O espírito de 1967 | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/4/2017
O espírito de 1967
Celso A. Uequed Pitol

+ de 700 Acessos

Quem entra no estádio Celtic Park, em Glasgow, na Escócia, para assistir a um jogo do Celtic depara-se com uma longa faixa estendida na arquibancada inferior. “The Spirit of 67”.

Mesmo quem não conheça a história do clube pode intuir que se trata de um ano especial, onde uma vitória ou um título marcaram um grande momento. E terá razão. Trata-se do ano de 1967 – o ano em que o clube de Glasgow sagrou-se campeão europeu daquele ano numa final eletrizante em cima da poderosíssima Internazionale de Milão Foi a maior glória da história do Celtic. Uma glória que hoje, 25 de maio de 2017, completa cinquenta anos.

Como qualquer fã de futebol sabe, o Celtic é, hoje, pouco mais do que um participante ocasional da Liga dos Campeões: chama a atenção pela sua torcida apaixonada e simpática (nesses dois quesitos, a melhor do Reino Unido) e pelas particularidades do seu duríssimo clássico com os rivais do Glasgow Rangers, que envolve religião (o Celtic foi fundado por católicos, e o Rangers, por protestantes) e política (os torcedores do Celtic tendem a apoiar o lado católico do conflito na Irlanda do Norte, e os do Rangers, o lado britânico e protestante). No jogo propriamente dito, faz aquilo que se espera de uma equipe escocesa.

Em 1967, contudo, as coisas eram bem diferentes. No 4-2-4 comandado pelo treinador Jock Stein, os dois laterais, Jim Craig e Tommy Gemmell, avançavam todo o tempo e não havia um volante de contenção preso à defesa: Bobby Murdoch era o responsável pela armação das jogadas a partir do meio enquanto Bertie Auld comandava a movimentação em direção ao ataque. Nas pontas, Bobby Lennox e Jimmy Johnstone (este último, o craque do time) não paravam um segundo: trocavam de posição, iam da defesa para o ataque e do ataque para a defesa, acompanhavam as investidas dos laterais e guardavam posição quando estes avançavam. O Celtic jogava o tempo inteiro no campo do adversário, marcava sob pressão e mobilizava todo o time quando perdia a bola.

Jogadores do Celtic comemoram após o apito final Foi essa equipe que entrou em campo na tarde do dia 25 de maio, em Lisboa, para disputar a final da Copa dos Campeões da Europa (antecessora da atual Liga dos Campeões) com a Internazionale. E não qualquer esquadra da equipe milanesa: era a Inter comandada por Heleno Herrera, já bicampeã do torneio e contando jogadores do nível de Mazzola, Fachetti e muitas outras lendas do futebol italiano. O Celtic, por outro lado, era formado por completos desconhecidos: todos os seus jogadores haviam nascido nos arredores de Glasgow, a menos de 50km da sede do clube. Uma simples vitoria, nestas condições, já seria um feito digno de virar história. O Celtic, desnecessário dizer, era o pequeno da disputa, e os pequenos, às vezes, vencem. Mas vencem em situações específicas: com um gol circunstancial, com uma jogada de contra-ataque, com uma golpe de sorte.

A questão é que Celtic não apenas venceu a Internazionale da forma que os pequenos vencem os grandes. Venceu-a após levar 1 a 0 nos primeiros minutos de jogo, empatar no segundo tempo e virar faltando cinco minutos para o fim de uma partida onde só os escoceses atacaram, somando mais de trinta chutes ao gol italiano e duas bolas na trave. Em outras palavras, venceu-a como um grande, dando àquela geração de jogadores o título de “Lisbon Lions” – ou Leões de Lisboa, em referência ao local da hoje cinquentenária final.

O impulso da grande vitória de 1967 duraria um bom tempo. Em 1968, o Celtic alcançaria as semifinais do torneio; em 1969, seria o vice-campeão europeu, perdendo para os holandeses do Feyenoord. Depois daqueles três ou quatro anos de sucesso, o clube voltou, aos poucos, à condição anterior de clube regional sem condições de disputar algo maior, praticante de um futebol estereotipadamente escocês com alguns lampejos, aqui ou ali, de qualidade técnica e de relevância internacional. Nunca mais conseguiriam repetir façanha semelhante.

Restou a inspiração do passado. E é a partir dessa inspiração que os apaixonados torcedores do Celtic buscam reviver os tempos de glória.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 3/4/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
02. Cidade surreal de Elisa Andrade Buzzo
03. De Livros, Leitores e Leituras de Ricardo de Mattos
04. Somente para quem quiser (souber?) sonhar de Paulo Polzonoff Jr


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2017
01. Oswald de Andrade e o homem cordial - 14/2/2017
02. O Wunderteam - 5/9/2017
03. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana - 14/3/2017
04. Um caso de manipulação - 11/7/2017
05. O Natal de Charles Dickens - 10/1/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Project Financing: La Nuova Disciplina. Guida Operativa
Massimo Gentile
Dei
(2005)



Carthage
Madeleine Hours-miédan
Puf
(1971)



Relacionamentos Entre Pais e Filhos
Celso Martins
Dpl
(2003)



14000 Things to Be Happy About
Barbara Ann Kipfer
Workman
(1990)



Energia e Meio Ambiente Em Porto Alegre: Bases para o Desenvolvim
Roberto Knijnik
Cepea
(1994)



Anti Inflamatórios Usos Gerais e na Odontologia
Wilson Abrão Saad e Outros
Sparta
(2009)



Histórias da Minha Vida
Jean Marais
Três
(1975)



Odisséia Ambiental - uma Aventura no Tempo
Emanuel Souto e Cayo Ogam
Prazer de Ler
(2006)



A Missão Varnhagen Nas Republicas do Pacífico: 1863 a 1867 Vol. 1
Centro História Doc Diplomática Vol 1
Fund Alexandre de Gusmão
(2005)



Fugindo de Casa
Suzana Dias Beck
Moderna
(1993)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês