A História de Alice no País das Maravilhas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
>>> Os gatos, as bibliotecas e a literatura
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2006)
>>> Vença o Tigre de Jim Lawless pela Best Business (2015)
>>> Exclusivo - Confissões - Vol 4 de Kate Brian pela Galera Record (2013)
>>> Eu, Brasileiro, Confesso Minha Culpa e Meu Pecado de Frederico Oliveira Coelho pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Idéias Próprias de Cordelia Fine pela Difel (2008)
>>> Rim por Rim de Julio Ludemir pela Record (2008)
>>> O Líder Em Você de Michael A. Crom, Stuart R. Levine pela Best Seller (2010)
>>> No Começo Eram os Deuses de Jean Bottero pela Civilização Brasileira (2011)
>>> Minha Guerra Alheia de Marina Colasanti pela Record (2010)
>>> Sociedade Secreta - Escolhas de Formatura - Vol 4 de Diana Peterfreund pela Galera Record (2012)
>>> A Legitimidade e Outras Questões Internacionais de Gelson Fonseca Junior pela Paz & Terra (2005)
>>> Encurtando a Adolescência de Tania Zagury pela Record (1999)
>>> Acenos e Afagos de João Gilberto Noll pela Record (2008)
>>> O Fio da Palavra de Gavin Menzies pela Galera Record (2012)
>>> Vovó Benuta de Sonia Rosa pela Galera (2012)
>>> Horizonte Azul de Wilbur Smith pela Record (2006)
>>> Reencontros de Linda Howard pela Bertrand Brasil (2006)
>>> Odd Thomas de Dean Koontz pela Record (2009)
>>> Um Toque na Estrela de Benoite Groult pela Record (2008)
>>> O Fim do Verão de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (2002)
>>> Diferente - Quando a Exceção Dita a Regra de Youngme Moon pela Best Business (2011)
>>> A Máquina de Alicia Klein pela Best Seller (2008)
>>> Yoga Anatomy - Em Ingles - Esoterico de Leslie Kaminoff e Amy Matthews pela Human Kinetics (2012)
>>> Luz Sobre Yoga Yoga Dipika - Esoterico de B.K.S. Iyengar pela Integral (2016)
>>> Asana Pranayama Mudra Bandha - Esoterico de Swami Satyananda Saraswati pela satyananda Yoga Center (2009)
>>> Autoperfeição Com Hatha Yoga - Um classico sobre saude e qualidade de vida - Esoterico de Hermogenes pela Best Seller (2017)
>>> Anatomy Of Hatha Yoga - Em Ingles - Esoterico de H.David Coulter pela Body & Breath (2001)
>>> Só Tem Insônia Quem Quer de Celso Rausch pela Matrix (2009)
>>> Educando no Século XXI: Protagonismo Responsabilidade Social Formação de Esther Carvalho pela Cla (2017)
>>> Corpo Sem Idade, Mente Sem Fronteiras de Deepak Chopra pela Rocco (1994)
>>> Versos e Alguma prosa de Luís de Camões de Luis de camões pela Moraes (1977)
>>> Um Dono Para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1985)
>>> Um Dono Para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1985)
>>> Os Telecaramujos de Maria Heloisa Penteado pela FTd (1991)
>>> Bom Remédio de Tatiana Belinky pela Ediouro (1995)
>>> Rúdin de Ivan S. Turgueniev pela Global (1983)
>>> Livro Quem convece Enriquece de Napoleon Hll pela Cdg (2021)
>>> Livro Quem pensa enriquece de Napoleon hill pela Cdg (2021)
>>> FLAGRANTES - Poemas em Busca de um Alvo de Rosivaldo do Nascimento pela Artner (2020)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Edit. Nacional (1976)
>>> A Gorda e a Volta por Cima de Carlos Heitor Cony pela Ediouro
>>> Matemática Aula Por Aula 2° Série Ensino Médio. de Benigno Barreto Filho - Cláudio Xavier da Silva pela Ftd (2005)
>>> Quarto de despejo de Carolina Maria De Jesus pela Atica (2001)
>>> Che guevara por ele mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2005)
>>> O amor me trouxe de volta de Carol Bowman; Simone Lemberg Reisner pela Sextante (2010)
>>> Ramsés - a Batalha de Kadesh (vol. 3) de Christian Jacq pela Bertrand (1999)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2008)
>>> O Físico - a Epopéia de um Médico Medieval de Noah Gordon pela Rocco (1988)
>>> A Dama Azul de Planeta do Brasil pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 9 de Yu Kuraishi pela Jbc (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/7/2011
A História de Alice no País das Maravilhas
Marcelo Spalding

+ de 6500 Acessos

Esses dias estava perambulando pela Livraria Saraiva, aqui em Porto Alegre, quando encontrei o belo livro Contos que a Vovó Lê Pra Mim, da Disney. O livro, de 2009, tem 320 páginas e custa R$ 59,00. A edição tem as bordas douradas e traz na capa inconfundíveis personagens ilustrados no traço da Disney, como Dumbo, Pequena Sereia, Nemo e Bambi. Abri o exemplar e, primeiro, me surpreendi com a mistura de histórias, pois temos desde clássicos como Branca de Neve até histórias contemporâneas como Rei Leão e Toy Story. Até aí, tudo bem, sinal dos tempos. O que me surpreendeu e provocou esta resenha foi chegar na página de Alice no País das Maravilhas e perceber que não havia nenhuma referência ao nome de Carroll, o autor do livro! Procurei nas páginas iniciais, nas finais, no rodapé, mas nada, Alice no País das Maravilhas estava ali incorporado como um conto clássico, sem autoria, apenas a menção do nome de quem o adaptou.

Curioso, fui até a seção de livros infantis e reparei que há outros casos em que o livro Alice no País das Maravilhas não traz referência ao autor, como na Coleção "Livros Sonoros de Contos Clássicos", da Editora Ciranda Cultural. Aqui a história de Carroll é reduzida a seis páginas, com ilustrações de tela inteira e o texto, em caixa alta, resumido em um parágrafo. O grande diferencial é que o "leitor", clicando em botões na lateral do livro, poderá ouvir a narração da história.

Sei que Barthes já escreveu sobre a morte do autor em meados do século passado, que muito se tem discutido sobre Creative Commons nessa era digital, mas a mim pareceu que omitir a autoria de um romance como Alice é criminoso, algo como adaptar Hamlet sem citar Shakespeare (ainda que haja dúvidas sobre a existência real de Shakespeare) ou adaptar Dom Quixote sem mencionar Cervantes. Não são edições amadoras, são edições de grandes grupos editoriais vendidas em uma mega-livraria com ação em Bolsa de Valores, e ainda que a omissão da autoria original esteja protegida pela lei, já que o texto caiu em domínio público, atribuo esse descaso ao fato de tratar-se de literatura infanto-juvenil, pois desafio alguém a encontrar edição de Hamlet sem menção a Shakespeare e de Quixote sem o nome de Cervantes.

Alice no País das Maravilhas (em inglês, Alice's Adventures in Wonderland, frequentemente abreviado para Alice in Wonderland) foi publicado em 4 de julho de 1865 por Lewis Carroll, pseudônimo de Charles Lutwidge Dodgson, com ilustrações de John Tenniel. Carroll, segundo o polêmico e exigente crítico norte-americano Harold Bloom, foi o grande mestre da literatura fantástica (ou de fantasia).

A estória (como diria Guimarães Rosa) surgiu em 1862, num passeio de barco pelo rio Tâmisa, quando Charles Dodgson a conta de improviso para entreter as irmãs Lorina, Edith e Alice Liddell. Dois anos mais tarde, Dodgson presenteia Alice com o manuscrito Alice Debaixo da Terra (em inglês, Alice Adventures Under Ground), manuscrito que continha 37 ilustrações feitas pelo próprio autor.

Anos mais tarde, em 1886, este manuscrito seria publicado e hoje está disponível na internet em http://www.gutenberg.org/files/19002/19002-h/19002-h.htm. A edição é primorosa, pois revela todo o trabalho manual de redação e ilustração das páginas. Ao final, há uma fotografia da menina Alice Liddell e um posfacio de Charles Dodgson em que diz jamais ter pensado na publicação do livro quando o escreveu, mas que o incentivo dos amigos para publicá-lo foi de grande valia, em especial pela alegria que o livro leva às crianças, mesmo que doentes. Ele reproduz, inclusive, uma carta que inicia assim: "Gostaria que você enviasse uma felicitação de Páscoa para uma criança muito querida que está morrendo em nossa casa. Ela está enfraquecendo, e Alice iluminou algumas das desgastantes horas de sua doença. Sei que sua carta seria um deleite para ela, especialmente se você escrever 'Minnie' no cabeçalho".

Para a publicação do livro, em 1865, Dodgson ampliou a história de seu manuscrito, mudou o título para o que hoje conhecemos e trocou seus desenhos pelas 42 ilustrações enviadas por John Tenniel. O trabalho completo pode ser acessado em http://ebooks.adelaide.edu.au/c/carroll/lewis/alice/ num e-book produzido pela Universidade de Adelaide. Anos mais tarde, em 1871, Dodgson publica, novamente sob o pseudônimo de Carroll, Alice Através do Espelho e o que encontrou por lá (em inglês, Through the Looking-Glass and What Alice Found There).

Consta que Alice no País das Maravilhas tornou-se mais popular apenas depois do lançamento de sua continuação, que teria vendido mais que o primeiro, mas chama atenção a rapidez com que o livro foi traduzido pela Europa: em 1869 foram lançadas traduções em alemão e francês; em 1870, em sueco; em 1872, em italiano. No Brasil, a primeira tradução é de Monteiro Lobato, publicada em 1938. O prefácio de Lobato para a edição, aliás, é muito curioso: "(.) Ficou famoso o livro entre os povos de língua inglesa. Foi traduzido por toda a parte. Seu autor imortalizou-se. Hoje aparecem em português. Traduzir é sempre difícil. Traduzir uma obra como a de Lewis Carrol, mais que difícil, é dificílimo. Trata-se do sonho duma menina travessa - sonho em inglês, de coisas inglesas, com palavras, referências, citações, alusões, versos, humorismo, trocadilhos, tudo inglês, - isto é, especial, feito exclusivamente para a mentalidade dos inglesinhos".

Dodgson ainda publicaria, em 1890, The Nursery "Alice", uma adaptação feita por ele próprio com vinte das ilustrações originais de Tenniel, coloridas e ampliadas, e uma nova capa ilustrada por E. Gertrude Thomson. No prefácio dirigido a "qualquer mãe", Dodgson afirma ter razões para acreditar que "Alice no País das Maravilhas tem sido lido por centenas de crianças inglesas, entre cinco e quinze, também por crianças entre quinze e vinte e cinco, e ainda por crianças entre vinte e cinco e trinta e cinto (.) Minha ambição agora é ser lido por crianças de zero a cinco". A edição está disponível na web em http://www.aliang.net/literature/the_nursery_alice/.

Em 1898, aos 65 anos, Charles Lutwidge Dodgson, ou simplesmente Lewis Carroll, morre na casa de sua irmã, em Londres. Provavelmente sem imaginar que cinco anos depois seria produzido o primeiro filme baseado em Alice, que cinquenta anos depois seria lançada a primeira animação de Alice, que dois anos depois uma empresa que sequer existia quando do seu falecimento, a Disney, levaria a história para todos os lares, que mais de cem anos após sua morte um grande diretor de Hollywood faria uma versão em 3D de sua história e que centenas de adaptações e versões seriam escritas e publicadas, algumas sequer mencionando seu nome.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 29/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
03. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
04. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
05. A vida se elabora no Ano Novo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2011
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo - 25/2/2011
02. História da leitura (II): o códice medieval - 18/3/2011
03. História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg - 1/4/2011
04. O certo e o errado no ensino da Língua Portuguesa - 3/6/2011
05. A revista Veredas e os mil minicontos - 23/9/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Marana Pabeima Guerra Infinita
Arlindo Freire
Maninbu
(2013)
R$ 50,00



ensaios de philosophia do direito autografado
josé mendes
nd
(1905)
R$ 218,00



Cliente Nunca Mais! 500 Dicas para Irritar Ou Perder Clientes...
Sérgio Almeida
Casa da Qualidade
(1994)
R$ 10,00



Hot Wheels Atividades Radicais - Livro de Colorir e de Atividades
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2016)
R$ 11,52



Os Maus Repazes de Bagdad, Diário de Guerra
Alfonso Rojo
Inquérito
(1991)
R$ 18,00



Pirâmdes, Esfinges e Faraós - Coelção Descoberta do Mundo
Kurt Lange
Itatiaia
(1964)
R$ 20,00



As Histórias de Ana e Ivan - Boas Experiências Em Liberdade Assistida
Maria de Lourdes Trassi Teixeira
Fundação Abrinq
(2006)
R$ 10,00



Sistemas Agroflorestais no Semiárido Brasileiro...
André L. R. Gonçalves
Sabiá
(2016)
R$ 13,00



Sketcbook
Will Conrad
Criativo
(2013)
R$ 40,00



A família de que se fala E a família de que se sofre (O livro negro da família, do amor e do sexo) José Angelo Gaiarsa (Psicologia, comportamento)
José Angelo Gaiarsa
Ágora
(1986)
R$ 10,00





busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês