A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
58271 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Hebraica recebe exposição de Victor Brecheret
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA TRAZ GUI MONTEIRO E CONVIDADOS ESPECIAIS PARA A PROGRAMAÇÃO DO SOM NA PRAÇA
>>> Omodé: O Pequeno Herói Preto no Sesc Bom Retiro
>>> Estímulo Mostra de Dança do 40 Festival de Dança de Joinville trará para o palco do Juarez Machado
>>> Sesc Sorocaba apresenta Nas Águas do Imaginar com a Companhia de Danças de Diadema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
>>> Diogo Salles no Roda Viva
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
Colunistas
Últimos Posts
>>> Interney sobre inteligência artificial (2023)
>>> Uma história do Yahoo! (2014)
>>> O Lado B da MTVê
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Culture to Digest
>>> Um travesseiro nada confortável
>>> O site da cultura brasileira
>>> Saudações
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Paco Entre Dos Aguas (1976)
>>> Apologia dos Cães
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> Calcanhotto, Lancellotti, Veloso e Antunes no Auditório Ibirapuera
>>> Formando Não-Leitores
Mais Recentes
>>> Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade de Vários Autores pela Altaya (1998)
>>> A Revolução Americana de Vários Autores pela Três
>>> A Poética visual contemporânea de Juan Muzzi de Alberto Beuttenmuller pela Do Autor (2011)
>>> Contando a arte de Juan Muzzi de Oscar D Ambrosio pela Nova America (2007)
>>> The Microeconomics of Public Policy Analysis de Lee S Friedman pela Princeton University Press (2002)
>>> Anjos e demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Como fazer amigos e influenciar pessoas de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor campeão de Audiência de Doug Lemov pela Fundação Lemann (2011)
>>> O Caçador de Pipas de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2005)
>>> Rodadas Pedagógicas de Vários Autores pela Penso (2014)
>>> Lessons of Hope - hOw to fix our schools de Joel Kleen pela Harper Collins (2014)
>>> Memoria Social - Urugaya Tu Eres Parte : No te quedes aparte de Oriana Jara , Brígida Scaffo pela São Paulo (2011)
>>> Ensino Híbrido de Lilian Bacich, Adolfo Tanzi Neto, Fernando de Melo pela Instituto Península (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Jardim dos Livros (2007)
>>> Tenho Algo a Lhe Dizer - coleção encontro 2 de Pe Carlos Afonso Schmitt pela Paulinas (1976)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela A Cidade do SOl (2007)
>>> Esperança Além da Crise de Mark Finley pela Casa Publicadora Brasileira Tatui (2021)
>>> É Apenas o Vértice do Mundo Interior de Vladmir Pablik pela Não encontrada
>>> Como Avaliar um Livro Didático: Língua Portuguesa de Francisco Gomes de Matos; Nelly Carvalho pela Pioneira (1984)
>>> Ondas: um dia de nuvens listradas vindas do mar de KAtia Maciel pela Mis (2009)
>>> Experiências Inovadoras de ensino e aprendizagem de Edson Sadao Iizuka pela Tikinet (2015)
>>> Estado, Governo e Sociedade de Norberto Bobbio pela Paz e Terra (2012)
>>> As crianças mais Inteligentes do Mundo e como elas chegam lá de Amanda Ripley pela Três Estrelas (2014)
>>> Gestão de Custos e Formação de Preços 461 de Adriano Leal Bruni pela Atlas (2010)
>>> Ultra Metabolismo 461 de Mark Hyman pela Sextante (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/7/2005
A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
Marcelo Miranda
+ de 6400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

1.
O país fervilha enquanto escrevo. Roberto Jefferson. Marcos Valério. José Dirceu. Delúbio Soares. Schincariol. Daslu. Fernanda Karina. CPI. CPMI. "Pela ordem, senhor deputado!". "Sra. juíza deputada Denise Frossard!". Palavras e expressões que, gastando o mais batido dos clichês, estão na boca do povo, circulam em todos os cantos, para todo lado, indo a qualquer lugar. Difícil não ter lido/ ouvido/ escutado quaisquer das opções acima no último mês. Nessas horas, a arte torna-se definitivamente o único refúgio seguro do cidadão de bem, o caminho mais certeiro de se conseguir algum prazer em viver, alguma dignidade. Mas até nisso existe a mentira, a falsidade, a manipulação, o jogo. Quem olha o noticiário com atenção vai poder identificar vários exemplos dentro do cinema que se encaixam nas características daqueles que estão sob os holofotes. É a vida imitando a arte. Ou o contrário.

Senão, vejamos. A mentira já foi protagonista de diversos grandes filmes na história. Personagens mentirosos nunca faltaram na tela, fossem contumazes, tentando prejudicar o próximo, ou, como diz Veríssimo, apenas falavam uma mentirinha para tudo terminar bem. Vamos evitar comentar Pinóquio, o maior de todos os mentirosos já abordados na tela, porque aí é dizer o óbvio. Fiquemos com criações mais fascinantes, menos explícitas, mais complexas. Toda vez que penso em mentira no cinema, penso em Verbal Kint. Penso em Os Suspeitos. Filme americano pequeno, lançado em 1995, de míseros US$ 6 mil de orçamento, dirigido por um ainda desconhecido Bryan Singer (se não ligou o nome ao produto, ele ficaria mundialmente famoso depois de comandar os dois X-Men. Atualmente, cuida da nova versão de Superman).

Onde está a mentira em Os Suspeitos? Está em Verbal Kint, personagem interpretado por Kevin Spacey, outro pouco badalado na época. Ele é o único lúcido de dois sobreviventes de uma emboscada que matou grande número de criminosos num cais. Aleijado (tem um dos pés virado para dentro), frágil, com cara de sofrido, é levado à delegacia para prestar depoimento. Começa a destrinchar a complexa e surpreendente trama na qual esteve envolvido e que culminaria no tal massacre. Só que Verbal mente. Mente muito bem. Toda a narrativa do filme é apoiada em sua fala, cada cena apresentada em flashback surge de acordo com as palavras dele. A certa altura, tudo soa tão crível e natural que nos esquecemos de estar ouvindo um lado "culpado" na história - Akira Kurosawa, em Rashomon (1950), lidou com linguagem semelhante, influenciando tudo o que veio depois, e Os Suspeitos talvez seja seu herdeiro mais brilhante.

Quando o filme acaba, nos é jogado na cara o nível de mentira que Verbal destilou. Interessante é que, no fundo, o delegado parece jamais ter acreditado nele. Só que essa descrença se origina exatamente do discurso falso de Verbal. Ora, o que se vê, hoje, no circo montado em Brasília (com picadeiros chegando até Belo Horizonte), é algo assustadoramente parecido: um homem (Jefferson) é envolvido num esquema ousado de corrupção. Afugentado, "denuncia" algo que ele diz não ser segredo para ninguém (mas até então era para o resto do país). Revela o que lhe convém, esconde o que lhe convém ainda mais e vai assistindo, de camarote e posando de herói, a derrocada de cada um dos seus algozes, até sobrar apenas ele de pé. É essa a trajetória de Verbal Kint em Os Suspeitos. Quando o filme acaba e temos a chocante revelação de sua verdadeira identidade, e ainda o assistimos indo embora tranqüilamente, só nos resta lamentar que o delegado (e nós mesmos) caiu em toda aquela patacoada. Vimos os responsáveis pela tramóia derrotados (ou não, se o espectador entender bem o desfecho), mas tivemos que engolir o grande peixão sair incólume.

Indo mais para trás e buscando no baú de clássicos, outra lembrança desse show de falatório com o intuito de todos se darem bem é A Malvada (1950). O título se refere a Eve Harrington (vivida por uma inspirada Anne Baxter), ardilosa aspirante a atriz de teatro disposta a todo tipo de artimanha para tomar o lugar de sua tutora, Margo Channing (a lendária Bette Davis). Tudo mesmo: mentiras, falsidades, conspirações, "rasteiras", chantagens. Importa, antes da ética, a vitória, o sucesso, a glória. Algo lembra o Brasil de hoje (ou de sempre). Curioso notar que, assim como em Os Suspeitos, acompanhamos os fatos através de flashbacks dos personagens mais prejudicados pelas vilanias de Eve. Novamente vemos tudo pelo olhar de outros, o que pode gerar questionamentos sobre a própria versão apresentada.

A lista de filmes conhecidos que têm na mentira seu maior tema é extensa. Pensemos, por exemplo, em Testemunha de Acusação, considerada a melhor adaptação de um livro de Agatha Christie (deixe qualquer preconceito de lado, o filme é obra-prima). Dirigido por Billy Wilder em 1957, tem no elenco principal a alemã Marlene Dietrich, num papel que a marcou nos EUA, como a vingativa e manipulativa esposa que depõe em tribunal não para defender o marido, mas para reforçar a acusação de assassinato à qual ele responde. São tantas reviravoltas e surpresas que, vendo o filme hoje, a lembrança de uma sessão de CPI no Congresso é inevitável - vale registrar que o Congresso não possui a exuberância e charme de uma Marlene Dietrich (mas possui a verborragia de uma Heloísa Helena. Ahn... passemos ao próximo parágrafo).

Ainda podemos relembrar Nixon, cinebiografia do presidente americano mais mentiroso de todos os tempos (ao menos até onde sabemos). Ou mesmo O Mundo de Andy, comédia dramática sobre o humorista Andy Kaufman, famoso pelas brincadeiras de mau gosto e pelas enganações públicas sobre sua personalidade, pensamentos, intenções e, alguns dizem, sobre sua morte. Até Curtindo a Vida Adoidado aparece na cabeça num momento desses, se considerarmos o quanto de molecagem e infantilidade em nome do próprio bem estar existe na conjuntura atual.

Agora, se for para representar a eterna guerra de egos dos políticos, na tentativa de se chegar ao "ouro" atropelando qualquer coisa ou gente que esteja pelo caminho, nem que para isso seja necessário partir ao combate corpo-a-corpo (ou à disputa oral, o equivalente), fico com Três Homens em Conflito, de 1966. Faroeste-spaghetti dos mais geniais, dirigido por Sergio Leone, resume muito do que parece ser o pensamento dos poderosos de nossos dias. A diferença é que, no Velho Oeste, bastava pegar sua bolsinha de ouro e desaparecer no deserto. No Brasil, essa bolsinha pertence a cada um de nós.

2.
Guerras são sempre difíceis de abordar sem a "escolha" de um lado. O moçambicano Mia Couto deu uma de Garcia Márquez e definiu um terceiro lado: o mágico, o fantástico. Em O Último Vôo do Flamingo (Cia. das Letras, 220 páginas), o escritor parte do fim de um conflito em seu país de origem para abordar crenças e mitos da terra-natal. O próprio enredo é peculiar: soldados da Força de Paz da ONU estão explodindo. Do nada. De repente. O livro começa quando os habitantes de Tizangara encontram o pênis perdido de um soldado. Um italiano é chamado para investigar os misteriosos acontecimentos e se depara com um mundo assombrosamente estranho, desconhecido e, até certo ponto, fascinante.

O estilo de Mia Couto mistura sonho, alucinação, passado e presente, realidade e fantasia, imaginado e palpável. Começa como uma história de humor, segue por caminhos sobre memória e redenção, chega a um pequeno estudo sobre a fragilidade de um universo africano meio largado por Deus, mas jamais fora do caminhar da Terra. Importa pouco o que realmente acontece naquele vilarejo, mas sim quais as conseqüências disso, em que as tais explosões (e a investigação originada delas) afeta os cidadãos de dentro e de fora.

Mia Couto exagera um pouco nos aforismos na primeira metade do livro. Apesar de usar narrador em primeira pessoa, não se justificam frases como "se a agulha cai no poço muitos espreitam, mas poucos descem a buscá-la" (exemplificando o momento em que a população encontra o tal pênis), ou "quanto mais um lugar é pequeno, maior é a obediência". Bom que, a partir do desenvolvimento da trama, isso desapareça do texto. O que sobra é um romance extremamente curioso, até esquisito, em que o mínimo movimento parece dizer alguma coisa. Sente-se, ao fim, a paixão e respeito que Mia tem pelo lugar onde nasceu e pela pobre gente que vive lá. Sempre bom recebermos a visão particular de alguém natural daquele mundo, que demonstra saber do que fala. A poesia do título soa perfeita para terminar o assunto: diz a crença que o flamingo voa para empurrar o sol aos outros lugares do planeta. Para Mia Couto, o flamingo ainda precisa fazer muito e muitos vôos.

Para ir além






Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 18/7/2005

Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/7/2005
18h54min
A arte do cinema imita o caos mas nunca imita a vida. Diante de todas essas tragédias cotidianas, o filme fica parecendo Alice no País das Maravilhas. É tanta roubalheira que o cinema nunca imaginou. Nem o todo Poderoso Chefão pode imaginar tamanha sacanagem. E tudo com o dinheiro público.É uma vergonha! Mas no cinema, depois de assistir as desgraças nós saimos com a alma lavada e tranquilos pois não era nada com a gente. Os tiros. O sangue. As barbaridades ficaram congeladas na tela do cinema. Mas a vida continua a rodar...
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Pequena Porta-estandarte
Daniel Renard
Seed
(1996)



Dietoterapia na Prática Médica
Nilton M. Braga de Oliveira
Cultura Médica
(1975)



Life Beginner A1 Workbook com CD
Helen Stephenson
Cengage Learning



Livro - O Luxo Eterno; da Idade do Sagrado ao Tempo das Marcas
Gilles Lipovetsky
Companhia das Letras
(2005)



Gordelícias
Simone Gutierrez - Cacau Protásio - Mariana Xavier - Fabiana Carla
Academia
(2017)



Becky Bloom - delírios de consumo na 5ª avenida
Sophie Kinsella
Record
(2004)



Grandes Monumentos da Humanidade 8
Vários Autores
Delta
(1982)



Maintenance Practices in Today's Paper Industry
Ken L. Patrick
A Pulp Paper



Administração da Produção
Joseph G. Monks
Mc Graw Hill
(1987)



A Preface to Milton
Lois Potter
Longman
(1971)





busca | avançada
58271 visitas/dia
1,3 milhão/mês