Zona de rebaixamento da transmissão esportiva | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/11/2011
Zona de rebaixamento da transmissão esportiva
Vicente Escudero

+ de 2100 Acessos



Estrangeiros sofrem com as dificuldades impostas pelo nosso departamento de imigração, que segue um conjunto de regras mais rigoroso do que o de muitos países de primeiro mundo. No contato inicial, o interessado em permanecer no território tupiniquim sofre o primeiro revés, um ataque contra a imagem tradicional da cordialidade cotidiana entre pessoas que habitam este lado do paraíso. Filas de espera intermináveis, exigências contraditórias e xícaras seguidas de chá de cadeira constituem alguns dos fortes argumentos que podem levar o sujeito a desistir de virar a casaca e determinar seu retorno para casa.

Mesmo depois de aprovado pelo caminho da via crucis, de aceitar carregar a cruz em tais corredores da burocracia de nosso humilde país em desenvolvimento, todo estrangeiro aprovado no processo de permanência no Brasil deveria ser avaliado num último teste, simples, de no máximo meia hora (não é nossa intenção matar o candidato nem violar a Convenção Interamericana de Direitos Humanos), dentro de um novo dispositivo denominado "Câmara Esportiva".

O candidato a abrasileirar-se ou a habitar de forma não transitória nosso território, depois de uma bateria de testes para comprovar sua aptidão física e mental e assinar um documento concordando com o teste, é levado a uma sala com proteção acústica contendo apenas mesa, cadeira e televisão. Durante a meia hora seguinte, depois do trancamento da porta, a televisão é ligada em alto volume, iniciando a transmissão de uma partida de tênis de mesa entre Brasil e México dos jogos universitários de uma obscura Liga Interamericana . O narrador brasileiro segue imparcial, narrando cada ponto em staccato, até o momento em que o jogo empata, o mexicano consegue tomar a liderança e abre uma vantagem significativa, indiferente ao crescendo do narrador brasileiro, transformado em protagonista de uma ópera bufa narrando a história de alguém que está prestes a ser derrotado, mas que será defendido pelo barítono até o encerramento da partida, pela galhardia e amor à camisa na defesa da grandeza de nossa pátria.

Sobrevivendo ao primeiro estágio, o candidato passa a ser testado com altas doses de bordões esportivos de modalidades diversas, desde comentaristas de futebol vociferando "É brincadeira!" a cada passe errado, "A regra é clara!" nos cartões amarelos, até partidas de vôlei com repetições seguidas de "Giba neles!" e gritos de "É ponto! É ponto! É ponto do Brasil!".

Depois de quinze minutos, se o candidato não estiver em coma ou em estado de choque, a televisão começará a transmitir a terceira e última etapa, dose quase letal de ufanismo intra-auricular: uma corrida de Fórmula 1 com os brasileiros ocupando as últimas posições, narrada por comentaristas repetindo "Nossos pilotos fazem uma boa prova!", "A escuderia favorece o companheiro de equipe...". A partir deste instante e durante os últimos dez minutos de transmissão, caixas de som escondidas nas paredes da sala começam a tocar o Tema da Vitória até o encerramento da sessão, quando todos os pilotos brasileiros já terão abandonado a prova.

E o candidato provavelmente vai se perguntar, se sair vivo da Câmara Esportiva, se em algum dos documentos que assinou para regularizar sua situação no Brasil estava escrito que era proibido criticar ou abster-se de torcer pelo Brasil durante qualquer evento esportivo. Se é errado entrar num estádio de futebol para assistir uma partida entre equipes que ele não torce ou, pior ainda, se todos os atletas brasileiros são sempre melhores do que qualquer adversário. Por que nossa transmissão esportiva, as redes de tevê aberta, estão repletas de fanáticos valorizando tanto as vitórias, o caráter de disputa dos esportes, enquanto a maioria da audiência só quer um pouco de diversão?

É certo que a neutralidade não passa de um desejo. Ninguém é capaz de acompanhar sequer uma partida de dados sem torcer pela vitória de um dos apostadores, mas todos esperam que o crupiê e a platéia não opinem sem parar sobre as jogadas de cada um. Se o sujeito ganhou, que apenas receba um elogio. Se saiu derrotado, um simples desejo de boa sorte para a próxima vez. Tanto uma reação quanto a outra emanam da humildade do homem perante a aleatoriedade de determinados acontecimentos. E haja estoicismo para sair calado da mesa de apostas depois de ter perdido muito dinheiro!

Por que não adotar essa postura moderada também na cobertura esportiva, principalmente na transmissão de partidas ao vivo? A crítica poderia ficar para depois, em programas de entrevistas, mesas redondas, etc. Não se trata de banir a análise dos fatos, apenas postergá-la. O boxeador está apanhando, mas a qualquer momento pode soltar um direto de esquerda e nocautear o adversário. O time está perdendo por um gol, mas em cinco minutos pode fazer três e virar o jogo. Algumas definições também precisam ser usadas no momento certo. A última moda entre os comentaristas ligeiramente moderados, autodenominados técnicos, é opinar sobre a justiça dos resultados. Se uma equipe atacou mais durante o jogo, mas a outra acabou vencendo com um gol contra, o resultado foi "injusto". Ora, justiça no esporte é o cumprimento das regras e do fair play. Se um time jogou muito melhor e foi derrotado dentro dessas regras, o resultado não foi injusto. Desde quando os resultados nos esportes não são mais aleatórios, mas apenas um conjunto de fatores que precisam ser equacionados para alcançar um resultado específico? O treinamento, somado ao número de assistências e chutes a gol equivale ao resultado? Enquanto tais comentaristas não ficarem ricos apostando na Loteca, suas análises continuarão na zona de rebaixamento.

Tenho o hábito de acompanhar os jogos de futebol ouvindo a narração do rádio enquanto assisto televisão. A vantagem do radialista narrador é que ele não pode parar para comentar a partida. E, quase sempre, também é mais bem humorado do que os comentaristas televisivos. E menos patriota. Por isso, torço para que o Ministério do Turismo recomende aos visitantes estrangeiros da próxima Copa do Mundo e das Olimpíadas que não se esqueçam de trazer seus iPods, afinal, é inútil para o Brasil correr o risco de uma seleção de maus comentaristas transformar as próximas grandes competições em imbróglios diplomáticos.


Vicente Escudero
Campinas, 10/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
03. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
04. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
05. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DÍVIDAS: COMO NEGOCIAR, COMO PAGAR, COMO EVITAR
M. J. BRITO
DPL
(2002)
R$ 7,90



ZUPI #14
ALLAN SZACHER
ART MAGAZINE
(2009)
R$ 10,00



MÔNICA Nº 75 ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO
MAURÍCIO DE SOUZA
PANINI COMICS
(2013)
R$ 4,99



EL PSICOANÁLISIS DE NIÑOS Y SUS APLICACIONES
A. ABERASTURY (COMPILADORA)
PAIDOS (BUENOS AIRES)
(1972)
R$ 12,28



TEMPO DE CLIMA
RUY COELHO
PERSPECTIVA
(2002)
R$ 22,00



A REDENÇÃO DO ROBÔ
HERBERT READ
SUMMUS
(1986)
R$ 13,41



NEGÓCIO FECHADO - GUIA EMPRESARIAL DE VIAGENS
SUZANA DOBLINSKI JOHR
ESCRITURAS
(2013)
R$ 10,00



REVISTA DE CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO - ANO 1 - Nº 3 JULHO-SETEMBRO
AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA
ALMEDINA
(2010)
R$ 147,68



LE CINÉMA
GEORGES CHARENSOL
LAROUSSE
(1966)
R$ 50,00



TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL
ANTÔNIO WALTER
QUALITYMARK
(2012)
R$ 20,00





busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês