Canarinho velho e pessimista | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 18/6/2002
Canarinho velho e pessimista
Bruno Garschagen

+ de 3400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O futebol brasileiro, com dribles, ousadia, malícia, apelidado de futebol-arte, começou a grangrenar a partir da Copa de 1982. Absurdo, claro. Mas foi. A tese não é nova, mas o absurdo não cansa de cutucar. Aquela seleção que reduzia o torcedor a mero espectador embasbacado. Um grupo de jogadores que fazia o futebol parecer tão fácil. Os passes escorriam tal um rio navegável. Os chutes a gol encontravam seus destinos como punhais à certeza do ferimento fatal. Quantos pais não perderam ali seus futuros médicos, advogados, engenheiros.

Mas foi naquele ano. O ano de Sócrates, Júnior, Zico, Cerezo, Leandro, Oscar, Luizinho, Falcão, Éder, Serginho Chulapa e Valdir Peres. A intrépida trupe que seguia as notas do regente Telê Santana. Jogavam na harmonia libertária do jazz. Os acordes marcavam o ritmo, mas nada superava o prazer do improviso. Toques no calcanhar de Aquiles. Chapéus de feltro. Chuveirinhos dourados. Lançamento de dardos. E a bicicleta, pelos pés de Zico, consagrava aquela geração.

As vitórias, sim meus caros, as vitórias nos deixaram com olhos dilatados. Mal acostumados olhos embaçados depois de um jogo contra a Itália, nas quartas de final. Foi ali. Numa esquina espanhola uma dama ensaiou os últimos passos de uma dança triste; uma elegia aos deuses que derramavam a derradeira lágrima, que evaporou antes de tocar o chão. Perdíamos a maior chance de sermos campeões com uma seleção brilhante. Quatro anos antes na Argentina, poderíamos ter levado a copa invictos, senão fosse o regulamento que favoreceu os donos da casa numa goleada de seis a zero sobre o Peru que até hoje nos deve satisfação. Não seria a mesma coisa. Qualquer comparação padeceria de vícios insanáveis e de uma aleivosia imperdoável.

A derrota de 1982 carrega consigo um encanto amargo. Era o time que deveria vencer; que poderia; que merecia. Era o time que nos embalava no colo a cada partida; que nos fazia sentir incapazes de sermos os técnicos; que nos trazia uma satisfação idônea; que nos fazia dizer abertamente, e com aquela rara certeza que o futebol nos concede, que éramos o melhor do mundo no esporte. Mas acabou. Não o sonho, mas a nossa maneira de jogar. Nosso futebol começava a enfrentar o mais insidioso processo de condenação.

A vitória da Itália, que fazia uma campanha irregular na copa, feriu a ousadia do jogo brasileiro. A partir dali, técnicos passaram a aplicar em seus quintais o esquema do futebol europeu, guindado à condição do mais terrível dos males: o futebol de resultados. Ganhava status nos grandes, médios e pequenos clubes e começava a deformar gerações nas escolinhas. O zagueiro e o goleiro, figuras coadjuvantes no coração de torcedores e aspirantes a jogador profissional, passaram a atrair os holofotes. A defesa, agora, dividia as atenções antes devotadas ao meio de campo e ataque. Como diz meu amigo Fernando Gomes, a teoria e exibição do futebol-arte passou a ser incompatível com o clamor da diretoria e dos técnicos pelos resultados.

Quatro anos de aviltamento. O último suspiro foi em 1986. Telê novamente era o técnico. O homem que preservava a indispensável alegria de jogar. Convidou a turma atacada desde 1982. Orgulhosos, tínhamos do que nos gabar. Nem todos puderam dar seu sangue. Mas Zico e Sócrates estavam. E mais uma moçada que, achávamos, manteria o nosso canarinho voando. Os sorrisos voltaram às faces impuras dos torcedores. A seleção nos dava nas primeiras partidas o que queríamos: dribles, lances ousados, os sorrisos marotos que vemos diariamente nos rostos sujos dos moleques nas peladas estampados nos jogadores, os gols.

Mas o ferimento, dessa vez, era profundo demais para evitar a sentença. As penalidades máximas perdidas, primeiro durante o jogo e depois no desempate contra a França, alvejaram nossos anseios. Por uma dessas inflexíveis determinantes, nunca mais seríamos os mesmos. Agora também no futebol. O canarinho, preso na gaiola, nunca mais cantou. E, às vezes, ensaia um choro baixo. Um lamento quase silencioso para não incomodar os reis mortos do futebol.

Seguimos para a pérfida prova de 1990. Alguém se lembra daquela copa? Pô, mas tínhamos Careca, um dos maiores craques do nosso futebol. E Müller ainda batia um bolão. Vai entender. Perdemos da Argentina nas oitavas de final. Até aquela copa, ainda chorávamos.

Pulamos para 1994, o ano do tetra. Copa insossa com gosto de água mineral. A defesa era um primor de organização. Conseguiu que Aldair não cometesse erros numa copa inteira, o que não é pouca coisa. Contudo, o lateral Branco foi o único a nos dar alguma emoção com seu gol de falta contra a Holanda. Ganhamos a quarta copa. Final contra a Itália. Engasgados desde 1982. Vencemos nas penalidades. Ganhar copa nas penalidades só vale para efeito de registro. Está registrado.

O que dizer de 1998? Tínhamos Ronaldinho. Espalhou-se o boato de que ele, finalmente, soltaria o canarinho verde-e-amarelo da gaiola. O único a possuir a chave, dizia-se à boca miúda. Arrebentava na Espanha. Driblava. Corria como um louco. Nunca o termo explosão foi tão usado para definir suas arrancadas que, não raro, terminavam numa peralta comemoração do menino que conquistara o mundo. Nos faltava time, porém. As estrelas estavam todas: Roberto Carlos, Denílson, Cafu, Bebeto, Tafarel. Ainda nos faltava time. Cambaleamos até a final com a França, a que nos havia sangrado em 1986.

Início do jogo, a falta de Ronaldinho na lista da escalação do time nos assustou. Depois, ele entra no campo entre os titulares. Ué? Moribundo, o craque arrasta suas correntes pela grama. Informações desencontradas eram baforadas pelos narradores. Perdemos. Time desorientado. Derrota apática. Não valia o porre nem a queima da camisa. A vitória de 1994 nos evitava sofrimentos posteriores. Se ganhar a copa era aquilo, que mal seria perdê-la. Já havíamos nos embriagado mesmo até a final.

De 1998 até 2002 amargamos técnicos de cujos nomes fiz questão de esquecer e times fragorosamente ruins, para usar um eufemismo. Testes e mais testes. Resultados medíocres que envergonhavam todas as safras boas de antes. Denúncias de corrupção, desvios de dinheiro e outra atividades menos nobres na nossa amada CBF. Era mais emocionante o noticiário policial.

Estamos aqui, enfim. Três vitórias (escrevi este texto no sábado). Primeiro do grupo. Uma seleção com cicatrizes, mas que fez uma bela partida contra a Costa Rica. Ronaldinho driblou, fez gols. Ricardinho entrou no time como um comandante de navio. Em dois minutos, arrumou o time que se apavorava com os dois gols do adversário. Júnior também entrou surpreendendo. Distribuiu passes e lascou um gol de placa nos já acuados jogadores da Costa Rica. A defesa, porém, é uma piada. Três zagueiros batem cabeça. O que mais impressionou é que os jogadores, talvez pela aparente facilidade, jogavam alegres. Ronaldinho disse ter se divertido muito. O técnico Luís Felipe ainda não sabia se escalava Ricardinho. Disse que vai treinar mais a defesa. Se os treinos vão surtir efeito, só saberemos na final.

O fato é que o canarinho, já velho e pessimista da vida, aguarda uma última alegria para descansar em paz ou, talvez, apresentar ao mundo o resultado de uma breve escapulida.

Após o jogo contra a Bélgica...
Não vai, não vai.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 18/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tempo vida poesia 2/5 de Elisa Andrade Buzzo
02. Pastelão literário na terra do Nobel de Tais Laporta
03. Deus Sabia de Tudo e Não Fez Nada de Nanda Rovere


Mais Bruno Garschagen

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'BG' AND colunas.ano = 2002 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/6/2002
00h32min
Sabe o que eu não entendo caro amigo? Como pode o belo perder o espaço em um mundo que contempla cada vez mais o feio moderno e sem vida. Onde estão os craques do meio campo - ou melhor, os maestros - nesta seleção de 2002? Destarte, o que é a teimosia de nosso técnico se não a vontade de esconder as suas próprias limitações. Gostei da sua maneira de escrever clara, simples e porque não dizer poética. Parabêns!
[Leia outros Comentários de Sidney Vida]
18/6/2002
23h35min
Nem eu entendo, meu caro Sidney, nem eu entendo. O problema deve estar na teimosia. Obrigado pela mensagem e pela boa vontade em relação ao texto. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VENTANA A LA LITERATURA
EDITORA SANTILLANA
SANTILLANA ESPAÑOL
(1998)
R$ 7,00



FÍSICA EXPERIMENTAL 3 ELETRICIDADE
GILBERTO TEIXEIRA DA SILVA / TEREZINHA JOCELEN
PLÊIADE
(2005)
R$ 15,00



PORTUGUÊS PALAVRA E ARTE - VOLUME 3 - SEGUNDO GRAU
TÂNIA PELLEGRINI E MARINA FERREIRA
ATUAL
(1996)
R$ 9,00



CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA
LUCIEN GOLDMANN
DIFUSAO EUROPEIA DO LIVRO
(1970)
R$ 6,90



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA - LER E APRENDER 18
LIMA BARRETO
KLICK
(1997)
R$ 9,00



EL ARTE DE LA SEDUCCIÓN: UNA VERSION COMPENDIADA DEL EXITO MUNDIA
ROBERT GREENE
EDITORIAL OCEANO DE MEXICO
(2011)
R$ 45,82



REFORMA DA LEI DAS S. A.
THEMISTOCLES PINHO E ALVARO PEIXOTO
FREITAS BASTOS
(2004)
R$ 12,00



TEATRO CHILENO CONTEMPORÂNEO: JOSÉ EDWARDS
JOSÉ EDWARDS
LA POLLERA EDICIONES - CHILE
(2013)
R$ 22,00



BANGUÊ - 23ª EDIÇÃO
JOSÉ LINS DO REGO
JOSÉ OLYMPIO
(2011)
R$ 47,95



QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ!, RECORDANDO OS ANOS 60
CARMEN POSADAS
TEMAS DA ACTUALIDADE
(1991)
R$ 15,40





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês