Quatro Mitos sobre Internet - parte 2 | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/12/2002
Quatro Mitos sobre Internet - parte 2
Adrian Leverkuhn

+ de 3400 Acessos

[começa aqui.]

2. Mito da Regularização Impossível

O mito seguinte refere-se à crença de que não exista uma forma de regularização da Internet - que sua distribuição "rizomática", como muitos gostam de dizer, a tornaria simplesmente indomável. Não haveria como, por exemplo, parar as redes peer-to-peer: derruba-se o Napster, derruba-se o Audiogalaxy, mas os usuários acabariam sempre encontrando uma nova forma de se organizar, criar um novo programa e compartilhar seus arquivos de forma ainda mais poderosa; tira-se do ar um site com conteúdo ilegal (seja racista, difamatório, com pornografia infantil) e brotam, em resposta, mais vinte do mesmo tipo. Aos governos, e ao mundo de carne e osso em geral, restaria apenas aceitar o caráter anárquico, incontrolável da internet.

É uma fantasia curiosa, na era do Panopticon (a fantasia do controle total, do olho que a tudo observa). Ao mesmo tempo em oposição e como complemento, sonha-se com mostrar-se para todos, falar para todos, e ainda assim ser invisível; ser uma parte integrante da sociedade e ao mesmo tempo intocável, poder ignorar suas forças e suas regras. Foucault disse que o Panopticon é uma estrutura de poder reduzida à sua forma ideal, além de qualquer resistência, e que, por isso mesmo, perde qualquer utilidade: é apenas um olhar, inelutável, mas incapaz de fazer qualquer coisa além de olhar. A rede indomável, por sua vez, seria um se mostrar universal, um ser visto que, no entanto, se resume ao ser visto - mesmo os defensores mais radicais da anarquia digital mostravam-se desinteressados em mudanças sociais no mundo real, em suas casas abastadas na Califórnia. Mas a rede desregulada e anárquica não é, ao menos parcialmente, uma verdade? Não foi, no princípio, quase verdade?

O atual modelo da internet foi pensado para proteger a informação - a Darpanet, primeiro exemplo do tal modelo, (e não é deliciosamente irônico que a internet "anárquica" tenha nascido de um experimento militar?) foi criada justamente com esse intento - a informação, e, principalmente, o processamento de informação, distribuídos entre vários computadores, seria menos vulnerável a um ataque (no sentido antigo, de se jogar bomba mesmo) do que se estivessem centrados em uma única localização. Só depois é que se descobriu as outras utilidades da informação distribuída, quando então o modelo foi apropriado pelas universidades com o fim, não de proteger, mas de compartilhar o conhecimento e a capacidade de processá-lo. Aí é que entra o acidente que gera a internet: ninguém, ou quase ninguém, esperava que a rede, ao ser aberta ao público geral, atraísse tanta atenção. E daí que um belo dia a evolução das tecnologias midiáticas - tendendo, sempre, à comunicação hierarquizada e totalitária - esbarra com um meio internacional que não pode, aparentemente, ser censurado, ou, pelo menos, que não pode ser censurado silenciosa e discretamente. Mas, é bom repetir, foi um acidente: se se tivesse antevisto a possibilidade do surgimento de redes peer-to-peer já no começo da internet, elas teriam sido cortadas pela raíz, e não assistiríamos hoje as tentativas desajeitadas e ambíguas de impedir seu funcionamento. O mesmo vale para todos os outros mecanismos de censura e controle que vemos brotar por toda a parte - o Grande Firewall da China, o Carnivore do FBI, a caça às bruxas contra pedófilos (que parece só se preocupar com quem recebe e transmite, nunca com quem cria as imagens), antes do atentado, e a terroristas, depois do atentado; ou mesmo mecanismos judiciais, como os que levaram o "cocadaboa.com", um site de humor, a se hospedar na Eslovênia, e o blog "anti-lula", que consistia, conforme me informaram posteriormente, apenas de uma seleção de matérias publicadas na grande mídia, a ser tirado do ar; para não falar de Paul Trummel, jornalista que foi parar na solitária por "failing to permanently alter the accusatory language on his Web site". Se a internet é, ainda hoje, um espaço onde informação ilegal - ou ao menos impublicável nas mídias já domesticadas - ainda circula ao alcance do usuário doméstico que tenha tempo e conhecimento para localizá-la, nós o vemos em quantidade muito menor do que poucos anos atrás, e a tendência é continuar com a escalada do controle e a manutenção de mecanismos para tanto ainda maiores e mais poderosos. A Internet não é a dimensão paralela da informação, como se sonhou, mas algo que faz parte do mundo real, sustentado por dinheiro e equipamento bastante reais, que terá que entrar em equilíbrio com a sociedade. O máximo que podemos esperar é que a sociedade também se adapte à internet, e não só a segunda à primeira: que o internacionalismo, o compartilhamento de conhecimento e a liberdade que a grande rede implica sejam incorporados ao mundo real, à medida do possível, e não a redução da internet a uma espécie de TV interativa, ou a um protótipo de seu inverso simbólico, o Panopticon de que estamos cada dia mais próximos.

3. O Mito da Voz

O mais conhecido deles, é talvez o único ponto com que todos os entusiastas - e muitos dos céticos - concordam: que a internet, dando a todos a chance de falar para milhares, ou até milhões de pessoas, teria dado uma "voz" para os oprimidos, permitindo que denúncias e discursos que anteriormente jamais seriam transmitidos em massa alcancem o grande público. É claro que não se pode dizer que essa assertiva é falsa - algumas linhas acima eu mesmo argumentei que a internet ainda permite o tráfego de informação ilegal ou "impublicável", o que significa, sim, dar voz a quem antes não teria a chance de falar - ou falar dessas coisas, pelo menos. O problema está no exagero com que esta "Voz" é cultuada - alguns falam num renascimento da voz (quando foi que a mataram? Quando foi a última vez que ela esteve viva?), outros a adotam como o nascer de uma nova era, uma grande revolução com traços utópicos e raízes meio hippies. É aí que é preciso pedir que se seja um pouco mais sóbrio.

A crítica mais comum é simples e imediata: apenas uma pequena parcela da população mundial está online. Estima-se, de fato, que menos de 450 milhões de pessoas têm acesso à internet - o que nos deixa com mais de cinco bilhões e meio de excluídos digitais, gente ainda, por assim dizer, "sem voz". Mas considere-se os que têm acesso: apenas 4% deles são sul-americanos (segundo estimativa da Nielsen/NetRatings), por exemplo, e a proporção africana é ainda menor. Finalmente, desconta-se os que usam a internet apenas para enviar e-mails para amigos e familiares, usar um instant messenger e procurar pornografia - quantos ainda restam? Dá para fazer uma revolução cultural no mundo inteiro com esse tantinho de gente?

A segunda crítica é que mesmo aqueles que têm a oportunidade de usar a internet para obter e divulgar informação relevante raramente estão interessados em fazê-lo. Há, claro, várias redes de pessoas que aproveitam as características do meio para tanto - e aí está o grande potencial da internet, que é permitir que estas pessoas se encontrem e dialoguem; são, sempre, pessoas já inclinadas a fazê-lo, que teriam o mesmo interesse e dedicação sem a rede, mas que jamais se encontrariam sem ela, ou, no mínimo, com muita dificuldade. Os demais aproveitam o anonimato e a liberdade de expressão a eles concedidos, pelo contrário, para reafirmar o sentimento de grupo e renovar seus preconceitos (que é, afinal, o que a maioria das pessoas faz quando "discute" algum assunto); ao invés de revelar o que a mídia profissional estaria escondendo deles, a maioria dos usuários prefere apenas propagar o que ouviu nesses canais, e tira seu sentimento de radicalidade de bradar com todas as letras o que a mídia profissional guarda para as entrelinhas, para pressupostos implícitos e manipulativos que os usuários deveriam desmascarar. Isso quando tanto: a maior parte do tempo a "libertação da voz" graças ao anonimato é mais aproveitada para fantasias sexuais, a incorporação de personagens idealizadas - as pessoas ricas, inteligentes e bonitas que elas gostariam de ser - que, propriamente, para discussões políticas ou sociais - o que é um tanto revelador, não só sobre o meio mas também sobre o ser humano em geral.

4. O Mito da Responsabilidade

Finalmente, o último mito sobre internet a ser discutido aqui é o que fala de uma certa obrigação moral decorrente de se ter acesso à informação. O exemplo típico é o Holocausto: os civis alemães podiam, à época, argumentar que não sabiam o que acontecia nos campos de concentração, como forma de justificar não terem feito nada a respeito; com a internet, pelo outro lado, tal desculpa não seria mais possível - alguém descobriria, alguém colocaria on-line, e todos teriam acesso a essa informação. Se escolheriam acreditar ou não, e fazer ou não alguma coisa a respeito, ficava somente a cargo dos usuários; ninguém mais é inocente.

Aqui seria possível reiterar tudo que já foi dito até agora: que a informação muitas vezes é filtrada com critérios outros que sua veracidade, que apenas uma pequena parcela da população tem realmente acesso à internet (e sabe como achar informação, uma vez nela), que as vozes responsáveis e de minorias são de interesse de apenas uma pequena parcela dos usuários, etc. Além disso, o que é publicado na web muitas vezes pode ter o efeito contrário, como uma artimanha política que coloca o público no escuro mais do que o esclarece.

Uma prática bem exemplar desse uso da web foi noticiada pelo site de notícias Ynet.co.il: um grupo de civis israelenses, segundo o site, teria registrado vários domínios com nomes de cidades e organizações palestinas, e então criado sites "palestinos" em seu lugar. O usuário, usando a internet para tentar ouvir o "outro lado da história" (encantado, neste caso, pelo mito da voz), encontra então uma página aparentemente banal, mas que, conforme ele vai clicando, revela discursos sanguinários e fotos de atentados. Não é um evento isolado: a prática de cria um site aparentemente pertencente a inimigos políticos e então utilizá-lo para difamá-los já tem até nome - Political Cybersquatting - e já foi, inclusive, adicionado à legislação referente a computer-crimes na Califórnia. No Brasil, embora Cybersquatting seja raro, é comum receber e-mails de corrente com informações falsas, assinados por jornalistas e colunistas famosos ou professores universitários que jamais escreveram aquilo, ou que nem existem. (Certa vez, recebi até um e-mail cheio de denúncias sobre as privatizações não lembro agora exatamente do quê, de um professor de uma universidade federal da bahia com e-mail @ufba.com.br . .com, vejam só - o sujeito nem se deu ao trabalho de verificar que as universidades federais, não sendo instituições comerciais, não têm e-mails .com!) Acreditar que só porque alguma denúncia foi feita na internet nós todos teríamos que arcar com a culpa de tê-la ignorado é muito inocente: obviamente circulariam várias outras antagônicas, criadas justamente para abafar a primeira, e muito poucos conseguiriam filtrar qual delas é verdadeira - a maior parte do público permaneceria tão iludido como sempre.

A Máquina de Escrever - a grande invenção de nosso tempo

Em 1930, com o êxito das primeiras máquinas de escrever elétricas comerciais, o New York Times previu, pomposamente, que em poucos anos ninguém mais estaria usando lápis. Alguns anos antes, estudos e artigos eram publicados falando de como a invenção da máquina de escrever revolucionaria a sociedade, democratizando algo que só era possível até então com grandes máquinas de editoras, e que agora estaria ao alcance de cada pessoa que quisesse se expressar. Alguns até mesmo previam efeitos terríveis com o advento da máquina de escrever.

É meio embaraçoso, para quem hoje comenta ou estuda as novas mídias e seus possíveis efeitos sociais, ver o entusiasmo daquela época, tão parecido com o nosso e tão equivocado. É provável que a internet vingue, que sua promessa de democratização da informação seja mais sólida e perene que a da máquina de escrever; ainda assim, é um paralelo que invoca cautela e merece atenção. Não podemos, é óbvio, ignorar as mudanças na forma das pessoas se comunicarem que estamos hoje presenciando; mas tão perigoso quanto é se deixar impressionar e perder os pés do chão. É sempre bom realizar um reality-check, e lembrarmos do perigo de sermos vistos, no futuro, como a *outra* geração a decretar o fim do lápis e tocar fanfarras para máquinas de escrever.


Adrian Leverkuhn
Brasília, 4/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A guerra do silêncio e da antidemocracia de Rennata Airoldi


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FACA DE DOIS GUMES
FERNANDO SABINO
RECORD
(1985)
R$ 4,98



SER+ EM EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE
MÁRCIA RIZZI & MAURICIO SITA
SER MAIS
(2012)
R$ 15,00



OLHAR, ESCUTAR, LER - 1ª EDIÇÃO
CLAUDE LÉVI-STRAUSS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1997)
R$ 98,95



CONFERÊNCIAS E DISCURSOS: COM DEDICATÓRIA DO AUTOR
OLIVEIRA E SILVA
AURORA (RJ)
(1965)
R$ 26,82



INGLÊS EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
HELOÍSA LEME G. DE CARVALHO ET AL
EDUCARTE
(1999)
R$ 10,00



A DÉCIMA TERCEIRA HISTÓRIA
DIANE SETTERFIELD
RECORD
(2007)
R$ 14,00



A INFÂNCIA RECUPERADA
FERNANDO SAVATER
PRESENÇA
(1997)
R$ 46,70



CANTO EM MARCHA - MÚSICA FOLK E DIREITOS CIVIS NOS ESTADOS UNIDOS
MARIANA OLIVEIRA ARANTES
ALAMEDA
(2016)
R$ 49,90



COMPREENDER WITTGENSTEIN
KAI BUCHHOLZ
VOZES
(2008)
R$ 40,00



AS MARCAS NO DIVÃ
JAIME TROIANO
GLOBO
(2009)
R$ 11,00





busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês