Paulo Mendes da Rocha (1929-2021) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
>>> Anonimato: da literatura à internet
>>> Inesquecíveis aventuras
Mais Recentes
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
>>> O Mundo é Plano uma Breve História do Século XXI de Thomas L. Friedman pela Objetiva (2005)
COLUNAS

Domingo, 23/5/2021
Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
Julio Daio Borges

+ de 1100 Acessos

Fiquei triste com a morte de Paulo Mendes da Rocha.

Não fiz arquitetura, não estudei na FAU/USP, mas herdei, da Carol e dos seus colegas, uma admiração por ele.

Paulo Mendes foi orientador da Carol, no seu trabalho de conclusão de curso, em 1997. Começamos a namorar em 1998 e, por pouco, eu não peguei a apresentação do TCC dela, em que ele teve participação especial.

Mesmo não sabendo nada de arquitetura e mesmo tendo um interesse pequeno, que foi crescendo ao longo dos anos, eu adorava vê-lo falar.

Pensei que, como Borges, no final da vida, era chamado em todo o mundo, porque era “a voz” da literatura, Paulo Mendes da Rocha era a arquitetura falando (como se isso fosse possível - ele diria, num uso muito particular do imperfeito do subjuntivo).

Paulo Mendes dizia que a arquitetura era para ser vivida, mais do que vista, e, nesse sentido, vivi em seus projetos, como o da Pinacoteca do Estado, a que eu ia, mesmo que só para ver o acervo permanente, pelo tanto que eu me sentia bem naquele lugar.

No maravilhoso documentário sobre Villanova Artigas, disponível no Prime Video, Paulo Mendes da Rocha fornece alguns dos principais depoimentos.

Lá se conta a história curiosa de ter sido convidado por Artigas para dar aulas na FAU/USP, sendo que ele, Paulo Mendes, era arquiteto do Mackenzie.

E agora leio, no obituário que uma colega da Carol escreveu para a Folha, que, na verdade, Paulo Mendes foi para o Mackenzie porque não queria ir para a Poli/USP, onde seu pai - Paulo de Menezes Mendes da Rocha, engenheiro - era diretor, e onde se oferecia o curso de engenheiro-arquiteto (o que havia, na época).

Não me lembro se foi Tom Jobim ou Chico Buarque quem disse que arquitetura era “a engenharia de quem não queria fazer engenharia”. O fato é que ambos foram fazer arquitetura - e quem ganhou foi a nossa música.

Antes da pandemia - parece que faz muito tempo, mas foi outro dia -, percorri a “Ocupação” Paulo Mendes da Rocha, no Itaú Cultural, e saí embevecido, com seu trabalho e seus depoimentos.

Era jovial e altivo, como se ignorasse a própria idade, e fazia questão de sair caminhando pelas ruas de São Paulo, mesmo na última década antes do seu centenário.

Acompanhei suas aparições desde 1998, e nunca me pareceu que tivesse 70, 80 e, mais recentemente, 90 anos.

A Carol me contava que ele participava do tradicional “happy hour” da FAU, que tinha uma roda de samba, onde Paulo Mendes comparecia tocando pandeiro. E que ficavam todos admirados de ver o grande professor, das aulas, aterrissar num prosaico happy hour e batucar como um simples mortal.

Sempre me impressionou que fosse apaixonado por São Paulo, embora tenha nascido em Vitória, no Espírito Santo, e tenha vivido no Rio, na infância, antes de vir pra cá.

Os elogios que tecia à nossa cidade eram surpreendentes, porque a tendência dos paulistanos é execrar a própria cidade - seja pela ausência de planejamento urbano; seja pelo crescimento desordenado; seja pela pura e simples falta de beleza estética.

Paulo Mendes via a cidade como um grande espaço de convivência e não aceitava que as pessoas se encastelassem em condomínios e se isolassem em bairros afastados - algo que considerava artificial.

Não se conformava com grades, catracas e credenciamentos, hoje comuns em qualquer edificação. Achava o cúmulo que, para entrar num lugar, você tivesse de ser praticamente fichado e tivesse de dizer “o que vai fazer lá”.

O que normalmente vemos como um problema - como o adensamento populacional, por exemplo -, Paulo Mendes via como solução. Seu Sesc foi o da 24 de Maio e um dos seus projetos mais caros - entre os não-executados - era um remodelamento da Praça da República. Encarava os desafios mais complicados, em vez de fugir do Centro e se refugiar em outras localidades.

Outra personagem que dá uma grande parte dos depoimentos no documentário do Vilanova Artigas (supracitado) é a Rosa Artigas, filha dele, que, por coincidência, foi quem me convidou - a mim e ao Digestivo - para fazer uma série de eventos na Casa Mário de Andrade: um ciclo que chamamos de “A Palavra na Tela”, na década dos 2000, aproximando a literatura da internet - e vice-versa.

Quando vi a Rosa, conduzindo o fio do pequeno-grande Artigas, e das suas relações com a FAU/USP, me senti conectado, mais uma vez, a esse legado - embora, como já disse, nunca tenha estudado lá, tendo apenas compartilhado algumas memórias.

E, recentemente, esse link foi refeito, de maneira nova. A irmã da minha namorada, Camila, é da equipe de arquitetura responsável pela reconstrução do Museu da Língua Portuguesa, depois do incêndio, originalmente um projeto dele.

Paulo Mendes da Rocha se foi, mas suas obras, como os de Villanova Artigas, ainda estão lá. E as falas - do mestre oral - podem ser encontradas na internet. Perdemos um Sócrates da nossa arquitetura, mas, por outro lado, que privilégio ter vivido em seu tempo e lugar.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/5/2021


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
05. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Emagreça sem segredos
Jeanne Lima
Literare Books International
(2018)



Para Mim, Chega!
Yvonne Bezerra de Mello
Rosa dos Tempos
(1998)



Orgias
Luis Fernando Veríssimo
L&pm



Cozinha Vegetariana. Maçã
Caroline Bergerot
Cultrix
(2012)



A Witch Called Wanda
Telma Guimarães Castro Andrade
Atual
(1996)



O Pensamento Judeu Como Fator de Civilização
Leon Roth
Biblos
(1965)



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Os Thibault 1
Roger Martin Du Gard
Globo
(1986)



Unati - Espaço Aberto ao Ensino e á Criatividade
Maria Candida Soares del Masso
Cultura Academica
(2012)



Dinâmica de Grupo Iniciação a Seu Espírito e Algumas de Suas Técnicas
Jean-marie Aubry
Loyola
(1978)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês