PMDB: o retrato de um Brasil atrasado | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
Mais Recentes
>>> Dom Quichote De La Mancha - Cervantes / Gustavo Doré - Raro
>>> Coleção Fernando Sabino 12 Volumes Editora Record 1984
>>> Livro Curso Prático De Imposto De Renda
>>> O Medo e a Ternura
>>> Liberdade Virtual
>>> A Colina dos Suspiros
>>> Pretinha, eu?
>>> Amor Não Tem Cor
>>> A Morte Tem Sete Herdeiros
>>> Contos Urbanos e Lendas Rurais
>>> Redes de Abuso
>>> Jogo Duplo
>>> Bat Pat - O Monstro do Esgoto
>>> ABCdário da Revolução Pernambucana de 1817
>>> Almanaque do Cruzeiro
>>> Voragem
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
>>> O texto Argumentativo
>>> Fernão Capelo Gaivota
>>> Tudo valeu a pena
>>> Tudo tem seu preço
>>> O poder dos quietos
>>> Despedindo-se da Terra
>>> Despertar para a vida
>>> É preciso Algo Mais
>>> Marcas da Vida
>>> Novamente Juntos
>>> Reviver por Amor
>>> Vivendo no Mundo dos Espíritos
>>> Estatística Indutiva: Teoria e Aplicação
>>> Macro e Micro Cosmos: Visão Filosófica do Taoísmo e Conceitos de Medicina Tradicional Chinesa
>>> Inside Out - Student's Book - Intermediate
>>> Inside Out - Workbook - Intermediate
>>> Le Français Est À La Mode
>>> A Cabana
>>> O vendedor de Sonhos e a Revolução dos Anônimos
>>> Marketing de Ação
>>> Na Moda
>>> Comunicação Organizacional - Gestão de Relações Públicas
>>> As mentiras que os homens contam
>>> Seja líder de si mesmo
>>> Superdicas para Falar bem em conversas e apresentações
>>> Manual de Umbanda para Chefes de Terreiros
>>> As Cartas do Caminho Sagrado - Sem as Cartas
>>> Saravá Seu Tranca Ruas
>>> Saravá Oxóce
COLUNAS >>> Especial Brasil Potência Mundial

Terça-feira, 17/11/2009
PMDB: o retrato de um Brasil atrasado
Diogo Salles

+ de 7700 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Sir Ney, por Millôr Fernandes

Dentre as suas inúmeras particularidades, o Brasil sempre me chamou a atenção para uma em especial: a de ser o eterno "país do futuro". Não me entenda mal, sempre amei meu país, mas nunca compreendi bem se isso era só um nacionalismo capenga ou se era uma espécie de síndrome de vira-latas com o sinal invertido. Quantas gerações nasceram debaixo desse mantra? Nem sei dizer. Sei que todas elas cresceram e amadureceram com a percepção de uma realidade diferente. E, ainda assim, a esperança continuava se renovando a cada filho nascido aqui. Acontece que, nos últimos anos, esse sentimento vem ganhando força de uma outra forma: pela primeira vez, o mundo lança um olhar diferente (curioso, talvez) para o Brasil. Agora, sob o título de "país emergente", de signos imageticamente poderosos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, somos vistos por outra perspectiva aos olhos estrangeiros.

Por outro lado, nossas últimas manchetes desconstroem toda essa imagem que o Brasil quer forjar no exterior: o presidente do Senado mandando seu amigo desembargador expedir um mandado de censura prévia ao jornal O Estado de S. Paulo, um helicóptero abatido a tiros por traficantes no Rio de Janeiro e uma aluna de minissaia sendo ameaçada de estupro por um batalhão de homo sapiens numa "universidade" em São Paulo. Isso sem falar que a mesma "universidade", quando resolveu expulsar alguém, expulsou a aluna... Não adianta esconder: antes de ser qualquer coisa, o Brasil é o país da contradição, é um conjunto de oxímoros. Se de um lado, estamos conquistando nossa cidadania internacional (nas palavras do presidente), de outro, o nosso noticiário político-policialesco desmente tudo, desencavando fósseis de nossa mentalidade retrógrada, provinciana, quase medieval. O mundo lá fora está querendo saber: "que país é o Brasil?". Talvez já tenha passado da hora de nos fazermos a mesma pergunta.

É inquestionável o fato de que o Brasil mostrou um amadurecimento institucional importante desde o impeachment de Fernando Collor em 1992. De lá para cá, adquirimos uma estabilidade que nunca havíamos experimentado ― principalmente no aspecto econômico. Como já escrevi aqui, por pior que sejam as crises econômicas, elas vêm e vão, e a roda continua girando. Nossa crise, como frisei, é sempre política. Outro dia, Lula, em uma de suas divagações à imprensa, comemorava o fato de o Brasil não ter "trogloditas de direita" na disputa presidencial. É uma constatação óbvia, mas o presidente fez questão de esquecer que os "trogloditas" ficaram todos empilhados entre seu partido e o PSDB, já que nunca tiveram grandes chances de chegar ao poder desde a queda da ditadura militar. E de 1994 para cá não vemos um candidato de direita com qualquer chance de chegar sequer ao segundo turno. Assim, PT e PSDB (ambos com origens na esquerda), se tornaram os partidos hegemônicos no Brasil. E, assim que chegaram ao poder, migraram para o centro, com o PT se transformando numa espécie de centro-esquerda (muito mal ajambrada, por sinal) e o PSDB num partido de centro, ou extremo centro (alguém falou "em cima do muro"?).

Hoje, a polarização entre os dois partidos é bastante clara no discurso, mas tal debate não se confirma na prática. O que ambos justificam como "pragmatismo", numa ampla "coalizão", é na verdade uma gosmenta geleia partidária, com aluguel de ideologias para todos os gostos. Se os tucanos se aliaram ao DEM (ex-PFL, ex-Arena), os petistas se aliaram ao PP (dos mega-reaças Maluf e Severino Cavalcanti) e ao PR (ex-PL). No jogo bruto de "alianças espúrias" com os "trogloditas de direita", deu empate. No jogo retórico, ambos apontam o outro lado como "amigos dos banqueiros" ― mais um empate (bom para os bancos, que continuam lucrando, lucrando...). No jogo do "caixa dois" eleitoral e nos milionários contratos arranjados com as empreiteiras, adivinhe só, jogo empatado mais uma vez. Pois é, PT versus PSDB é mesmo um clássico eletrizante.

As militâncias que me desculpem, mas foram dois governos que se complementaram ― muito mais do que ambos os lados gostariam de admitir. Depois de 15 anos, para mim, ficou tudo muito claro: um lado privilegia reformas estruturais e puxa a sardinha para as "empresas parceiras", garantindo-lhes robustos contratos. O outro, puxa para as centrais sindicais, aninhando-a na burocracia estatal e investindo mais forte em programas sociais. Gostem ou não, as diferenças entre os dois partidos é meramente cosmética, na forma de se venderem ao "consumidor". O resultado é que o poder se reveza entre a "turma dos amigos do PT" e a "turma dos amigos do PSDB".

Lula e FHC governaram o país por quatro mandatos. Só que, para isso, não abriram mão da "Realpolitik" ― que aqui ficou conhecida como "governabilidade". Se os "troglôs" não dispõem mais de força política própria e se conformaram em ser meros coadjuvantes, quem seria capaz de patrocinar essa governabilidade postiça do governo petistucano?

Eis que chegamos ao PMDB, o partido que explica nossa forma de fazer política como nenhum outro: vazio de projetos para o país, lotado de projetos pessoais. O partido que antes brandia a bandeira da oposição à ditadura militar e agora não quer largar o osso. Quem ambiciona o poder, buscará inevitavelmente essa "aliança". A razão é muito simples e estratégica: as bancadas do PMDB são sempre as maiores no Congresso e em Assembleias locais e, portanto, necessárias para se obter a tal "governabilidade". FH e Lula aprenderam isso na marra. Quando não há um candidato próprio, os peemedebistas posicionam suas diferentes facções ao lado dos candidatos mais fortes e apenas esperam despontar o vencedor. Assim, sem precisar fazer muito esforço, estarão no poder, qualquer que seja o resultado. Do outro lado do balcão, ele estará sempre de braços abertos para fechar um ótimo negócio. O preço? Cargos, verbas, emendas, e o que mais houver na "agenda pragmática".

Esse é o modelo PMDB e, consequentemente, o modelo do Brasil: personalista, clientelista, fisiológico, atrasado. Se o apoio não pode ser negociado, a saída é comprá-lo com uma teta estatal. Aqui, arrota-se meritocracia, mas pratica-se o mais desavergonhado compadrio. No jogo da "brodagem" não há perdedores. Todos levam o seu. Se algo der errado, basta justificar que todos jogam o jogo, assim, não haverá condenações. Quem questionar, será cooptado. Quem recusar a cooptação, será intimidado. E quem não se intimidar ― se tiver sorte ―, será apenas expurgado.

Assim, o PMDB tem sido o fiador da manutenção do status quo há 15 anos, perpetuando um sistema de troca de favores que sempre contou com a rubrica presidencial. Mesmo assim, as críticas eram tímidas, fragmentas. Só que, em 2009, dois fatos contribuíram para uma reviravolta nesse quadro. O primeiro foi a entrevista de Jarbas Vasconcelos à Veja. As comportas foram abertas (e as palavras sempre pesam mais quando vêm de alguém de dentro do partido). O segundo foi a eleição de José Sarney para a presidência do Senado Federal ― que a revista britânica The Economist classificou como "vitória do semifeudalismo". Mesmo já tendo 50 anos de semifeudalismo nas costas, só agora Sarney ganhou os holofotes que merecia, se tornando o porta-retrato do nosso atraso, amarelado pelo tempo. Atos secretos, loteamento de cargos, nepotismo, funcionários fantasmas, desvios de verbas da Petrobras para a sua "Fundação Sarney" e uma infinidade de escândalos fizeram dele o grande personagem político do ano. Quando Sérgio Buarque de Holanda descreveu, ainda em 1936, a figura do "homem cordial" em seu livro Raízes do Brasil, jamais poderia supor que fosse existir um ator tão apropriado para interpretá-lo... And the Oscar goes to: Sir Ney!

Mas o PMDB não é só o coronelismo de Sarney, não. É a impunidade de Jader Barbalho, é o caciquismo de Orestes Quércia, é a homofobia de Roberto Requião, é o puxasaquismo de Sergio Cabral Filho, é o cinismo de Renan Calheiros, a lista não tem fim. E tanto PT quanto PSDB sabem que, sem o PMDB, o país fica ingovernável, mas não percebem que, com ele, fica tão ou mais ingovernável. Infelizmente, os ventos não sinalizam que vá haver alguma mudança de direção em nossa "agenda pragmática". José Serra e Dilma Rousseff, os candidatos petistucanos mais bem posicionados nas pesquisas, já fecharam com o PMDB. Quer dizer, cada um fechou com o seu naco do partido. Assim, ficou fácil predizer que, qualquer que seja o vencedor das eleições de 2010, lá estará o mamute peemedebista, retroalimentando uma base cheia de apetites por cargos, verbas e favores. E o Brasil ainda continuará imerso em seu pântano político, comprando (e vendendo) facilidades (e amigos).

Não sou tão catastrofista a ponto de dizer que a situação (e a oposição) só vai piorar com o tempo. Só espero que, no futuro, haja um mínimo de espírito público na política (que hoje é zero). Pena que, se isso ocorrer mesmo, nossa geração não estará mais aqui para ver. Faço votos para que os futuros eleitores do Brasil encontrem uma maneira diferente de encarar a política: espero que troquem a atual obediência pela vigilância, espero que transformem o atual medo dos poderosos em cobrança por mais respeito com o dinheiro público. Não somos nós que devemos temer os governantes. São eles que devem nos temer. Enquanto não formos capazes de compreender isso, não seremos "o país do futuro". E, parafraseando Millôr, enquanto tivermos essa cara de PMDB, continuaremos condenados à esperança.

Para ir além
Veja mais charges



Diogo Salles
São Paulo, 17/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol
04. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
05. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
03. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


Mais Especial Brasil Potência Mundial
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/11/2009
22h06min
É isso aí, Diogo. Belo texto. Bela análise do país. Sim, porque este partido-mamute só existe porque espelha boa parte da sociedade: pobre de ideias, oportunista e pronto a fazer qualquer negócio em causa própria.
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
23/11/2009
09h59min
Homem, é bom lembrar que a política é como um círculo, direita e a esquerda se ligam na ponta... São iguais, os objetivos é que "parecem" diferentes... Mas quanto ao PMDB, não vejo problema. Todos os partidos têm lá seus corruptos... são brasileiros, ora! Como o partido é grande, é claro que terá grandes corruptos. Mas acredito que o país está melhorando.
[Leia outros Comentários de Marcelo Hagah]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROJETO CAIXA POPULI: JAPONESES, JUDEUS, CHINESES, COREANOS, GREGOS, LATINO-AMERICANOS E EUROPEUS ORIENTAIS (FOTOGRAFIA)
EMÍDIO LUISI
CAIXA CULTURAL
(2000)
R$ 10,00



A QUEDA - AS MEMÓRIAS DE UM PAI EM 424 PASSOS
DIOGO MAINARDI
RECORD
(2012)
R$ 15,00
+ frete grátis



DE FRENTE PARA O SOL
JULIAN BARNES
RAACO
(2018)
R$ 20,00



OSCAR WILDE E OS ASSASSINATOS À LUZ DE VELAS
GYLES BRANDRETH
EDIOURO
(2009)
R$ 8,99



O JUIZ, O ADVOGADO E A FORMAÇÃO DO DIREITO ATRAVÉS DA JURISPRUDÊNCIA
ALBERTO G. SPOTA
SERGIO ANTONIO FABRIS
(1985)
R$ 18,00



MANGÁ HAKOIRI - VOLUME ÚNICO
AUTOR CUVIE
SAMPA ARTE / LAZER
(2013)
R$ 12,00



ESTADO E REGULAÇÃO SOCIAL - SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE Nº 76
EDITORA CORTEZ
CORTEZ
(2003)
R$ 8,90



EMBRIAGADO INTELECTO
KRISHNAMURTI GÓES DOS ANJOS
DO AUTOR
(2005)
R$ 90,00



VENENO-SAGA ENCANTADAS
SARAH PINBOROUGH
GENTE
(2013)
R$ 12,00



O MITO - POEMA
ARRUDA DANTAS
SÃO PAULO
(1957)
R$ 8,08





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês