O livro digital Toy Story para iPad: revolução? | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia. Palhadiaço comemora 10 anos com circulação de Espetáculo Espetacular na ZL
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Eu Maior, o filme de Fernando, Paulo e Marco Schultz e Andre Melman
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
>>> Roteiro de um ano
>>> Copa 2010: transmissão ao vivo
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
Mais Recentes
>>> Puss in Boots: Level 2 de Vários Autores pela New Editions (2006)
>>> Manual de Saúde e Segurança do Trabalho - Volume 1 de Sebastião Ivone Vieira Coordenador pela Mestra
>>> Livro Homens Que Somem de Sonia Abrão pela Manole (2013)
>>> Cabine de Passageiros de Claudio Bertoli pela Jurua (1999)
>>> Desenvolvimento Econômico - Nova Edição de Aderbal Oliveira Damasceno e Outros pela Alínea (2013)
>>> Administração Financeira de A. A. Groppelli; Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2012)
>>> Henrique Oliveira de Henrique Oliveira pela Sesi-SP (2017)
>>> Beijos Abraços & Arrepios de Toni Brandão pela Larousse Jovem (2007)
>>> Transtorno de Déficit de Atenção de José Salomão Schwartzman pela Mackenzie (2001)
>>> 100 Jogos Lógicos de Pierre Berloquin pela Gradiva (1973)
>>> Cruzando Continentes -Uma incrível jornada de Pequim a Londres em 56 dias de Richard Amante pela Pasavento (2017)
>>> Curso de Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Manole (2010)
>>> La Raison Pure de Kant pela Universitaires (1968)
>>> Létranger de Albert Camus pela Gallimard (1942)
>>> A Contestação do Réu no Processo Ordinário de Aldemir de Oliveira pela Julex (1988)
>>> A Utopia de Thomas Morus pela L&pm Pocket (1997)
>>> Manifold - Origin de Stephen Baxter pela Del Rey Usa (2002)
>>> A Física de Anna Hurwic pela Loyola (1994)
>>> Livro Programa Das 10 Semanas: Uma Proposta Para Trocar Gordura Por Músculos de Turibio Leite De Barros pela Manole (2002)
>>> A Arte no Século XX Vol 2 dos Após-guerra a Beaubourg de Hélène Lassalle pela Martins Fontes (1986)
>>> Ensino-aprendizagem Com Modelagem Matemática de Rodney Carlos Bassanezi pela Contexto (2018)
>>> Marketing da Incentivo uma Visão Legal de Vários Autores pela Manole (2008)
>>> Almanaque Desimpedidos de Org. Ubiratan Leal pela Panda Books (2018)
>>> 1986 - 2006 20 anos a serviço da saude de Fundação Faculdade de Medicina pela Fundação Faculdade de Medici
>>> Metamorfose? de Gail Carriger; Flavia Carneiro Anderson pela Valentina (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/1/2011
O livro digital Toy Story para iPad: revolução?
Marcelo Spalding
+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Tenho escrito diversos textos sobre o livro digital, em especial insistindo que livro digital não é livro em PDF, onde simplesmente se reproduz a diagramação e o texto da versão impressa para uma outra mídia, com custo nenhum de impressão e distribuição. Só agora, porém, depois que adquiri um iPad no último Natal, posso começar a trazer exemplos do que já está sendo feito nesse sentido. E acreditem: é tão fascinante quanto polêmico para nós, amantes de livro, literatura, palavras.

O aplicativo Toy Story para iPad, desenvolvido pela Disney Digital Books (isso mesmo, a boa e velha Disney, e não um autor específico ou uma editora tradicional) explora com maestria as potencialidades do novo suporte (interatividade, multimídia), mas mantém o texto como centro da narrativa, aliando ao texto a contação de história, tão importante para crianças em idade pré-escolar.

Já na primeira página percebemos que a ilustração é animada, então primeiro temos uma animação elaborada até que a cena congela e surge o texto (em inglês, naturalmente). Então, a primeira surpresa: o texto é lido por um narrador, enquanto as palavras que estão sendo lidas vão sendo destacadas. No menu de opções, o usuário descobrirá que ele pode gravar sua própria voz contando a história (aí na língua e da forma que desejar) e depois dar o iPad para seu filho, sobrinho ou aluno ouvir a história salva na sua versão.

Além do texto, algumas páginas, quando congeladas, trazem um ponto indicando a possibilidade de clique, e se o usuário clicar ouvirá vozes ou som das personagens, coisas complementares, mas não necessárias à história. Além disso, no topo ele encontrará um ícone, e clicando ali será remetido a uma ilustração para ser colorida. Com o passar das páginas, descobriremos que além dos desenhos para colorir também há ícones para jogos (com três níveis de dificuldade distintos) e músicas (exibidas em formato de clipe, com a letra sendo destacada, o que ajuda muito para quem está aprendendo inglês). É interessante notar, porém, que nem todas as páginas têm esses ícones extras, e eles não se repetem na mesma página, o que de certa forma não sobrecarrega o leitor, desviando sua atenção da história que está sendo contada.

Abaixo da tela há um simpático Mickey lendo um livro, como se fosse o leitor, e clicando sobre ele o usuário ativa um menu com diversas opções, como pular de página, mudar a forma como as páginas são passadas (há inclusive a opção de virar a página automaticamente), ouvir ou não o narrador, gravar sua própria narração, tutorial, acesso direto aos jogos, às pinturas e às músicas.

O vídeo abaixo mostra algumas dessas funcionalidades:



A história em si, e não poderíamos nos furtar de comentá-la, repete o que já vimos nas versões cinematográficas de Toy Story, mas é interessante notar como o texto conduz a narrativa e como os jogos e animações tornam-se complementares ao envolvimento com a história, cumprindo um papel que a ilustração e, em alguns casos, a contação de histórias já tem feito.

Naturalmente, num primeiro momento ficaremos embasbacados e daremos a Toy Story o epíteto de revolução na literatura, papel que hoje atribuímos a Dom Quixote no que tange ao romance ou a Edgar Allan Poe em relação ao conto. Mas será que estamos diante de uma revolução ou a literatura, em especial a infanto-juvenil, já vem aos poucos ampliando sobremaneira sua linguagem, aliando ao texto ilustrações, diagramações, por vezes até formatos de livro diferenciados? Isso sem falar nas contações de história, nos livros com CD de música, nos livros que trazem senha de acesso a jogos on-line, nos livros-brinquedo etc.

Por outro lado, muitos dirão que Toy Story não pode ser confundido com literatura, que esse aplicativo é algo mais próximo ao cinema do que à literatura e que o rótulo de livro digital não seria adequado a ele. Mas o que pode ser considerado livro, então? Apenas os códices em papel, ainda que coloridos, de capa dura, fartamente ilustrados?

Entre a euforia e o descaso, para mim esta versão de Toy Story tornou-se um paradigma das possibilidades do livro digital e da literatura nesse contexto, evidenciando que o texto pode, sim, ser protagonista para contar uma história, e muitos leitores, crianças ou adultos irão preferir conduzir a história no seu ritmo da leitura a assistir desenhos animados num ritmo pré-determinado pelo diretor. Em Toy Story, um universo ficcional é construído e explorado nas suas mais variadas formas, da música aos jogos, da animação ao texto, e embora o texto perca, nessa nova era, seu status privilegiado e quase monopolista, ele segue sendo fundamental para a construção narrativa, para o ritmo, para costurar toda a gama multimídia de possibilidades numa história una e integrada.

Evidentemente o mesmo leitor que se deixa encantar por essa versão de livro digital de Toy Story continuará indo ao cinema assistir suas animações e buscando livros tradicionais para ler, sejam eles da prateleira ou de dentro do próprio iPad. Basta olharmos para um exemplo desses para percebermos que o livro como hoje conhecemos não vai acabar, porque o livro digital é diferente do livro impresso e, assim como cinema, teatro e televisão convivem há mais de meio século, os formatos distintos de livro podem coexistir por muitos e muitos anos, um crescendo, aprendendo e se reinventando com o outro.

Talvez o aspecto mais preocupante, aí, sim, seja a complexidade para se desenvolver um aplicativo como esse livro digital e a necessidade de um alto investimento financeiro. Não por acaso este Toy Story é assinado pela Disney (há, também, uma versão digital de Aventuras de Narizinho feita pela Globo Livros). Também é discutível se os leitores de um livro digital multimídia e interativo serão leitores, depois, de livros tradicionais, não multimídia nem interativos.

De qualquer forma, e isso me parece agora o mais importante, a leitura não está ameaçada, e assim a literatura também irá sobreviver a este e novos séculos, a esta e novas invenções. Reinventada, talvez, em novo suporte, decerto, mas permanecerá encantando, representando e revolucionando seu tempo.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 28/1/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear de Elisa Andrade Buzzo
02. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar de Carla Ceres
03. O filme do Lula e os dois lados da arquibancada de Diogo Salles
04. A Crise da música ― Parte 1/3 de Rafael Fernandes
05. Alguém aí reconhece um poeta? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A História de Alice no País das Maravilhas - 29/7/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/1/2011
03h24min
Tenho ido mais além e defendido que isso que roda nos dispositivos atuais não é livro, é outra coisa. A metáfora do livro tem atrapalhado bastante. Não roda como livro, não é feito como livro (exceto pelo texto), não é comprado nem experimentado como livro. Por que não pode ser outra coisa?
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Série Crepúsculo - 4 Volumes
Stephenie Meyer
Intríseca
(2009)



Livro Economia Não Seja o Pato do Mercado Financeiro as Aventuras do Pato Rico
Otto Nogami
Avercamp
(2004)



Corporate Zombies - Manual de Sobrevivência Corporativa
Andre Ferreira, Victor Sardinha
Giostri
(2014)



Degraus de Glória
Antônio E. S. Moreira
Do Autor



Livro Literatura Estrangeira Os Limites da Lei Romance
Scott Turow
Record
(2008)



Livro Literatura Estrangeira A Casa Vazia
Rosamunde Pilcher
Bertrand Brasil
(2023)



Luna em a festa supresa 547
Celia Catunda
Salamandra
(2015)



Minhas duas meninas
Teté Ribeiro
Companhia das Letras
(2016)



Coleção 5 Revistinhas Disney Tio Patinhas + Os Turistas Disney Especial + Pateta Repórter
Walt Disney
Abril
(2017)



1000 Perguntas e Respostas de Processo Civil
Jose Cretella Junior
Forense
(2006)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês