As urbes e o pichador romântico | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/9/2009
As urbes e o pichador romântico
Pilar Fazito

+ de 3100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Acho que antes de Eça de Queirós escrever A cidade e as serras, o tema campo versus cidade já deveria estar presente em todas as rodinhas sociais - dos intervalos de ópera, regados a casacas e charutos, aos convescotes em que mocinhas virginais exibiam seus vestidos róseos de tafetá.

Sei lá... Vai ver que antes disso, talvez bem antes, Roma deve ter sido considerada uma megalópole em relação às aldeiazinhas espalhadas pelas planícies italianas. Roma, the big city. Roma, a grande urbe, com todos aqueles aquedutos, as enormes construções, os grandes anfiteatros e o senado. Bem, o senado é um caso à parte, e se nos debruçarmos sobre esse assunto vamos acabar considerando que as querelas romanas, ao menos, eram mais originais do que as de Brasília. Mas voltemos à vaca fria...

Se a cidade é melhor ou pior do que as serras eu não sei. Mas um fato é incontestável: cidades grandes costumam fazer com que as pessoas entrem num ritmo mais rápido e intenso, um tempo diferente daquele de quem vive em lugares mais pacatos. Cidades grandes fazem com que as pessoas corram de um lado para o outro, preocupadas com a própria sobrevivência diária e acabem cegas em relação àqueles sentimentos que recheiam a lista de substantivos abstratos das aulas de gramática. Depois de um ano imerso no estilo de vida de uma megalópole, a gente passa a achar que solidariedade, inocência, paz, alegria, tranquilidade e outra série de termos parecidos não passam de clichês tirados de um filme romântico B, ou dos livros de cabeceira da Miss Universo, seja Pollyanna ou O pequeno príncipe.

A situação, aliás, é ainda mais bizarra: a gente passa a ter vergonha de dizer que acredita no amor. Ao menos essa foi a impressão que tive após passar um tempo trabalhando em São Paulo. Tá aí uma cidade de que gosto. Eu poderia passar a semana inteira sentada no meio-fio da Avenida Paulista ou em qualquer estação de metrô, bater perna na Liberdade, despingolar no Jabaquera atrás de um sebo qualquer, flanar pela Vila Mariana, inspecionar cada prateleira da Livraria Cultura, ouvir concertos dominicais na Osesp ou dar comida aos pássaros no Ibirapuera. São Paulo é uma cidade que tem tanta coisa para ser vista, ouvida, lida e aproveitada que, para mim, parece insano o fato de os paulistanos não terem tempo para degustar a própria cidade.

Mais insano ainda me pareceu o estilo de vida que muita gente leva ali. É o famoso métro-boulot-dodo francês que, traduzido, seria algo como metrô-trampo-"mimir". Não que em Belo Horizonte a gente não se entregue, vez por outra, a esse tipo de automatismo contemporâneo - BH também é uma grande cidade se comparada a muitas outras e não estamos livres disso. Sei que comparações não ajudam em nada, mas ainda assim elas são inevitáveis; e a questão é que, depois de conviver com paulistanos in natura, acompanhar seu cotidiano e observar seu desenvolvimento in loco, tive a impressão de que as pessoas que vivem ali sofrem de um mal terrível: a descrença coletiva.

Talvez eu estivesse frequentando um meio muito particular: o de jovens na casa dos 30, empenhados em progredir profissionalmente, formar patrimônio e consolidar o próprio nome. O fato é que, em diversas ocasiões, me senti meio pateta, até um pouco "caipira" - no sentido pejorativo do termo, para a infelicidade de quem não conhece o mundo caipira - ao falar de amor. Em círculos e grupos distintos, minha espontaneidade foi minguando enquanto ouvia meus interlocutores parolarem com augusta distinção sobre a condição humana e a inexistência do amor. Para não caírem na falta de modos, retribuíram-me com um cordial e piedoso "ingênua". Só faltou o tapinha sobre o cocoruto.

Pois eu fiquei com isso na cabeça por um tempo. Quer dizer que o amor seria tal qual Papai Noel, o Coelho da Páscoa e a gorda aposentadoria? Ou seja, não existem?

Como todo mineiro é mesmo desconfiado, comecei a desconfiar dos meus interlocutores. Todos estavam na mesma condição solitária. Mais do que solteiros, estavam sozinhos. E com uma ponta de mágoa em seus discursos; algo como "o amor tem que me provar que ele existe".

O que não faz a coerção social? Apesar de desconfiada, eu mesma já estava entregando os pontos e me achando uma tolinha, até então. Minha passagem por São Paulo estava me deixando uma pessoa mais triste nesse sentido; até que passei por um muro na Vila Mariana e fui salva pelo pichador romântico. Em meio ao caos urbano, uma singela interjeição me restituiu, em dose única, toda a capacidade de sonhar, de acreditar em anjos, fadas e pirilampos.

Não é engraçado que logo na cidade dos descrentes alguém se lembre de lembrá-los sobre a importância do amor? Pois eu concordo com o pichador romântico. O amor é mesmo importante. Aliás, importantíssimo; deixar de acreditar no amor é algo muito sério e nocivo para todos e, principalmente, para um artista, porque, simplesmente, ele deixa de criar, de produzir, de inspirar os outros, de respirar. O mundo fica mais cinza, mais triste e entediante.

Desconheço o nível de descrença dos romanos medianos, mas posso afirmar que todo o legado artístico deixado pela cidade que escreve AMOR ao contrário só se tornou possível graças a esses históricos "ingênuos".

Quanto ao pichador romântico de São Paulo, mais do que uma lenda urbana é alguém que teve a coragem de nadar contra a maré. Normalmente, sou contra pichações. Mas essa até que me fez um bem danado. Só posso agradecer a esse super-herói dos tempos atuais e gritar a plenos pulmões: "o amor é importante, porra!".


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 7/9/2009


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/9/2009
16h03min
Ah, Pilar, que delícia é ler seus textos! São Paulo é isso, São Paulo é aquilo... São Paulo é o "petit a" de Lacan... Loucura encantadora, amo São Paulo! Trata-se de uma cidade cosmopolita, nossa capitalista "pequena notável New York"; nela você encontra de tudo (ah, flanar pelas ruas de Sampa é meu hobby!), e seu texto explorou Sampa de forma mineira, isto é, amorososamente. bjs do Sílvio. Campinas, é quase primavera de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
21/9/2009
21h22min
Acho que o problema está na sua amostra: São Paulo é uma cidade pejada de amor e sexo, sexo e amor. Por onde você anda tem gente amando, gente à procura de alguém para amar, gente em grupos, gente... Os escritórios, as escolas, o comércio, o metrô, as ruas, os bares, as academias, cinemas, teatros, shows, tudo pleno de amor. Mas também existem os solitários, pessoas muito exigentes, que se dão com muita dificuldade.
[Leia outros Comentários de José Frid]
23/9/2009
09h24min
Pilar, você não faz ideia de como me identifiquei com o seu texto... Também me sinto muitas vezes ridicularizado, inclusive por meus amigos, por acreditar no amor. Até mesmo em Goiânia, uma pequena metrópole "caipira", o corre-corre distancia cada vez mais as pessoas desse sentimento tão importante. Observo, pelas ruas, que elas estão o tempo todo ligadas em seus mp3, provavelmente ouvindo músicas que falem sobre o amor; consomem livros e filmes que retratam o amor, mas parecem não ter tanto interesse de protagonizar alguma história que tenha o amor como tema principal... Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Túlio Moreira Rocha]
29/9/2009
12h52min
Olhaí, Pilar, tá vendo? Não ficou na (já não tanto) pacata Natal. Estive em SP no fim do ano passado e me senti espremido por toda aquela cidade grande de anônimos que não se conhecem e da correria dos metrôs, das pessoas que não se olham, não sentem. É triste, mas ainda bem que temos corajosos e românticos como esse pichador para nos dar um punch e nos fazer voltar à realidade.
[Leia outros Comentários de Fábio Farias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TEMPO DO DESCANSO
RODRIGO MONTOYA
MARCO ZERO
(1998)
R$ 12,00



STANDARD DESK DICTIONARY
FUNK & WAGNALLS
LIPPINCOTT & CROWELL
(1980)
R$ 22,00



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
MELHORAMENTOS
R$ 5,00



DIÁRIOS DO VAMPIRO - ALMAS SOMBRIAS
L.J. SMITH
GALERA
(2011)
R$ 10,00



1591 - A SANTA INQUISIÇÃO NA BAHIA E OUTRAS HISTÓRIAS
NÉLSON DE ARAUJO
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 24,15
+ frete grátis



O FIM DO MUNDO
CAMILLE FLAMMARION
FEB
(1991)
R$ 16,56



REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 42 Nª 4
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1953)
R$ 11,05



CAMINHOS DA RECONSTRUÇÃO
ANTONIO DIAS LEITE
PIONEIRA
(1984)
R$ 12,00



FLAUTISTA DO REI
ANIBAL TEIXEIRA
CLIO
(2013)
R$ 8,90



ROLLING STONES UNDER THEIR THUMB
BILL GERMAN
NOVA FRONTEIRA
(2011)
R$ 16,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês