Namoro de portão | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Segunda-feira, 4/12/2006
Namoro de portão
Verônica Mambrini

+ de 3400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Minha história com o Digestivo Cultural parece um pouco com namoro de portão: nem lembro bem exatamente quando comecei a ler, mas já faz um tempinho. Eu, que me formei ano passado, estava na primeira metade da faculdade. Assinei a newsletter e comecei a acompanhar novos colunistas chegando, as clássicas polêmicas em assuntos ligados à cultura pop, à discussão literária. A primeira sensação é de um estranhamento delicioso: muito texto, assuntos não obrigatoriamente vinculados à ordem do dia e, paradoxalmente, uma das coberturas opinativas de Internet mais vanguardistas a qual eu tinha acesso.

Um dia eu fiquei sabendo, pela leitura do Digestivo, que um colega de faculdade estava estreando coluna: era Guilherme Conte, escrevendo sobre teatro. Comecei a acompanhar mais de perto, primeiro porque já lia o Digestivo, depois porque era uma pessoa bacana assinando e enfim porque era um assunto que me interessa muito (cheguei a fazer um programa para a rádio da faculdade, o Terceira Campainha, que sumiu sem deixar vestígios, inclusive dos arquivos da rádio universitária).

De repente, meses depois, aparece um convite (via Orkut, comme il faut) para escrever para o site. Julio Daio Borges perguntou: "Você já pensou em escrever para o Digestivo?". Sim, eu já tinha pensado. Eu já tinha jogado uns olhos compridos... Comecei pelo blog, não por limitação editorial, e sim por uma questão minha mesmo. Vontade de ir pegando o jeitinho do Digestivo mais aos poucos. Uma caipira acanhada atrás do portão, olhando pro mar da Internet. E acabou sendo bom para mim esse começo tímido: faculdade de jornalismo é algo castrante. Se não tomar cuidado, a gente acaba em quatro anos desaprendendo a escrever de um jeito espontâneo, e começa a ficar cheio de cacoetes e soluções formulaicas. É claro que isso não acontece com todo mundo, mas se a faculdade de jornalismo inegavelmente, por um lado, te ajuda a resolver problemas técnicos de texto, como clareza e objetividade, por outro é uma fábrica de salsicha. Com jornalismo cultural, então, é um pesadelo.

Acho que existem duas formas de se aprender a escrever: uma é lendo bons textos. Escolher com carinho o que se lê e prestar atenção em como forma e conteúdo se harmonizam (ou fazer o contrário, se perguntar por que determinado texto não funciona), seja em embalagem de chocolate, quadrinhos de jornal ou clássicos da literatura universal. Mas tem uma outra forma que é a minha preferida: ter tutores, alguém que escreva bem e seja um bom editor, que pare para canetar textos, enchê-los de marquinhas, rabiscos e comentários. Das primeiras vezes em que submeti meu texto a isso, saíram quebra-paus enormes e conselhos sem preço. Doeu. Cheguei a chorar. Mas depois comecei a gostar, não sei se masoquistamente. Você dá sorte quando encontra alguém que não é apenas um bom editor, mas um educador também. Às vezes um texto precisa de rigor e técnica, mais cérebro e menos emoção; qualquer manual de redação resolve. Mas às vezes, texto tem que ter capricho na estrutura, no ritmo, na musicalidade. E texto vivo, pulsante, só quem tem alma de educador (quem sabe de poeta-cronista) sabe canetar.

Ouvir esse tipo de crítica sem pressa, sem obrigação de mudar o texto, traz muitas surpresas interessantes - mesmo quando não se concorda com o comentário. A maioria das pessoas que eu conheço e que escrevem detesta ser editada, e é compreensível, já que geralmente quando se passa por essa situação, as mudanças no texto são irrecorríveis e violentas, mutiladoras, não um jogo divertido de experimentação com frases, estruturas e significados. Eu bem que queria ter o rigor e a disciplina germânicos para sentar e escrever como quem conserta um eletrodoméstico quebrado, mas nessa nossa cultura latina, escrever é quase sempre um ato de paixão. Mesmo quando os filtros são intelectuais, a motivação para entender e discutir a cultura é visceral. E um texto é defendido a navalha como quem protege a própria cria.

Atravessar esse processo não foi fácil para mim; se aprendi a aproveitar o que a opinião alheia pode ter de bom, também perdi a personalidade no texto e até a vontade de escrever algo que tivesse a minha cara (e não a cara do cliente ou publicação para quem eu estou escrevendo. Sabe aquele momento em que você não sabe o que gosta, em que redige até bilhetinho pessoal editando em função dos outros o que está escrevendo?). Mas acabada a faculdade, e com mais tempo para refletir sobre a vida e a escrita, deu prazer em escrever de novo - ainda que esse prazer para mim tenha se tornado para sempre agridoce. Logo aí, surge o convite para fazer parte do Digestivo Cultural.

Por conta dessas reflexões, o Digestivo para mim também foi um batismo de fogo no jornalismo, e mais ainda. Não só com formas e temas, foi a grande quebra de paradigmas com relação à Internet, e também com a mídia em geral. Hoje acredito piamente que o jornalismo como conhecemos vai acabar; esse ambiente de liberdade total, de auto-regulação e edição que é a Web, com regras novas, mudou a mídia irreversivelmente. Hoje sou uma entusiasta ardorosa do Google (viciada a partir do momento em que o Gmail, o Orkut e o Google Talk se integraram), e defensora do wiki. Não puramente por questões ideológicas (mesmo que também por elas), mas porque o futuro caminha para a colaboração como forma de se relacionar com a informação. E o que o Digestivo tem a ver com isso? Simples: para mim, como leitora e colaboradora, foi onde começaram essa percepção e discussão. E é impossível passar por esse ambiente sem se deixar mudar, no texto, nos temas, na alma.

Tem namoro de portão que não dá em nada; mas às vezes vinga. Esta é minha segunda coluna, depois de alguns meses postando no blog do Digestivo. Ando de novo apaixonada pelo texto, pelo ato de escrever, pela descoberta de novas formas de pensar e traduzir o mundo. Faz tempo que eu não andava por aí com a sensação de ter borboletas esvoaçando no estômago - e com a leveza de descobrir que o melhor texto é o texto que dá prazer em fazer e ler.


Verônica Mambrini
São Paulo, 4/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
02. Era uma vez... de Rafael Fernandes


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. Boas histórias — e de verdade - 28/1/2008
03. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
04. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
05. Religião prêt-à-porter - 10/3/2008


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/12/2006
04h15min
Nossa!!! Mto bom o texto... simples e prazeiroso!
[Leia outros Comentários de Paulina ]
28/12/2006
18h28min
na esteira de bergman, o que não se escreve por prazer, ou, como quer rilke, por necessidade inata, é prostituição e vilania. pelo menos, que se cobre bem pelo serviço, apesar da tristeza de uma vida de "pelo menos". abraços.
[Leia outros Comentários de coelet]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês