Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano! | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/5/2013
Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano!
Eugenia Zerbini

+ de 4000 Acessos

De Ema a Ezther, o clube de leitura da livraria Zaccara finaliza um ciclo, completando neste mês um ano. Durante esse período, na livraria mais charmosa de Perdizes (quem sabe, de São Paulo), os participantes reuniram-se mensalmente para trocar ideias sobre os livros que leram. Compartilharam opiniões, interpretações, gostos e desgostos. Falaram muito das letras, porém falaram um pouco de si. Uma vez que uma das funções da literatura é trazer o humano mais para perto do homem, falar sobre livros, por mais impessoal que pareça, é também falar um pouco de si.

Meio caminho entre a sofisticação dos salões franceses, comuns entre os aristocratas nos séculos XVIII e XIX, e do modelo "o livro do mês" do clube de leitura da apresentadora norte-americana Oprah Winfrey lançado nos Estados Unidos, em 1996, os clubes de leitura disseminaram-se. Sob inspiração certamente do filme O clube de Leitura Jane Austen (2007) e do livro A sociedade literária e a torta de batata, de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows (2008), viraram tendência até no Brasil. Na base, há um divisor comum: a reunião de leitores em torno da leitura de determinado livro, com encontros mediados por um terceiro. Fora disso, muitas variantes podem ocorrer.

Há grupos virtuais, abertos ou não. Nos presenciais, há aqueles fechados, em que a mediação às vezes é feita por alguém de destaque no mundo literário. Esse é o caso dos grupos organizados em torno da escritora Rachel Jardim, no Rio de Janeiro. Por mais de uma década, a autora de Os anos 40 (esgotado), é o centro de pequenos grupos que se dedicam à leitura dos oito volumes do Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust. Há um ano, foi criado um grupo dedicado à leitura da obra de Thomas Mann.

Existem, por outro lado, grupos menos formais, em que amigos marcam encontros mensais ou até semanais, em cafés ou nas respectivas casas. Nesse último caso, o encontro pode ser seguido por comidas e bebidas, quem sabe até relacionadas ao texto lido. Nesse último gênero, há clubes que encomendam seus próprios marcadores de livros e distribuem cadernetas personalizadas para os participantes. Em todo esse conjunto, há clubes cuja frequência é gratuita, outros em que há uma contribuição mensal. Com bem menos sofisticação, há os grupos de leitura cuja formação é incentivada pelo Plano Nacional do Livro e Leitura.

Em setembro de 2010, a editora Penguin Companhia das Letras promoveu seu primeiro clube de leitura, na Livraria Cultura, do Conjunto Nacional (SP). Três anos depois, espalhados em 11 cidades do Brasil, estão em funcionamento 41 clubes, fomentados por essa editora. Aquele da livraria Zaccara encaixa-se nesse contexto. Partindo de Flaubert (1821-1880), com Madame Bovary, até chegar em O legado de Ezther, de Sándor Márai (1900-1989), personagens mencionadas logo no início, mundos inteiros desfilaram sob os olhos de seus integrantes. Das ruas e cafés de Madrid, onde histórias de amor e seus enganos são tratados em Os Enamoramentos, de Javier Marías , até Moçambique, onde Mia Couto coloca uma leoa a fazer suas confissões (A confissão da leoa). Da culpa que um jovem soldado arrasta pela vida, em O Pacifista, de John Boyne, até a história de dois professores de literatura, retratados em situações bastante distintas, criações respectivamente de J.M. Coeetze e Philip Roth: David Lurie, de Desonra, e David Kepesh, de O Professor do Desejo. Tudo isso sem mencionar o reencontro de dois amigos de outrora para um derradeiro duelo verbal, em As brasas, de Sándor Márai. Mas foi outro livro de autoria desse autor húngaro que foi o escolhido para concluir esse primeiro ciclo anual: O legado de Ezther, o livro do mês de maio.

O legado de Ezther foi publicado na Hungria no final da década de 1930, época em que o autor gozava de grande prestígio em seu pais. É um livro nostálgico, como a nostalgia que deve ter acompanhado o autor após sua saída da Hungria, com a ascensão dos comunistas ao poder, depois da 2ª Guerra Mundial. Sándor Márai , um aristocrata, nascido à época em que a Hungria fazia parte do Império Austro-Hungaro, ainda rapaz, foi estudar na Alemanha. Eram os anos loucos da República de Weimar. Ali, dá início a seus trabalhos jornalísticos, casa-se e parte para Paris. Torna-se correspondente de um jornal alemão, começando profícua produção cultural: além de jornalista, é crítico e tradutor.

Almeja, contudo, tornar-se escritor, optando por escrever em sua língua materna, o húngaro: língua, segundo Guimarães Rosa, para se falar com o Diabo (notando que o alemão era a língua oficial daquele Império que se esfacelou com a Iª Guerra Mundial). Em 1928 volta, portanto, para a Hungria e dois anos mais tarde publica Rebeldes. Este é seguido por outros sucessos, Confissões de um burguês (1934); Divorcio em Buda (1935); o próprio O legado de Ezther (1939); e o já citado As Brasas (1942).

Homem de convicção, contrário aos regimes totalitaristas (foi antinazista - sua mulher era de origem judia - e anticomunista) Sándor Márai viveu 41 anos no exílio. Depois da 2ª Guerra, com o domínio soviético em seu país natal, Márai parte, fixando-se nos Estados Unidos. Seus livros são proibidos na Hungria. Na classificação do critico literário marxista Georg Luckács, amostras típicas da literatura burguesa e decadente. Como relatado por Paulo Schiller, tradutor da obra de Márai direto do húngaro, em palestrada sobre o autor na Livraria Cultura, em 2012, o escritor sobreviveu dos direitos autorais pagos por uma editora no Canadá especializada em livros em húngaro, vendidos para a comunidade húngara fora da Hungria. Feria o autor o fato de saber que era ignorado em sua pátria, não mais o sucesso que um dia fora.

Em 1986, Sandor Marai perde a mulher para o câncer; no ano seguinte, é Janos, seu filho, que morre. Isolado, criticando a sociedade de consumo norte-americana (como evidenciado pelas anotações em seu diário), coloca fim à vida em fevereiro de 1989. Em outubro daquele mesmo ano, cai o regime comunista na Hungria. Em 1990 é premiado postumamente com a maior honra literária na Hungria e é redescoberto, não apenas em seu país, mas principalmente no mundo, através da tradução para o francês de As brasas, seguida tanto pela tradução em outros idiomas como de outras obras, inclusive seu diário. Hoje, Sándor Márai é considerado um dos grandes no panorama literário do século XX, apesar de suas obras girarem em torno de dilemas éticos e morais que podem parecer pouco palatáveis para as novas gerações, acostumadas à banalização e à relativização pós-moderna.

As reuniões do clube de leitura Penguin Companhia das Letras na Livraria Zaccara tem lugar na segunda segunda-feira de todo mês, das 19:00 às 20 horas. O livro escolhido para ser discutido na reunião do mês de junho é O acidente, do albanês Ismail Kadaré. Informações, escreva para [email protected]


Eugenia Zerbini
São Paulo, 23/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu reino por uma webcam de Ana Elisa Ribeiro


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2013
01. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem - 21/2/2013
02. Era Meu Esse Rosto - 18/4/2013
03. Clube de Leitura Cult - 21/3/2013
04. Livros na ponta da língua - 24/1/2013
05. Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano! - 23/5/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Criança e a Violência na Mídia
Ulla Carlsson e Cecilia Von Feilitzen (orgs.)
Cortez
(2001)



Estruturas Filosóficas e Afins
Paulo Augusto Proença Rosa
Do Autor



A Vida e o Sagrado - 9º Ano
Coleção a Vida e o Sagrado
A Vida é Mais
(2012)



El Espiritu En El átomo: una Discusión Sore los Misterios de La Física
P. C. W. Davies - J. R. Brown
Alianza
(1989)



EXPERT nutriçao
Rejane Teixeira Mendonça
Ridel
(2016)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)



Ciência e Violência
I de L Neves Manta e Edmundo Vasconcelos
Livraria São José (rj)
(1972)



O Menino Que Via o Além
José Ewerton Neto
Escrituras
(2003)



O Olhar Amoroso Textos Sobre Arte Brasileira
Olivio Tavares de Araujo
Momesso
(2002)



A Arte de Correr na Chuva
Garth Stein
Ediouro
(2008)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês