O livro digital Toy Story para iPad: revolução? | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira Seis Contos da era do Jazz de F. Scott Fitzgerald pela José Olympio (1995)
>>> Livro Psicologia Libertando o Coração Espiritualidade e Psicologia Junguiana Coleção Estudos de Psicologia Junguiana Por Analistas Juinguianos de Lawrence W. Jaffe pela Cultrix (1990)
>>> Livro Poesia Chão de Vento de Flora Figueiredo pela Geração (2011)
>>> História Universal dos Algarismos 2 Tomos de Georges Ifrah pela Nova Fronteira (1997)
>>> Educação Psicocinética de Bruno Edgar Ries; Jacintho P. Targa; Luiz Settineri pela Sulina (1979)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Coleção Obra-Prima de Cada Autor 98 Macbeth de William Shakespeare pela Martin Claret (2002)
>>> Livro Literatura Estrangeira Contos Volume 1 de H. P. Lovecraft pela Martin Claret (2017)
>>> As Aventuras Dos Filhotes de Vários Autores pela Todolivro (2004)
>>> Maturação Psicomotoro no Primeiro Ano de Vida da Criança de Lydia F. Coriat pela Cortez & Moraes (1977)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Livro Pedagogia Sobre Educação (Diálogos) de Paulo Freire; Sérgio Guimarães pela Paz e Terra (1982)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1998)
>>> Livro Literatura Estrangeira Canibais e Missionários de Mary Mccarthy pela Nova Fronteira (1980)
>>> Livro Ensino de Idiomas The Canterville Ghost and Other Stories Level 4 de Oscar Wilde pela Pearson English Readers (2008)
>>> Anedotário Geral da Academia Brasileira de Josué Montello pela Francisco Alves (1980)
>>> Dudu E O Plástico-bolha de Stela Greco Loducca pela Companhia Das Letrinhas (2022)
>>> Livro Literatura Brasileira Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Possessing the Secret of Joy de Alice Walker pela Pocket Star Books (1992)
>>> Livro Literatura Brasileira Urupês Ml de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1997)
>>> Livro Mega Histórias 2 Em 1 Piratas E Dinossauros de Culturama pela Culturama (2016)
>>> Livro Culinária Alimentação Light de Ro Kupfer pela Ícone (1992)
>>> Grafite, Pichação & Cia de Célia Maria Antonacci Ramos pela Annablume (1994)
>>> Marquês de Sade - o Filósofo Libertino de Donald Thomas pela Civilizacao Brasileira (1992)
>>> Livro de Bolso Auto Ajuda Você é Insubstituível de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Comunicação Sem Complicação de Gustavo Gomes de Matos pela Campus
COLUNAS

Sexta-feira, 28/1/2011
O livro digital Toy Story para iPad: revolução?
Marcelo Spalding
+ de 5600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Tenho escrito diversos textos sobre o livro digital, em especial insistindo que livro digital não é livro em PDF, onde simplesmente se reproduz a diagramação e o texto da versão impressa para uma outra mídia, com custo nenhum de impressão e distribuição. Só agora, porém, depois que adquiri um iPad no último Natal, posso começar a trazer exemplos do que já está sendo feito nesse sentido. E acreditem: é tão fascinante quanto polêmico para nós, amantes de livro, literatura, palavras.

O aplicativo Toy Story para iPad, desenvolvido pela Disney Digital Books (isso mesmo, a boa e velha Disney, e não um autor específico ou uma editora tradicional) explora com maestria as potencialidades do novo suporte (interatividade, multimídia), mas mantém o texto como centro da narrativa, aliando ao texto a contação de história, tão importante para crianças em idade pré-escolar.

Já na primeira página percebemos que a ilustração é animada, então primeiro temos uma animação elaborada até que a cena congela e surge o texto (em inglês, naturalmente). Então, a primeira surpresa: o texto é lido por um narrador, enquanto as palavras que estão sendo lidas vão sendo destacadas. No menu de opções, o usuário descobrirá que ele pode gravar sua própria voz contando a história (aí na língua e da forma que desejar) e depois dar o iPad para seu filho, sobrinho ou aluno ouvir a história salva na sua versão.

Além do texto, algumas páginas, quando congeladas, trazem um ponto indicando a possibilidade de clique, e se o usuário clicar ouvirá vozes ou som das personagens, coisas complementares, mas não necessárias à história. Além disso, no topo ele encontrará um ícone, e clicando ali será remetido a uma ilustração para ser colorida. Com o passar das páginas, descobriremos que além dos desenhos para colorir também há ícones para jogos (com três níveis de dificuldade distintos) e músicas (exibidas em formato de clipe, com a letra sendo destacada, o que ajuda muito para quem está aprendendo inglês). É interessante notar, porém, que nem todas as páginas têm esses ícones extras, e eles não se repetem na mesma página, o que de certa forma não sobrecarrega o leitor, desviando sua atenção da história que está sendo contada.

Abaixo da tela há um simpático Mickey lendo um livro, como se fosse o leitor, e clicando sobre ele o usuário ativa um menu com diversas opções, como pular de página, mudar a forma como as páginas são passadas (há inclusive a opção de virar a página automaticamente), ouvir ou não o narrador, gravar sua própria narração, tutorial, acesso direto aos jogos, às pinturas e às músicas.

O vídeo abaixo mostra algumas dessas funcionalidades:



A história em si, e não poderíamos nos furtar de comentá-la, repete o que já vimos nas versões cinematográficas de Toy Story, mas é interessante notar como o texto conduz a narrativa e como os jogos e animações tornam-se complementares ao envolvimento com a história, cumprindo um papel que a ilustração e, em alguns casos, a contação de histórias já tem feito.

Naturalmente, num primeiro momento ficaremos embasbacados e daremos a Toy Story o epíteto de revolução na literatura, papel que hoje atribuímos a Dom Quixote no que tange ao romance ou a Edgar Allan Poe em relação ao conto. Mas será que estamos diante de uma revolução ou a literatura, em especial a infanto-juvenil, já vem aos poucos ampliando sobremaneira sua linguagem, aliando ao texto ilustrações, diagramações, por vezes até formatos de livro diferenciados? Isso sem falar nas contações de história, nos livros com CD de música, nos livros que trazem senha de acesso a jogos on-line, nos livros-brinquedo etc.

Por outro lado, muitos dirão que Toy Story não pode ser confundido com literatura, que esse aplicativo é algo mais próximo ao cinema do que à literatura e que o rótulo de livro digital não seria adequado a ele. Mas o que pode ser considerado livro, então? Apenas os códices em papel, ainda que coloridos, de capa dura, fartamente ilustrados?

Entre a euforia e o descaso, para mim esta versão de Toy Story tornou-se um paradigma das possibilidades do livro digital e da literatura nesse contexto, evidenciando que o texto pode, sim, ser protagonista para contar uma história, e muitos leitores, crianças ou adultos irão preferir conduzir a história no seu ritmo da leitura a assistir desenhos animados num ritmo pré-determinado pelo diretor. Em Toy Story, um universo ficcional é construído e explorado nas suas mais variadas formas, da música aos jogos, da animação ao texto, e embora o texto perca, nessa nova era, seu status privilegiado e quase monopolista, ele segue sendo fundamental para a construção narrativa, para o ritmo, para costurar toda a gama multimídia de possibilidades numa história una e integrada.

Evidentemente o mesmo leitor que se deixa encantar por essa versão de livro digital de Toy Story continuará indo ao cinema assistir suas animações e buscando livros tradicionais para ler, sejam eles da prateleira ou de dentro do próprio iPad. Basta olharmos para um exemplo desses para percebermos que o livro como hoje conhecemos não vai acabar, porque o livro digital é diferente do livro impresso e, assim como cinema, teatro e televisão convivem há mais de meio século, os formatos distintos de livro podem coexistir por muitos e muitos anos, um crescendo, aprendendo e se reinventando com o outro.

Talvez o aspecto mais preocupante, aí, sim, seja a complexidade para se desenvolver um aplicativo como esse livro digital e a necessidade de um alto investimento financeiro. Não por acaso este Toy Story é assinado pela Disney (há, também, uma versão digital de Aventuras de Narizinho feita pela Globo Livros). Também é discutível se os leitores de um livro digital multimídia e interativo serão leitores, depois, de livros tradicionais, não multimídia nem interativos.

De qualquer forma, e isso me parece agora o mais importante, a leitura não está ameaçada, e assim a literatura também irá sobreviver a este e novos séculos, a esta e novas invenções. Reinventada, talvez, em novo suporte, decerto, mas permanecerá encantando, representando e revolucionando seu tempo.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 28/1/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palácio dos sabores 3/5 de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/1/2011
03h24min
Tenho ido mais além e defendido que isso que roda nos dispositivos atuais não é livro, é outra coisa. A metáfora do livro tem atrapalhado bastante. Não roda como livro, não é feito como livro (exceto pelo texto), não é comprado nem experimentado como livro. Por que não pode ser outra coisa?
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Travessia 395
William P. Young
Arqueiro
(2012)



Livro Biografias Não Há Silêncio Que Não Termine Meus Anos de Cativeiro na Selva Colombiana
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Comer, Rezar, Amar
Elizabeth Gilbert
Objetiva
(2008)



A Tres a Gente Sempre Sabe da Verdade e Salve o Casamento
Vand Grand
Oriom
(2008)



Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
IJb



Um Acordo de Cavalheiros
Lucy Vargas
Bertrand Brasil
(2017)



Imaginação Criadora
Roy Eugene Davis
Seicho no Ie
(1978)



Efeito Borboleta -um Simples Gesto, um Mundo de Diferença
Glenn Packiam
Garimpo
(2010)



As 5 Coisas Que Não Podemos Mudar
David Richo
Arx
(2006)



Um Sábado que Não Existiu
Renato Modernell
Mackenzie





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês