O tesouro das irmãs Klabin reunido no Rio | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 29/6/2004
O tesouro das irmãs Klabin reunido no Rio
Luis Eduardo Matta

+ de 3800 Acessos

Por obra de uma dessas circunstâncias inexplicáveis do cotidiano, nunca visitei a Fundação Eva Klabin Rappaport, apesar de sempre ter alimentado um enorme interesse em conhecer o seu valioso acervo e de a mansão em estilo normando que abriga as suas instalações, encravada em plena Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, ficar a não mais de dez minutos a pé do edifício onde eu moro. Não sei se o fato de precisar agendar a visita com antecedência pelo telefone serviu como desestímulo para alguém como eu, habituado a freqüentar museus com a mesma cerimônia de quem vai à padaria, mas o certo é que, hoje, qualquer listagem de instituições culturais cariocas que se preze, precisa, obrigatoriamente, incluir uma menção de destaque ao acervo legado à sociedade pela milionária Eva Klabin Rappaport, que faleceu em 8 de novembro de 1991, aos 88 anos de idade.

Numa época de esvaziamento cultural, em que as fortunas já não estão associadas, como no passado, ao mecenato e à valorização da arte e das letras, a história de Eva Klabin e sua disposição em tornar público o seu acervo, a exemplo do que fizeram muitos milionários nos Estados Unidos, torna-se ainda mais fascinante e admirável. Não custa lembrar que alguns dos mais renomados museus norte-americanos - como o Whitney e o Guggenheim, em Nova York e o Salvador Dali, na Flórida - foram fundados a partir de coleções particulares e com uma ajuda providencial do capital privado, ao contrário do Brasil onde o estado quase sempre teve um papel preponderante na formação de acervos. Um exemplo famoso é o do Museu Nacional, um dos mais importantes da América Latina, cuja soberba coleção não apenas se originou das peças reunidas pela Coroa brasileira ao longo do século XIX, como está instalada há mais de cem anos no próprio palácio onde viveram três gerações da família imperial, de 1808 a 1889, na Quinta da Boa Vista, zona norte do Rio.

Com a abertura, no último dia 1° de junho, da exposição Universos Sensíveis - As coleções de Eva e Ema Klabin, no Museu Nacional de Belas Artes, surgiu o incentivo que me faltava para, finalmente, apreciar a nata dos tesouros de Eva Klabin Rappaport e, de quebra, descobrir a não menos importante coleção de sua irmã caçula, Ema Gordon Klabin, idealizadora, assim como Eva, de uma fundação com o seu nome que, em breve, será inaugurada na mansão onde a colecionadora, morta em 1994, viveu, no bairro paulistano do Jardim Europa. Fui lá conferir e não me arrependi. A mostra reúne pela primeira vez no Rio uma cuidadosa seleção dos dois acervos - incluindo pinturas, esculturas, móveis, prataria e peças decorativas, que abrangem um período de três milênios - e é um programa imperdível para quem adora perder as horas rodeado pelas belezas do melhor que a arte jamais produziu.

A exposição, organizada na Galeria do século XXI do MNBA - cujo acesso se faz por uma escada a partir da Galeria do século XX - já passou pela Pinacoteca do Estado, em São Paulo e é dividida, fundamentalmente em três núcleos: um dedicado à coleção de Eva, outro à de Ema e um terceiro - na verdade o primeiro deles, para onde convergem os outros dois -, no qual o visitante encontrará uma magnífica reunião de peças de ambos os acervos, além de painéis com a cronologia da vida das irmãs e duas vitrines contendo alguns objetos ilustrativos, como certificados de autenticidade de obras de arte, antigos livros e catálogos de exposições, fotografias estampadas em jornais e alguma correspondência, como as da fundação J. Paul Getty e da casa de leilões Sotheby's para Eva Klabin.

Passando ao núcleo de Eva Klabin deparamos, logo na entrada, com um imponente relógio francês do século XIX, ricamente trabalhado, cujos ponteiros marcam as horas no sentido contrário. Curiosamente, a mostra de seu acervo se encerra também com um relógio, este com as horas dispostas na sua ordem normal. Talvez uma alegoria da peculiar relação de Eva com o tempo - ela tinha hábitos noturnos, costumava trocar o dia pela noite e, não raro, recebia em casa ritmistas da escola de samba Portela, para tomar o café da manhã antes de ir se deitar. Nota-se uma predominância de obras clássicas e antigas, já que, com raras exceções, Eva Klabin não demonstrava maior apreço pela arte moderna. Os destaques ficam para o Retrato de Nicolaus Padavinus uma grandiosa pintura do artista veneziano Tintoretto (1518-1594) e, especialmente, para uma madona atribuída ao florentino Botticelli (1444-1510), estrela de uma divisão da mostra intitulada Maternidade como origem, onde diversas madonas evidenciam a admiração de Eva, que não teve filhos, pela maternidade.

A coleção de Ema Klabin, por sua vez, é mais diversificada e reúne também obras de artistas brasileiros como Brecheret, Portinari e Di Cavalcanti. Mestre Valentim é uma atração á parte. Para a exposição, foram selecionadas peças de sua autoria, como uma sanefa e dois impressionantes fustes de coluna, todos sobreviventes da antiga igreja de São Pedro dos Clérigos, no Rio de Janeiro, uma jóia barroca criminosamente demolida na década de 1940 para a abertura da avenida Presidente Vargas. Merece igual atenção um lindo cofre relicário do século XIX, provavelmente austríaco, trabalhado em metal dourado, esmalte e pedraria, que reluz numa das vitrines do primeiro segmento do núcleo de Ema.

O grande demérito da exposição fica por conta da ausência de folders explicativos na entrada, à vista dos visitantes. Uma falha grave, se considerarmos que o público médio, pouco familiarizado com os meandros da história da arte, poderá encontrar dificuldades para compreender a importância das duas coleções e situá-las no seu contexto histórico. Um breve guia da mostra, destacando as obras mais importantes e fornecendo um apanhado geral da vida das irmãs Klabin também seria muito bem-vindo. Para compensar, sugiro aos mais precavidos que improvisem um guia substituto, levando consigo algum texto sobre a exposição já publicado na imprensa ou na Internet. Acreditem: será uma ótima companhia se o objetivo for mais do que simplesmente contemplar as peças como num show-room de antiguidades decorativas. A mim, pelo menos, fez alguma falta.

* A mostra Universos Sensíveis - As Coleções de Eva e Ema Klabin ficará em cartaz até o dia 1° de agosto de 2004 no Museu Nacional de Belas Artes - Av. Rio Branco, nº 199/Rio de Janeiro.

Anticlímax no final de Celebridade

No momento em que escrevo estas linhas, a novela Celebridade, da rede Globo, exibe suas cenas finais. Embora não tenha acompanhado a novela com a freqüência devida, não resisti a deixar minhas impressões sobre o desfecho da trama, em especial à decepcionante e insossa solução encontrada pelo autor, Gilberto Braga, para a morte de Lineu Vaconcellos, interpretado por Hugo Carvana. Escolher a óbvia vilã Laura (Claudia Abreu) como assassina, depois de todo o suspense armado e alimentado durante meses junto ao pobre e crédulo telespectador, foi de um amadorismo sem limites, incompatível com a criatividade que se espera de um autor televisivo com tantos anos de estrada; o mesmo que, em tempos idos, assombrou o público com soluções inusitadas e bem orquestradas para crimes em novelas como Vale Tudo e Força de um Desejo. A impressão que ficou é a de que Braga estava exaurido depois de tantos meses de trabalho contínuo e decidiu escrever, às pressas, o primeiro final que lhe veio à cabeça.

Isso tudo só serve para corroborar a minha tese de que, com raríssimas exceções, a ficção de mistério e suspense no Brasil - esteja ela nas páginas de um livro, na telona ou na telinha - ainda precisa amadurecer e se aprimorar horrores para atingir um nível mínimo de qualidade técnica e romanesca que a coloque em pé de igualdade com a produção internacional no gênero. Celebridade, embora não tenha sido idealizada para ser puramente um thriller, a partir do momento em que introduziu um assassinato misterioso no meio da trama, incorporou elementos inegáveis da narrativa de suspense, que acabaram não recebendo do autor um encaminhamento decente. É uma prática, aliás, muito comum no Brasil, sobretudo na nossa escassa Literatura policial. O autor cria um emaranhado intrincado de situações e depois não sabe como resolvê-lo, apelando, no fim, para uma solução qualquer. Sempre foi assim e nem entendo o porquê do meu espanto. Afinal, eu já devia estar mais do que habituado.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 29/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Por um 2015 sem carteiradas de Marta Barcellos
03. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras de Marilia Mota Silva
04. Em Tempos de Eleição de Marilia Mota Silva
05. A vida do livreiro A.J. Fikry, de Gabrielle Zevin de Ricardo de Mattos


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




50 TONS DE ROSA - PELOTAS NO TEMPO DA DITADURA
LOURENÇO CAZARRÉ (ORG.)
ARTES E OFÍCIOS
(2016)
R$ 30,01



CURSO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO
SEBASTIÃO FAUSTINO DE PAULA
VESTCON
(2013)
R$ 15,00



FAMÍLIA UM PLANO DO AMOR DE DEUS
JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA
CENTRO DE CONVENÇÕES CRISTÃ
R$ 8,00



JOÃO CÂMARA 1986
MARIO TAKEYA
SEBO VERMELHO
(2016)
R$ 40,00



AH, SE EU SOUBESSE...
RICHARD EDLER
NEGÓCIO
(1997)
R$ 6,99



FIRST LIGHT - DOIS MUNDOS, UM SEGREDO
REBECCA STEAD
ID
(2010)
R$ 17,42



L EMPREINTE SACRÉE DU BOUDDHA
E F LUDOWYK
LIBRAIRIE PLON
(1958)
R$ 15,00



APAIXONADA POR PALAVRAS
PAULA PIMENTA
GUTENBERG
(2014)
R$ 13,00



O PREÇO DO AMOR
DANIELLE STEEL
RECORD
(2003)
R$ 12,00



MULHER E DISCRIMINAÇÃO
RAQUEL DINIZ GUERRA
FORUM
(2011)
R$ 16,32





busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês