Trate-me, teatro! | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Itinerário de leituras on-line
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
Mais Recentes
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1988)
>>> Namoro blindado: O Seu Relacionamento à Prova De Coração Parido EAN: 9788578607654 de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2016)
>>> Navegar é preciso de Anaína Amado; Ledonias Franco Garcia pela Atual Didáticos (1989)
>>> Conte-me seus sonhos de Sidney Sheldon pela Record (2000)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Globo/Klick (1997)
>>> O poder das afirmações positivas - Coleção Autoestima EAN: 9788575421680 de Louise Hay pela Sextante (2005)
>>> As Melhores Histórias de Princesas de Monica Rodrigues da Costa e Lidia Chaib Adaptação pela Publifolha (2000)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 24. Crônicas 3º Volume (1871 - 1878) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 23. Crônicas 2º Volume (1864 - 1867) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> A Viola Enluarada De Zequinha Piriri EAN: 9788526231771 de Rosana Rios pela Scipione (1997)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 22. Crônicas 1º Volume (1859 - 1863) de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 21. Contos Fluminenses II de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 20. Contos Fluminenses I de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 19. Teatro de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 18. Poesias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 17. Relíquias Da Casa Velha 2º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 16. Relíquias Da Casa Velha 1º Volume de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 15. Páginas Recolhidas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> O melhor de Hagar o horrível – vol. 3: 441 EAN: 9788525412195 de Dik Browne pela L&PM Pocket (2007)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 14. Várias Histórias de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Dicionário Ilustrado da Língua Portuguesa 7 volumes de Antenor Nascentes pela Bloch (1972)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 13. Histórias sem Datas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 12. Papeis avulsos de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 11. Histórias Românticas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 10. Histórias da Meia Noite de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 09. Memorial de Ayres de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 08. Esaú e Jacó de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Um Maço de Cordéis: Lições de Gente e de Bichos EAN: 9788594980922 de Gilberto Cardoso pela C j a (2019)
>>> Um Maço de Cordéis: Lições de Gente e de Bichos EAN: 9788594980922 de Gilberto Cardoso pela C j a (2019)
>>> Crise Do Marxismo E Irracionalismo Pós-Morderno EAN: 9788524904677 de João E Evangelista pela Cortez (2002)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 07. Dom Casmurro de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 06. Quincas Borba de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 05. Memórias Póstumas de Braz Cubas de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Meditacoes Para A Manha E Para A Noite de Louise L Hay pela Sextante (1999)
>>> Geração Geek Pokemon Go de Carlos Kataoka pela Geek (2016)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 04. Yayá Garcia de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 03. Helena de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 02. A Mão e a Luva de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> Obras Completas De Machado De Assis - Vol 01. Ressurreição de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc. (1957)
>>> O SENHOR EMBAIXADOR de ERICO VERISSIMO pela GLOBO (1965)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco LTDA
>>> IRACEMA de JOSÉ DE ALENCAR pela ÁTICA (1979)
>>> ESTAÇÃO CARANDIRU de DRAUZIO VARELLA pela COMPANHIA DAS LETRAS (1999)
>>> CRONISTAS DO ESTADÃO de MOACIR AMÂNCIO pela ESTADÃO (1991)
>>> CINCO MINUTOS A VIUVINHA de JOSÉ DE ALENCAR pela ÁTICA (1980)
>>> Sociedade Brasileira Uma história de Aquino Fernando Vieira Gilberto Agostino Hiran Roedel pela Record (2000)
>>> AMOR DE PERDIÇÃO de CAMILO CASTELO BRANCO pela EDIOURO (1991)
>>> A Morada Uma Leitura do Livro dos Salmos de Idalina Azevedo da Silva pela Teatral (2000)
>>> A RAINHA DA BOATE de FRAN CEPIRO pela IBREX (1973)
>>> A MORENINHA de JOAQUIM MANUEL DE MACEDO pela FTD (1991)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/3/2005
Trate-me, teatro!
Adriana Baggio

+ de 2800 Acessos

Não entendo e nem freqüento muito teatro. É uma falha imperdoável, já que meus pais fizeram teatro quando jovens e passei minha infância pelas salas do Teatro Guaíra. Talvez minha relação com a arte tenha azedado quando eu ainda era criança. Certa vez, saí correndo da platéia para desvendar os segredos por trás da cortina que escondia os bonecos.

Uma outra lembrança ruim, porém mais recente, é da aula de Oficina de Teatro do curso de Educação Artística que eu comecei a fazer na UFPB. A professora insistia em atividades que envolviam contato físico, manifestações de emoções, exposição pessoal. Sou uma curitibana bem enrustida, odeio fazer isso diante de pessoas que mal conheço. A estupidez dela frente à resistência daqueles que não estavam à vontade com os exercícios (não era só eu) me deixou com uma péssima imagem do teatro. Por que as pessoas sentem tanta necessidade de impor algo a você? Deve ser por isso que eu fujo daquelas peças em que os atores interagem com a platéia, tão na moda ultimamente...

Prefiro uma relação mais distante, que privilegie a ilusão, a introspecção, a mágica da representação. Prefiro uma interação com o texto, os sons, as luzes, a emoção, os personagens. Na verdade, prefiro eu aqui e eles lá. Como deveria ter feito naquele espetáculo de bonecos da minha infância.

Apesar de passar quase o ano todo longe de um palco, em março fica meio impossível não participar do Festival de Teatro de Curitiba. É o maior do Brasil. Apresenta em primeira mão peças que serão vistas só depois, mesmo em São Paulo e no Rio, que tradicionalmente concentram as estréias. Fora a apresentação mainstream, que nesse ano tem 12 espetáculos, ainda é possível escolher entre 200 peças que participam da mostra paralela, o Fringe. Como eu, milhares de pessoas só vão ao teatro em Curitiba durante o mês de março (ou quando tem alguma peça com artistas da Globo, mas aí já não é o meu caso).

O Festival de Teatro de Curitiba é um dos melhores exemplos de sucesso da indústria cultural. Apesar de envolver uma manifestação que é meio alternativa, marginal, o Festival transformou-se em um produto de consumo de massa. A aura de "programa imperdível e cool" espetaculariza o espetáculo. O evento tem um forte componente mercadológico, cada vez mais presente e organizado, que envolve patrocinadores, suas respectivas agências de publicidade e promoção e o circuito de bares, restaurantes e festas "oficiais". A própria campanha publicitária do Festival é, tradicionalmente, uma atração quase que independente. Gera mídia espontânea e traz muita visibilidade para a agência responsável. São sempre campanhas geniais, divertidas, impactantes, mas que vendem o teatro como produto, assumidamente. É o anúncio do produto tornando-se, ele próprio, um produto.

Esse clima permanece na entrada dos teatros com distribuição de brindes, folhetos, apresentação de performances, tudo para a potencializar o patrocínio. Isso é bom ou ruim? Depende. Como produto da indústria cultural, o Festival tem seu lado apocalíptico e o lado integrado. Há uma pasteurização do evento, um nivelamento "pop", muitas vezes um oportunismo. Por outro lado, Curitiba transforma-se em uma vitrine e mesmo quem não tem o hábito acaba indo ao teatro. Mas acredito que o maior benefício mesmo é poder ter um panorama do que se faz em teatro no Brasil. Não através das peças da mostra contemporânea, com seus autores, diretores e elencos consagrados, mas pelos espetáculos do Fringe. A mostra paralela, com menos compromissos comerciais, tem mais oportunidade de apresentar novas linguagens e propostas diferenciadas. Claro que, continuando na metáfora de mercado, é como uma feira. Há de tudo um pouco, de preciosidades a puro lixo.

A pulverização do Fringe, no entanto, provoca acontecimentos como os de segunda-feira, na apresentação da peça Galvez imperador do Acre, da Cia. Les Commediens Tropicales, de Campinas (SP). O roteiro conta a história da disputa pelo território do Acre no final do século XIX, com um elenco quase mais numeroso do que a platéia. O pouco público parecia, em sua maioria, gente de teatro mesmo, atores e atrizes de outros espetáculos, denunciados pelos crachás e pela toilette exótica. O tamanho do elenco é um dos grandes méritos da peça: são muitas pessoas que cantam, dançam, falam e atuam em perfeita sincronia. Não há cenário e o figurino é mínimo: trapos, cuecas, calcinhas e sutiãs. Imagino que represente essa coisa do Brasil tropical, pouca roupa, muita sensualidade e safadeza, muita pobreza e exploração. Um país que não é sério desde sempre e que tem por herdeiros as prostituas, pedintes e vendedores de rua, personagens que recebem e intimidam o público começam a se acomodar na platéia (e promovem aquela "interação" que eu tanto detesto...). Talvez a nudez masculina, presença constante no palco, queira passar tudo isso também. Mas foi em excesso, assim como o estilo "chanchada", meio exagerado, que faz a comédia perder a graça.

Em Galvez, nem um bom teatro (SESC da Esquina), um texto "popular" (baseado na obra de Márcio Souza, mesmo autor do livro que deu origem à minissérie Mad Maria) e muitos homens pelados no palco conseguiram fazer o teatro encher. É uma situação que deve estar sendo vivida por muitos espetáculos do Fringe, que esperam a oportunidade de se destacar em meio às centenas de opções que 10 dias de programação oferecem.

E por falar em teatro...
Mais uma vez vou avisar que não entendo de teatro. Deve ser por isso que não consegui ver graça no texto da antológica Trate-me leão, o grande sucesso do grupo Asdrúbal trouxe o trombone. O roteiro de Hamilton Vaz Pereira foi publicado pela Objetiva em 2004 e traz também depoimentos do autor e de Regina Casé e Luiz Fernando Guimarães. Eles falam do método de criação coletiva que deu origem à peça, das motivações para que o grupo parisse um texto como aquele (a metáfora é válida, eles levaram nove meses para chegar à estréia) e da repercussão que se reflete até hoje em alguns dos nossos produtos culturais preferidos.

Depois dessa introdução, busquei avidamente as páginas do roteiro. Uma peça que tinha feito tanto sucesso, que arrastava legiões nas excursões pelo Brasil, que falava das angústias e do universo jovem, deveria me tocar. Mas talvez eu já não seja tão jovem e ser jovem hoje é muito diferente de ser em 1977.

Achei tudo muito alienado. A preocupação dos personagens se alternava entre sexo, a inutilidade da escola, formas de fugir de uma vida de terno e gravata. Uma preocupação de adolescentes de classe média da zona sul carioca. Mas parece ser isso que as pessoas queriam na época.

Comentei essas coisas com meu pai e ele me fez ver a peça dentro daquele contexto. Ao mesmo tempo em que havia grupos politizados, manifestações culturais que buscavam protestar contra a ditadura, outros desbundaram. A temática não tinha nada a ver com o país. Era centrada nas questões cotidianas de "como pegar a empregadinha", nos conflitos existenciais de gente mais preocupada em ignorar tudo aquilo. O próprio grupo dedicou-se a um processo de criação que exigia dedicação integral e não dava espaço para emprego, escola, coisas que as pessoas têm a obrigação de fazer na sociedade. Quando passavam pelas cidades, outros jovens juntavam-se a eles. Em Curitiba, meu pai conta que um deles comprou uma moto. Em outra cidade, compraram uma kombi. E assim, no melhor espírito dos anos 70, eles ficaram rodando o Brasil, às vezes com grana, às vezes sem.

Talvez hoje seja tudo muito conservador e racional, mesmo para quem está na idade de "contrariar o sistema". Ninguém mais quer sair pelo mundo com sua trupe. E pensar que essa geração foi formada nos anos 80. Curtiu muito Blitz, TV Pirata, Circo Voador. Todos subprodutos do Asdrúbal. Talvez o pessoal do Trate-me já estivesse prevendo a "década perdida". E quando os eighties chegaram, eles só embalaram toda essa divertida alienação e passaram a distribuir em massa - não mais no teatro, sim na televisão - e a ganhar dinheiro com o que faziam.

Não sei se essa "revolta" com o nonsense da peça não é uma espécie de despeito. Inveja de uma época em que parecia ser possível viver de forma mais livre, mais descompromissada, ainda mais se você morasse em uma cidade com sol e mar o ano inteiro. Deve ser por isso que as pessoas de 30 estão ávidas por tudo que os anos 80 representaram. Para quem começou a se entender por gente nessa época, é a referência de uma fase mais solta, mais rock'n roll mesmo. Você assistiu ao filme do Cazuza? Duvido que não tenha saído do cinema com vontade de aproveitar mais a vida e deixar de lado um pouco dessa caretice.

Para saber mais
Festival de Teatro de Curitiba

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 24/3/2005


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
04. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINIMANUAL COMPACTO DE REDAÇÃO E ESTILO - TEORIA E PRÁTICA
ANA TEREZA PINTO DE OLIVEIRA
RIDEEL
(1999)
R$ 10,00



MISTÉRIO ? MISTERIOSO AMOR
ODETTE DE BARROS MOTT
BRASILIENSE
(1982)
R$ 10,00



PAIXÃO DE CRISTO PAIXÃO DO MUNDO
LEONARDO BOFF
VOZES
(1977)
R$ 10,00



NEM ACASO, NEM MILAGRE - A GESTÃO DO COMPROMISSO
ROBERTO PALOMINIOS
GENTE
(1997)
R$ 10,00



POESIAS PARA CRIANÇAS
ÂNGELA FINZETTO
BRASILEITURA
R$ 10,00



UM HOMEM DE SORTE
SILVIO DE ABREU
IMPRENSA OFICIAL
(2007)
R$ 10,00



ASFALTO SELVAGEM I - 8451
NELSON RODRIGUES
CIRCULO DO LIVRO
(1980)
R$ 10,00



PRIMEIRA PÁGINA - FOLHA DE SÃO PAULO
FOLHA DE SÃO PAULO
FOLHA
(2000)
R$ 10,00



OS SONHADORES DE VILA RICA - A INCONFIDENCIA MINEIRA DE 1789
EDGARD LUIZ DE BARROS
ATUAL
(1989)
R$ 10,00



COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR - MATERIAL PROVISÓRIO
SIMONE RAMOS
NÃO INFORMADA
R$ 10,00





busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês