País pequeno, inferno grande | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/8/2008
País pequeno, inferno grande
Adriana Baggio

+ de 5900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A noite de sábado estava quente, considerando que era julho em Montevidéu. O clima cálido foi uma surpresa para quem encheu a mala de casacos de lã e cachecóis, esperando até, quem sabe, ver neve. Zanzando de carro pelas ruas do bairro chique de Punta Carretas, escolhemos o El Tigre pela cara e pelas mesinhas na calçada, todas cheias.

Nesta parte de fora, muitos jovens. Apesar da temperatura alta, melhor entrar. Curitibana calejada sabe que a noite esfria e o vento gela a comida. Descobri que uma dúzia de senhoras entre 60 e 70 anos também pensava como eu e preferia o interior do lugar. Não era nenhum aniversário do clube de canastra ou reunião da terceira idade. Elas estavam em mesas separadas e, aparentemente, não se conheciam. Eram mulheres mais velhas, talvez viúvas, talvez divorciadas, saindo sábado à noite para tomar um vinho e saborear uma carne na parrilla. Coisa rara de se ver no Brasil.

Qualquer bar ou restaurante em Montevidéu tem sua parrilla, seja grande ou pequena. Neste tipo de churrasqueira, as carnes assam em uma grelha inclinada, somente com o carvão em brasa abaixo delas. O carvão pegando fogo fica em um compartimento separado, e as pedras são levadas pouco a pouco para baixo da grelha.

Dentre as delícias que podem ser feitas na parrilla, a mais tradicional é a parrillada, com miúdos de boi, lingüiças e embutidos. Mas também se preparam contra-filés, picanhas, frango e legumes. No El Tigre, além de um suculento e rosado pedaço de entrecôt (contra-filé), pedimos uma batata com queijo roquefort. Primeiro, a batata é assada inteira, envolta em papel alumínio. Depois de cortada ao meio e coberta com o roquefort, é colocada novamente na parrilla para gratinar. Salgada por conta do queijo, contrasta e combina com o filé assado sem sal, à moda do Uruguai e da Argentina. Não sei se pelo corte da carne ou pela forma de preparo, mas o tempero não faz nenhuma falta.

Levou algum tempo até a gente sentar e poder saborear esse jantar. O interior do bar também estava lotado e aguardamos a mesa no balcão. Escolhemos um vinho, que lá é muito mais acessível do que no Brasil. Assim como a parrilla, a carta de vinhos está disponível em todo tipo de lugar, dos mais simples aos mais sofisticados. A variedade de uva mais comum no país é a tannat. Os vinhedos se concentram no departamento de Canelones, uns 40 km ao norte de Montevidéu.


Estrada na região de Canelones: bonita e ótima de dirigir, como em todo o Uruguai.

Tínhamos visitado essa região um dia antes. Os mapas que recebemos na Aduana mostravam detalhadamente as cidades e seus atrativos turísticos. Em Canelones está a maior parte dos vinhedos de todo país, bem como a maior produção de frutas e hortaliças. É uma bela região, ainda bastante plana, mas onde já se observam discretas elevações de terreno. Me interessava visitar as vinícolas e conhecer o Museu da Água, localizado próximo a uma represa, na localidade de Água Corrientes.

Tomamos a Ruta 5, que liga Montevidéu ao norte do país, e seguimos rumo a Canelones. Na minha cabeça, imaginava encontrar belas e rústicas propriedades, algo entre a Toscana e a Borgonha, com uma pitada de Serra Gaúcha. Imaginava construções de pedra, quem sabe de madeira ou tijolinho à vista, com adegas escuras onde provaríamos o tannat e outras variedades. Imaginei também que tudo isso estaria concentrado em um mesmo lugar, uma bodega após a outra. Por isso, desdenhamos a entrada da vinícola Juanicó, na cidadezinha de mesmo nome, logo às margens da Ruta 5, apesar de já termos percebido que era a mais popular do país (todos os menus tinham uma propaganda dos vinhos Juanicó). Vamos até Canelones, o paraíso das bodegas!


Na beira da estrada, vinhedos, vinhedos e mais vinhedos.

Seguindo por estradinhas vicinais, fomos procurando as vinícolas indicadas no mapa. Meu sonho de Borgonha e Toscana azedou ao perceber que as vinícolas se parecem com outras fábricas quaisquer, com suas paredes brancas de alvenaria e tonéis de aço. Algumas até tinham um aspecto mais artesanal e romântico, mas ninguém parecia estar lá para receber os turistas brasileiros, inconvenientes no único carro a perturbar o sossego daquelas estradinhas na hora do almoço. Com certeza existem outros locais mais estruturados e que recebem visitantes, mas eles não estavam no nosso caminho. A decepção não parou por aí: o Museu de Águas Corrientes estava fechado e o segurança da propriedade não nos deixou nem ao menos descer do carro para tirar uma foto do edifício. Essa aí que vocês estão vendo é clandestina, tirada com o automóvel em movimento, já de saída.


O mais próximo que consegui chegar do Museu de Águas Corrientes.

Na volta a Montevidéu passamos ainda por Santa Lucía, à beira do rio de mesmo nome, e que teve o primeiro hotel turístico do país, o Biltmore, onde Gardel cantou para o Nacional del Uruguay (grande rival do Peñarol). Algumas belas e imponentes casas, de moradores ou de veraneio, não deixam duvidar do passado rico e glorioso dessa cidade, que agora é apenas mais um lugarejo pacato do interior.


A estação de trem ainda funciona, mas o Hotel Biltmore, bem em frente, estava fechado.

Ainda no caminho de volta, entramos em Sauce, onde nasceu o general Artigas, o herói da independência deles. Toda cidade do Uruguai tem uma rua, uma praça ou um busto do Artigas. Em Sauce, restam apenas ruínas da sua casa. E a gente, morrendo de fome, nem desceu para ver. Voltamos correndo para Montevidéu, pelas Rutas 6 e 7, e acabamos não visitando a bodega Juanicó.

Tudo isso era assunto de conversa durante a espera no balcão do El Tigre. Falávamos sobre a beleza dos parreirais de Canelones, elogiávamos as estradas maravilhosas e seguras do Uruguai, a organização do turismo no país, que nos permitia ter mapas e informações sobre qualquer cidade que desejássemos visitar. Admiramos também a devoção e o respeito ao General Artigas, comparado à relação que os brasileiros têm (têm?) com seus heróis.


A Plaza Independecia, bem no centro de Montevidéu, exibe uma grande estátua eqüestre de Artigas. Embaixo dela, uma escadaria leva a este monumento, onde estão guardadas as cinzas do general. Nas paredes, textos em relevo contam brevemente a trajetória do herói. É de arrepiar.

E como os uruguaios são muito simpáticos, o barman começou a conversar conosco. Compartilhamos com ele nossa admiração e encanto pela sua terra. E depois de algum tempo, ele soltou: "país chico, infierno grande".

O Uruguai tem pouco mais de 3 milhões de habitantes. Metade deles mora em Montevidéu, uma cidade linda, com 23 km de avenida urbanizada beirando o Rio da Prata, onde as pessoas correm, andam de bicicleta, passeiam com os cachorros, se reúnem com as famílias e, é claro, tomam seu indefectível chimarrão. Um pouco mais ao centro, porém, os imponentes prédios da Av. 18 de Julio revelam os efeitos de um país mal saído de uma grande crise. As construções permanecem inteiras, mas estão sujas de fuligem, conferindo um aspecto cinza ao centro da cidade. Nosso amigo barman diz que as feridas do tempo da ditadura ainda não estão fechadas, e muitos problemas permanecem escondidos debaixo do tapete.


Palacio Salvo, na Plaza da Independencia, construído entre 1922 e 1928, quando o país era conhecido como a Suíça da América do Sul.

Como qualquer grande cidade, Montevidéu também tem seus mendigos, suas favelas, seus problemas sociais. Eles estão mais visíveis a quem, como nós, andou de carro pelo país. Entramos e saímos diversas vezes da capital, ao visitar cidades próximas. E as periferias não têm nada do charme dos bairros às margens do Rio da Prata.


A avenida que beira do Rio da Prata, chamada de rambla, tem de tudo: calçadão, praças, parques, farol, pedras.

Deixar um pouco o roteiro e o estilo mais turístico de viajar permite um contato mais próximo com o país visitado, para o bem e para o mal. No nosso caso, 90% para o bem, e é por isso que eu voltei ao Brasil apaixonada pelo Uruguai. Quanto aos 10% restante... No domingo, dia seguinte ao El Tigre, pela manhã, fechamos a conta no Ibis e fomos visitar a feira de antigüidades e artesanato da rua Tristán Navarro, transversal da 18 de Julio, no centro da cidade. Estacionamos o carro uma quadra depois da feira, ao lado de uma loja de bebidas e doces finos. Saímos em busca de uma casa de câmbio aberta, não encontramos. Demos uma volta na feira e, sem pesos uruguaios para fazer compras, voltamos ao carro. Ele tinha sido arrombado e nos levaram uma bolsa de viagem e uma mochila com sapatos.

O dono da loja de bebidas foi extremamente gentil e nos levou à delegacia, voltando à pé as quase 10 quadras que nos separavam do seu trabalho. A polícia foi extremamente paciente (o portunhol serve para se comunicar bem no hotel, no restaurante, na loja, mas fora isso não é tão simples assim se fazer entender com exatidão) e, de posse do BO, seguimos os 180 km viagem até Colonia del Sacramento.

País pequeno, inferno grande. Pode ser que as coisas não sejam fáceis para os uruguaios. Eles tiveram um dos mais cruéis regimes ditatoriais da América do Sul, ainda relativamente recente. Não há uma economia expressiva no país, os carros são velhos, os prédios estão encardidos. Mas os homens são lindos, as pessoas são gentis, o pôr-do-sol no Rio da Prata é deslumbrante, a comida é ótima, a cerveja é de litro, o vinho é barato, as estradas são lisas e o país é perto, muito perto. Ele pode ser pequeno, mas desperta uma grande vontade de voltar.


Espetáculo de fim tarde, visto do Faro Punta Brava. Estrategicamente construído no ponto mais saliente da região, alterna luz branca e vermelha, para que os marinheiros o diferenciem de outros faróis, bóias e balizas que sinalizam a área.


Adriana Baggio
Curitiba, 1/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
02. Família e Maldade de Daniel Bushatsky
03. As manifestações sobre o transporte público em SP de André Simões
04. Baudelaire, um pária genial (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
05. O fantástico mundo de Roth de Daniel Lopes


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/8/2008
13h16min
Adriana, ano passado estive no Uruguai e as minhas impressões foram as mesmas. Homens lindos, mas com um olhar muito melancólico, um olhar bem triste na maioria da população. Gostei muito do seu texto, me fez voltar um pouquinho no tempo.
[Leia outros Comentários de Taís Kerche]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEWEY UM GATO ENTRE LIVROS - 2660
VICKI MYRON / BRETT WITTER
GLOBO
(2008)
R$ 8,00



MANUAL DE PERÍCIAS EM IMÓVEIS URBANOS -C/TABELA - 7661
JOSE FIKER
PINI
(2001)
R$ 55,00



SOMBRAS DA NOITE 1ª EDICAO
MARTIN DREWES
ADLER
(2002)
R$ 400,00



O LIVRO DE DADJER - O MENSAGEIRO DE ZARTARTRUNG - VOL. 1
APARECIDO DE SOUSA SOARES
ENCON
R$ 8,91



REVISTA ROCK BRIGADE ANO 14 Nº 111 OUTUBRO / 95
ANTONIO PIRANI EDITOR
ROCK BRIGADE
(1995)
R$ 7,00



NOVO BRINCANDO COM HISTÓRIA E GEOGRAFIA 3
JOANITA SOUZA
DO BRASIL
(2016)
R$ 14,00



MANUAL DE CONTABILIDADE DAS SOCIEDADES POR AÇÕES
SÉRGIO DE IUDÍCIBUS / ELISEU MARTINS / ERNESTO
ATLAS
(2000)
R$ 50,00



GERENCIAMENTO NA ENFERMAGEM - NOVAS PRÁTICAS
KÁTHIA DE CARVALHO CUNHA
MARTINARI
(2008)
R$ 20,00



LECOLE DES FEMMES A PETIT PRIX
MOLIÈRE
POCKET FRANCE
(2005)
R$ 11,00



EU PENSO A MINHA SAÚDE
ILSE CALEN
OBJETIVA
(1997)
R$ 7,80





busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês