Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> São Francisco Xavier II
>>> Rugas e rusgas
>>> Orra, Meu
>>> Uma outra moda
>>> Ler ao acaso
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
Mais Recentes
>>> Um Amigo da Família de Lisa Jewell pela Record/ RJ. (2006)
>>> Antes Que Eu Queime de Gaute Heivol pela L&pm, Porto Alegre (2013)
>>> Estava Escrito - O que Realmente Sabmos sobre os Nossos Filhos? de Gunnar Staalesen pela Vertigo (2013)
>>> Queimado de Thomas Enger pela Amarilys (2015)
>>> Como Treinar um Grupo de Trabalho Eficiente (com 59 Psico- Jogos, de E de Rainer E. Kirsten / Joachim Müller-schwarz pela Ediouro (1980)
>>> À Margem da Poética Trovadoresca de Celso Ferreira da Cunha/ Autografado pela Dep. Imprensa Nacional/ Rj. (1950)
>>> A Formação Histórica da Língua Portuguesa de Francisco Silveira Bueno pela Livr. Acadêmica (1958)
>>> A Formação Histórica da Língua Portuguesa de Francisco Silveira Bueno pela Livr. Acadêmica (1955)
>>> Constituição do Estado de Minas Gerais: Estatuto dos Servidores Públic de José do Carmo Veiga de Oliveira: Organizad pela Del Rey/ Belo Horizonte (2003)
>>> Compêndio das Etapas do Processo Eleitoral: ... de J. Nepomuceno Silva: Organizador pela Del Rey/ Belo Horizonte (2010)
>>> (Re) Pensando a Pesquisa Jurídica de Miracy Barbosa de Souza Gustin (...) pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A C Repórter - Tempo de Arraes e Vietnã do Norte de Antonio Callado pela Agir (2005)
>>> Mahoma, Profeta y Hombre de Estado de W.M.Watt pela Labor (1967)
>>> Em Risco de Stella Rimington pela Record/ RJ. (2010)
>>> O Círculo dos Eleitos de Vialdi Moreira/ Autogrfado pela Imprensa Oficial/ Belo Hte. (1987)
>>> A Amante de Brecht de Jacques- Pierre Amette pela Record/ RJ. (2005)
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2013)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/12/2014
Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2800 Acessos

A solidão aumenta com a chegada do amor, porque o amor desperta imperativamente a necessidade do outro. Como dizia Proust, em O amor de Swan, é a ausência do amado e não sua presença que amplia a paixão. Esse parece ser o mote do livro Joana a contragosto, do escritor Marcelo Mirisola, publicado pela Editora Record em 2005.

Tomado por uma devastadora paixão que era uma promessa de felicidade, o narrador mergulha num solilóquio sem fim por ter sido abandonado, por não encontrar a correspondência para o sentimento que o domina inteiramente.

Na citação que abre o livro já temos o termo gravado a ferro e fogo: "Eis ai: somos escravos do desejo da fêmea, ou então não somos nada." Os sortilégios de Vênus apenas indicaram o paraíso, que decaído não lhe deu outra condição que o de narrar a travessia do purgatório (beirando já a porta do inferno) do amor não correspondido.

Dante teve sua Beatriz, Petrarca sua Laura, Gonzaga sua Marília de Dirceu, e os êxtases e as dores do amor se estendem pela literatura e pela ópera por todos os séculos. Mirisola deve ter tido sua Joana, mesmo que a contragosto? A questão autobiográfica permeia o debate sobre a literatura de Mirisola, assunto sobre o qual voltaremos parágrafos abaixo.

Goethe livrou-se do suicídio escrevendo seu Os sofrimentos do jovem Werther, onde levou o jovem apaixonado a se matar no seu lugar, usando a arma que Carlota, seu amor impossível, havia limpado momentos antes.

Todos tomados pelo encantamento, termo que devemos entender. Segundo o Manual Léxico de Prévost, encanto seria: "Essa palavra significa, no sentido próprio, um encantamento ou efeito de um poder que ultrapassa o da natureza. Aplicamos esse vocábulo a tudo o que é capaz de atar fortemente o coração e o espírito." Encanto, então, seria "a influência imediata de um sexo sobre o outro, seja exclusivamente pelo instinto da natureza que os leva um ao outro, seja pelos encantos da beleza, do espírito e de outras qualidades que agem ao mesmo tempo sobre os sentidos e sobre a imaginação."

Na ópera, a exclamação lírica de Manon e Lescaut explica de per si o encantamento: Encantatriz/ que triunfa por seu encanto/ Manon, és tu que possuis/ meu coração!" (Enchanteresse/ au charme vainqueur! Manon, vous êtes la maîtresse/ de mon coeur!). Também o personagem de Joana a contragosto se deixa levar por um destino cujo controle lhe escapa. O controle da posse, não o poder de narrar o desvario de sua paixão frustrada e seu consequente tormento. E aqui já podemos falar da questão autobiográfica da obra de Mirisola, discutida em alguns momentos dentro de Joana a contragosto.

A máxima de Mallarmé que diz que "no fundo o mundo é feito para acabar num belo livro", se aproxima da produção literária de Marcelo Mirisola. Essa passagem do romance dá uma pista inicial: "Mea culpa. Seguindo o raciocínio: sempre tripudiei, usei e joguei fora os bifes e as almas que me eram oferecidos às baciadas. Achava, sinceramente, que a vida não valia a pena ser vivida... daí que, para mim, foi muito fácil matar os lugares-comuns e também foi muito fácil escrever cinco livros geniais. Agora está explicado: fiz o que havia de mais óbvio, redundante e mesquinho. Troquei a vida pela arte."

Como se o autor tivesse uma autoconsciência de que a vida não servisse para merda nenhuma a não ser para se transformar em literatura. O silêncio absoluto e pesado do quarto de Proust, onde o escritor se isolava da vida escrevendo sua obra para redescobrir a vida perdida em sua insignificância e resignificada através da literatura, pesa sobre os ombros de Mirisola.

E Joana, ou seria mais correto dizer a frustração amorosa, é quem dita as palavras que o verbo dolorido do narrador vai compondo a cada página. No entanto, não se trata de simples transposição do vivido para as páginas literárias, como se viver no abismo fosse o suficiente para se criar gênios literários. Mirisola sabe disso, e discute a questão. "Não merecíamos a falta. Eu sei o quão dolorido é ter que sacrificar a vida para escrever um livro. Quando digo isso, não estou fazendo proselitismo. E sei também a margem de mutreta que esta sentença encerra; literatura não é feita apenas de esperma, sangue e alma, não adianta nada disso se um escritor que sangra, esporra, vive e morre em função dessa inhaca não se empenhar igualmente em foder o cérebro, a razão e o escambau para satisfazer a própria dor ..."

Mas aviso aos navegantes: não adianta vasculhar a vida de Mirisola para encontrar o sentido de sua literatura, sua autobiografia é a biografia de sua literatura, do trabalho que envolve a sua criação.

A confusão entre vida e arte, no entanto, não deixa de ser uma constante. É preciso encontrar as palavras certas, cavar a linguagem até sua justa existência poética para que o leitor mergulhe naquilo que foi tormento para o escritor. E Mirisola faz isso muito bem: "Joana é meu choro contido, um vexame engolido de dentro para dentro, a perda que não me larga porque tenho a mim mesmo, a página impossível de virar porque a próxima sou eu mesmo que vou escrever..."

Mirisola não escreve autobiografia, escreve literatura. Literatura é mais do que simplesmente escrever sobre fatos. "Escrita não quer dizer simplesmente uma forma de manifestação da palavra. Quer dizer uma ideia da própria palavra e de sua potência intrínseca", na definição de Jacques Rancière. Para que o banal (da vida?) entregue seu segredo, ele deve primeiro ser mitologizado, continua Rancière. Metaforicamente, podemos dizer que literatura seria o brilho espiritual que anima a insignificância da natureza morta. Na vida, as coisas, os objetos, os sentimentos, são mudos. A escrita literária se estabelece como voz das coisas, decifração e reescrita do significado das coisas. Para o escritor "minerologista", tudo é rastro, vestígio ou fóssil. Tudo se torna falante.

Em Joana a contragosto, o que se escava é o momento em que a vida se torna tão significativa que rivalizaria com a literatura. Calaria a literatura. E o sentimento de frustração desse momento, que é também vital (tanto quanto a literatura), deveria ter sido apenas vivido como vida e não se transformado em criação. Eis a crise que se instala no narrador:

"A carne não devia encontrar a alma, a beleza não devia ser tão triste quanto a solidão e a despedida - ainda que por quarenta anos esse tenha sido meu único desejo, a única história, que eu não devia ter contado."

A literatura de Mirisola também dá voz ao despudor da palavra. Aquelas palavras que esconderíamos de nós mesmos são resgatadas em sua mais agressiva existência. Palavras tortas para sentimentos tortos, palavras torpes para situações torpes. Literatura em queda livre, deixa a literatura que está ao redor parecendo algo bacharelesco ou como se fosse um diário de capa cor de rosa escrito por alguma menina virgem.

Na provinciana guerra literária que se trava no Brasil, o que podemos dizer a respeito da obra de Marcelo Mirisola é que quem não a leu, já perdeu.

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O PSDB e o ensino superior de Gian Danton
02. Sombras Persas (VI) de Arcano9
03. Precisamos ouvir tudo de Mario Marques
04. Em Defesa do Funk - ou nem tanto de André Pires


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CERVEJA E SEUS MISTÉRIOS
ANTÓNIO HOUAISS
SALAMANDRA
(1986)
R$ 18,00



HENRIADA EDIÇÃO DE 1812 DA IMPRENSA RÉGIA
FRANÇOIS-MARIE VOLTAIRE
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 59,48
+ frete grátis



7 ESTUDOS SOBRE SERVIÇO SOCIAL
NATÁLIO KISNERMAN
CORTEZ
(1980)
R$ 6,00



MANUAL PRÁTICO DO CRIADOR DE CÃES
DE TORGUI
HEMUS
R$ 93,00



ÓRGANON
ARISTÓTELES / EDSON BINI (TRADUTOR)
EDIPRO
(2010)
R$ 70,00



A AQUISIÇÃO DA ESCRITA
MARCOS BAGNO
PARÁBOLA
(2014)
R$ 18,00



O MISTERIO DO ESCUDO DE OURO
ODETE DE BARROS MOTT
BRASILIENSE
R$ 8,00



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
COMPANHIA DE BOLSO
(2012)
R$ 18,00



O HOMEM JESUS
PABLO RICHARD
MODERNA
R$ 6,00



O RIO SÃO FRANCISCO
IRAÍ CORONATE - FERNANDA GRANDIS
FTD
(1998)
R$ 8,90





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês