Retrato 3X4 de um velho jornalismo | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> O Grande Conflito 379 de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
>>> Livro - Os Músicos de Bremen de Flavio de Souza pela Ftd (2010)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2019)
>>> Livro - A Sutil Arte de Ligar o F*da-se de Manson Mark pela Intrínseca (2017)
>>> Livro - O Texto: Leitura & Escrita de D. Coste pela Pontes (2002)
>>> O Monte Cinco 379 de Paulo Coelho pela Objetiva
>>> Inteligência Emocional- A Teoria Revolucionária Que Redefine o Que é Ser Inteligente de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Livro - O Menino de Calça Curta de Flavio de Souza pela Ftd (2018)
>>> Constituição da República Portuguesa Anotada - 1º Volume de J. J. Gomes Canotilho; Vital Moreira pela Coimbra (1984)
>>> Quando o passado não passa 379 de Elisa Masselli pela Vida & Consciência (2001)
>>> Livro - A Educação Física e o Esporte na Escola - Cotidiano, saberes e formação de Silvia Christina Madrid Finck pela Ibpex (2011)
>>> Livro - Caça ao tesouro de A. J. Wood pela Brinque Book (1998)
>>> Cálculo diferencial e integral 379 de Frank Ayres Jr pela Mcgraw Hill (1981)
>>> Livro - A Viagem de Virginia Woolf pela Novo Século (2008)
>>> Livro - Livro de Histórias de Georgie Adams / Outros pela Companhia das Letrinhas (1996)
>>> Livro - Tanatos no Limiar da Loucura de Andre Charak pela Geracao (1995)
>>> Greta 379 de Mônica de Castro pela Vida & Consciência (2005)
>>> Livro - Fazendo Meu Filme 2 Em Quadrinhos - Azar no Jogo, Sorte no Amor? de Paula Pimenta pela Nemo (2015)
>>> Niketche de Paulina Chiziane pela Companhia de Bolso (2021)
>>> Livro - Listas, Guapas, Limpias de Anna Pacheco pela Caballo de Troya (2019)
>>> Michaelis minidicionário Alemão Alemão Português Português Alemão 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> Política y Estado de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2009)
>>> Livro - A Cinderela das Bonecas de Ruth Rocha; Mariana Massarani pela Salamandra (2011)
>>> Michaelis minidicionário Francês Francês Português Português Francês 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental - Implantação Objetiva e Econômica de Mari Elizabete Bernardini Seiffert pela Atlas (2011)
COLUNAS >>> Especial Para onde vai o jornalismo?

Quarta-feira, 25/7/2007
Retrato 3X4 de um velho jornalismo
Guga Schultze
+ de 5100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Há muitos anos escrevi um artigo para um dos grandes jornais mineiros da época (ainda são os mesmos), falando sobre quadrinhos. Fiz um rápido histórico, fiz um texto meticulosamente calculado em sua extensão e teci alguns comentários, que considerei fundamentais, já que seria uma matéria assinada, a respeito da arte única dos quadrinhos.

Fiz tudo em casa, texto datilografado, xerox em alta definição para as ilustrações (em branco e preto), sugestões para o layout, notas e referências bibliográficas. Me tomou uma semana de trabalho. Andei com uma grande pasta de plástico pelas ruas, com aqueles elásticos presos nas pontas, para manter a pasta, cheia, fechada; pegando um ônibus até a copiadora bacaninha, que ficava ao lado da Faculdade de Arquitetura e que tinha a máquina de xerox, mais bacaninha ainda, que tirava fotocópias com alta definição.

Eu estava animado. Não era jornalista, não ia ganhar um centavo, mas ia mostrar pros caras do caderno de cultura uma matéria digna de aparecer num caderno de cultura. Além disso eu tinha conseguido furar o bloqueio do velho jornalista, uma espécie de Darth Vader local, vilão preferido dos quadrinistas também locais, aspirantes a uma vaga na página de quadrinhos. Você tinha que ser da patota dele, e ele não distribuía a senha secreta. Era desenhista também e mestre em vetar talentos superiores aos seus, diziam as más (e algumas boas) línguas. Toda ilustração ou história em quadrinhos, passava pelo seu crivo.

Entrei, literalmente, pela porta dos fundos, atravessando a sala da redação, com seus inúmeros repórteres tristonhos, batucando espaçadamente suas Smith-Coronna, uma ou outra IBM elétrica e fui, escoltado por Jane, uma amiga jornalista, fotógrafa, e o Antonio, repórter cultural e boa praça, depositar meu trabalho na mesa do editor do tal caderno.

Jane me apresentou, o cara levantou a cabeça, olhar vácuo atrás das lentes grossas, disse "hã, hã, deixa aí" e voltou a atenção para a xícara de café à sua frente. Jane me fez um sinal com as mãos de que estava tudo bem e me convidou, também com as mãos, a dar o fora dali. Atravessamos alguns corredores, evitando um encontro ocasional com o Darth Vader. No caminho, uma sala cheia de grandes máquinas escuras e um pessoal silencioso se movendo nas sombras dessas máquinas, concentrado. Jane disse algo como "composição" e continuamos, até a "cantina", onde ela me pagou um café.

Dois dias depois a matéria saiu. Para minha surpresa ocupava mais de meia página, com todas as ilustrações e comentários, numa diagramação que achei muito bem feita, e, depois de comprar um único exemplar (não tinha dinheiro para mais de um), fui conferir. Um parágrafo inteiro tinha sumido. Nele, ingenuamente, eu especulava sobre a influência das culturas populares na produção de quadrinhos e havia escrito: "... somos do Cristo, perdemos Quetzalcóatl..." (que é uma das divindades da América pré-colombiana). O parágrafo inteiro sumiu. Não liguei tanto, pra falar a verdade. Mas comecei ali a perceber, com mais clareza, as engrenagens invisíveis que mantêm um jornal funcionando.

Mais tarde, numa outra conversa, sobre outros assuntos, Antonio, meu amigo jornalista, veio com a frase lapidar: "Cara, de um lado as rotativas. Rodando. Do outro, um leitor, redondamente enganado". Estávamos numa conversa em que ele me contava alguns casos, presenciados ou vividos por ele, no interior das salas de redação, onde "sumiam" originais; onde o copidesque de um texto era outro texto, com outra idéia; onde a informação, dependendo da fonte, do momento, do humor, do clima, era sabiamente dosada em conta gotas ou mesmo sumariamente alterada - mas sempre no sentido do "bem comum", é claro. "Jornalista é um sujeito coberto de vaselina, meu chapa" - outra coisa que ele me disse e que, por ter sido um sujeito bom de papo, a gente não esquece.

Entrei mais algumas vezes naquele prédio central, ao longo dos anos. Fiz alguns amigos, nenhum inimigo (creio) e cheguei a pensar seriamente no jornalismo como carreira. Havia certo glamour no negócio, a tribo dos jornalistas bebia junta nos botecos, era solidária, uns com os outros, contra ameaças "de fora", mas todos exibiam à certa altura, nas conversas, já meio alcoolizados, cicatrizes de facadas nas costas, além de frustrações inconfessáveis mas, evidentemente, confessadas de vez em quando. Escritores corrigindo erros de português, poetas obrigados a redigir notícias populares, cineastas cuja única paisagem era uma parede com um quadro de avisos. Aquilo era o velho jornalismo e aqueles eram seus legítimos representantes.

Já havia uma crise, de outra natureza - creio que o âmbito é a própria natureza humana -, e é possível especular (ou era possível) que o jornalismo oferece, além de uma longínqua realização, uma vasta zona de conflitos que se tornam pessoais na medida em que os jornalistas profissionais têm de encarar um ideal e um status quo, ambos disputando um espaço em que só cabe um deles.

Depois da internet a crise se alastrou, ou desenvolveu outros parâmetros, inimagináveis até então. Um deles é simplesmente econômico, os jornais minguam com a migração dos leitores para a rede - se bem que isso me parece inexato. O que acontece é o surgimento de um novo tipo de leitor, que nunca leu jornais de papel, e não leria, de qualquer maneira. Os velhos leitores continuam fiéis aos seus diários, correios, folhas, pasquins; ao "pulp news" em suma, mas o tempo trabalha contra essa turma. E para o novo leitor há o novo jornalista, sem rosto, relativamente sem nome, sem sofrer muito o tráfico de influência, "livre como um táxi", na expressão marota do Millôr, e que promove uma enxurrada de informações sem coesão, linha editorial ou mesmo metodologia. O velho jornalista tem que fazer frente à qualidade, já rarefeita, da informação excessiva e das fontes dessa mesma informação. Tem que provar, de alguma maneira, e agora é sério, que é indispensável.

"Nenhum jornalista sério acredita em nada. (...) Sabe que o grande jornal é o que não se escreve; o que lhe resta de produtivo é controlar e manipular o que omite. Partilha o preconceito de elite, da qual é carona ou membro titular, preconceito que a Igreja Católica é a única instituição do Establishment a confessar, descaradamente: que o povo merece informação no seu nível na escala social..." (Paulo Francis).

Os tempos mudam, o clima muda pra todo lado e, pra encerrar, mais uma citação, antigona, essa de Bob Dylan: não é preciso de um meteorologista para dizer de que lado o vento está soprando.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 25/7/2007

Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


Mais Especial Para onde vai o jornalismo?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/7/2007
12h51min
Olá, Guga. Seu texto está excelente. Uma crônica leve e mordaz que revela uma face dos bastidores do jornalismo que poucos conhecem. Nos faz refletir de forma realista sobre a atual situação do jornalismo tradicional e seu futuro. Parabéns e um grande abraço!
[Leia outros Comentários de Luis Eduardo Matta]
19/7/2007
20h08min
As cenas que você descreveu, ao entrar nesse grande jornal, daria um livro. "Os bastidores do Jornalismo" ou algo semelhante. Percebi essas cenas como um filme meio "noir", uns personagens sombrios e maquiavélicos. Não sabia de sua passagem por esse Órgão, nem tampouco como foi. A última parte de seu artigo me esclareceu algumas coisas: o fato de que os novos leitores da internet nunca leram e nem leriam jornais impressos. Ou seja, é realmente uma nova geração de leitores. Confesso que atualmente tenho lido mais jornais via computador e posso dizer que não acho ruim. Lógico que sou grudada ainda nos modelos tradicionais, e não abro mão deles. A coexistência é pacífica. Embora sua carreira tenha sido meteórica nesse meio, espero que no eletrônico dure muitos e muitos anos. Adorei. Beijo. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
20/7/2007
20h39min
Belo Texto. Recomendo a vc este link, que versa também sobre o desencanto com o jornalismo.
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias]
27/7/2007
11h34min
"De um lado as rotativas. Rodando. Do outro, um leitor, redondamente enganado". Enganado o leitor do presente e o do futuro também. Afinal a notícia de hoje é base para a História. Como a História será contada? Adorei o texto. bjs
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
30/7/2007
19h30min
Caro Guga, o status quo elegeu a competição como a via legítima do resultado; existem alguns jornais e muitos aspirantes a jornalista, numa conta que não fecha, e, numa livre interpretação de Darwin, membros desta espécie vivem uma guerra fraticida pelos exíguos espaços e privilégios da atividade. Quanto a crise do jornalismo tal como conhecemos, é a evolução com seus multiplos fatores influindo sobre os elementos desta parcela do mundo real, as verbas publicitárias sendo distribuidas em outras mídias, produzindo filmes e peças, se envolvendo em projetos ambientais e iniciativas filantrópicas... Nossa realidade atual é por demais patrimonialista para considerar certos aspectos românticos que não cabem em avaliações dos resultados economicos, talvez a culpa não seja da migração do leitor, acredito mais na diversidade gerada pelas novas opções de custo reduzido, que como uma nova tendência convida o leitor a ousar e buscar uma relação mais direta com a informação e a cultura.
[Leia outros Comentários de Carlos E.F.Oliveira]
6/8/2007
20h00min
Saudade dos seus textos, Guga! Você fala de uma coisa que costuma incomodar, ter o próprio trabalho mexido por outros. Tão bom quando somos nós mesmos que modificamos, sintetizamos, porque o texto mantém a nossa cara ou ao menos o principal do original, aí nos reconhecemos nele, não sentimos as mudanças como mutilações, ao contrário da situação colocada no texto, em que a mudança é feita por outro, sem ser comunicada e ainda desvirtua os sentidos propostos, ou seja, um desrespeito. Trabalhar em equipe é muitas vezes um problema, mas também é enriquecedor quando há troca, incentivo e os palpites são para ajudar, melhorar, deixando opções a quem são dirigidos, pois assim aprendemos, podemos ampliar nossa percepção a partir do olhar do outro e escolher o melhor caminho a seguir. Talvez por a realidade não ser assim, existam tantos blogs, cada um indo atrás de espaço pra escrever o que quer, do modo como quer, com toda liberdade possível. Desse jeito, as redações se auto-eliminam. Abraço
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
14/8/2007
16h33min
Belo texto Guga. Ao Lê-lo me lembrei um pouco do livro Juventude, de Joseph Conrad. Conrad foi marinheiro de verdade e conta neste livro uma aventura naval. O clima é sombrio e pessimista. Nada de extravagâncias, já que tratava da realidade que ele conhecia e amava, embora ficcional. Contudo, a história não nos conta de seus sonhos e aspirações, mas de como conseguiu sobreviver a eles e, depois de muitos anos, olhar para trás e sentir alívio.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As batalhas do Castelo
Domingos Pellegrini
Moderna
(2003)



Why People Believe Weird Things: Pseudoscience, Superstition, And
Stephen Jay Gould e Michael Shermer
Holt Mcdougal
(2002)



Chiquinha Gonzaga: Sofri e Chorei, Tive Muito Amor - Confira !!!
Dalva Lazaroni
Nova Fronteira
(1999)



Como Usar Bem Seu Tempo (2007)
Editora Gold
Gold
(2007)



A Outra Mulher e Pupila sem Tutor (2 Livros 1 Preço)
Isabel Moore e Charles Foley
Companhia Ed Nacional
(1959)



Madoffs Other Secret: Love, Money, Bernie, and Me
Sheryl Weinstein
St Martins Press
(2009)



Livro - Os Grandes Líderes - Martin Luther King
John Dechancie
Nova Cultural
(1987)



Mainline: Students Book (1975)
L. G. Alexander, Roy Kingsbury, M. C. Vincent
Longman
(1975)



O Mito da Fragilidade
Colette Dowling
Rosa dos Tempos
(2001)



Madre Teresa Col. Personagens Que Mudaram o Mundo (1993)
Charlotte Gray
Globo
(1993)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês