Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano! | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/5/2013
Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano!
Eugenia Zerbini

+ de 3600 Acessos

De Ema a Ezther, o clube de leitura da livraria Zaccara finaliza um ciclo, completando neste mês um ano. Durante esse período, na livraria mais charmosa de Perdizes (quem sabe, de São Paulo), os participantes reuniram-se mensalmente para trocar ideias sobre os livros que leram. Compartilharam opiniões, interpretações, gostos e desgostos. Falaram muito das letras, porém falaram um pouco de si. Uma vez que uma das funções da literatura é trazer o humano mais para perto do homem, falar sobre livros, por mais impessoal que pareça, é também falar um pouco de si.

Meio caminho entre a sofisticação dos salões franceses, comuns entre os aristocratas nos séculos XVIII e XIX, e do modelo "o livro do mês" do clube de leitura da apresentadora norte-americana Oprah Winfrey lançado nos Estados Unidos, em 1996, os clubes de leitura disseminaram-se. Sob inspiração certamente do filme O clube de Leitura Jane Austen (2007) e do livro A sociedade literária e a torta de batata, de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows (2008), viraram tendência até no Brasil. Na base, há um divisor comum: a reunião de leitores em torno da leitura de determinado livro, com encontros mediados por um terceiro. Fora disso, muitas variantes podem ocorrer.

Há grupos virtuais, abertos ou não. Nos presenciais, há aqueles fechados, em que a mediação às vezes é feita por alguém de destaque no mundo literário. Esse é o caso dos grupos organizados em torno da escritora Rachel Jardim, no Rio de Janeiro. Por mais de uma década, a autora de Os anos 40 (esgotado), é o centro de pequenos grupos que se dedicam à leitura dos oito volumes do Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust. Há um ano, foi criado um grupo dedicado à leitura da obra de Thomas Mann.

Existem, por outro lado, grupos menos formais, em que amigos marcam encontros mensais ou até semanais, em cafés ou nas respectivas casas. Nesse último caso, o encontro pode ser seguido por comidas e bebidas, quem sabe até relacionadas ao texto lido. Nesse último gênero, há clubes que encomendam seus próprios marcadores de livros e distribuem cadernetas personalizadas para os participantes. Em todo esse conjunto, há clubes cuja frequência é gratuita, outros em que há uma contribuição mensal. Com bem menos sofisticação, há os grupos de leitura cuja formação é incentivada pelo Plano Nacional do Livro e Leitura.

Em setembro de 2010, a editora Penguin Companhia das Letras promoveu seu primeiro clube de leitura, na Livraria Cultura, do Conjunto Nacional (SP). Três anos depois, espalhados em 11 cidades do Brasil, estão em funcionamento 41 clubes, fomentados por essa editora. Aquele da livraria Zaccara encaixa-se nesse contexto. Partindo de Flaubert (1821-1880), com Madame Bovary, até chegar em O legado de Ezther, de Sándor Márai (1900-1989), personagens mencionadas logo no início, mundos inteiros desfilaram sob os olhos de seus integrantes. Das ruas e cafés de Madrid, onde histórias de amor e seus enganos são tratados em Os Enamoramentos, de Javier Marías , até Moçambique, onde Mia Couto coloca uma leoa a fazer suas confissões (A confissão da leoa). Da culpa que um jovem soldado arrasta pela vida, em O Pacifista, de John Boyne, até a história de dois professores de literatura, retratados em situações bastante distintas, criações respectivamente de J.M. Coeetze e Philip Roth: David Lurie, de Desonra, e David Kepesh, de O Professor do Desejo. Tudo isso sem mencionar o reencontro de dois amigos de outrora para um derradeiro duelo verbal, em As brasas, de Sándor Márai. Mas foi outro livro de autoria desse autor húngaro que foi o escolhido para concluir esse primeiro ciclo anual: O legado de Ezther, o livro do mês de maio.

O legado de Ezther foi publicado na Hungria no final da década de 1930, época em que o autor gozava de grande prestígio em seu pais. É um livro nostálgico, como a nostalgia que deve ter acompanhado o autor após sua saída da Hungria, com a ascensão dos comunistas ao poder, depois da 2ª Guerra Mundial. Sándor Márai , um aristocrata, nascido à época em que a Hungria fazia parte do Império Austro-Hungaro, ainda rapaz, foi estudar na Alemanha. Eram os anos loucos da República de Weimar. Ali, dá início a seus trabalhos jornalísticos, casa-se e parte para Paris. Torna-se correspondente de um jornal alemão, começando profícua produção cultural: além de jornalista, é crítico e tradutor.

Almeja, contudo, tornar-se escritor, optando por escrever em sua língua materna, o húngaro: língua, segundo Guimarães Rosa, para se falar com o Diabo (notando que o alemão era a língua oficial daquele Império que se esfacelou com a Iª Guerra Mundial). Em 1928 volta, portanto, para a Hungria e dois anos mais tarde publica Rebeldes. Este é seguido por outros sucessos, Confissões de um burguês (1934); Divorcio em Buda (1935); o próprio O legado de Ezther (1939); e o já citado As Brasas (1942).

Homem de convicção, contrário aos regimes totalitaristas (foi antinazista - sua mulher era de origem judia - e anticomunista) Sándor Márai viveu 41 anos no exílio. Depois da 2ª Guerra, com o domínio soviético em seu país natal, Márai parte, fixando-se nos Estados Unidos. Seus livros são proibidos na Hungria. Na classificação do critico literário marxista Georg Luckács, amostras típicas da literatura burguesa e decadente. Como relatado por Paulo Schiller, tradutor da obra de Márai direto do húngaro, em palestrada sobre o autor na Livraria Cultura, em 2012, o escritor sobreviveu dos direitos autorais pagos por uma editora no Canadá especializada em livros em húngaro, vendidos para a comunidade húngara fora da Hungria. Feria o autor o fato de saber que era ignorado em sua pátria, não mais o sucesso que um dia fora.

Em 1986, Sandor Marai perde a mulher para o câncer; no ano seguinte, é Janos, seu filho, que morre. Isolado, criticando a sociedade de consumo norte-americana (como evidenciado pelas anotações em seu diário), coloca fim à vida em fevereiro de 1989. Em outubro daquele mesmo ano, cai o regime comunista na Hungria. Em 1990 é premiado postumamente com a maior honra literária na Hungria e é redescoberto, não apenas em seu país, mas principalmente no mundo, através da tradução para o francês de As brasas, seguida tanto pela tradução em outros idiomas como de outras obras, inclusive seu diário. Hoje, Sándor Márai é considerado um dos grandes no panorama literário do século XX, apesar de suas obras girarem em torno de dilemas éticos e morais que podem parecer pouco palatáveis para as novas gerações, acostumadas à banalização e à relativização pós-moderna.

As reuniões do clube de leitura Penguin Companhia das Letras na Livraria Zaccara tem lugar na segunda segunda-feira de todo mês, das 19:00 às 20 horas. O livro escolhido para ser discutido na reunião do mês de junho é O acidente, do albanês Ismail Kadaré. Informações, escreva para loja@livrariazaccara.com.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 23/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. História da leitura (IV): a ascensão do romance de Marcelo Spalding
02. Toca Raul! de Luiz Rebinski Junior
03. Escrever pode ser uma aventura de Marta Barcellos
04. Um pouco de conservadorismo de Eduardo Mineo
05. O Natal somos nozes de Pilar Fazito


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2013
01. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem - 21/2/2013
02. Era Meu Esse Rosto - 18/4/2013
03. Clube de Leitura Cult - 21/3/2013
04. Livros na ponta da língua - 24/1/2013
05. Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano! - 23/5/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA FINANCEIRA
JOSÉ DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1982)
R$ 5,50



OS 500
MATTHEW QUIRK
PARALELA
(2013)
R$ 22,00



AIRBRUSHING FOR FINE & COMMERCIAL ARTISTS
ROBERT PASACHAL
VRN
(1982)
R$ 30,00



DEUS: TESE, ANTÍTESE, SÍNTESE
PAULO RESENDE
SAGA
(1969)
R$ 25,82



INVOCAÇÃO - TRILOGIA DARKEST POWERS
KELLEY ARMSTRONG
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 10,00



CONFISSÕES DE UM COMEDOR DE ÓPIO
THOMAS DE QUINCEY
L&PM POCKET
(2002)
R$ 12,00



COMENTÁRIOS AO NOVO CÓDIGO CIVIL - VOL. XIV ART. 966 A 1195
ARNOLDO WALD
FORENSE
(2005)
R$ 200,00



SEGMENTAÇÃO OPÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O MERCADO BRASILEIRO
RAIMAR RICHERS / CECÍLIA PIMENTA LIMA
NOBEL
(1991)
R$ 13,00



UM MILHÃO N°39 BATMAN PLANETA PRISÃO!
DC COMICS
ABRIL 50 ANOS
R$ 20,00



O OUTRO DESAFIO
JULIO LOBOS
DO AUTOR
(1987)
R$ 27,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês