Mais viagens por Budapeste | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caminho para a Saúde
>>> Romance breve
>>> Prefeito dará a carros bela vista da universidade
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> A revista Bizz
>>> Cheech & Chong reloaded
>>> A Istambul de Orhan Pamuk
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> Considerações sobre a leitura
>>> cheiro de sossego
Mais Recentes
>>> Livro Infanto Juvenis Biografia Caçadas de Pedrinho O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Auto Ajuda Gente Que Faz de Luiz Fernando Garcia pela Gente (2006)
>>> Luís de Camões Redondilhas Canções Sonetos de Luís de Camões pela Real Gabinete Portugues de Leitura (1980)
>>> Pioneiros da Cultura do Café na Era da Independência de Gilberto Ferrez pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Coleção Completa Folha Grandes Mestres da Pintura 20 Livros Vincent Van Gogh + Paul Cézanne + Monet + Goya + Picasso de Van Gogh; Picasso; Monet pela Folha de São Paulo (2007)
>>> Livro Literatura Estrangeira Os Sofrimentos do Jovem Werther Clássicos Volume 7 de J. W. Goethe pela Abril Coleções (2010)
>>> O legado de Humboldt de Saul Bellow pela Nova Fronteira (1977)
>>> Direito Civil dos Contratos e das Declarações Unilaterais da Vontade - vol. 3 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2003)
>>> Livro Administração Aprenda a Operar no Mercado de Ações de Dr. Alexandre Elder pela Campus (2006)
>>> L'Anomalie de Herve Le Tellier pela Gallimard (2020)
>>> Operação Cavalo De Tróia: Jerusalém - Vol. 1 de J.J. Benítez pela Mercuryo (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis O Picapau Amarelo Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Literatura Crime e Castigo Clássicos Volume 1 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> All You Can Do Is All You Can Do But All You Can Do Is Enough! de A.L. Williams pela Ivy Books (1989)
>>> Obras escolhidas 4 Período da terceira guerra civil revolucionária de Mao Tsetung pela Alfa Omega (1979)
>>> Introdução à Leitura d'Os Maias de Carlos Reis pela Coimbra (1997)
>>> Modèles et Innovations - Études de Littérature Portugaise et Brésilienne de Anne-Marie Quint pela Sorbonne Psn (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis Histórias Diversas Viagem Ao Céu de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Disney Horror de Vários pela Abril (2012)
>>> Livro Administração A Execução Premium The Execution Premium A Obtenção de Vantagem Competitiva Através do Vínculo da Estratégia Com as Operações do Negócio de Robert S. Kaplan pela Elsevier (2008)
>>> A Aurora Nascente de Jacob Boehme pela Paulus (1998)
>>> Luchino Visconti - O Fogo da Paixão de Laurence Schifano pela Nova Fronteira (1990)
>>> Livro Literatura Estrangeira Crime e Castigo Clássicos Volume 2 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> Les Antimodernes - De Joseph de Maistre à Roland Barthes de Antoine Compagnon pela Gallimard (2005)
>>> Livro Infanto Juvenis O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Brasiliense
COLUNAS

Quinta-feira, 12/2/2004
Mais viagens por Budapeste
Adriana Baggio
+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Puxa vida, tanto já se escreveu sobre Budapeste (Companhia das Letras, 2003), o último livro de Chico Buarque, e por gente tão mais competente para isso do que eu, que fica difícil trazer alguma coisa diferente. É claro que cada vez que alguém fala de alguma coisa vai falar algo a mais do que o que foi falado antes. Mas até que ponto essas falas diferentes podem ser melhores do que as outras?

Bom, talvez se eu falar como leitora, possa achar um algo mais que interesse a outros leitores. Só para contextualizar: Budapeste é mais um livro escrito pelo cantor e compositor Chico Buarque. Conta história de José Costa, um ghost-writer carioca que encasqueta com a Hungria e com o idioma húngaro, até se mudar para Budapeste e virar Zsoze Kósta. Como um espelho, a sua vida no Rio se reflete em Budapeste. No Rio ele é casado com uma apresentadora de TV que não dá muita bola pra ele e tem um filho mimado, meio imbecil, com o qual não tem a mínima afinidade, quanto mais a relação que se espera entre pai e filho. Em Budapeste, namora uma professora de Húngaro, que dá mais bola pra ele, mas também não é muito boazinha. Ela tem um filho mimado e insuportável, com o qual ele também não tem a mínima afinidade.

Essa metáfora do espelho está na forma e no conteúdo. Como toda forma é forma de um conteúdo e todo conteúdo é conteúdo de uma forma, a forma não é só forma, é também conteúdo. É por isso que o lance do espelho não está só no conteúdo do livro, mas também na sua forma. A contra-capa é como se fosse a capa refletida no espelho, com as palavras aparecendo de trás para frente. Mas no lugar do nome do autor - Chico Buarque - escrito de trás pra frente, tem o nome Zsoze Kósta. E aí, se a gente quiser viajar um pouco, pode começar a pirar sobre o significado dessa charadinha: José Costa é um alter ego de Chico Buarque? Zsose Kósta é quem Chico Buarque gostaria de ser? Chico Buarque também tem um ghost-writer? Como essa dualidade se encaixa na questão da autoria proposta por Michel Foucault? E por aí vai...

Bem, se o espelho reflete o indivíduo, e se a imagem é parte dele, então o reflexo materializa a divisão do um. É como se uma pessoa e sua imagem fossem uma coisa só, que se divide quando essa pessoa se vê refletida. E aí a gente entra com a metáfora de Budapeste, que na verdade são duas cidades divididas pelo Danúbio, Buda e Peste (falando assim, até parece dupla sertaneja). Então essa reiteração de duplicidades, de imagens divididas, é uma alegoria para a dualidade do ser humano, principalmente do escritor, que quando escreve é ele mesmo, mas também é outro. Até o Chico é um ser duplo, no sentido de que cabem nele características próprias de estereótipos diferentes: é compositor, mas tem uma obra literária consistente; joga futebol, mas é sensível; é lindo e famoso, mas é discreto; suas músicas são maravilhosas, mas canta mal pra caramba.

Budapeste deve ser um livro com o qual as aulas de literatura pintam e bordam, porque traz essa questão do duplo, expressa de várias formas. Chafurdar o livro em busca de referências dessa dualidade é um exercício interessante, porque aprofunda a reflexão sobre os significados mais entranhados do texto. No entanto, uma leitura superficial, de lazer, também pode proporcionar prazeres literários. Existem passagens muito engraçadas, de construção inusitada, que fazem lembrar (eu sei que é lugar comum, eu sei...) o Chico letrista. Repetindo o que eu vi escrito em algum lugar esses dias, atire a primeira pedra quem nunca achou que uma música do Chico Buarque servia direitinho para explicar sua história de amor (e aí a gente vê como as emoções humanas são básicas e repetitivas...). Pois é essa capacidade que ele tem de falar coisas que provocam a identificação com as pessoas que tornam o livro gostoso, divertido. O que é um mérito, considerando-se que o livro foi feito para ser vendido, e bem vendido, por mais que existam outros objetivos, talvez mais nobres, que permeiem a concepção da obra. E nesse ponto me deu vontade de divagar sobre os cantores e seus livros, como Madonna e seu livro infantil e Lou Reed e seu livro de fotos, mas vou deixar para outra oportunidade...

Voltando para os textos do Chico que falam de gente como a gente, tem uma hora em que, no livro, o José Costa está sentado em um quiosque da praia ouvindo conversas esparsas das pessoas que passam por trás dele. No texto, essas conversas são representadas por fragmentos de frases separadas por reticências. Aí tem uma que é assim: "...ela afastou a calcinha e veio o furúnculo...". Meu Deus, de onde ele tirou isso? Não porque furúnculos em bundas femininas sejam raridade, muito pelo contrário. Calcinhas apertadas fazem um estrago danado para a pele e para o ego, porque um furúnculo provocado por elástico apertado é humilhante. Mas será que o Chico, o Chico, já esteve frente a frente com um furúnculo numa bunda de mulher? Não consigo imaginar a Marieta Severo com furúnculo, ou qualquer outra que tenha estado com o Chico. Mas se ele botou isso no livro, ou ele já viu, ou deve ter ouvido falar. É, pode ser isso, papo de homem nas peladas que ele joga.

Mas a parte gente-como-a-gente do livro também convive com expressões como "sabendo a damasco", referindo-se ao sabor de um licor, mesmo sabendo que pouca gente sabe o que esse sabendo significa. Então, voltando àquela história dos estereótipos diferentes numa mesma figura, o livro transita bem por esses dois estilos, como José Costa pelo Rio e por Budapeste, pelo português e pelo húngaro, e como Chico pelo erudito e pelo popular, pela música e pela literatura. Sabe a impressão que dá ao comparar essas diferenças nos estilos do texto? Que é a fala de um homem de outra época, que incorporou novas expressões, novas palavras, mas que acaba tendo "recaídas" e usando termos marcantes de outros tempos. Ou que, volta e meia, deixa transparecer a erudição no meio de estruturas mais coloquiais. É, até o Chico está ficando velho. Não que isso seja ruim. Os fios de cabelo branco que já se misturam com os escuros só aumentam o charme do cara. Uma bela forma para um belo conteúdo.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 12/2/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anos 90, lado B de Noah Mera
02. A nova queda da Bastilha de Gian Danton


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Detefon, almofada e trato - 29/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/2/2004
15h22min
Muito interessante seu texto, Adriana. Levantou questões sobre as quais ainda não tinha refletido. Esse lance da dualidade (erudito, popular) tem muito sentido e nos faz 'viajar' por inúmeras outras questões. Só resta uma dúvida: será que o Chico pensou em todos esses significados quando escreveu o livro ou tudo é, na verdade, um reflexo de sua personalidade? Parabéns.
[Leia outros Comentários de Maykon Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Revista Vida Simples: para quem quer viver mais e melhor. Setembro, Edição 96
Vários Colaboradores
Abril
(2010)



Dawn - Tsumetai Te vol 01
Shinshu Ueda
Sampa
(2004)



Calunga Verdades do Espírito
Luiz Gasparetto
Vida & Consciência



Minhas Primeiras Notas ao Violão
Othon Gomes da Rocha Filho
Irmãos Vitale
(1966)



Onze Minutos - Portuguese
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



Respire! Você Está Vivo!
Thich Nhat Hanh
Vozes
(2008)



Bíblia Sagrada Novo Testamento Edição Pastoral
Paulus
Paulus
(2005)



Monet
David Spence
Ciranda Cultural
(2010)



Hellen: Minha Amada Imortal
Varios Autores
Dpl
(2005)



O Lazer no Brasil
Renato Requixa
Brasiliense
(1977)





busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês