2011 e meus álbuns | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
COLUNAS

Segunda-feira, 27/2/2012
2011 e meus álbuns
Rafael Fernandes

+ de 3500 Acessos


The Dear Hunter ― The Color Spectrum

The Dear Hunter faz um pop rock bem azeitado com influências de rock progressivo, mas sem passar do ponto. No ano passado, o grupo lançou uma série de nove EPs com quatro faixas cada, em que cada título tem o nome de uma cor. O nome do projeto é, claro, The Color Spectrum. As músicas tentam seguir o que as cores comunicam. O Yellow, por exemplo, é solar, de canções mais simples, com influência do pop mais alegre dos anos sessenta. O Orange segue a linha do Yellow, mas é musicalmente mais quente, pendendo mais para um rock setentista. Black procura caminhos mais obscuros, duros, com programação eletrônica e distorções cruas. Já Indigo opta por climas e texturas sonoras ― esses dois últimos estão entre os mais interessantes por procurarem caminhos musicais mais arrojados.




Mastodon ― The Hunter

Um dos discos mais aclamados pela crítica especializada, The Hunter é realmente muito bom. Apesar de não fazer nada absolutamente novo, o Mastodon se firma como uma banda de metal que pensa. Consegue mostrar algo de diferente, sem as sufocantes repetições do estilo. Os vocais tem a agressividade característica, mas sem os exageros, por exemplo, do metal extremo.The Hunter, aliás, apresenta vocais mais suavizados ― na medida do possivel ― e esse é um dos trunfos do disco. "Blasteroid" é uma boa amostra: musica empolgante com ótimo riff, mesclando vozes sujas com momentos mais próximos da melodia. "Stargasm" traz um começo viajante, com belos acordes. A música segue com uma pegada pesada para chegar no refrão arrebatador.




Animals As Leaders ― Weightless

Weightless é destinado a quem gosta de metal instrumental com guitarras virtuosas. Tosin Abasi, guitarrista e líder da banda, é um dos grandes destaques do instrumento nos últimos anos. Ele usa uma guitarra de oito cordas e, apesar de se valer de várias técnicas conhecidas no instrumento (arpejos, tappings, etc), seus arranjos e sonoridades trazem novidades. "An infinite regression", a abertura do disco, já começa diferente, enigmática. O começo de "Isolated incidents" tem um curioso jogo de guitarras que "duelam" nos canais esquerdo e direito. "Somnarium", com seu peso e ritmo quebrado, é uma boa amostra do disco. "Do not go gently" é outro destaque, com seus riffs ferozes. E "New eden" vai do peso e crueza iniciais até um belo final, de acorde limpos.




Björk ― Biophilia

Não vi como é o app para iPad de Biophilia, que promete uma nova forma de interagir com um álbum. Mas, na música, é mais um conjunto das idiossincrasias de Björk: experimentações sonoras, instrumentos nada usuais, melodias tortas. Ela desafia as formas mais tradicionais de se construir um arranjo. Não é um disco fácil. Há a união de vozes usadas em intervalos que causam, num primeiro momento, mais choque do que empatia. Björk é uma artista de verdade, que vai fundo em sua música, procurando ao mesmo tempo canções sensíveis e combinações de sons pouco ouvidas. Um exemplo é a abertura, "Moon", que à primeira audição pode soar levemente confusa. Mas à medida que vamos ouvindo repetidas vezes, a canção vai, de certa forma, se construindo em nossa mente, como um quebra cabeça. Quando completo, expõe um belo registro. Biophilia é um convite à audição atenta e repetitiva. Se bem absorvido é um álbum marcante.




Danilo Moraes ― Danilo Moraes e os Criados Mudos

Danilo Moraes lançou um disco muito bom e ― raridade hoje em dia ― bastante divertido, mas sem ser bobalhão. Nesse novo disco ele se firma como um compositor de personalidade. Um dos destaques do álbum é o formato trio da banda: guitarra (o próprio Danilo), baixo (Zé Nigro) e bateria (o sempre ótimo Guilherme Kastrup). Sim, tem uma camada adicional aqui e ali, mas são os três que seguram o disco todo. O registro traz parcerias de Danilo com artistas da nova geração, como Céu, Rodrigo Campos e Anelis Assumpção e também consagrados como Zeca Baleiro e Chico César. Nas letras, além do humor, aparecem boas observações sobre o cotidiano urbano. Tente resistir ao refrão de "Criado mudo", à sinuosidade de "Mulambento" ou à beleza de "Suprema flor".




Pain Of Salvation ― Road Salt Two

Road Salt Two continua a sonoridade do primeiro disco, lançado em 2010. É um Pain Of Salvation mais cru e direto, com muita influência do rock dos anos setenta. Pode ser um direcionamento controverso para os fãs, mas saudável: não dá para ficar sempre nos clichês do metal progressivo. Em várias passagens, o vocal de Daniel Gildenlöw está mais estridente do que nunca, o que pode desagradar a muitos. Um bom exemplo é "The deeper cut" em que, embora a voz apareça levemente exagerada, está bem colocada no contexto da música e, principalmente, da letra. Porém, na maior parte do tempo ele consegue equilibrar nas interpretações, como em "Softly she cries", uma das melhores dos dois discos.




Toninho Ferragutti e Bebê Kramer ― Como Manda o Figurino

Um disco só com dois acordeons poderia, honestamente, ser uma furada. Até por ser um instrumento muito maltratado pelos popularescos do momento. Mas a presença de Toninho Ferragutti anima. Seu disco Nem Sol Nem Lua, como escrevi aqui, é ótimo, de extremo bom gosto. E ele mantém o tom neste lançamento, em parceria com Bebê Kramer. A elegância é a regra. A dupla consegue ser precisa na colocação das melodias sem perder o virtuosismo. Mas nada é dado de graça, é um disco para ser ouvido com atenção. "Na sombra da Asa Branca" (Toninho Ferragutti) é uma daquelas músicas que prende a atenção de primeira. "Choro da madrugada" (Toninho Ferragutti) é linda; com menos de dois minutos, pede repetição. Bebê Kramer também se mostra compositor de respeito, como em "Choro Esperança" e "Outra valsa" (essa, em parceria com Guto Wirtti).




Lenine ― Chão

Os discos de Lenine sempre se sobressaem no quesito produção, com sonoridades diferenciadas. Esse Chão vai além e usa "barulhos" do dia a dia, como uma chaleira ou um passarinho, para compor os arranjos. O resultado é bom para quem gosta desses detalhes. Mas será que o público em geral vai absorver? De qualquer forma, não fica só nas minúcias dos sons. Há também ótimas músicas. Os riffs de "Se não for amor eu cegue" e "Envergo mas não quebro" tem o flerte com o rock, sempre presente nos discos de Lenine. "Uma canção e só" é uma das mais belas músicas que ele já escreveu. Tem um estilo mais próximo de uma canção "clássica" da música brasileira, com bela variação de acordes ao violão e ótimas melodias.




Pipo Pegoraro ― Táxi-Ímã

Esse disco é uma ótima surpresa. Não porque seu primeiro lançamento Intro, de 2008, seja fraco, ao contrário. Tem boas canções e já apresenta um compositor atento e caprichoso na parte sônica. Mas Táxi-imã apresenta um vigor não tão presente anteriormente. As influências afro-caribenhas dão ao molho musical um sabor mais apimentado. A irresistível faixa título é uma boa evidência. "Ouro bondali", com seu duelo de riffs entre volão e metais, mantém a intensidade. A boa "Samambaia" tem a participação de Luisa Maita e é mais uma prova de que ela é uma das vozes mais interessantes de sua geração.




Dream Theater ― A Dramatic Turn Of Events

Depois de todo o drama excessivo em torno da saída de Mike Portnoy, o Dream Theater, agora com o ótimo Mike Mangini na bateria, lançou A Dramatic Turn Of Events, um bom disco. É mais equilibrado, consistente e melhor pensado do que seus últimos três lançamentos. O problema é que, assim como em seus antecessores mais recentes, a banda mostra o desgaste natural de seu estilo. Tudo é bem feito, mas parece já ter sido utilizado inúmeras vezes. O Dream Theater corre o risco de virar um novo Iron Maiden e se tornar uma caricatura. A Dramatic Turn Of Events mostra que tanto os remanescentes quanto o próprio Mike Portnoy estavam corretos em seus argumentos para continuar ou não a banda. No primeiro caso porque, sim, a banda sobrevive bem sem um de seus fundadores. Mas, como Portnoy sinalizou ― ainda que indiretamente ― já mostram muita repetição em sua fórmula.




Radiohead ― King Of Limbs

Em King Of Limbs, o Radiohead mostra mais uma vez arranjos pouco usuais, fugindo das obviedades do pop. Apesar disso, não é um grande disco: as músicas parecem mais experimentos sonoros do que canções bem acabadas. Mas tem bons momentos. "Bloom" é uma boa abertura, com sua batida hipnótica e o vocal propositadamente desleixado, característico de Thom Yorke. "Morning Mr Mapple" tem um jogo de três guitarras bastante interessante. Em "Little by little" o destaque é a alternância, em toda a música, entre a batida eletrônica e a bateria acústica. Minha preferida é "Codex", uma balada estranha, na linha do grupo. Melancólica e bela na medida certa.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 27/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
03. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
04. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
05. Na hora do batismo de Marta Barcellos


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
03. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
04. Os piores músicos da década - 22/9/2010
05. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIREITO PASSADO A LIMPO
SÉRGIO SANTOS RODRIGUES
PERGAMUM
(2012)
R$ 6,90



VALE A PENA RIR DE NOVO
CLÉSIO R. TARDELLI
SULMINAS
(1999)
R$ 10,00



MANET - UM NOVO REALISMO - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 7,00



CHINA
FERNANDO PORTELA ARMEN MAMIGONIAM
ATICA
(1988)
R$ 5,00



MEDEIAS LATINAS
MÁRCIO MEIRELLES GOUVÊA, OSÉIAS SILAS FERRAZ
AUTÊNTICA
(2014)
R$ 40,00



A CASA VERDE
MARIO VARGAS LLOSA
NOVA FRONTEIRA
(1971)
R$ 5,00



BRASIL HOLANDÊS: 1624-1654
REVISTA TEMAS BRASILEIROS - EDIÇÃO ESPECIAL
DUETTO
R$ 22,82



PROJETO PENSE RÁPIDO
ROS JAY
MANOLE
(2003)
R$ 12,00



O HERÓI, O MITO E A EPOPÉIA - 3172
LUÍS TOLEDO MACHADO
ALBA
(1962)
R$ 10,00



SER CRIANÇA A ESPERANÇA DE UM NOVO MILÊNIO
ELIANE CARONE
OBRA PRIMA
(2004)
R$ 12,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês