Canarinho velho e pessimista | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 18/6/2002
Canarinho velho e pessimista
Bruno Garschagen
+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O futebol brasileiro, com dribles, ousadia, malícia, apelidado de futebol-arte, começou a grangrenar a partir da Copa de 1982. Absurdo, claro. Mas foi. A tese não é nova, mas o absurdo não cansa de cutucar. Aquela seleção que reduzia o torcedor a mero espectador embasbacado. Um grupo de jogadores que fazia o futebol parecer tão fácil. Os passes escorriam tal um rio navegável. Os chutes a gol encontravam seus destinos como punhais à certeza do ferimento fatal. Quantos pais não perderam ali seus futuros médicos, advogados, engenheiros.

Mas foi naquele ano. O ano de Sócrates, Júnior, Zico, Cerezo, Leandro, Oscar, Luizinho, Falcão, Éder, Serginho Chulapa e Valdir Peres. A intrépida trupe que seguia as notas do regente Telê Santana. Jogavam na harmonia libertária do jazz. Os acordes marcavam o ritmo, mas nada superava o prazer do improviso. Toques no calcanhar de Aquiles. Chapéus de feltro. Chuveirinhos dourados. Lançamento de dardos. E a bicicleta, pelos pés de Zico, consagrava aquela geração.

As vitórias, sim meus caros, as vitórias nos deixaram com olhos dilatados. Mal acostumados olhos embaçados depois de um jogo contra a Itália, nas quartas de final. Foi ali. Numa esquina espanhola uma dama ensaiou os últimos passos de uma dança triste; uma elegia aos deuses que derramavam a derradeira lágrima, que evaporou antes de tocar o chão. Perdíamos a maior chance de sermos campeões com uma seleção brilhante. Quatro anos antes na Argentina, poderíamos ter levado a copa invictos, senão fosse o regulamento que favoreceu os donos da casa numa goleada de seis a zero sobre o Peru que até hoje nos deve satisfação. Não seria a mesma coisa. Qualquer comparação padeceria de vícios insanáveis e de uma aleivosia imperdoável.

A derrota de 1982 carrega consigo um encanto amargo. Era o time que deveria vencer; que poderia; que merecia. Era o time que nos embalava no colo a cada partida; que nos fazia sentir incapazes de sermos os técnicos; que nos trazia uma satisfação idônea; que nos fazia dizer abertamente, e com aquela rara certeza que o futebol nos concede, que éramos o melhor do mundo no esporte. Mas acabou. Não o sonho, mas a nossa maneira de jogar. Nosso futebol começava a enfrentar o mais insidioso processo de condenação.

A vitória da Itália, que fazia uma campanha irregular na copa, feriu a ousadia do jogo brasileiro. A partir dali, técnicos passaram a aplicar em seus quintais o esquema do futebol europeu, guindado à condição do mais terrível dos males: o futebol de resultados. Ganhava status nos grandes, médios e pequenos clubes e começava a deformar gerações nas escolinhas. O zagueiro e o goleiro, figuras coadjuvantes no coração de torcedores e aspirantes a jogador profissional, passaram a atrair os holofotes. A defesa, agora, dividia as atenções antes devotadas ao meio de campo e ataque. Como diz meu amigo Fernando Gomes, a teoria e exibição do futebol-arte passou a ser incompatível com o clamor da diretoria e dos técnicos pelos resultados.

Quatro anos de aviltamento. O último suspiro foi em 1986. Telê novamente era o técnico. O homem que preservava a indispensável alegria de jogar. Convidou a turma atacada desde 1982. Orgulhosos, tínhamos do que nos gabar. Nem todos puderam dar seu sangue. Mas Zico e Sócrates estavam. E mais uma moçada que, achávamos, manteria o nosso canarinho voando. Os sorrisos voltaram às faces impuras dos torcedores. A seleção nos dava nas primeiras partidas o que queríamos: dribles, lances ousados, os sorrisos marotos que vemos diariamente nos rostos sujos dos moleques nas peladas estampados nos jogadores, os gols.

Mas o ferimento, dessa vez, era profundo demais para evitar a sentença. As penalidades máximas perdidas, primeiro durante o jogo e depois no desempate contra a França, alvejaram nossos anseios. Por uma dessas inflexíveis determinantes, nunca mais seríamos os mesmos. Agora também no futebol. O canarinho, preso na gaiola, nunca mais cantou. E, às vezes, ensaia um choro baixo. Um lamento quase silencioso para não incomodar os reis mortos do futebol.

Seguimos para a pérfida prova de 1990. Alguém se lembra daquela copa? Pô, mas tínhamos Careca, um dos maiores craques do nosso futebol. E Müller ainda batia um bolão. Vai entender. Perdemos da Argentina nas oitavas de final. Até aquela copa, ainda chorávamos.

Pulamos para 1994, o ano do tetra. Copa insossa com gosto de água mineral. A defesa era um primor de organização. Conseguiu que Aldair não cometesse erros numa copa inteira, o que não é pouca coisa. Contudo, o lateral Branco foi o único a nos dar alguma emoção com seu gol de falta contra a Holanda. Ganhamos a quarta copa. Final contra a Itália. Engasgados desde 1982. Vencemos nas penalidades. Ganhar copa nas penalidades só vale para efeito de registro. Está registrado.

O que dizer de 1998? Tínhamos Ronaldinho. Espalhou-se o boato de que ele, finalmente, soltaria o canarinho verde-e-amarelo da gaiola. O único a possuir a chave, dizia-se à boca miúda. Arrebentava na Espanha. Driblava. Corria como um louco. Nunca o termo explosão foi tão usado para definir suas arrancadas que, não raro, terminavam numa peralta comemoração do menino que conquistara o mundo. Nos faltava time, porém. As estrelas estavam todas: Roberto Carlos, Denílson, Cafu, Bebeto, Tafarel. Ainda nos faltava time. Cambaleamos até a final com a França, a que nos havia sangrado em 1986.

Início do jogo, a falta de Ronaldinho na lista da escalação do time nos assustou. Depois, ele entra no campo entre os titulares. Ué? Moribundo, o craque arrasta suas correntes pela grama. Informações desencontradas eram baforadas pelos narradores. Perdemos. Time desorientado. Derrota apática. Não valia o porre nem a queima da camisa. A vitória de 1994 nos evitava sofrimentos posteriores. Se ganhar a copa era aquilo, que mal seria perdê-la. Já havíamos nos embriagado mesmo até a final.

De 1998 até 2002 amargamos técnicos de cujos nomes fiz questão de esquecer e times fragorosamente ruins, para usar um eufemismo. Testes e mais testes. Resultados medíocres que envergonhavam todas as safras boas de antes. Denúncias de corrupção, desvios de dinheiro e outra atividades menos nobres na nossa amada CBF. Era mais emocionante o noticiário policial.

Estamos aqui, enfim. Três vitórias (escrevi este texto no sábado). Primeiro do grupo. Uma seleção com cicatrizes, mas que fez uma bela partida contra a Costa Rica. Ronaldinho driblou, fez gols. Ricardinho entrou no time como um comandante de navio. Em dois minutos, arrumou o time que se apavorava com os dois gols do adversário. Júnior também entrou surpreendendo. Distribuiu passes e lascou um gol de placa nos já acuados jogadores da Costa Rica. A defesa, porém, é uma piada. Três zagueiros batem cabeça. O que mais impressionou é que os jogadores, talvez pela aparente facilidade, jogavam alegres. Ronaldinho disse ter se divertido muito. O técnico Luís Felipe ainda não sabia se escalava Ricardinho. Disse que vai treinar mais a defesa. Se os treinos vão surtir efeito, só saberemos na final.

O fato é que o canarinho, já velho e pessimista da vida, aguarda uma última alegria para descansar em paz ou, talvez, apresentar ao mundo o resultado de uma breve escapulida.

Após o jogo contra a Bélgica...
Não vai, não vai.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 18/6/2002

Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Anauê - 21/5/2002
05. Diário impertinente - 19/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/6/2002
00h32min
Sabe o que eu não entendo caro amigo? Como pode o belo perder o espaço em um mundo que contempla cada vez mais o feio moderno e sem vida. Onde estão os craques do meio campo - ou melhor, os maestros - nesta seleção de 2002? Destarte, o que é a teimosia de nosso técnico se não a vontade de esconder as suas próprias limitações. Gostei da sua maneira de escrever clara, simples e porque não dizer poética. Parabêns!
[Leia outros Comentários de Sidney Vida]
18/6/2002
23h35min
Nem eu entendo, meu caro Sidney, nem eu entendo. O problema deve estar na teimosia. Obrigado pela mensagem e pela boa vontade em relação ao texto. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografias Vinicius sem Ponto Final
João Carlos Pecci
Saraiva
(1994)



Livro Infanto Juvenis A Chata Daquela Gorda Coleção Navegar
Regina Drummond
Cortez
(2005)



Usar a Mídia a Seu Favor
Paulo Piratininga
Cla
(2008)



Livro Direito Financeiro na Constituição de 1988
José Mauricio Conti
Oliveira Mendes
(1998)



Gestão florestal sustentável- Um diagnóstico no Espírito Santo
Luiz Fernando Schettino
Ed. do Autor
(2000)



O Hobbit
J. R. R. Tolkien
Martins Fontes
(2003)



Enquanto a Banda Tocava Um Blues
Wander Porto
Wp
(2019)



Amar, Verbo Intransitivo
Mário de Andrade
Agir
(2008)



Férias De Natal
W. Somerset Maugham
Globo
(1957)



Turismo Religioso - Ensaios Antropológicos Sobre Religião e Turismo
Edin Sued Abmanssur
Papirus
(2018)
+ frete grátis





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês