Aos assessores, divulgadores, amigos até, e afins | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/12/2005
Aos assessores, divulgadores, amigos até, e afins
Julio Daio Borges
+ de 7100 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Houve uma época - numa galáxia bem distante -, quando o Digestivo começou, em que eu ia atrás de cada assunto e processava cada coisa no meu próprio ritmo. Era assim: eu me propunha a escrever sobre cada um dos dez temas dos "Digestivos" alternadamente e ia pensando nas pautas conforme o que eu assistia no cinema, conforme os CDs que eu ouvia no carro, conforme os livros que eu lia, as exposições que eu visitava, as peças que eu via... Meu compromisso não era com ninguém; era apenas comigo. Eu percorria os jornais, folheava as revistas e seguia o meu feeling. Era absolutamente pessoal, orientado, claro, pelo que a mídia publicava - ou seja: fora o que já vinha mastigado das publicações, ninguém intervinha. Eu não era ninguém, eu não era ainda nada, como eu já disse, eu fazia aquilo a troco de banana - mas, em termos de liberdade, era um tempo bom. Bem bom.

Hoje...

Mas, antes, talvez eu devesse contar como o mundo mudou. Como foi mudando... Você começa a desenvolver um trabalho (está batida essa expressão), o negócio passa a ter alguma visibilidade e, no meio jornalístico, as assessorias de imprensa começam a te mapear, a te localizar, a te assediar... É muito sutil, no início, com um ou outro e-mail, com um ou outro telefonema e termina com ameaças verbais do tipo: "Eu quero uma nota sobre isso"; "Vocês não vão falar nada a respeito?"; "Mas a mídia inteira está dando... Vocês não vão dar? Como assim?".

A culpa é minha. Em 2002, quando o Digestivo não era muito conhecido, o Sérgio Augusto foi lá e falou do site na Carta Capital, e eu, Julio, aproveitando o gancho, liguei para as assessorias que me interessavam, para receber material, principalmente editoras, sendo a Record a primeira a confiar e a enviar. O Grupo Record. Era legal... Nós estávamos "de bobeira mesmo", eu tinha um Colunista literário infatigável, o Ricardo de Mattos, e nós nos esbaldamos com os títulos da José Olympio e da Civilização Brasileira. Os assessores eram atenciosos, gostavam do que escrevíamos, não "regulavam" nada e também não cobravam muito - davam liberdade. Tempinho bom...

Acontece que o reconhecimento é uma coisa estranha, ele não vem gradualmente, ele vem aos trancos. Você dorme anônimo como qualquer mortal e, no dia seguinte, acorda pisando na calçada da fama. Não que alguém do Digestivo tenha chegado a algum desses dois pontos, estou só exemplificando... O que eu quero dizer é que se até ontem você estava administrando racionalmente o assédio das assessorias e os pedidos das pessoas, no dia seguinte são tantos contatos, são tantos telefonemas, são tantas mensagens de manhã na sua caixa postal que, quando você vai ver, você já perdeu o controle... E eu me vejo obrigado a falar "não", ou a fugir às vezes, ou a deixar passar - o que é uma coisa horrorosa, extremamente condenável (até falta de educação) -, mas o limite, como sabemos, é humano; e nós, seres humanos, falhamos. (Não preciso fazer, aqui, a citação.)

Eu comecei com o coração aberto na causa da cultura, respondendo a todo mundo, atendendo a todo tipo de pessoa, dando o devido retorno. Me chamavam... eu ia; a não ser que soubesse, de antemão, que era "uma bomba". Não tinha grandes preconceitos, estava descobrindo o mundo: cabines de imprensa, aberturas de exposição, degustações em restaurantes, noites de autógrafo, pré-estréias em teatro, ensaio geral de show - até por curiosidade, até pra saber do que se tratava, até pra aprender a fazer o trabalho. E as pessoas, claro, me amavam... Me conheciam, me reconheciam, me cumprimentavam. Me ligavam na véspera, me avisavam em cima da hora... Eu dava um jeito, eu chegava. Eu gostava. Era bom... Como eu disse, era administrável.

Então eu ia numa coisa, me chamavam pra outra. E para outra, tempos depois. E outra, e outra... E o amigo, e o primo daquele assessor... "Um colega meu, lembra dele?, o fulano - pois é, o fulano! -, o fulano está com um espetáculo maravilhoso, ele está lançando um CD, virou escritor...!" "Estou te mandando, você vai?, quer que eu te deixe na porta?, você vai dar uma nota, não pode dar agora?" Então você sente às vezes uma vertigem; você está dirigindo o seu carro e a sua cabeça, de repente, começa a rodar e a rodar (engraçado...); você está num lugar e, ao mesmo tempo, sua cabeça está em outro. Aqueles músicos que você adora, aquela peça que prometia desde o cartaz, o restaurante que tinha te impressionado tanto... É uma coisa atrás da outra; você só consegue ver a sua agenda sempre lotada, cheia de compromissos que você quer riscar. E você já prometeu textos a Deus e o mundo... Que horas, enfim, vai sentar pra trabalhar?

É uma questão. É uma questão que se coloca... E eu estou escrevendo isto por causa dessa questão. De uma hora pra outra, os eventos tomam uma proporção, os lançamentos, outra... - e nós somos humanos, demasiadamente humanos... O Julio, súbito, não vai mais... como antes. Ou até vai. Ou até poderia fazer como os colunistas de jornal - que você passa a mão na frente do rosto e eles nem piscam o olho, de tão ausentes, de tão fantasmagóricos. Processam a informação como Charles Chaplin apertou porcas em Tempos Modernos. Não pensam mais, apenas "estão lá". Almoçam releases e jantam assessoras. Perderam a capacidade de julgamento. São autômatos. "Olha, fulano!, eu quero que você sente aí e escreva tal coisa". No dia seguinte, você abre o jornal e está lá.

Então eu penso qual é sentido disso tudo. Eu nunca quis ser "o colunista" Fulano de Tal. Colunável? Tanto pior. Claro que eu queria receber as coisas, ganhar os ingressos, ter entradas grátis... é o meu trabalho! Mas se começa a escravizar, eu pulo fora. Não vou me vender por tão pouco. Vocês me desculpem. Os amigos, também, me desculpem: se vocês lançam um livro, e eu não vou; se vocês dão um show, e eu não vou; se vocês estréiam uma peça, se vocês inauguram uma exposição... De repente, eu sou humano, eu não vou. Até fisicamente: eu não posso estar em todos os lugares! Eu não quero estar. Ser onisciente, onipresente. Onipotente, tanto pior. Como disse - e repito -, quero errar um pouco. Quero falhar. Quero não ir. Quero perder alguma coisa. Quero, também, ser injusto com alguma pessoa. Posso? Só um pouco?

Não era para ser, assim, tããão dramático... Agora eu entendo as pessoas que não estão em todas; que não estão por dentro de todas as coisas. Não dá pra estar. E eu também tenho os meus assessores. Eu lutei muito tempo na frente de batalha, no battle field - como eu gosto de falar -, e é chegada a hora de ter pessoas de minha confiança lá, no front. Elas saberão me informar. Elas vão me contar. Vocês podem confiar... Se for o caso, eu mesmo vou. Eu dou as caras. Eu gosto de me misturar. Sentir qual é. Farejar a coisa. Como dizia o Nélson Rodrigues: apalpá-la. Comigo não tem frescura, vocês sabem. Não me envergonho de fazer o trabalho. Fiz muito tempo... Ocorre que uma retirada estratégica, às vezes, se faz necessária.

Logo, não reparem se o Julio nem sempre está. Se o Julio pula aquele evento da sua vida. O Julio tem outros dez na mesma semana. (Outros dez que talvez, também, vai pular...) É porque eu acho que quem produz tem de preservar sua essência. E sua essência não se conserva se você está em todo lugar... Pelo contrário, como um perfume, sua essência se evapora, enquanto você entretém o nariz das pessoas (dos farejadores...). É uma coisa que não ensinaram às celebridades. Aos "artistas" tão desgastados quanto as notas de um real. Abrilhantar as iniciativas dos outros é uma coisa; apagar-se por dentro, é outra - mas, muitas vezes, numa linha reta, numa cadeia sucessória, elas podem se encontrar...

Assessor, divulgador, amigo até, não repare se eu não for, tá? Porque se você também não for, eu prometo não reparar.

Nota do Editor
Leia mais em "Nós - os jornalistas de alma vendida".


Julio Daio Borges
São Paulo, 16/12/2005

Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/12/2005
07h41min
O Digestivo é para nós um periscópio. Periscópio diferente, talentoso que dá uma visão diferente das coisas, descomprometida, com um giro possível de trezentos e sessenta graus. Os demais existentes têm ângulos limitados ou já conhecidos, recorrentes. O talento está na escolha. Escolher aquilo em que o tempo limitado de todos deve ser investido, enriquecido. Ler sobre os grandes eventos comentados por todos é uma repetição e só é válida se for uma mentira. Ler sobre alguns eventos, escolhidos por algum critério (que chamei de talento) é outra coisa. Essa "coisa" que nos faz leitores fiéis. Quanto mais acertada a escolha mais crescerá a legião de leitores. Todos nós esperamos por isso. Todos nós compreenderemos as dificuldades de tempo e de escolha, pois também temos as nossas.
[Leia outros Comentários de Erwin]
16/12/2005
12h07min
Meu amigo Julião: o processo evolutivo em todas as atividades empresariais faz com que o tempo seja cada vez mais escasso, para tudo. A chave é saber escolher (nem sempre priorizar) aquilo que você está a fim em determinado momento e, fundamentalmente, saber delegar. Esse último constiui no momento o seu maior desafio. Grande abraço, Fê
[Leia outros Comentários de Alfredo A. de Mello]
16/12/2005
12h22min
Prezado Julio, respeito muito seu trabalho e acho o "Digestivo" extremamente interessante. Mas não acha que você se auto-vangloria demais? Explico: nunca vi um webmaster que se jogasse tanto confete, numa egotrip interminável. Nem Walt Disney, Mauricio de Souza, Roberto Marinho (enfim, grandes empreendedores culturais) ficavam texto sim, texto não, falando de suas vitórias, de como tudo era antes e como tudo ficou depois que sua genialidade... blablabla'. Cuidado, você está ficando chato.
[Leia outros Comentários de José Otávio]
16/12/2005
13h23min
"José Otávio" (#3): eu agradeço os toques e acho que você tem até razão. Acontece que eu me baseio em duas premissas básicas: 1) Que a experiência do Digestivo pode interessar a outras pessoas, na internet; 2) Que a história do Digestivo, infelizmente, e por muito tempo, se confunde com a minha própria história. Assim: é inevitável que eu fale do site e é inevitável que, ao falar dele, eu fale de mim mesmo. Agora, com a entrada do Fabio, e com as tarefas que eu vou passando adiante (conforme aconselhou meu amigo Alfredo, #2), a história do Digestivo, quem sabe, fique menos ligada ao meu histórico pessoal... Por último, acho que a nossa geração, a da internet, não escapa nunca do tom pessoal. É a nossa sina; é a nossa maldição. Quem não gostar, que mude de planeta; ou então, que abra um blog...! Obrigado pelo seu Comentário, abraço forte, Julio (P.S. – Ah, e da próxima vez, use um e-mail verdadeiro e assine o seu próprio nome.)
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
16/12/2005
17h10min
Sabe quando vai-se a um espetáculo de dança acha-se tudo uma maravilha e, após, na ida aos camarins encontra-se a bailarina principal aos prantos pois errou vergonhosamente aquele apoio do pé em que não podia ter usado o dedo mindinho? Sabe aquele guitarrista de jazz que se acha um lixo porque tocou meia nota fora da escala e a galera nem notou, e ovacionou alucinada?! Pois é, é uma preocupação artística quase intolerável com sua obra e sua performance. Pois é, eu sou da galera, e o Digestivo continua "ducaraio". Falô?!
[Leia outros Comentários de Jacques Salvador]
18/12/2005
13h07min
Faço parte dos primórdios do DC. Quer dizer, do fundão dos primórdios do DC, como disse o Jacques. Curioso como o discurso do Julio soa como se saído das minhas próprias entranhas, visto que me vejo como co-fundador do DC, pois sou leitor das primeiras linhas digestivas. E não se preocupe se você não me ver por algum evento do DC. Eu não também não me preocuparei se acaso não o ver no lançamento de minhas entranhas líricas nalgum momento entre o pôr do sol e o ofuscar dos tempos imemoriais. A única forma de me fazer presente é nos comentários. Mas sou real. E isso me basta, assim como basta ao DC ser o que ele é: real, não necessariamente polêmico, mas essencial.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
18/12/2005
16h37min
A questão é: "profissionalizar" (frio, impessoal, buracrático) ou fazer do que jeito que se acha melhor? Cheguei a concordar com o "anônimo" aí, de que há autobiografia nisto, mas depois pensei no blog, mais do que na "empresa especializada em mídia". Sabe, algo bem da internet, sem fórmula. Senão, isso aqui vira mero divulgador de release. O problema mesmo é o dinheiro, não adianta... quando um está aparecendo mais que outro, fica aquela disputa, isso em qualquer segmento jornalístico (até o buraco da rua). Uma coisa é a cultura, a "aura", outra é o mercado cultural, que mostra suas garras como qualquer segmento. Talvez falte foco na crítica mesmo (ser maduro e sincero), mais do que "divulgação" (ser queridinho)... Na tentativa de abranger demais, complica. Mas se você ouvir todas as sugestões, também vira bagunça. Isto não lembra subir e descer a montanha de tempos em tempos?... Um abraço.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
4/1/2007
19h29min
Julio, vc definiu com maestria essa relação ambivalente entre veículo/produtor de conteúdo e as fontes/assessorias. Melhor impossível. Abraço, Patrícia
[Leia outros Comentários de Pati Rabelo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(1978)



Livro Esoterismo Planets in Aspect Understanding Your Inner Dynamics
Robert Pelletier
Whitford Press
(1974)



Os Três Anos de Vigência do Novo Código de Processo Civíl
Mattos Filho
Do Autor
(2019)



The Burnt House
Faye Kellerman
Harper
(2007)



Mistério e magia do amor
Krishan Chopra
Larousse
(2008)



Comunicação/incomunicação no Brasil
José Marques de Melo
Loyola
(1976)



Livro História do Brasil Pesquisas e Depoimentos para a História Reconquista do Brasil Nova Série Volume 60
Tobias Monteiro
Itatiaia
(1982)



Tudo aquilo que nunca foi dito
Marc Levy
Suma
(2008)



Perfis Problemas na Literatura Brasileira
Eduardo Portella e Outros
Tempo Brasileiro
(1985)



Livro Infanto Juvenis
Júlio Verne
Ftd
(2007)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês