As urbes e o pichador romântico | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Only the paranoid survive
>>> O belo e o escalafobético
>>> Guia para escrever bem ou Manual de milagres
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
Mais Recentes
>>> Chefia - Sua Técnica, Seus Problemas de Wagner Estelita Campos pela Getulio Vargas (1981)
>>> Inovação - a Vantagem do Atacante de Richard Foster pela Best Seller (1988)
>>> Techno Trends 24 Tecnologias Que Irão Revolucionar Nossas Vidas de Daniel Burrus pela Record (1994)
>>> Gestao Efetiva e Privatizacao de Pedro Sabino de Farias Neto pela Qualitymark (1994)
>>> Le Vin de Bourgogne de Jean François Bazin pela Montalba (1976)
>>> O Fim da Qualidade - Autografado de J. L. Banet pela P & A (1997)
>>> Occidente Americano de Jose Ignacio Vasconcelos pela Ni (1977)
>>> Enciclopedia Pratica da Administracao de Empresa de Rogerio Pfaltzgraff pela Rideel
>>> Lasers in Industry de S S Charschan pela Wester Electric (1972)
>>> O Beneficio das Crises de Paulo C. da Costa Moura pela Ltc (1978)
>>> Atenção á Saude da Mulher de Fernando Porto e Outros pela Aguia Dourada (2011)
>>> Focus on Grammar - Teachers Manual de Jay Maurer pela Logman (1995)
>>> Livro do Ano 1990 de Estado de São Paulo pela Agencia Estado (1990)
>>> Administração da Produção de George W. Plossl pela Makron Books (1993)
>>> Palmtops para Iniciantes e Experts de Julio Trois pela Visual Books (2003)
>>> Essential Dictionary:helping Learners With Real English de Collins Cobuild pela Harper (1996)
>>> Macromedia Flashmx 2004 de Anielle Damasceno pela Visual Books (2004)
>>> Manual de Organização Administrativa de Ana Maria Giusti Barbosa pela Prefeitura do Município de Pi (1996)
>>> Filosofia del Lenguaje de Jerrold J Katz pela Martinez Roca (1971)
>>> Itap a Empresa Que Vi Crescer de Fortunato Orlandi pela Plásticos Em Revistas (1991)
>>> 101 Segredos de Sucesso para a Pequena Empresa de Jane Applegate pela Best Seller (1992)
>>> Safety of Water Disinfection:balancing Chemical & Microbial Risks de Gunther F Craun pela Ilsi (1993)
>>> Humanizando Meu Trabalho e Criando Meu Futuro de Selma Costa pela Stf (1997)
>>> Vocabulario Latim-portugues / Portugues-latim de Ana T Sieglar pela Saraiva (1944)
>>> Biblioteca de Secretariado Executivo 1 de Abel Ferraz Souza pela Iracema (1971)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/9/2009
As urbes e o pichador romântico
Pilar Fazito

+ de 3400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Acho que antes de Eça de Queirós escrever A cidade e as serras, o tema campo versus cidade já deveria estar presente em todas as rodinhas sociais - dos intervalos de ópera, regados a casacas e charutos, aos convescotes em que mocinhas virginais exibiam seus vestidos róseos de tafetá.

Sei lá... Vai ver que antes disso, talvez bem antes, Roma deve ter sido considerada uma megalópole em relação às aldeiazinhas espalhadas pelas planícies italianas. Roma, the big city. Roma, a grande urbe, com todos aqueles aquedutos, as enormes construções, os grandes anfiteatros e o senado. Bem, o senado é um caso à parte, e se nos debruçarmos sobre esse assunto vamos acabar considerando que as querelas romanas, ao menos, eram mais originais do que as de Brasília. Mas voltemos à vaca fria...

Se a cidade é melhor ou pior do que as serras eu não sei. Mas um fato é incontestável: cidades grandes costumam fazer com que as pessoas entrem num ritmo mais rápido e intenso, um tempo diferente daquele de quem vive em lugares mais pacatos. Cidades grandes fazem com que as pessoas corram de um lado para o outro, preocupadas com a própria sobrevivência diária e acabem cegas em relação àqueles sentimentos que recheiam a lista de substantivos abstratos das aulas de gramática. Depois de um ano imerso no estilo de vida de uma megalópole, a gente passa a achar que solidariedade, inocência, paz, alegria, tranquilidade e outra série de termos parecidos não passam de clichês tirados de um filme romântico B, ou dos livros de cabeceira da Miss Universo, seja Pollyanna ou O pequeno príncipe.

A situação, aliás, é ainda mais bizarra: a gente passa a ter vergonha de dizer que acredita no amor. Ao menos essa foi a impressão que tive após passar um tempo trabalhando em São Paulo. Tá aí uma cidade de que gosto. Eu poderia passar a semana inteira sentada no meio-fio da Avenida Paulista ou em qualquer estação de metrô, bater perna na Liberdade, despingolar no Jabaquera atrás de um sebo qualquer, flanar pela Vila Mariana, inspecionar cada prateleira da Livraria Cultura, ouvir concertos dominicais na Osesp ou dar comida aos pássaros no Ibirapuera. São Paulo é uma cidade que tem tanta coisa para ser vista, ouvida, lida e aproveitada que, para mim, parece insano o fato de os paulistanos não terem tempo para degustar a própria cidade.

Mais insano ainda me pareceu o estilo de vida que muita gente leva ali. É o famoso métro-boulot-dodo francês que, traduzido, seria algo como metrô-trampo-"mimir". Não que em Belo Horizonte a gente não se entregue, vez por outra, a esse tipo de automatismo contemporâneo - BH também é uma grande cidade se comparada a muitas outras e não estamos livres disso. Sei que comparações não ajudam em nada, mas ainda assim elas são inevitáveis; e a questão é que, depois de conviver com paulistanos in natura, acompanhar seu cotidiano e observar seu desenvolvimento in loco, tive a impressão de que as pessoas que vivem ali sofrem de um mal terrível: a descrença coletiva.

Talvez eu estivesse frequentando um meio muito particular: o de jovens na casa dos 30, empenhados em progredir profissionalmente, formar patrimônio e consolidar o próprio nome. O fato é que, em diversas ocasiões, me senti meio pateta, até um pouco "caipira" - no sentido pejorativo do termo, para a infelicidade de quem não conhece o mundo caipira - ao falar de amor. Em círculos e grupos distintos, minha espontaneidade foi minguando enquanto ouvia meus interlocutores parolarem com augusta distinção sobre a condição humana e a inexistência do amor. Para não caírem na falta de modos, retribuíram-me com um cordial e piedoso "ingênua". Só faltou o tapinha sobre o cocoruto.

Pois eu fiquei com isso na cabeça por um tempo. Quer dizer que o amor seria tal qual Papai Noel, o Coelho da Páscoa e a gorda aposentadoria? Ou seja, não existem?

Como todo mineiro é mesmo desconfiado, comecei a desconfiar dos meus interlocutores. Todos estavam na mesma condição solitária. Mais do que solteiros, estavam sozinhos. E com uma ponta de mágoa em seus discursos; algo como "o amor tem que me provar que ele existe".

O que não faz a coerção social? Apesar de desconfiada, eu mesma já estava entregando os pontos e me achando uma tolinha, até então. Minha passagem por São Paulo estava me deixando uma pessoa mais triste nesse sentido; até que passei por um muro na Vila Mariana e fui salva pelo pichador romântico. Em meio ao caos urbano, uma singela interjeição me restituiu, em dose única, toda a capacidade de sonhar, de acreditar em anjos, fadas e pirilampos.

Não é engraçado que logo na cidade dos descrentes alguém se lembre de lembrá-los sobre a importância do amor? Pois eu concordo com o pichador romântico. O amor é mesmo importante. Aliás, importantíssimo; deixar de acreditar no amor é algo muito sério e nocivo para todos e, principalmente, para um artista, porque, simplesmente, ele deixa de criar, de produzir, de inspirar os outros, de respirar. O mundo fica mais cinza, mais triste e entediante.

Desconheço o nível de descrença dos romanos medianos, mas posso afirmar que todo o legado artístico deixado pela cidade que escreve AMOR ao contrário só se tornou possível graças a esses históricos "ingênuos".

Quanto ao pichador romântico de São Paulo, mais do que uma lenda urbana é alguém que teve a coragem de nadar contra a maré. Normalmente, sou contra pichações. Mas essa até que me fez um bem danado. Só posso agradecer a esse super-herói dos tempos atuais e gritar a plenos pulmões: "o amor é importante, porra!".


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 7/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
03. I-ching-poemas de Bruna Piantino de Jardel Dias Cavalcanti
04. Tirando o Cavalinho da Chuva de Adriane Pasa
05. A Escolha de Alice de Marilia Mota Silva


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/9/2009
16h03min
Ah, Pilar, que delícia é ler seus textos! São Paulo é isso, São Paulo é aquilo... São Paulo é o "petit a" de Lacan... Loucura encantadora, amo São Paulo! Trata-se de uma cidade cosmopolita, nossa capitalista "pequena notável New York"; nela você encontra de tudo (ah, flanar pelas ruas de Sampa é meu hobby!), e seu texto explorou Sampa de forma mineira, isto é, amorososamente. bjs do Sílvio. Campinas, é quase primavera de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
21/9/2009
21h22min
Acho que o problema está na sua amostra: São Paulo é uma cidade pejada de amor e sexo, sexo e amor. Por onde você anda tem gente amando, gente à procura de alguém para amar, gente em grupos, gente... Os escritórios, as escolas, o comércio, o metrô, as ruas, os bares, as academias, cinemas, teatros, shows, tudo pleno de amor. Mas também existem os solitários, pessoas muito exigentes, que se dão com muita dificuldade.
[Leia outros Comentários de José Frid]
23/9/2009
09h24min
Pilar, você não faz ideia de como me identifiquei com o seu texto... Também me sinto muitas vezes ridicularizado, inclusive por meus amigos, por acreditar no amor. Até mesmo em Goiânia, uma pequena metrópole "caipira", o corre-corre distancia cada vez mais as pessoas desse sentimento tão importante. Observo, pelas ruas, que elas estão o tempo todo ligadas em seus mp3, provavelmente ouvindo músicas que falem sobre o amor; consomem livros e filmes que retratam o amor, mas parecem não ter tanto interesse de protagonizar alguma história que tenha o amor como tema principal... Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Túlio Moreira Rocha]
29/9/2009
12h52min
Olhaí, Pilar, tá vendo? Não ficou na (já não tanto) pacata Natal. Estive em SP no fim do ano passado e me senti espremido por toda aquela cidade grande de anônimos que não se conhecem e da correria dos metrôs, das pessoas que não se olham, não sentem. É triste, mas ainda bem que temos corajosos e românticos como esse pichador para nos dar um punch e nos fazer voltar à realidade.
[Leia outros Comentários de Fábio Farias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Maigret e o Homem do Banco
Georges Simenon
L&pm
(2004)



Yoga para os olhos
Roberto Inacio Neves
Por que nao?



Quimioterápicos na Clínica Diária
Almir Lourenço da Fonseca
Epub
(1999)



Guia Addresses da 3ª Idadde
Denise Pinheiro e Luiza Pinheiro
Addresses
(2009)



Dieta do Baixo Índice Glicêmico: Alimentação e Exercícios
Helen Foster
Publifolha
(2009)



O Futuro Chegou
Maílson da Nóbrega
Globo
(2005)



O Poder do Marketing
Editora Martin Claret
Martin Claret
(1998)



Atlas de Dermatologia
G. M. Levene- C. D. Calnan
Científico
(1974)



Música: Velhos Temas, Novas Leituras: Incluindo: Vozes Negras Fem
Sérgio Bittencourt Sampaio (2ª Edição)
Mauad X
(2016)



O Manual do Novo Gerente Vol 4
Morey Stettner
Sextante
(2006)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês