Livro policial baleia leitora | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/8/2007
Livro policial baleia leitora
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Edward Bloom (ou Eduardo Mineo) quase acerta: "Livro não é aquele monte de papel no meio de duas capas?". A pergunta que deu origem a essa resposta (também uma pergunta) era tão vaga quanto os conceitos de "monte de papel" e "capas".

A Unesco define como 49 o número mínimo de páginas para que uma brochura seja considerada livro. Bloom só não chegou a esse nível de sofisticação. Mas que é preciso ter capas, é. Papel já não é um material garantido. Livros foram considerados assim mesmo quando não eram feitos de fibra de madeira ou linho. Já eram livros quando se faziam de pele de carneiro novo ou de plástico. Mesmo os feitos de bits são "e-livros". E o que nos irrita hoje e leva o nome de pop-up já existia (com esse mesmo nome) nas edições de livros infantis projetados para que o cenário saltasse ao abrir das páginas.

Bloom faz a pergunta. Sim, livro pode ser isso aí. Nem sempre assim, um pouco mais para a esquerda ou para a direita. Com um tanto mais ou um tanto menos de permeabilidade. Meu filho de 3 anos, o Dudu, é que é confiante: livro é qualquer coisa que sai de dentro da minha impressora. Vai ver, é.

A poeta mineira Tânia Diniz é concisa (aliás, como são os poetas mais admiráveis que conheço): "O livro para mim é uma janela para os mundos!". Note-se a pluralidade dos mundos que ela menciona. Ronaldo Cagiano reforça o coro dizendo que não concebe um mundo sem livros, pelo menos este aqui. "O livro é o território que nos escancara as fronteiras da liberdade, que nos faz romper amarras e desatar algemas". É abrir um livro e confundir páginas com asas.

Na metáfora da viagem e do vôo, a jornalista Clara Arreguy afirma: "O livro é uma viagem para dentro e para fora de mim". O escritor Marcelo Xavier, na obra infantil Asa de papel, congestiona essa trilha dos viajantes dizendo que é possível viajar na leitura.

Numa perspectiva mais palpável, Clara Arreguy lembra que o livro é um "objeto bonito, gostoso, cheiroso, bom de pegar, levar e ficar. E de emprestar, porque livro bom é livro que se lê". Ao mesmo tempo, admitamos: livro dá um ciúme danado. Quem já não disse que não tinha a obra diante da iminência de ter que emprestá-la a um leitor de contingência, descuidado, afoito, oportunista, desligado ou mesmo aquele que só pensa na finalidade mundana da leitura?

Guga Schultze é menos específico. Sua resposta soa como o roteiro de uma história em quadrinhos ou a idéia para um filme de curta metragem. "Um livro é uma porta. Uma porta de passagem. Depois da porta existem escadas, pra baixo, pra cima; existe um muro, intransponível. Você volta. Um labirinto. Existe espaço, existe um beco. Um beco sem saída, mal iluminado e com um vampiro na espera. Existem luzes estáticas, luzes piscando. E escuridão. Existem vozes, sussurros; música, um coral de mil vozes. Desertos, geleiras. É uma viagem para ser feita sozinho. E deve haver um livro que é uma viagem sem volta". O Guga é uma viagem errática, com essa resposta mais precisa do que um catavento.

Se uns viajam, outros descrevem cenas de deleite ao lado do "objeto gostoso" de Clara Arreguy. Luís Eduardo Matta fornece detalhes calientes: "Leio para me distrair e passar horas agradáveis e intensas, do mesmo modo que outros ligam a TV ou jogam videogame. Nunca tive a menor cerimônia diante do objeto livro, nem o reverenciei como muitos o fazem. Trato-o sem pompa alguma e com a maior intimidade possível. Ler é algo tão trivial no meu dia-a-dia quanto almoçar ou conversar". Para o escritor, livro é para pegar, ler e dar uns amassos, sem cerimônia. Coisa que Ram Rajagopal faz, mas de outro jeito. "O livro é um amigo. Dentre meus vários amigos, ele é mais um amigo. Não tenho cerimônia, nem me atenho a regrinhas numa amizade. Aprendo, exploro e sigo adiante".

A designer Daniela Castilho resume: "É o melhor amigo, guarda mistérios que vão sendo desvendados a cada página virada, conta histórias, ensina segredos". Rotina de leitora viciada: "O livro é atemporal, é uma máquina de viajar no tempo. O livro alimenta sonhos e a imaginação". Eis, mais uma vez, a viagem do leitor. A despeito de todos os filmes sobre máquinas do tempo, estava aí a engenhoca de Gutenberg, para considerar apenas os objetos feitos em sistema industrial.

Para Daniela, "quem lê aprende a ser livre". Ou será que vive preso nos domínios da letra? Ou será que vive em fuga? A socióloga Áurea Thomazi emprega palavras fortes: "O livro é um objeto mágico". Mesmo sem pop-ups ou musiquinha, fico pensando nas caixas do Mandrake, em bolos de onde saem peruas maquiadas, das cartolas cheias de coelhos assustados, das mangas dos fraques desbotados dos prestidigitadores de festinha infantil, das caixas onde se serram mulheres de maiô, dos números com facas e lenços de seda. Mesmo pensando nisso, vejo que são universos possíveis no vasto mundo de imperfeitas emoções contido no livro.

O livro é mágico, não foi isso o que Áurea disse. Ela disse que "o livro é um objeto mágico" e descortinou: "É como se fosse uma caixa; e quando a abrimos e entramos nela, nos transportamos para outro lugar diferente daquele onde estamos". A eterna viagem. O discurso da viagem. E se é para assumi-lo, melhor pensar que nem sempre se viaja a turismo. Nem sempre se quer apenas tirar fotos dos monumentos clichês. Viaja-se a trabalho, a passeio, para visitar parentes, para estudar, para conhecer pessoas, para aprender línguas estrangeiras, para ser garçom, para juntar dinheiro. Viaja-se por viajar.

Melhor dar ânimo e pulso ao dono da agência: "Com o livro, podemos ainda encontrar com o próprio autor, conhecer o que pensam tantas pessoas e o que têm para nos contar". Eis o dono dos limites, o senhor das idéias, o detentor das patentes da invenção, o guia da viagem. Mas o viajante é muito mais esperto do que isso. Será? Ram adverte: "Vale lembrar que um livro, sem a experiência, não significa nada. Que ler um romance porque algum crítico ou professor o considera fundamental, não significa que você tenha que gostar ou mesmo achar importante. Acho que cada um escolhe seus livros, e na medida em que eles signifiquem algo para você, isso não importa para mais ninguém...". Concessões dadas ao leitor, terminados seus 15 minutos de glória, volta o autor a embaçar tudo: "O mais importante no processo do livro é a imaginação do autor. Se tocou a sua imaginação, se abriu você para novas idéias, ou para um mundo particular - e quantos romances de entretenimento não nos levam para lá - este livro é sua obra-prima particular". O autor, este sim, é mágico. O artista e sua varinha de condão, que toca, apenas na pontinha, a cabeça aberta do leitor-aprendiz. Público-alvo dos sonhos, não? O que fazer quando o leitor não se tange nem a chibatadas?

A ilustradora Yara Mitsuishi admite os ranços de mitologia relacionada à potência do autor: achava que escrever tantas páginas "era coisa de gênio". E precisa tanto? Por uma lógica, sim; por outras tantas, nem tanto. Bem menos e é best-seller. Mas que critério é esse, então? Quem define o quê? Who watches the watchmen? Quem é o editor do editor, afinal? Que mal há em se auto-editar? Pruridos, meu caro candidato a autor? Do it yourself e ligue djá para a gráfica mais próxima. Você pode. Na verdade, sempre pôde, mas não sabia disso, não é mesmo? Pergunte ao Mário de Andrade e ao João Cabral de Melo Neto. Mas é que agora que eles são canônicos, tudo parece mágico, não é?

Yara sangra a ferida com um toco de bambu: "Tem sempre um livro que mexe tanto com a gente que faz com que o passado não seja mais o mesmo, nem o futuro. Acho que é essa a magia das palavras, do livro". E ela ainda acha? Sei bem o que é ter a vida revirada por um monte de páginas entre duas capas.

Mas nem todo mundo tem uma relação amistosa (e só) com os livros. Nelson de Oliveira admite cenas de terror ao lado desses objetos. "Os livros (os meus e os alheios) sempre foram fonte de entusiasmo e pavor. A experiência mais intensa que já tive, envolvendo um livro, aconteceu há mais ou menos sete anos: foi a redação do meu primeiro romance, Subsolo infinito. O romance narra as peripécias de um sujeito que fez o pacto com o diabo. Até hoje não tive coragem de reler esse livro". Mas não se diz isso à-toa. Ler-e-escrever são, também, viagem sem volta. Escrever é ainda mais ao infinito. Escrever é o Ícaro em queda livre. Quem sabe?

E eu? Livro é um punhado de vontades costuradas e coladas, se a gráfica for boa. Mais adiante, se der tudo certo, quem sabe faço uns freelancers em festinhas infantis? Lá posso mostrar a potência da minha varinha de fazer versos e tirar da cartola um tantão de frases curtas costuradas à base de precisão, sarcasmo e muitas noites de digitação. Não é?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 24/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
04. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007
05. Chicletes - 14/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/8/2007
18h17min
Marcava encontros nos livros, em europas passadas e epopéias distantes, e soltava as amarras das mentes amarradas em qualquer lucidez demente misturada com realidades delirantes. Assim esta extensão da realidade matava sem cadáveres inúmeras vezes. Quanto mais lia mais as páginas amareleciam; e menos temente dos meus medos seguia amadurecendo; vendo, vivendo e experimentando outros angulos dos fatos, outros extratos do mundo, dialogando com a emoção alheia sendo adotado pelas mães fictícias, adorando mitos e afogado em metáforas. O objeto livro é inanimado, mas bastam olhos e fascínio para que revele almas rebeldes e alheias, faça suscitar todos os heróis e demônios que cada um carrega em si. Máquina do tempo, luneta mágica, microscópio e tudo que revela tempo e espaço, força e intensidade, as vezes fé e desolação. Talvez paradoxalmente inanimado, seja o livro que em nossas leituras revele a alma com que escrevemos e contraste com a alma de quem lê. Sempre um belo texto, Ana. Valeu.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
7/10/2007
11h09min
Não sou um leitor assíduo de textos da internet. Principalmente porque minha conexão ainda é discada, moro em uma cidade pequena, mas gosto muito de ler. Quando tenho oportunidade, esmiuço bons sites. Digestivo é um deles. Ana Elisa é uma constante. Acabei de descobrir isso! Quando terminei de ler esse texto, percebi que era Ana Elisa novamente minha leitura. Seus textos me agradam. Escreva sempre. Felicidades!
[Leia outros Comentários de Sílvio Rocco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1968 - O ANO QUE NÃO TERMINOU
ZUENIR VENTURA
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 15,00



INTERACCIÓN EN ESPAÑOL - 8º ANO/ 7ª SÉRIE DO PROFESSOR
ROMANOS & JACIRA
FTD
(2007)
R$ 55,00



SERÁ QUE É POSSÍVEL ?
SERGIO CHAIA
INTEGRARE
(2012)
R$ 9,90



ASPIRE - UPPER-INTERMEDIATE STUDENT BOOK DVD
ROBERT CROSSLEY
CENGAGE DO BRASIL
(2012)
R$ 95,00



O CÁLCULO COM GEOMETRIA ANALÍTICA
ND
HARBRA
(1977)
R$ 40,00



CURSO DE PROCESSO PENAL VOLS. 1, 2, 3 E 4
HERÁCLITO ANTÔNIO MOSSIN
ATLAS (SP)
(1998)
R$ 19,82



GO AHEADS - TRÁFEGO AÉREO - RADIO TELEFONIA FRASEOLOGIA
ANTONIO RODRIGUES
GO AHEADS
R$ 20,00



O RATO DE WANCHAI
IAN HAMILTON
BENVIRÁ
(2012)
R$ 13,00



MOSCOU CONTRA 007
IAN FLEMING
IMPORTADORA DE LIVROS S. A
(1964)
R$ 12,00



CORAÇÃO ILUMINADO - A HISTÓRIA DE UM FILME
HECTOR BABENCO - SUSANA SCHILD
CASA AQUILA
(1998)
R$ 30,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês