheiro, propõem "amigo secreto" (em Minas, "amigo oculto"), escolhem a trilha sonora, mandam fazer salgados e doces, recortam e colam os enfeitinhos brilhosos. Há indivíduos que são mais discretos e, embora concordem com tudo, colaboram apenas dando a grana, entregando os enfeites e sendo coordenados pelos tipos descritos acima. E há aqueles que se sentem, com direito, invadidos, chateados e obrigados a participar. Seja por medo de perder o emprego, temor de serem chamados de anti-sociais ou apenas para serem polidos. Mesmo se forem sorteados para ganhar o kit "pente-e-espelho" que o chefe doou para a festa, ou, nas empresas maiores, a TV de alta definição, sentem-se cumprindo um dever compulsório. O jeito, então, é relaxar. Se não há como escapar da festa, melhor tentar converter os esforços em algo interessante. Uma bebida gostosa, um salgado especial, que nestas épocas abundam por aí. Uma boa música, um presente acertado do "amigo secreto", uma varanda agradável. De repente, um bom papo com alguém surpreendente, uma roda de amigos estimados de verdade.

"Inimigo explícito"
Perdi a conta dos "amigos secretos" de que fiz parte. Muitas vezes por vontade, noutras tantas, para "entrar no esquema" e não decepcionar ninguém. Na família, certa vez, ganhei uma carteira (dessas de pôr dinheiro e cartões) vermelha. Era dessas de couro, bem bonitas, mas tinha o estilo daquelas carteiras de senhora. O pior da festa, para mim, sempre foi abrir o presente. Um incrível medo de saber o que há dentro do embrulho me tira o controle dos movimentos do rosto, especialmente daqueles músculos ao redor da boca. Mal consigo rir por educação e agradecer por impulso. A carteira vermelha foi um constrangimento. Peguei logo e guardei o cartão de troca. Meu pai usava algo assim, acho que se chama "capanga", não me lembro, sei que é horrível. Tanto na bolsa quanto na carteira sou uma mulher objetiva. Há lá dentro o necessário. Nenhum pente, nem espelho, nem batom. Apenas documentos, dinheiro e chaves. A carteira, sendo vermelha, só aumentaria meu constrangimento.

De outra vez, eu havia acabado de entrar na empresa e não queria decepcionar o staff dando uma de anti-social. Saí com uma moça desconhecida e fiquei ansiosa para ler a lista em que todos sugeriam os presentes que gostariam de ganhar. Minha "amiga secreta", para meu desespero, pediu uma samambaia chorona de verdade. A segunda opção era ainda pior: um passarinho com gaiola, não me lembro de que raça. Um terror. E ainda havia problemas: não encontrei a tal samambaia e comprei uma comum, dessas que não choram. Eu e meus amigos, companheiros para os momentos de infortúnio, imprimimos uma carinha vertendo lágrimas e colamos no vaso da planta. A moça recebeu o presente com alegria que não pareceu falsa. Mas a espécie da samambaia não correspondeu ao pedido.

Em outra empresa do mesmo ramo, o editorial, nova festa, mais um "amigo secreto" em que entrei de gaiata. Saí com outro desconhecido e tinha a tarefa de dar a ele um presente de, no máximo, 20 reais. Sabia quem era o rapaz, de vista, e que era jovem. Comprei dois suportes com blocos de papel colorido, desses de escritório, que parecem um arco-íris. A cara de decepção do moço pôde ser vista à distância. Nunca me identifiquei. Deixa pra lá, nem todo assistente de contabilidade precisa de blocos para recado.

Nota do Editor
Leia também "Sua empresa faz festa de Natal?"


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 3/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Beijo surdo de Ana Elisa Ribeiro
02. Convocação para uma outra luta de Marilia Mota Silva
03. Vagas? Talvez. Quem sabe? Depende de você também. de Jardel Dias Cavalcanti
04. Pessach: entre o social e o existencial de Marcelo Spalding
05. Se a literatura subisse o morro... de Marcelo Spalding


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/2/2007
15h50min
Essa da "capanga" foi demais! Eu também já tive uma e acho que foi minha primeira carteira de verdade. Ela era enorme! Toda preta e com um zíper, que ficava meio metro pra dentro de sobra! Eu a comprei em uma barraca de feira livre. Caramba, mas como foi difícil consegui-la! Como "ralei" para juntar o dinheiro que desse para adquiri-la! Mas, depois que a possui, a coisa que mais gostava de fazer era sair com ela pendurada no punho da mão direita! E ainda fazia inveja para os meus amigos, que não podiam ter uma igual. Ah, a velha e boa "capanga". Puxa, Ana, de que você foi lembrar!
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Caminho do Silêncio - A Filosofia de Escoto Eriúgena
Oscar Federico Bauchwitz
relume dumará
(2003)



O Caçador de pipas
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2005)



Livro Físico - Sua Comunicação: Como Se Comunicar para Obter Excelentes Resultados
Fábio Eltz
Casa da Qualidade
(2005)



Livro - Os Fundamentos da Psicanálise
Emilio Mira y Lopez
Científica



75 Conselhos para Sobreviver na Escola Por
María Frisa
Salamandra
(2012)



História das Relações Internacionais do Brasil
Francisco Doratioto & Carlos Eduardo Vidigal
Saraiva
(2014)



O Sucesso Veste Saia
Paula Dorfer
Do Autor
(2013)



Manual do Mané
Arthur Dapieve
planeta
(2003)



A Simbolica dos Animais - 2 Volumes
Valeria Alvares Cruz
Fiuza
(2001)



A Força e a Beleza Brotam da Terra
João Krüger
Pulsar
(2005)





busca | avançada
56745 visitas/dia
1,6 milhão/mês