Namoro de portão | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Segunda-feira, 4/12/2006
Namoro de portão
Verônica Mambrini

+ de 3500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Minha história com o Digestivo Cultural parece um pouco com namoro de portão: nem lembro bem exatamente quando comecei a ler, mas já faz um tempinho. Eu, que me formei ano passado, estava na primeira metade da faculdade. Assinei a newsletter e comecei a acompanhar novos colunistas chegando, as clássicas polêmicas em assuntos ligados à cultura pop, à discussão literária. A primeira sensação é de um estranhamento delicioso: muito texto, assuntos não obrigatoriamente vinculados à ordem do dia e, paradoxalmente, uma das coberturas opinativas de Internet mais vanguardistas a qual eu tinha acesso.

Um dia eu fiquei sabendo, pela leitura do Digestivo, que um colega de faculdade estava estreando coluna: era Guilherme Conte, escrevendo sobre teatro. Comecei a acompanhar mais de perto, primeiro porque já lia o Digestivo, depois porque era uma pessoa bacana assinando e enfim porque era um assunto que me interessa muito (cheguei a fazer um programa para a rádio da faculdade, o Terceira Campainha, que sumiu sem deixar vestígios, inclusive dos arquivos da rádio universitária).

De repente, meses depois, aparece um convite (via Orkut, comme il faut) para escrever para o site. Julio Daio Borges perguntou: "Você já pensou em escrever para o Digestivo?". Sim, eu já tinha pensado. Eu já tinha jogado uns olhos compridos... Comecei pelo blog, não por limitação editorial, e sim por uma questão minha mesmo. Vontade de ir pegando o jeitinho do Digestivo mais aos poucos. Uma caipira acanhada atrás do portão, olhando pro mar da Internet. E acabou sendo bom para mim esse começo tímido: faculdade de jornalismo é algo castrante. Se não tomar cuidado, a gente acaba em quatro anos desaprendendo a escrever de um jeito espontâneo, e começa a ficar cheio de cacoetes e soluções formulaicas. É claro que isso não acontece com todo mundo, mas se a faculdade de jornalismo inegavelmente, por um lado, te ajuda a resolver problemas técnicos de texto, como clareza e objetividade, por outro é uma fábrica de salsicha. Com jornalismo cultural, então, é um pesadelo.

Acho que existem duas formas de se aprender a escrever: uma é lendo bons textos. Escolher com carinho o que se lê e prestar atenção em como forma e conteúdo se harmonizam (ou fazer o contrário, se perguntar por que determinado texto não funciona), seja em embalagem de chocolate, quadrinhos de jornal ou clássicos da literatura universal. Mas tem uma outra forma que é a minha preferida: ter tutores, alguém que escreva bem e seja um bom editor, que pare para canetar textos, enchê-los de marquinhas, rabiscos e comentários. Das primeiras vezes em que submeti meu texto a isso, saíram quebra-paus enormes e conselhos sem preço. Doeu. Cheguei a chorar. Mas depois comecei a gostar, não sei se masoquistamente. Você dá sorte quando encontra alguém que não é apenas um bom editor, mas um educador também. Às vezes um texto precisa de rigor e técnica, mais cérebro e menos emoção; qualquer manual de redação resolve. Mas às vezes, texto tem que ter capricho na estrutura, no ritmo, na musicalidade. E texto vivo, pulsante, só quem tem alma de educador (quem sabe de poeta-cronista) sabe canetar.

Ouvir esse tipo de crítica sem pressa, sem obrigação de mudar o texto, traz muitas surpresas interessantes - mesmo quando não se concorda com o comentário. A maioria das pessoas que eu conheço e que escrevem detesta ser editada, e é compreensível, já que geralmente quando se passa por essa situação, as mudanças no texto são irrecorríveis e violentas, mutiladoras, não um jogo divertido de experimentação com frases, estruturas e significados. Eu bem que queria ter o rigor e a disciplina germânicos para sentar e escrever como quem conserta um eletrodoméstico quebrado, mas nessa nossa cultura latina, escrever é quase sempre um ato de paixão. Mesmo quando os filtros são intelectuais, a motivação para entender e discutir a cultura é visceral. E um texto é defendido a navalha como quem protege a própria cria.

Atravessar esse processo não foi fácil para mim; se aprendi a aproveitar o que a opinião alheia pode ter de bom, também perdi a personalidade no texto e até a vontade de escrever algo que tivesse a minha cara (e não a cara do cliente ou publicação para quem eu estou escrevendo. Sabe aquele momento em que você não sabe o que gosta, em que redige até bilhetinho pessoal editando em função dos outros o que está escrevendo?). Mas acabada a faculdade, e com mais tempo para refletir sobre a vida e a escrita, deu prazer em escrever de novo - ainda que esse prazer para mim tenha se tornado para sempre agridoce. Logo aí, surge o convite para fazer parte do Digestivo Cultural.

Por conta dessas reflexões, o Digestivo para mim também foi um batismo de fogo no jornalismo, e mais ainda. Não só com formas e temas, foi a grande quebra de paradigmas com relação à Internet, e também com a mídia em geral. Hoje acredito piamente que o jornalismo como conhecemos vai acabar; esse ambiente de liberdade total, de auto-regulação e edição que é a Web, com regras novas, mudou a mídia irreversivelmente. Hoje sou uma entusiasta ardorosa do Google (viciada a partir do momento em que o Gmail, o Orkut e o Google Talk se integraram), e defensora do wiki. Não puramente por questões ideológicas (mesmo que também por elas), mas porque o futuro caminha para a colaboração como forma de se relacionar com a informação. E o que o Digestivo tem a ver com isso? Simples: para mim, como leitora e colaboradora, foi onde começaram essa percepção e discussão. E é impossível passar por esse ambiente sem se deixar mudar, no texto, nos temas, na alma.

Tem namoro de portão que não dá em nada; mas às vezes vinga. Esta é minha segunda coluna, depois de alguns meses postando no blog do Digestivo. Ando de novo apaixonada pelo texto, pelo ato de escrever, pela descoberta de novas formas de pensar e traduzir o mundo. Faz tempo que eu não andava por aí com a sensação de ter borboletas esvoaçando no estômago - e com a leveza de descobrir que o melhor texto é o texto que dá prazer em fazer e ler.


Verônica Mambrini
São Paulo, 4/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
02. Mente Turbinada e Brasil na Copa de Marilia Mota Silva
03. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque de Humberto Pereira da Silva
04. Todo mundo é bonito de Ana Elisa Ribeiro
05. Hitch 22 de Guilherme Pontes Coelho


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. Boas histórias — e de verdade - 28/1/2008
03. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
04. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
05. Religião prêt-à-porter - 10/3/2008


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/12/2006
04h15min
Nossa!!! Mto bom o texto... simples e prazeiroso!
[Leia outros Comentários de Paulina ]
28/12/2006
18h28min
na esteira de bergman, o que não se escreve por prazer, ou, como quer rilke, por necessidade inata, é prostituição e vilania. pelo menos, que se cobre bem pelo serviço, apesar da tristeza de uma vida de "pelo menos". abraços.
[Leia outros Comentários de coelet]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO E PROCESSO DO TRABALHO- COLEÇÃO OAB NACIONAL
ANDRÉ HORTA MORENO VENEZIANO
SARAIVA
(2009)
R$ 35,91



MADRU - A LENDA DA GRANDE FLORESTA
FREDERIK HETMANN
PENSAMENTO
(1995)
R$ 15,00



ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: PARA CURSOS DE ECON. ADMINISTRATIVA
MARCO ANTONIO SANDOVAL DE VASCONCELLOS / AMAURY P.
ATLAS
(1996)
R$ 6,90



DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO - UMA DISCUSSÃO HISTÓRICA
THEO SANTIAGO
CONTEXTO
(1988)
R$ 23,57



TEATRO COMPLETO DE ARAÚJO PORTO-ALEGRE - TOMO II
EDWALDO CAFEZEIRO E RENATA GUERRA ( ORG. )
FUNARTE
(1997)
R$ 12,00



REVISTA CARTA NA ESCOLA N° 10
N/D
CONFIANÇA
(2006)
R$ 23,00



VOCABULÁRIO JURIDICO VOLS. 1, 2, 3 E 4, 2 EM 2
DE PLÁCIDO DA SILVA
FORENSE
(1996)
R$ 39,95



BRASIL-MENINO
FÁTIMA MIGUEZ
DCL DIFUSÃO CULTURAL DO LIVRO
(2006)
R$ 25,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2012)
R$ 12,04



REI BRANCO RAINHA NEGRA
PAULO AMADOR
LE
(1992)
R$ 5,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês