Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A revista Bizz
>>> O elogio da narrativa
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
Mais Recentes
>>> Tractatus Logico-Philosophicus de Ludwig Wittgenstein pela Edusp (1994)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 16/12/2014
Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3800 Acessos

A solidão aumenta com a chegada do amor, porque o amor desperta imperativamente a necessidade do outro. Como dizia Proust, em O amor de Swan, é a ausência do amado e não sua presença que amplia a paixão. Esse parece ser o mote do livro Joana a contragosto, do escritor Marcelo Mirisola, publicado pela Editora Record em 2005.

Tomado por uma devastadora paixão que era uma promessa de felicidade, o narrador mergulha num solilóquio sem fim por ter sido abandonado, por não encontrar a correspondência para o sentimento que o domina inteiramente.

Na citação que abre o livro já temos o termo gravado a ferro e fogo: "Eis ai: somos escravos do desejo da fêmea, ou então não somos nada." Os sortilégios de Vênus apenas indicaram o paraíso, que decaído não lhe deu outra condição que o de narrar a travessia do purgatório (beirando já a porta do inferno) do amor não correspondido.

Dante teve sua Beatriz, Petrarca sua Laura, Gonzaga sua Marília de Dirceu, e os êxtases e as dores do amor se estendem pela literatura e pela ópera por todos os séculos. Mirisola deve ter tido sua Joana, mesmo que a contragosto? A questão autobiográfica permeia o debate sobre a literatura de Mirisola, assunto sobre o qual voltaremos parágrafos abaixo.

Goethe livrou-se do suicídio escrevendo seu Os sofrimentos do jovem Werther, onde levou o jovem apaixonado a se matar no seu lugar, usando a arma que Carlota, seu amor impossível, havia limpado momentos antes.

Todos tomados pelo encantamento, termo que devemos entender. Segundo o Manual Léxico de Prévost, encanto seria: "Essa palavra significa, no sentido próprio, um encantamento ou efeito de um poder que ultrapassa o da natureza. Aplicamos esse vocábulo a tudo o que é capaz de atar fortemente o coração e o espírito." Encanto, então, seria "a influência imediata de um sexo sobre o outro, seja exclusivamente pelo instinto da natureza que os leva um ao outro, seja pelos encantos da beleza, do espírito e de outras qualidades que agem ao mesmo tempo sobre os sentidos e sobre a imaginação."

Na ópera, a exclamação lírica de Manon e Lescaut explica de per si o encantamento: Encantatriz/ que triunfa por seu encanto/ Manon, és tu que possuis/ meu coração!" (Enchanteresse/ au charme vainqueur! Manon, vous êtes la maîtresse/ de mon coeur!). Também o personagem de Joana a contragosto se deixa levar por um destino cujo controle lhe escapa. O controle da posse, não o poder de narrar o desvario de sua paixão frustrada e seu consequente tormento. E aqui já podemos falar da questão autobiográfica da obra de Mirisola, discutida em alguns momentos dentro de Joana a contragosto.

A máxima de Mallarmé que diz que "no fundo o mundo é feito para acabar num belo livro", se aproxima da produção literária de Marcelo Mirisola. Essa passagem do romance dá uma pista inicial: "Mea culpa. Seguindo o raciocínio: sempre tripudiei, usei e joguei fora os bifes e as almas que me eram oferecidos às baciadas. Achava, sinceramente, que a vida não valia a pena ser vivida... daí que, para mim, foi muito fácil matar os lugares-comuns e também foi muito fácil escrever cinco livros geniais. Agora está explicado: fiz o que havia de mais óbvio, redundante e mesquinho. Troquei a vida pela arte."

Como se o autor tivesse uma autoconsciência de que a vida não servisse para merda nenhuma a não ser para se transformar em literatura. O silêncio absoluto e pesado do quarto de Proust, onde o escritor se isolava da vida escrevendo sua obra para redescobrir a vida perdida em sua insignificância e resignificada através da literatura, pesa sobre os ombros de Mirisola.

E Joana, ou seria mais correto dizer a frustração amorosa, é quem dita as palavras que o verbo dolorido do narrador vai compondo a cada página. No entanto, não se trata de simples transposição do vivido para as páginas literárias, como se viver no abismo fosse o suficiente para se criar gênios literários. Mirisola sabe disso, e discute a questão. "Não merecíamos a falta. Eu sei o quão dolorido é ter que sacrificar a vida para escrever um livro. Quando digo isso, não estou fazendo proselitismo. E sei também a margem de mutreta que esta sentença encerra; literatura não é feita apenas de esperma, sangue e alma, não adianta nada disso se um escritor que sangra, esporra, vive e morre em função dessa inhaca não se empenhar igualmente em foder o cérebro, a razão e o escambau para satisfazer a própria dor ..."

Mas aviso aos navegantes: não adianta vasculhar a vida de Mirisola para encontrar o sentido de sua literatura, sua autobiografia é a biografia de sua literatura, do trabalho que envolve a sua criação.

A confusão entre vida e arte, no entanto, não deixa de ser uma constante. É preciso encontrar as palavras certas, cavar a linguagem até sua justa existência poética para que o leitor mergulhe naquilo que foi tormento para o escritor. E Mirisola faz isso muito bem: "Joana é meu choro contido, um vexame engolido de dentro para dentro, a perda que não me larga porque tenho a mim mesmo, a página impossível de virar porque a próxima sou eu mesmo que vou escrever..."

Mirisola não escreve autobiografia, escreve literatura. Literatura é mais do que simplesmente escrever sobre fatos. "Escrita não quer dizer simplesmente uma forma de manifestação da palavra. Quer dizer uma ideia da própria palavra e de sua potência intrínseca", na definição de Jacques Rancière. Para que o banal (da vida?) entregue seu segredo, ele deve primeiro ser mitologizado, continua Rancière. Metaforicamente, podemos dizer que literatura seria o brilho espiritual que anima a insignificância da natureza morta. Na vida, as coisas, os objetos, os sentimentos, são mudos. A escrita literária se estabelece como voz das coisas, decifração e reescrita do significado das coisas. Para o escritor "minerologista", tudo é rastro, vestígio ou fóssil. Tudo se torna falante.

Em Joana a contragosto, o que se escava é o momento em que a vida se torna tão significativa que rivalizaria com a literatura. Calaria a literatura. E o sentimento de frustração desse momento, que é também vital (tanto quanto a literatura), deveria ter sido apenas vivido como vida e não se transformado em criação. Eis a crise que se instala no narrador:

"A carne não devia encontrar a alma, a beleza não devia ser tão triste quanto a solidão e a despedida - ainda que por quarenta anos esse tenha sido meu único desejo, a única história, que eu não devia ter contado."

A literatura de Mirisola também dá voz ao despudor da palavra. Aquelas palavras que esconderíamos de nós mesmos são resgatadas em sua mais agressiva existência. Palavras tortas para sentimentos tortos, palavras torpes para situações torpes. Literatura em queda livre, deixa a literatura que está ao redor parecendo algo bacharelesco ou como se fosse um diário de capa cor de rosa escrito por alguma menina virgem.

Na provinciana guerra literária que se trava no Brasil, o que podemos dizer a respeito da obra de Marcelo Mirisola é que quem não a leu, já perdeu.

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
02. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
03. O risco de se tornar um sem-noção de Marta Barcellos
04. Dê-me liberdade e dê-me morte de Eduardo Mineo
05. Machado e a AR-15 de Pilar Fazito


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arkhaikos
Raymundo Amado Gonçalves
7 Letras
(2008)



Por uma Crítica da Promoção da Saúde (lacrado)
Kathleen Elane Leal Vasconcelos
Hucitec
(2014)



Economia e Mercados: Introdução À Economia - 19ª Edição
César Roberto Leite da Silva; Sinclayr Luiz
Saraiva
(2010)



Unidades de Leitura
Ezequiel Theodoro da Silva
Autores
(2003)



Até o mais amargo fim
Johannes Mario Simmel
Círculo do Livro



Princípios do Evangelho
A Igreja de Jesus dos Santos dos Últimos Dias
A Igreja de Jesus dos Santos D
(2009)



O Grupo - Coleção Grandes Sucessos
Mary Mccarthy
Abril
(1981)



Uma Paixão Em Florença
W. Sommerset Maugham
Record
(2000)



Odisséia - Coleção Recontar - Homero/marcos Mafei (adaptação
Homero/marcos Mafei (adaptação)
Escala
(2004)



Adolescentes Perguntam
Christian Spitz
Summus
(1997)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês