Zona de rebaixamento da transmissão esportiva | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> A nova escola
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
Mais Recentes
>>> Kaplan GMAT 800, 2005-2006 de Vários Autores pela Kaplan Publishing (2005)
>>> Crónica de la Colonia Galesa de la Patagonia de Abraham Matthews pela El Regional (1975)
>>> Le New York de Paul Auster de Gérard de Cortanze , James Rudnick pela Du Chêne (1993)
>>> Effective horsemanship de Noel Jackson pela Arco Publishing (1967)
>>> Livro - Guias de campo- O ceu de Guias de campo pela Escala educacional
>>> Eclipse de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Famílias Terrivelmente Felizes de Marçal Aquino pela Cosac Naify (2003)
>>> Crepusculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> O Olho Mais Azul de Toni Morrison pela Companhia das Letras (2019)
>>> The White Face de Carl Ruthven Offord pela Robert M. McBride Company (2023)
>>> Belas Maldições de Neil Gaiman Terry Pratchett pela Bertrand do Brasil (2017)
>>> Um dia minha alma se abriu por inteiro de Iyanla Vazant pela Sextante (2000)
>>> Marley e eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Na Companhia de Soldados - o Dia-a-dia da Guerra do Iraque de Rick Atkinson pela Bertrand Brasil
>>> Leila Diniz de Joaquim Ferreira dos Santos pela Companhia das Letras (2008)
>>> A casa das sete torres de Nathaniel Hawthorne pela Nova Fronteira (2019)
>>> A cabana de William P Young pela Sextante (2008)
>>> Política - uma brevíssima introdução de Kenneth Minogue pela Jorge Zahar (1998)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James pela Intrinseca (2012)
>>> Ensino da Gramática. Opressão? Liberdade? de Evanildo Bechara pela Atica (1995)
>>> Os cem melhores poemas brasileiros do século de Italo Moriconi pela Objetiva (2001)
>>> Cadê meu travesseiro? de Ana Maria Machado pela Salamandra (2004)
>>> Pré-socráticos a Invenção da Razão de Auterives Maciel Júnior pela Odysseus (2007)
>>> A batalha das Ardenas - a cartada final de Hitler de Antony Beevor pela Critica (2018)
>>> Coleção engenhocas: Guia do educador de Vários autores pela Desconhecido
COLUNAS

Quinta-feira, 10/11/2011
Zona de rebaixamento da transmissão esportiva
Vicente Escudero
+ de 2600 Acessos



Estrangeiros sofrem com as dificuldades impostas pelo nosso departamento de imigração, que segue um conjunto de regras mais rigoroso do que o de muitos países de primeiro mundo. No contato inicial, o interessado em permanecer no território tupiniquim sofre o primeiro revés, um ataque contra a imagem tradicional da cordialidade cotidiana entre pessoas que habitam este lado do paraíso. Filas de espera intermináveis, exigências contraditórias e xícaras seguidas de chá de cadeira constituem alguns dos fortes argumentos que podem levar o sujeito a desistir de virar a casaca e determinar seu retorno para casa.

Mesmo depois de aprovado pelo caminho da via crucis, de aceitar carregar a cruz em tais corredores da burocracia de nosso humilde país em desenvolvimento, todo estrangeiro aprovado no processo de permanência no Brasil deveria ser avaliado num último teste, simples, de no máximo meia hora (não é nossa intenção matar o candidato nem violar a Convenção Interamericana de Direitos Humanos), dentro de um novo dispositivo denominado "Câmara Esportiva".

O candidato a abrasileirar-se ou a habitar de forma não transitória nosso território, depois de uma bateria de testes para comprovar sua aptidão física e mental e assinar um documento concordando com o teste, é levado a uma sala com proteção acústica contendo apenas mesa, cadeira e televisão. Durante a meia hora seguinte, depois do trancamento da porta, a televisão é ligada em alto volume, iniciando a transmissão de uma partida de tênis de mesa entre Brasil e México dos jogos universitários de uma obscura Liga Interamericana . O narrador brasileiro segue imparcial, narrando cada ponto em staccato, até o momento em que o jogo empata, o mexicano consegue tomar a liderança e abre uma vantagem significativa, indiferente ao crescendo do narrador brasileiro, transformado em protagonista de uma ópera bufa narrando a história de alguém que está prestes a ser derrotado, mas que será defendido pelo barítono até o encerramento da partida, pela galhardia e amor à camisa na defesa da grandeza de nossa pátria.

Sobrevivendo ao primeiro estágio, o candidato passa a ser testado com altas doses de bordões esportivos de modalidades diversas, desde comentaristas de futebol vociferando "É brincadeira!" a cada passe errado, "A regra é clara!" nos cartões amarelos, até partidas de vôlei com repetições seguidas de "Giba neles!" e gritos de "É ponto! É ponto! É ponto do Brasil!".

Depois de quinze minutos, se o candidato não estiver em coma ou em estado de choque, a televisão começará a transmitir a terceira e última etapa, dose quase letal de ufanismo intra-auricular: uma corrida de Fórmula 1 com os brasileiros ocupando as últimas posições, narrada por comentaristas repetindo "Nossos pilotos fazem uma boa prova!", "A escuderia favorece o companheiro de equipe...". A partir deste instante e durante os últimos dez minutos de transmissão, caixas de som escondidas nas paredes da sala começam a tocar o Tema da Vitória até o encerramento da sessão, quando todos os pilotos brasileiros já terão abandonado a prova.

E o candidato provavelmente vai se perguntar, se sair vivo da Câmara Esportiva, se em algum dos documentos que assinou para regularizar sua situação no Brasil estava escrito que era proibido criticar ou abster-se de torcer pelo Brasil durante qualquer evento esportivo. Se é errado entrar num estádio de futebol para assistir uma partida entre equipes que ele não torce ou, pior ainda, se todos os atletas brasileiros são sempre melhores do que qualquer adversário. Por que nossa transmissão esportiva, as redes de tevê aberta, estão repletas de fanáticos valorizando tanto as vitórias, o caráter de disputa dos esportes, enquanto a maioria da audiência só quer um pouco de diversão?

É certo que a neutralidade não passa de um desejo. Ninguém é capaz de acompanhar sequer uma partida de dados sem torcer pela vitória de um dos apostadores, mas todos esperam que o crupiê e a platéia não opinem sem parar sobre as jogadas de cada um. Se o sujeito ganhou, que apenas receba um elogio. Se saiu derrotado, um simples desejo de boa sorte para a próxima vez. Tanto uma reação quanto a outra emanam da humildade do homem perante a aleatoriedade de determinados acontecimentos. E haja estoicismo para sair calado da mesa de apostas depois de ter perdido muito dinheiro!

Por que não adotar essa postura moderada também na cobertura esportiva, principalmente na transmissão de partidas ao vivo? A crítica poderia ficar para depois, em programas de entrevistas, mesas redondas, etc. Não se trata de banir a análise dos fatos, apenas postergá-la. O boxeador está apanhando, mas a qualquer momento pode soltar um direto de esquerda e nocautear o adversário. O time está perdendo por um gol, mas em cinco minutos pode fazer três e virar o jogo. Algumas definições também precisam ser usadas no momento certo. A última moda entre os comentaristas ligeiramente moderados, autodenominados técnicos, é opinar sobre a justiça dos resultados. Se uma equipe atacou mais durante o jogo, mas a outra acabou vencendo com um gol contra, o resultado foi "injusto". Ora, justiça no esporte é o cumprimento das regras e do fair play. Se um time jogou muito melhor e foi derrotado dentro dessas regras, o resultado não foi injusto. Desde quando os resultados nos esportes não são mais aleatórios, mas apenas um conjunto de fatores que precisam ser equacionados para alcançar um resultado específico? O treinamento, somado ao número de assistências e chutes a gol equivale ao resultado? Enquanto tais comentaristas não ficarem ricos apostando na Loteca, suas análises continuarão na zona de rebaixamento.

Tenho o hábito de acompanhar os jogos de futebol ouvindo a narração do rádio enquanto assisto televisão. A vantagem do radialista narrador é que ele não pode parar para comentar a partida. E, quase sempre, também é mais bem humorado do que os comentaristas televisivos. E menos patriota. Por isso, torço para que o Ministério do Turismo recomende aos visitantes estrangeiros da próxima Copa do Mundo e das Olimpíadas que não se esqueçam de trazer seus iPods, afinal, é inútil para o Brasil correr o risco de uma seleção de maus comentaristas transformar as próximas grandes competições em imbróglios diplomáticos.


Vicente Escudero
Campinas, 10/11/2011

Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Urashima Taro
Ana Lucia Brandão
Paulinas
(1999)



O Tronco do Ipe
Jose de Alencar
Ediouro



Scooby-doo! Em Múmias no Shopping
Gail Herman
Babel
(2011)



Curso Pratico de Redação e Gramatica (2001)
Rena Signer
Silvadi
(2001)



O Gordine Mal Assombrado
Sergio Quintanilha e Isabel Reis
Algarve
(2004)



Livro - O Punhal de Marfim
Patricia Wentworth
Circulo do Livro
(1953)



Casei-me Com um Morto - Confira!
Cornell Woolrich
Companhia das Letras
(1996)



Livro - Série Princípios 46: Teoria da Literatura
Roberto Acízelo de Souza
Ática
(1995)



Refabular Esopo
Donaldo Schuler
Lamparina
(2004)



O Caçador de Pipas - Confira!
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2005)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês